** Por favor, não leia isto se for sensível a tópicos fortes!**

Setembro é o mês de prevenção ao suicídio.

Isto é difícil de partilhar mas pensei nisso durante muito tempo e acredito que partilhar pode ajudar alguém na mesma situação que já estive.

Minha mãe sofria de depressão crônica por anos. Houve álcool e abuso de drogas, mas eles não foram o principal problema. Esta era uma forma de ela se automedicar para lidar com problemas muito mais profundos.

Isto foi difícil, muito difícil, quando adolescente não tinha como lidar com questões tão complexas. Meu conhecimento foi limitado e todas as minhas tentativas de ajudar falharam. É muito comum que pessoas que sofrem de depressão afastem a ajuda. O abuso de substâncias que às vezes vem com ela, torna-a ainda mais difícil à medida que o comportamento deles se torna mais bizarro à medida que a doença progride.

Depois de várias tentativas minha mãe tirou a própria vida com sucesso em 2012.

Só posso falar através da minha experiência… esta é a parte que não vejo muitas pessoas a falar…

Não sei como é estar cronicamente deprimido, mas sei como é estar próximo de alguém severamente deprimido e/ou que se suicidou.

Houve uma pressão enorme de todos para sermos responsáveis pela vida da minha mãe. Ouvi tantas vezes ′′ela é tua mãe e tu precisas de cuidar dela “. Pouco eles sabiam o fardo que era carregar tamanha responsabilidade quando eu mesma estava a tornar-me adulta.

Isso afeta-te massivamente, faz-te sentir sem esperança. Você está em constante estado de ansiedade e se preocupa com ′′quando eles vão tentar suicídio novamente “. Isso faz você se sentir muito culpado. Culpado por não poder ajudar, culpado porque quer ser feliz e viver a sua vida.

Não sei quem precisa ouvir isto, mas se vives numa situação parecida, a culpa não é tua! A depressão é uma doença muito complexa e grave, e requer profissionais altamente qualificados para ajudar.

Amo minha mãe e tudo que eu queria é que ela fosse feliz e saudável. Infelizmente não há nada que eu pudesse ter feito diferente para mudar o curso da vida da minha mãe. Demorei anos de terapia para perceber isto.

Então, isto é para qualquer pessoa numa situação semelhante há que eu já estive… a culpa não é tua, não podes curá-los e está tudo bem que sejas feliz! Você não precisa sacrificar sua felicidade, ela não mudará nada.

Conselho deste velho macaco…

′′Aceite o que é e deixe questões complexas aos especialistas e tente não julgar (se há uma coisa que eu teria feito de forma diferente seria esta).

Ps: Não há problema em se afastar quando a sua própria saúde mental está em risco.

Letícia Chebabi – Bela Urbana. Mora na Austrália – Gold Coast por 13 anos aonde se tornou cidadã. Junto com seu marido tem uma clínica de fisioterapia e trabalham juntos, ele como físio e ela na área da administração. Ama o que faz, principalmente a área de educação física e acredita que exercícios de força são essenciais para uma vida saudável. O primeiro filho Ethan está com 6 meses e traz infinita alegria.

Comentários

comments