Trilhas para aprendizagem são apresentadas de muitas formas e, isto causa grandes mudanças durante a caminhada, entre as causas pessoais e sociais tanto do educando quanto do educador.

 O espaço em que trabalhamos com educação deve ser considerado um templo de oração, e não um campo de concentração como temos visto já há algum tempo, nos transformando em agitadores de causas próprias e não comunicadores envolvidos com o outro que é o educando em questão.

Para o contato social dentro de um encontro aluno e professor, o valor da vivência prática e diária intenciona e proporciona trilhas variadas e isto só depende da cond (i) (u) ção em que percorremos a trilha. Por isso, todo o processo de uma Educação onde os interessados Educadores conhecem pensamentos Holísticos e, se estende aos confins configurados gerados pelo hábil Pensamento Antroposófico faz-se questionar, o quanto si mesmo se dá em interesse pelas suas vivências diante de si e do outro.

Toda dificuldade encontrada durante o processo de conhecimento do ser humano sabemos ser um quebra cabeça, que pode trilhar por variadas vertentes de acesso ao seu “EU” diante do outro que se espelha e, que nem se percebe espelhado.

O inimigo dentro do convívio educador e o educando pode estar em qualquer estação trilhada, e podemos chamá-lo narcisicamente de “Eg’ódio” um vírus que destrói os trilhos e corrói as plantas de nossos pés, num impedimento viral sem toques de afeto, sem harmonia, sem interesse, sem cuidados, mas, com tamanha obesidade virtual onde a Gula faz neste século XXI a maior das profecias:

“O TER VAI ETERNIZAR O SILÊNCIO DA ESSÊNCIA DE NOSSO SER”.

Joana D’arc de Paula – Bela Urbana, educadora infantil aposentada depois de 42 anos seguidos em uma mesma escola, não consegue aposenta-se da do calor e a da textura do observar a natureza arredor. Neste vai e vem de melodias entre pautas e simetrias, seu único interesse é tocar com seus toques grafitados pela emoção.

Comentários

comments