Ainda leremos em livros o que ouso chamar de Brasi-fascismo. Um fascismo a brasileira, sem uma ideologia definida, fascismo de covardes do cotidiano que negam que são fascistas, só porque o fascismo “é coisa de italiano, de alemão, tá certo?”.

Primeiro vamos entender o fascismo em uma explicação pretensiosamente simples. Fascismo é uma forma de agir que, com base em uma ideologia fixa de estado forte e autoritário, calçado em uma propaganda incessante, se apoia no medo construído por discurso e em um personagem feito como “inimigo”, justifica ideias e atos inconcebíveis em um estado de coisas comum como o preconceito, o ódio, a violência e até a morte. Imagine a Alemanha de Hitler, temos medo da miséria que vivemos, colocamos a culpa nos comunistas e judeus e matamos 6 milhões de pessoas, sendo judeus, comunistas ou não. Lhe parece absurdo, não é?

Aqui no país, com medo das misérias que vivemos no passado, colocamos a culpa nos comunistas – ou petistas, negros, homossexuais etc. – estamos vendo pessoas sendo mortas, violentadas, ofendidas, excluídas ao mesmo tempo que um líder simbólico candidato ao cargo mor insinua que o problema não é dele e que são atos isolados. Tudo patrocinado por uma propaganda oculta em mensagens anônimas que nos chegam digitalmente, mas fortalece um lado na disputa eleitoral. Numa situação de normalidade, tais atos seriam crimes, e um líder de fato condenaria e pediria punição exemplar. Sei que alguns de vocês discordam de mim agora, me chamando de petista e negando ser fascista. Pois bem. É agora inicia minha explicação.

Esse Brasi-fascismo, é um tipo de fascismo praticado com base na autoverdade individual, explico: quem o pratica, o faz convencido de que é o melhor caminho agir e justifica negando que tenha sido influenciado por ideias que lhe chegam a partir de grupos sociais do qual faz parte: um grupo de WhatsApp, de Facebook, Instagram e outros. Esses grupos, que muitas vezes são habitados por familiares e não por partidários do neofascismo se retroalimentando em ódios e oposições a inimigos que não conhecem, baseados em um medo que, de fato é superestimado, mas paralisa. Nesse caso, agir de forma odiosa, compartilhar comportamento e conteúdo odioso lhe parece uma forma de se defender desse mal, o que legítima suas posições e escolhas.

Escolhas e posições legitimadas ela colabora com a violência, mas quando confrontada com os absurdos que defende, nega e cria um caminhão de argumentos particulares para não admitir que é de fato um fascista, afinal, não faz parte de um grupo formal que defende o fascismo, com uma ideologia definida e defendida, mas de um grupo de WhatsApp da família que compartilha o mesmo medo, o mesmo ódio e o mesmo comportamento absurdo de odiar quem nem se conhece. Simplesmente porque se auto-afirmam entre si sem fazer uma análise de tal ato. Justificam mais absurdamente do que agem, para evitar a vergonha inevitável de suas ações diante de uma ameaça inexistente, afinal “fascismo é coisa de italiano, tá ok?”.

E se pensa que entre a esquerda não há também esse tipo de comportamento, se engana. O mais triste é ver pessoas que defendem os direitos humanos dizendo que tem que encher de porrada esses fascistas aí. Oi?

Pense nisso, afinal, já os gregos ensinavam que pensar é a base de toda solução para impasses.

Crido Santos – Belo urbano, designer e professor. Acredita que o saber e o sorriso são como um mel mágico que se multiplica ao se dividir, que adoça os sentidos e a vida. Adora a liberdade, a amizade, a gentileza, as viagens, os sabores, a música e o novo. Autor do blog Os Piores Poemas do Mundo e co-autor do livro O Corrosivo Coletivo.

Foto Crido: Gilguzzo/Ofotografico

Foto de Cristian Newman 

Related posts:

Comentários

comments