Neste texto, gostaria de levar você para uma análise das relações amorosas positivas, prazerosas e reais.

Será que isso é possível?

Vamos refletir: duas pessoas, com histórias de vidas diferentes, com valores próximos e nem sempre tão parecidos, que se encontram e precisam se dar bem, se respeitar e manter aquecidos os sentimentos.

Será que isso ainda é possível?

O desafio foi lançado e os casamentos continuam em alta.

Qual o sentido disso?

Enfim, nós, seres humanos, somos ensinados e incentivados à convivência social, desenvolvendo habilidades e nos mantendo em contato com as pessoas e, consequentemente, isso reflete no quanto ficamos realizados, quando temos alguém para dividir as histórias.

Não defendo que a felicidade está nas relações amorosas, entendo que cada um tem as suas decisões. Se quiser ficar só e essa for uma escolha, não uma condição ou uma falta de opção, está tudo bem. A autossuficiência e o favoritismo também é algo para se pensar e respeitar.

Nos países orientais, essa situação tem se tornado cada vez mais comum e usual. O importante é estar bem consigo mesmo e estar leve com as decisões/escolhas.

Aqui, conversaremos sobre as relações e como nos mantermos saudáveis.

Itens primordiais em uma relação saudável:

  1. Diálogo;
  2. Entender que o casal tem o mesmo objetivo;
  3. Entender como cada um responde (se comporta) para a vida;
  4. Entender como cada um lida com os sentimentos;
  5. Exercer a empatia; e,
  6. Exercer a paciência.

Relacionar-se é um autoconhecimento mútuo, é estar disponível para a construção; o que é bom para mim, não necessariamente é importante para o outro, sendo que isso não quer dizer que há mais ou menos amor envolvido na relação.

O amor está nos pequenos detalhes, nas pequenas atenções, no carinho, na companhia, na amizade, na convivência não competitiva, sendo que a união de referidos detalhes, dentre outros, torna o amor grandioso.

            Mas, o que seria essa convivência não competitiva?

            Em um texto, de autoria do Rubens Alves, chamado “Tênis x Frescobol”, fica claro o sentido de convivência não competitiva, sendo que é utilizada a metáfora a respeito do sentido desses dois esportes.

Existem casais que são como o jogo de tênis, competitivos, que precisam destruir e ou diminuir o outro para se sentir importantes; são relacionamentos que competem por questões financeiras, trabalhos mais imprescindíveis, que disputam por atenção exclusiva dos filhos, amigos, familiares, enfim, relacionamento altamente destrutivo.

Por sua vez, existem casais, que são como o frescobol, um jogo totalmente cooperativo, em que o parceiro se atenta e joga a melhor bola para o outro, para que esse jogo continue gostoso para ambos; esse tipo de relacionamento agrega valor, se completando com coerência e crescimento junto!

Além disso, outra demanda importante para se manter saudável: entender qual é o tempo de elaboração do sentimento alheio, porque o certo para mim não é necessariamente correto para o outro.

            Ainda, “combinados” são regras importantíssimas para a convivência saudável, sendo importante para que o casal possa cumprir suas tarefas sem grandes sacrifícios.

Por exemplo, se um acha importante resolver uma situação problema naquele exato momento e o outro ainda não elaborou, porque seu sentimento ainda “grita” pelo ocorrido, não é hora de se sentar e conversar.

            Os ânimos precisam estar controlados para que o diálogo flua e a conversa ocorra de maneira amena.

            Diante da situação aversiva, se você contar até 10, tomar uma água, um banho quente, provavelmente a sua resposta não será a mesma. A resposta imediata, geralmente, tende a ser agressiva/reativa e você terá muito mais trabalho para consertar isso depois.

Diante das discussões, foque nos argumentos e na razão pela qual teve início o desentendimento; se você tiver um descontrole diante da situação, o (a) seu (sua) parceiro (a) focará no comportamento exacerbado e o conteúdo, que muitas vezes era coerente, se perde diante do exagero do seu comportamento.

            Autocontrole, paciência e empatia são qualidades essenciais para o casal se acertarem diante das diferenças sendo que está tudo bem ter diferenças, já que tudo isso faz parte das relações, sendo que lidar com isso significa agregar valores valiosos para a convivência.

            Quando identificamos os defeitos, a paixão está cada vez mais distante e isso significa que estamos saindo do novo, do frio na barriga, da insegurança, o que mostra que estamos caminhando para a estabilidade, a segurança e a confiança, que é justamente o amor.

            Importante destacar que uma relação de paz não significa uma relação morna, sem amor. Ao contrário, esse sentimento seguro e retilíneo é a melhor sensação que podemos atingir em uma relação.

            Quem quer viver com adrenalina, com emoções muito afloradas, não está pronto para vivenciar o amor e está tudo bem. Como defendo sempre, que o certo para um, não é a razão para o outro. Tem pessoas que gostam da montanha russa e tem pessoas que gostam do Desfile com os personagens “Pixar”.  E esse o é encanto das convivências.

            E mais um ponto para reflexão, pensando sobre as diferenças: os opostos se atraem?

            Penso que na Lei da Física, isso é algo fidedigno, contudo, nas relações amorosas, essa frase não é tão verdadeira assim.

Em uma consulta clínica recebi esse questionamento de uma cliente de 42 anos, casada há 10 anos “…. até então pensava que as nossas diferenças, me encantava, porém, cada vez mais me sinto irritada com o comportamento do meu marido, por que isso ocorre?”

            Quanto mais parecido for com o (a) parceiro(a), menos diferenças enfrentará, desde que os objetivos no relacionamento caminhem juntos.

Imagina você, caseira, com trabalho estável, que no máximo gosta de caminhar na Lagoa do Taquaral (Campinas-SP), conhece uma pessoa que é do rafting, que ama esportes radicais, adrenalina e moto esportiva.

Você consegue imaginar dando certo esse relacionamento?

            Não podemos ser generalistas, entendo que pode dar certo e muito certo; todavia, será necessário um exercício constante de cedências, compreensão e paciência.

            Quando há um casal que gosta das mesmas coisas, a situação está um pouco mais “pronta”, mas, mesmo assim, o primordial para que essa convivência não se acabe são os dois continuarem sendo reforçadores para ambos.

            Um grande erro nas relações é pensar que o outro o completa, que isso é uma tarefa essencial do casamento, esse pensamento é distorcido. Alguns termos, como: “achei a tampa da minha panela”, “encontrei a minha alma gêmea”, “é a manteiga do meu pão”, “é a cama e o colchão”, “você é a metade do meu coração”; são frases fadadas ao grande fracasso do casamento. Ora, se não somos inteiros, ou seja, metade, é fato que não teremos função alguma em nossas vidas.

            Além disso, responsabilizar o outro pela sua felicidade também é algo a se repensar com urgência, pois, primeiramente, temos que buscar o nosso autoconhecimento para entendermos o que nos deixa feliz e infeliz, ficando claro que essa missão é de cada um. Se estou feliz, exalo isso. Se estou contente, automaticamente serei agradável e leve para o outro.

            É nossa tarefa tirar a responsabilidade do outro de me fazer feliz, eu posso escolher ser feliz independentemente do que o outro faz; quando chegamos nessa conclusão, é libertador!

            Importante termos em mente que devemos caminhar juntos e paralelo a(o) parceiro(a), sendo que ao atravessarmos o caminho do outro estamos interferindo em sua essência e invadindo a história do nosso (a) parceiro(a).

Uma “fórmula” fácil para ajudar a entender melhor tudo isso: pense sempre na soma 1 + 1 = 3, sendo que SUA História de vida + História de vida do(a) PARCEIRO(A) + a História de vida do CASAL = 3.

            Por exemplo, (i) os amigos: é importante que cada um mantenha as amizades consideradas “individuais” e as amizades que foram construídas diante do namoro/casamento; (ii) costumes das famílias: é importante o respeito mútuo de cada tradição familiar, porém com o casamento, os envolvidos precisam se voltar para o novo núcleo familiar, se dedicando e se somando diante dessa nova convivência.

Ainda, temos que aprender a respeitar o passado de cada um, pois se você ficar preso(a) a isso, se renderá a uma experiência que, se recorrente, se tornará depressiva. No mesmo sentido, se ficarmos aflitos com o futuro, antecipando as situações que não aconteceram, fantasiando catástrofes, com certeza estaremos expostos a uma crise ansiosa.

Importante também pontuar que tudo a que nos dedicamos, quer seja pouco ou muito, temos que repensar para entender e analisar o contexto que nos tem levado a isso. Por exemplo, uma pessoa que ama receber flores e que o(a) parceiro(a) discrimina esse valor, semana sim e a outra comprando flores para impressionar, com certeza, será chamado(a) a atenção pelo excesso do comportamento.

E o que nos dedicamos dentro do pouco, pode se tornar nada, sendo que essa extinção de dedicação poderá ser alvo do fim da relação.

De toda forma, importante que não nos sintamos fracassados(as); se você não tem conseguido se manter em uma relação saudável, você não é o único(a) responsável por isso. Para que uma relação aconteça, eu preciso do outro. Outro ponto a se ressaltar, se os objetivos do casal não forem mais o mesmo, o mais saudável é sair dessa relação.

Conforme evoluímos em nossas relações, nosso repertório comportamental vai selecionando estímulos dos ambientes aos quais nos relacionamos e para quais ficam-se sensíveis, sendo que relacionar-se é complexo e, por isso, precisamos nos autoconhecer.

E uma das maneiras para o autoconhecimento se dá pela terapia, a qual se mostra imprescindível para que esse processo de aprendizagem aconteça de maneira natural, processual, permanente e equilibrada.

Clarissa Saito Lopes – Bela Urbana. Psicóloga e Especialista Comportamental e Clínica há 18 anos. Casada há 14 anos, mãe do Heitor, 06 anos.
“Amo cuidar das pessoas, ter a convivência com os meus familiares, ter o privilégio de ser mãe e estar em um casamento em que ambos são reforçadores positivos e efetivos.”
Contatos: (19) 99112-0055 (WhatsApp), E-mail: clarissafyds@gmail.com

Comentários

comments