shutterstock_260224184 (1) mulher em pose de luta

Outro dia, numa conversa sobre feminismo, me disseram que se eu não julgo que sou inferiorizada por ser mulher é porque fui programada por uma sociedade machista e sou uma vítima de minha própria história.

Desculpa, mas tenho que discordar. Não vou dizer que somos tratadas como iguais em muitas circunstâncias, mas jamais vou me considerar ou agir como vítima. Já passei por algumas situações constrangedoras por ser mulher e talvez alguns desavisados me considerarem frágil e se atreverem a um avanço não solicitado, mas acho que o que nos faz mais vítima de uma situação é a forma como lidamos com ela.

Sou uma pessoa muito expansiva e carinhosa com àqueles que conheço e muitas vezes isso foi confundido. Muitas vezes tive que “desenhar” para amigos ou colegas o tipo de relação que tínhamos… desagradável, sim, mas sempre fui muito clara com as pessoas e isso sempre deu certo.

Há alguns anos passei por uma situação um pouco mais delicada. Eu trabalhava com uma amiga e tinha uma ótima relação com a família dela. O marido e o pai dela sempre me davam carona ou me levavam o que comer quando ficava presa no trabalho. Um dia, como estávamos com os horários muito apertados, ela pediu para o pai me levar em casa para ser mais rápido. Pois bem, no meio do caminho ele simplesmente enfiou a mão com toda força nas minhas pernas. Levei um susto enorme e na hora falei um monte para ele. Deixei bem claro que ele não tinha o direito de fazer aquilo e confesso que nunca mais troquei uma palavra com ele. Não contei para minha amiga. Não por vergonha, mas por saber que àquilo machucaria mais a ela do que a mim.

Fui vítima?! Talvez da ignorância e do machismo dele,um homem bronco que talvez achasse que podia tornar para si tudo que queria. Mas não me considero vítima no sentido estrito da palavra, pois reagi na hora e disse para ele tudo o que eu achei que ele precisava escutar.

Não temos os mesmos direitos ainda. Trabalhamos muito mais para provar que somos competentes, mas antes de sermos vítimas, somos guerreiras! Não preciso que ninguém me diga o que posso ser ou não, como devo ou não me sentir, sejam machistas ou feministas.

Tenho direito de não me sentir oprimida e de ser responsável por cada vitória minha! Rótulos não me servem!

Que me desculpem as feministas.

11153459_418305808342065_1335618606_o - foto Adriana Rebouças

Adriana Rebouças – Formada em Publicidade. Cursou gastronomia no IGA – São José dos Campos Publicitária de formação e Chef por paixão. Sócia do restaurante chama EnRaizAr e fica dentro de um espaço de yoga e terapias que se chama Manipura em São José do Campos – SP.

Comentários

comments