As coisas do dia a dia estão sempre mudando, as vezes mudam gradualmente e mal percebemos, mas as vezes mudam de repente.

Nos dias de hoje, eu trabalho home office quase que totalmente, as exceções são quando participo de produções de filmes ou fotos, até as reuniões viraram virtuais.

Há quase um ano e meio assim, percebo que trabalho mais do que antes e que faço um esforço danado para não perder o foco do que estou fazendo, porque faço muitas funções ao mesmo tempo. Sempre fiz, mas agora além das do trabalho, faço funções da casa juntamente. Entre um texto, uma aprovação, a roupa para a máquina, o cachorro para passear, a arte para aprovar, o briefing para levantar, o vídeo para postar, o feijão para cozinhar…

E é justamente o feijão que hoje me deu um presta atenção. Quase coloquei fogo no meu apartamento. Deixei três panelas cozinhando, uma delas, a panela de pressão com o feijão. Eu trabalho na sala de jantar e comecei a sentir um cheiro de queimado, na hora senti o cheiro e fiquei com raiva de mim que foquei nos afazeres do trabalho. Pensei que deixei o feijão queimar, mas quando chego na cozinha é um pano de prato que está em chamas. Joguei água correndo apaguei o fogo, mas o pano se foi por inteiro, mais um pouco e começaria um incêndio, até um pedaço do fogão pegou fogo.

Essa mania que nós mulheres temos de fazer várias coisas ao mesmo tempo… primeiramente eu sentia orgulho, é uma boa capacidade, mas será que é mesmo? Hoje muitas vezes me pego assistindo séries e fazendo coisas mais burocráticas de trabalho ao mesmo tempo. Hoje mesmo fiz isso vendo um documentário que um amigo me indicou ontem e me disse que eu choraria muito no final. Não chorei, mas acho que não chorei (sou emotiva vendo filmes, séries e documentários), mas acho que não chorei porque não estava ali por inteiro, vou até assistir de novo, só olhando para a tela e nada mais.

Semana passada viajei, quatro deliciosos dias em Minas, em Gonçalves com a família, sem muita conexão com a internet, mas conectada com a natureza, com novos lugares, com o campo. Viajar é preciso, desacelerar pode ser o recurso que precisamos para focar de fato e ser mais produtiva e assertiva. Fazer tudo ao mesmo tempo sem perceber gera uma ansiedade enorme. Tenho conversado com muitos amigos nessa mesma condição de ansiedade, mas não conseguia ter clareza de onde estava vindo isso, mas hoje, o feijão me deu a lição.

Por sinal ele ficou saboroso e delicioso e graças a Deus e ao meu anjo da guarda, foi só o pano de prato que virou cinzas. O que tenho que aprender com tudo isso? Que posso ser mais cuidadosa comigo mesmo fazendo uma coisa por vez e que não sou nenhuma mulher maravilha e nem a Oma (entendedores entenderão).

Adriana Chebabi  – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde faz curadoria dos textos e também escreve. Publicitária. Curiosa por natureza.  Divide seu tempo entre seu trabalho de comunicação e mkt e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. É do signo de Leão, ascendente em Virgem e no horóscopo chinês Macaco. Isso explica muita coisa. 

Comentários

comments