Daí você ouve: não quero me envolver!

Oi? Estou louca? Foi isso mesmo que ouvi, meu caro?

Não quer se envolver? Pensasse nisso quando se virou num roupante e me beijou há tempos.

Não quer se envolver? Pensasse nisso quando nossos encontros viraram casuais e depois rotineiros nem que fosse para um café. 

Não quer se envolver? Pensasse nisso  a cada momento do dia que me mandava mensagens para dizer oi, contar da vida, jogar conversa fora.

Não quer se envolver?  Pensasse nisso quando me olhou nos olhos e disse que estava apaixonado e depois, repetidas vezes, que me amava.

Não quer se envolver? Pensasse nisso quando insistia em dizer que eu era real, a mulher da sua vida e que eu não acreditava em você e que isso te machucava.

Não quer se envolver? Pensasse nisso quando ME envolveu e me fez acreditar nesse sentimento.

Não quer me envolver?  Pensasse nisso antes de chorar porque sabia que iria me perder.

Não quer se envolver? Pensasse nisso quando disse que não tinha direito de me pedir para te esperar voltar, mesmo sabendo que eu esperaria por esse amor.

Não quer se envolver?  Pensasse antes de me fazer acreditar que tudo ia dar certo quando você resolvesse suas confusões mentais. 

Não quer se envolver?  Então não envolva nunca mais alguém na sua bagunça e a convença que você quer se envolver.

Não quer se envolver?  Então simplesmente  não se envolva. Mas faça isso antes de brincar com os sentimentos de uma pessoa boa, que se entrega.

Não quer se envolver? Então não fale eu te amo de maneira tão irresponsável,  porque alguém  realmente pode acreditar e se importar…

Marina Prado – Bela Urbana, jornalista por formação, inquieta por natureza. 30 e poucos anos de risada e drama, como boa geminiana. Sobre ela só uma certeza: ou frio ou quente. Nunca morno!

  

Comentários

comments