Este é o nosso primeiro papo e estou super feliz por estar aqui compartilhando com vocês um pouco da minha experiência, conhecimento e visão sobre o mundo, sobre os relacionamentos e sobre a sexualidade humana.

E se você está aqui, é porque também curte compartilhar e conhecer o que pensam a outras pessoas, não é mesmo?

Já parou pra pensar de onde será que vem a ideia de que a mulher é o sexo frágil?

Imagino que você deve estar pensando que esse assunto já está mais do que resolvido! Pois é… Sinto ter que dizer que para muita gente ainda não está, principalmente quando esse assunto está relacionado à sexualidade feminina.

Todos sabem da força da mulher na economia, nas empresas, nos coletivos femininos e sociais, enfim… Em todos os lugares! No entanto, ainda temos que desconstruir algumas crenças. Então, vamos lá!

Durante séculos e por conta da educação machista na qual crescemos, ouvimos o tempo todo algumas coisas do tipo:

“Menina tem que falar baixo; tem que saber sentar; não pode chutar bola; precisa aprender a costurar, bordar, cozinhar, cuidar da casa; não precisa estudar; nem votar ou dirigir e tem que obedecer ao marido!”

Todas essas imposições fizeram parte da construção do “papel” da mulher!

Se você tem menos de 40 anos, certamente já se livrou de muitas dessas barbaridades, mas não tenho dúvidas que a maioria já ouviu (ou ainda ouve) alguém dizer coisas assim:

“Menina, tira a mão da calcinha; fecha as pernas; cuidado, pode machucar a sua “florzinha”, ela é muito frágil; não fica esfregando porque vai doer; masturbação faz mal; guarde sua virgindade; sexo só por amor; não vai “dar” no primeiro encontro”; e por aí vai…

Nossa! Quanta preocupação com a nossa fragilidade heim!

Será que, realmente, essa preocupação era com a fragilidade da nossa vulva ou com o nosso desejo e nosso prazer? Certamente era com nosso desejo e estavam tentando nos controlar! Doce ilusão… Né? Por algum tempo até conseguiram, mas graças a Deus e às lutas pelos nossos direitos, as coisas estão mudando.

Eu só lamento que ainda hoje existam pessoas preocupadas com esse controle e o pior: não sabem o quanto a nossa vagina não tem nada de frágil… Mas isso vai ficar para o nosso próximo papo.

Um beijo.

Joana Moraes – Bela Urbana, Palestrante, Terapeuta Especialista em Sexualidade, Coach de Relacionamento Consultora de Educação Sexual e Familiar. Apaixonada pelo pôr do sol, pela lua cheia e pela vida. Mãe, amiga e mulher.

www.instagram.com/joana_canalpapoemcasa/
www.papoemcasa.com.br

Comentários

comments