Por favor, leiam tudo, não importa sua posição política, seus ideais e nem seu candidato.

Amigos e família,

Eu não peço que votem no PT porque vocês amam o Lula e acham que ele deveria estar livre. Eu peço que votem 13 para que eu e todas as mulheres desse país possam sair de casa sem medo de serem ofendidas, agredidas, baleadas, mortas ou estupradas.

Eu não peço que votem no Haddad porque acreditam que ele vai levar o Brasil pra frente. Eu peço que votem nele porque não querem que o Brasil seja levado para trás, onde as pessoas acreditam que não tem problema diminuir as mulheres ou ofender negros.

Eu não peço que elejam o PT de novo porque vocês são esquerdistas. Eu peço que vocês votem nele porque, se não o fizerem, o Brasil corre risco de voltar a ser uma ditadura sem direito de expressão, com tortura, mortes e repressão artística e de pensamento.

Eu não peço que votem no Haddad porque ele vai melhorar a segurança pública. Mas lembrem-se de que o Bolsonaro já é deputado do Rio, o estado com maiores índices de violência do Brasil! Ele não poderá proteger vocês e a sua família porque, depois de 20 anos como político, ele não o fez por seu estado, quem dirá por seu país!

Eu não peço que votem 13 para mudar o Brasil para melhor. Mas por favor, não votem 17 para mudar o Brasil para pior!

Eu não imploro que votem 13 porque é a nossa melhor opção. Eu peço que o façam porque é a única que nos resta.

Obrigada.

Giulia Giacomello Pompilio – Bela Urbana, 17 anos, estudante de engenharia mecânica da UNICAMP, participa de grupos ativistas e feministas da faculdade, como o Engenheiras que Resistem. Fluente em 4 idiomas. Gosta de escrever poemas, contos e textos curtos, jogar tênis, aprender novos instrumentos e dançar sapateado. Foi premiada em olimpíadas e concursos nacionais e internacionais de matemática, programação, astronomia e física, além de ter um prêmio em uma simulação oficial da ONU.

Já escrevi sobre o processo de decisão do eleitor, frente a propaganda e o processo e formação de opinião pública.

Vou falar agora sobre a estrutura de construção emocional que a propaganda gera. E é bem curiosa, pois ao invés de apresentar projetos, que são complexos e boa parte do povo mal compreenderia (apesar de ser o caminho correto explicar), apelam para as emoções dos eleitores. Decidimos emocionalmente, como fazemos com qualquer produto descartável de supermercado.

Emoções como o medo. Medo do mercado quebrar, do desemprego, do bandido ou da dívida gera votos. Ninguém gosta de perder, e não perder gera voto. Faça alguém ter medo e você dominará esse alguém muito fácil. Vilões de novela mostram esse processo a anos e não aprendemos,  mas medo não debate nem resolve problemas.

Emoções como revolta e indignação. Quem não está revoltado com tudo? Vivemos um mundo estressante por natureza, ainda mais quando está em crise, seja política, econômica, humanitária. Revolta é inerente a vida e apelar a esse sentimento para agrupar pessoas e ganhar voto é tática barata. Revolta e indignação não resolvem e nem debatem problemas.

Emoções como o sentimento de ridículo. Soar ridículo, seja o próprio candidato ou ainda mais quando direcionado a um oponente gera votos. Pois ninguém fala o que esse cara (o ridículo) tem coragem de falar. Se tem coragem é diferente, se é diferente, é melhor dos que os outros. Talvez pessoas sensatas não teriam coragem de falar tais coisas simplesmente porque elas não funcionam, mas são obrigados a entrar nesse debate ridículo, se tornando ridículos por consequência. É o processo da “mitada”, você fala algo ridículo, mas acusa o outro que se defende de ser ridículo na réplica. Mas “mitar” não resolve nem debate problemas.

Emoções como a saudade. A saudade de um tempo melhor também gera voto. Sempre e para todos o passado era melhor. Pode pesquisar. Esse saudosismo acontece em todas as áreas da vida, e apenas a ele gera votos. Mas saudade não resolve e nem debate os reais problemas.

Emoções como o sentimento de novidade. Mesmo que sendo exatamente a mesma coisa, vestida com terno laranja, todos adoram algo que pareça novidade. Não importa a essência, importa a aparência, para ficar bonito nas redes. O velho se reinventa e lucra bastante com esse investimento barato. Mas cara de novo não resolve problema.

Dentre outras emoções. São tantas…

Emoções servem para pegar o eleitor fraco. E depois da eleição, como ficamos? No dia seguinte da eleição, o que você sabe sobre a atuação de seu candidato eleito? Nada. Nada foi comunicado a você. A propaganda apenas te fez sentir um caminhão de emoções, mas não te disse nada de concreto, que desse subsídios para decidir e cobrar futuramente. Observe, é verdade esse bilhete.

Se você pesquisa, lê, compara e vota de forma racional e independente, focada nas soluções que mais lhe parecem viáveis, praticáveis, você faz direito. Dá trabalho votar direito, não? Por isso a propaganda te engana. Porque pela sua preguiça, após a eleição, um país inteiro pode compartilhar um sentimento de ser feito de trouxa.

E pasmem, alguém vai aproveitar esse sentimento de trouxa para iniciar a propaganda da próxima eleição!

Acredite, por mais trabalhoso que seja, “tirar essa corja”, como bradavam.muitos nas manifestações do impeachment está mais em nossas mãos em 2018 do que no post de Facebook emocionado que fizeste, só para parecer cidadão de bem.

Pense nisso e faça direito agora, senão não adianta chorar de amarelo.

Crido Santos – Belo urbano, designer e professor. Acredita que o saber e o sorriso são como um mel mágico que se multiplica ao se dividir, que adoça os sentidos e a vida. Adora a liberdade, a amizade, a gentileza, as viagens, os sabores, a música e o novo. Autor do blog Os Piores Poemas do Mundo e co-autor do livro O Corrosivo Coletivo.

Foto Crido: Gilguzzo/Ofotografico

relogios shutterstock_286123331 (1)

O tédio entedia

o dia que não ia

Pra frente do tédio

que era forte como um prédio

 

O tédio entediamente

Fica no ar o sentido

Sem ninguém entender

O tédio do dia

 

O tédio de uma aula

O tédio do ar

O tédio das pessoas

O tédio sem parar.

 

O tédio vai acabando

Nas linhas do verso

Depois de entediar você

Com linhas tediosas salvei-me do tédio

Resolva o seu

O meu acaba aqui!

jeff

Jeff Keese –  Arquiteto, produtor de exposições de arte, e durante 7 anos foi consultor do mapa das artes de São Paulo.

shutterstock_152214776 coração e fone

É impressionante como as vezes somos induzidos em nossas condutas, muitas vezes por darmos ouvidos a fofocas ou comentários maldosos não percebemos o quanto isso é ruim e vamos ficando inflados, uma hora estouramos e sempre estouramos com a pessoa errada, da forma errada.

Perceber a diferença entre as pessoas que são autênticas e as que ficam com leva e traz as vezes é difícil, muitas vezes estamos tão envolvidas que não percebemos.

Ouvir nosso instinto é meio primitivo, mas da certo, muitas vezes o ignoramos por ser algo realmente primitivo e sem explicação lógica.

Eu sou muito lógica e por isso tenho dificuldade de ouvir e aceitar esse tipo de intuição…. mas essa intuição insiste e é forte.

Fico procurando certezas, explicações para os fatos, mas aceitar que em determinados momentos não existe certeza e que é só intuição e segui-lá é o melhor caminho.

Se algo incomoda sem razões concretas, deve ser ouvido; a intuição, a voz do coração, sei lá o que é, só sei que devo ouvir.

PS.: Vou desligar as batatas.

08 de setembro – Gisa Luisa – 37 anos

Foto-0010E001 dri

Adriana Chebabi – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde é a responsável pela autoria de contos e poesias, mas também e atreve a escrever no divã desse blog. Publicitária e empresária. Divide seu tempo entre sua agência Modo Comunicação e Marketing  www.modo.com.br e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. A personagem Gisa Luiza do “Fragmentos de um diário” é uma homenagem a suas duas avós – Giselda e Ana Luiza.

 

quadro synnove

A academia de karatê ficava no centro da cidade. Todos os dias o treino da noite começava pontualmente às 19 horas e teminava às 20h30.

Um dia, quatro meninas, adolescentes, subiram a escadaria que levava à secretaria e ao único salão de treino existente.

Era o ano de 1975, karatê era esporte para homens, mas naquela academia isso estava para mudar. As irmãs D se inscreveram naquele dia e aumentou consideravelmente a porcentagem feminina nos treinos… Minha mãe era da opinião de que deveríamos ser fortes e disciplinadas, mental e fisicamente, e a arte marcial nos oferecia o caminho perfeito.

Em dois anos, nós quatro tínhamos nos superado e chegado à faixa marrom. Eu adorava os treinos, não de levar chutes ardidos e ficar com manchas roxas, mas da dinâmica geral, da hora de meditar, da performance dos exercícios…

Mas havia um probleminha… A cobrança começava a crescer, deveríamos treinar em São Paulo todos os fins-de-semana, pois em Campinas já não tinha espaço para nós. Além disso, éramos uma atração à parte, as meninas Karatecas. Então, na véspera do dia em que eu faria exame para a faixa preta, eu me rebelei e simplesmente desisti, de forma definitiva. Eu gostava da informalidade dos treinos, não do que eu estava vivenciando naqueles tempos.

Também tinha a escola, eu era e sempre serei o que hoje podemos chamar, sem preconceito, de Nerd. Então optei pelos estudos e deixei de fazer algo que se impunha sobre mim. Minhas irmãs me seguiram, foi uma decisão conjunta. As meninas D deixaram o karatê.

Até hoje sou apaixonada pela arte marcial e nunca consegui me dedicar a outra atividade com o mesmo amor, até tentei a dança, mas não me oferecia o que eu procurava.

Sim, de novo volto às opções, às encruzilhadas que encontramos e nas quais precisamos decidir por uma direção.

Mas o que um ou uma adolescente pode fazer? A vida nessa fase é uma busca constante, é um grande episódio de começar e parar, começar outra coisa e largar também. Uns se encontram mais rapidamente, outros levam mais tempo. Enquanto existir curiosidade e vontade, será assim.

Uma frase que minha mãe dizia quando alguém reclamava que os jovens são rebeldes:

“Meu amigo, se os jovens não fossem rebeldes, ainda estaríamos vivendo nas cavernas!”

FOTO PERFIL Synnove

Synnöve Dahlström Hilkner É artista visual, cartunista e ilustradora. Formada em Comunicação Social/Publicidade e Propaganda pela PUCCAMP. Desde 1992, atua nas áreas de marketing e comunicação, tendo trabalhado também como tradutora e professora de inglês, com ênfase em Negócios. Nascida na Finlândia, mora no Brasil desde os 7 anos e vive atualmente em Campinas com o marido, com quem tem uma empresa de construção civil. Tem 3 filhos e 2 netas. Desde 2011 dedica-se às artes e afins em tempo quase integral – pois é preciso trabalhar para pagar as custas de ser artista – participando de exposições individuais e coletivas, além de salões de humor, especialmente o Salão de Humor de Piracicaba, também faz ilustrações para livros.É do signo de Touro e no horóscopo chinês é do signo do Coelho. Contribui para o Belas Urbanas com suas experiências de vida.