O mais difícil dos perdões é aquele que temos que dar a nós mesmos.

Temos a inglória capacidade de saber a profundidade da maior parte dos nossos erros. São imperdoáveis os muros que erguemos quando tudo devia ser liberdade, igualmente imperdoáveis são os silêncios que calam as nossas verdades, nossos sonhos jogados ao chão.

É imperdoável não querer ser feliz.

E é terrivelmente imperdoável deixar que nossos medos nos tranquem o coração. Ainda assim, mesmo julgando-nos imperdoáveis, nós merecemos nosso próprio perdão.

Perdoar, recomeçar, deixar a vida e o amor se darem as mãos. Perdoando-nos, nos damos uma nova chance e reabraçamos nossa imensidão.

Alda Nilma de Miranda – Bela Urbana, publicitária, autora da coleção infantil “Tem planta que virou bicho!” e mais 03 livros saindo do forno. Gosta de tudo que envolve tinta e papel: ler, desenhar e escrever, mas o que gosta mesmo é de inventar motivos para reunir gente querida. Afinal, tem coisa melhor que usar o tempo para estar com os amigos?

 

Related posts:

Comentários

comments