Essa bagunça me consome

Ver os sapatos espalhados

Os papeis acumulando no meio da agenda

As contas que chegam e ficam jogadas

As coisas velhas que ficam entulhando o caminho

Precisam ser dadas, doadas

Mas como isso é demorado…

Essa bagunça das fotos

Essas milhares de fotos digitais

Esses milhares de selfies

Onde guardar tudo isso?

Sem ordem

É tudo uma bagunça

E as fotos antigas então

Algumas em papeis,

Algumas nos álbuns

Algumas soltas e já digitalizadas

E depois onde guardar tudo isso no mundo digital?

Organizar, datar, guardar, compartilhar

E os e-mails?

Disseram que iriam acabar,

mas não paro de recebê-los

As cartas físicas, sim, essas eu parei de receber

No físico só recebo as contas para pagar

No digital o que  mais recebo são os spans

De golpes que querem ser dados

De golpes em formas de prêmios

De golpes em forma de curiosidade

De golpes em forma de amor.

O que mais recebo são esses spans

Que me fazem perder minutos, vários deles

durante todo meu dia

E muitas cópias de e-mails que fico sendo copiada

Sei lá pra que

E os antigos que ficam arquivados

E os antigos de outros que também tenho que guardar

Me consome, esse tanto de inutilidades

Esse peso dessas coisas

Que eu não sei o que fazer.

Sei que de verdade, os sapatos, no meio da sala

São os mais simples de resolver.

Adriana Chebabi – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde escreve contos, poesias e crônicas nesse blog. Publicitária e empresária. Divide seu tempo entre suas agências Modo Comunicação e Marketing  www.modo.com.br, 3bis Promoções e Eventos e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. É do signo de Leão, ascendente em Virgem e no horóscopo chinês Macaco. Isso explica muita coisa :)

 

 

 

Correnteza de cubos vermelhos

Blocos enquadrando um padrão

O passado refletido em espelhos

Circuitos fechados da mesma ação

Invasão amarela abrem os glóbulos

Linhas intrusas agitam a revolução

Cubos abertos, espelhos quebrados

Livre e conquistado será o coração

Williams Delabona – Belo urbano, artista plástico, empresário, se divide em suas múltiplas atividades, administrar a escola Criativa www.escolacriativa.com e seu trabalho como artista plástico www.williamsdelabona.com . Gosta de animais, vive perto da natureza e acredita que tudo está interligado, o micro e o macro universo. Sua paixão? Tem várias, mas viajar está entre as primeiras.

Fazer aniversário é muito bom, termina um ciclo, começa outro.

No balanço do que foi, para a esperança e sonhos do que vem.

Zeca Pagodinho que me desculpe, mas esse papo de “deixa a vida me levar” não é pra mim não, prefiro escolher e ser responsável pelas minhas escolhas e caminhos, e como sinal de maturidade “prefiro ser essa metamorfose ambulante do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo”, como cantava Raul Seixas.

Abrir a cabeça sempre, não cair nas armadinhas de padrões que vendem a felicidade, como se a felicidade estivesse em uma prateleira de supermercado. O que me faz feliz? Tantas coisas e muitas, muito simples do dia a dia. Felicidade é estar feliz em ser você mesma.

Com o passar dos anos se gostarmos de sermos nós mesmos, vamos cada vez mais ficando exatamente com a nossa cara. Sim, com a nossa cara, porque vão caindo por terra, o que sempre fomos mas não mostrávamos, por medo, vergonha, timidez, por não enteder. Tudo fica mais claro e só o tempo nos traz isso, ficamos sim, cada vez mais com a nossa cara. É bom gostar da sua cara quando olhar no espelho, especialmente dos olhos, aquele que tem brilho e deve sempre continuar a brilhar.

Não tem essa, sou de tal idade e não devo mais fazer isso ou aquilo. Quer usar saia curta na idade que for? Use se sentir bem. Quer mudar de profissão depois de um tempão na mesma? Mude. Quer andar de asa delta pra superar um medo. Ok faça isso. Quer ir em um show e ficar no meio da multidão. Vá. Simplesmente vá.

Velho é quem não sonha. Tem gente com pouca idade que já nasceu velho e isso é definitvamente triste.

Use o tempo a seu favor e nunca contra, permita-se explorar sempre, permita-se experimentar novos sabores, permita-se tomar chuva de vez em quando e tomar sol – as vezes sem filtro solar. Permita-se cantar, no chuveiro, no carro, na cozinha e quem sabe em uma banda de rock se tiver vontade. Permita-se sonhar sempre e ter força e vontade para tornar o sonho realidade. Essa é a verdadeira fonte da juventude.

Sim, com o passar dos anos sabemos que menos é mais e mais é menos. Então, não da para perder esse precioso tempo, não da para procrastinar as prioridades, não da para ficar arrumando desculpas e culpados para a não ação. Ação, sim ação, hoje e sempre, em qualquer idade. Quem escolhe a vida que quer levar é o próprio autor e não os personagens. Seja de verdade e não um personagem da sua vida.  Não dominamos tudo, isso é certo, mas não é necessário dominar tudo para estar bem consigo mesmo.

Então, é hora de saber refletir, colocar na balança tudo que foi vivido até aqui e pesar se está tudo equilibrado e dentro do peso certo para cada área da vida. Se algo estiver faltando ou pesando demais é hora de mudar para equilibrar, e nunca usar como desculpa a passagem do tempo ficar conformado com o que não está bom. Reinvente-se.

Que a alma de criança me deixe sempre inquieta e me alimente novos sonhos. Desejo que nesse próximo ano começa para mim, eu veja alguma estrela cadente, faz muito tempo que não as vejo e estou com saudades, isso não posso escolher, mas aumento muito minhas chances se olhar mais para o céu.

Assim como para mim, desejo a todos que no seu próximo ano de aniversário, vejam estrelas cadentes.

Feliz aniversário!

eu desenhada por Carol

Adriana Chebabi – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde é a responsável pela autoria de todas os contos e poesias. Publicitária e empresária. Divide seu tempo entre sua agência  Modo Comunicação e Marketing  www.modo.com.br e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. Aqui desenhada pela sua filha Carolina.