Em 2013, os protestos surgem contra os 0,20 centavos. Em 2014, contra os gastos com a copa. Em 2015, contra Dilma e sua fraude eleitoral, as pedaladas etc. 

Até então, os protestos, que eram saudados e elogiados, passam a ganhar críticos que viam no discurso vazio e genérico contra a “corrupção” uma falha. Quando perguntados sobre o que era a tal da “corrupção”, os que ferozmente protestavam respondiam taxando a corrupção de “isso tudo que está aí”. Pois veremos que, protestar contra “tudo isso aí” envolve condenar também o bom senso.

(Naturalmente, os críticos foram automaticamente taxados de petistas…).
Em 2016 os protestos foram contra a corrupção nas olimpíadas, 2017 contra Temer e o acordão “com supremo e com tudo” e 2018 contra PT X Fascistas, diante das eleições. O discurso era o mesmo: “contra corrupção”. Agora, quando questionados, os manifestantes respondiam “conta tudo isso aí”, “para salvar o Brasil..”, “por Deus e pela pátria”…

2019 os protestos eram a FAVOR da precarização do trabalho, da previdência, da saúde e educação pública, a título de “salvar a economia e o Brasil”. Em 2020, os protestos são contra as instituições democráticas, sociais e de sanidade pública que “são corruptas e detonam a economia, os mercados…”.

Em pandemias como a que vivemos, os mercado certamente não morrerão. Quem morre são as pessoas e, até onde saiba, eu e você somos pessoas, certo? Penso que seja mais inteligente defender pessoas. 

Atualmente, muitos protestam para defender “O salvador do Brasil”, “defender Deus e a pátria”, “contra a quarentena que é culpa da china”… Portando armas, os 300 estão em Brasília, orando ao “Deus dos Cristão” para encontrar um petista disposto a tomar bala na cara. É sério isso? Sim, pior que é. E alguns dessa lista de amigos publicam em suas redes, em apoio a essas práticas, fazendo coro a essa insanidade.

Fica a dúvida: Será que estamos protestando direito? Será que estamos de fato salvando a nós mesmos ou a um abstrato discurso? Será que não queremos fazer parte de uma novela de quinta categoria que nos faz tornarmos vilões e vítimas de um enredo que não escrevemos? 

E quem será que ganha “com tudo isso aí” que você posta? Você sabe? Pense nisso.

Crido Santos – Belo urbano, designer e professor. Acredita que o saber e o sorriso são como um mel mágico que se multiplica ao se dividir, que adoça os sentidos e a vida. Adora a liberdade, a amizade, a gentileza, as viagens, os sabores, a música e o novo. Autor do blog Os Piores Poemas do Mundo e co-autor do livro O Corrosivo Coletivo.


Comentários

comments