Estou diferente, me sinto mudada
Não sou a mesma de ontem
Muito menos a da semana passada

Na verdade, não mudo, muto
Minhas células estão transformadas
Vivo já num outro mundo

Mas dizem que sou coisa rara
Bicho esquisito do mato
É que no bosque me sinto em casa!

Cama feita de folhas
De musgos a almofada
Lavo a roupa na ribeira
Tomo banho na cascata

Como frutas silvestres
Vejo a fauna divertida
Tomo sorvete de neve
Espelho d’água refletida

Com os dedos me penteio
Faço uma trança de flores
Quando sinto chegar a tristeza
Lembro do Gil: “Menina não chores”

Gisela Chebabi Abramides – Bela Urbana. Vive no bairro de ”La Floresta” (Barcelona) – Catalunha – Espanha. De todas as artes amante. Das ciências experimentais docente. Do Brasil, saudade permanente.

Comentários

comments