Ainda sobre espaços não ocupados ou gotas

que nem foram diluídas.

Sobre perder quase 18 quilos, vomitar as palavras ou

tampar os espelhos.

Sobre se recompor ou não…sobrepor um vestido neutro,

alisar os cabelos com os dedos, decantar a saúde aos

gestos.

Nenhuma bebida quente. Sim! Ela não bebia e ela não

bebe. Ela come as sobras e os restinhos. Quem se

importa?

A sociedade é como um gatilho, atira pra todos os lados, e

ela corre, engorda o que perdeu, perde o que nunca teve,

solicita nada. Ela nunca pede!

Recria os espaços, acolhe sua cria com a amplitude do

amor supremo e protege.

Solta os dedos, ajeita a louça, tempera os dias. Ela pagou

todas as contas, até aquelas que não eram suas.

Deita no silêncio, na incerteza e na faxina.

Não! Ela não é louca!

Ela é um vulcão, uma calmaria, um reflexo de quem

abusou…e ela tem horas que queria:

“Para de me maltratar, por favor, para!”.

Gritaria se fosse ouvida.

Mas,₢ um pouquinho.

A sorte é que seu dorso é um pedaço de ombro forte e ela

ama, ama a poesia.

Siomara Carlson – Bela urbana. Arte Educadora e Assistente Social. Pós-graduada em Arteterapia e Políticas Públicas. Ama cachorros, poesia e chocolate. @poesia.de.si

Comentários

comments