Foto 3 Bonito

Ainda que soe ufanista o título dado a este texto, não me envergonho de usa-lo. Nas minhas andanças em busca de êxtase e relaxamento conheci lugares fantásticos e todos, quando neles estou, parecem-me o mais bonito de todos. Talvez porque a própria Terra, em sua exuberância e magnitude, seja o planeta dos planetas, não é? E qual seria o País mais bonito? Hoje penso que é o Brasil, só porque acabei de visitar a cidade de Bonito-MS e suas belezas naturais. Na verdade, ao retornar, a intitularia de Maravilhosa. Porém, como todos sabemos que a Cidade Maravilhosa é outra, que por certo em algum momento será lembrada neste blog por ser, mesmo, inesquecível, melhor é manter o nome tão sabiamente já atribuído à cidade.

BONITO fica há três horas e meia de Campo Grande e está localizada no sopé da Serra da Bodoquena, onde se localiza o Parque Nacional da Serra da Bodoquena, criado no ano 2000. A cidade é plana, limpa e lindinha, com ruas e calçadas amplas e com uma estrutura turística de causar inveja a várias regiões do país. Fui pra lá em lua de mel – sim, lua de mel, porque nunca é tarde pra recomeçar!!! -, para matar o desejo e curiosidade que me acompanhavam há anos. Não nos decepcionamos. Apesar do calor escaldante, as belezas naturais são incontáveis: as águas cristalinas dos rios e cachoeiras contrastam com a vegetação de semicerrado e com o céu límpido e isento de poluição. A relação homem-outros animais é de respeito e admiração e é fantástico ver tantas espécies cruzando pra lá e pra cá, em relativa harmonia. Araras azuis e vermelhas, periquitos, sabiás, tucanos, pica-paus, seriemas, antas, capivaras, macacos-prego, borboletas, tamanduás, jacarés, jibóias, sucuris, onças-pintadas, piraputangas, dourados, pintados, lambaris, foram algumas das espécies que cruzamos pelos lindos caminhos durante nossa estadia.

Foto 1 Bonito

O Passeio de bicicleta recuperou 100% nossos pulmões, numa overdose de ar puro; os banhos de cachoeiras descarregaram as tensões do dia a dia e purificaram nossa alma; o sol aqueceu e dourou nossa pele, além de recarregar nossas energias; o pé na terra morna, a flutuação nos rios cristalinos, a visualização dos peixes em sua rotina e o silêncio das grutas e lagos misteriosos nos fez relaxar e meditar.

Foto 2 Bonito

A soma de tudo que encontramos naquele paraíso ecológico permitiu que voltássemos ao nosso atribulado dia-a-dia com a certeza de que, de tempos em tempos, temos que nos entregar ao contato intenso com a mãe natureza, para lembrar quem somos, de onde viemos e para onde vamos.

MARIA CLAUDIONORA AMÂNCIO VIEIRA é formada em Direito pela Universidade Estadual Paulista – UNESP e é especialista em Direito do Trabalho e Processual do Trabalho pela Universidade de Franca. Amante incondicional da Natureza Selvagem, grande apreciadora dos prazeres da vida, leitora contumaz e cinéfila por excelência.

Related posts:

Comentários

comments