Nossa! Como passou rápido!

A cada ano, com tantas atribuições e correrias, parece que essa data chega mais e mais rápido e nem nos damos conta do tempo, das relações, das ausências… a saudade de ontem, vira uma doce lembrança hoje, nossas crenças se tornam cada vez mais cristalizadas e nos voltamos tanto para nossas próprias questões, que acabamos nos isolando daqueles que queremos bem. Sabe aqueles almoços de domingo na casa da vó? Os papos descontraídos com os amigos no boteco da esquina? As festinhas na escola onde cada um levava um prato? Tantas lembranças… mas há quanto tempo você deixou de ter tempo para esses pequenos prazeres compartilhados?

Mas voltemos ao assunto: O Natal está chegando, né gente? E ao invés de estarmos felizes, pensando que pelo menos nessa data poderemos desfrutar do amor compartilhado, das reuniões de família ou amigos, que podemos dividir nosso pão, confraternizar e resgatar as relações, o que surge são as picuinhas, hoje, sob a forma de memes na internet. Uns reclamam por que nessa época se coloca passas em tudo, outros, por que sua filosofia de vida não se encaixa com a da família; tem também os que nunca estão satisfeitos com o que ganham e já começam a sofrer por antecipação com o momento da troca e os que indignados bradam à mesa que é um absurdo comer cadáveres e por aí vai… o Natal virou uma zona de guerra e esquecemos o seu verdadeiro significado: o amor, o renascimento da esperança, o resgate das relações… essa época é única por que conseguimos juntar numa mesma casa, numa mesma mesa, num mesmo momento pais, filhos, avós, amigos, chefes, colegas.

Que tal aproveitar esse momento único e deixar as diferenças de lado sendo um protagonista de relações saudáveis e amorosas? Sentemo-nos todos à mesma mesa e… sabe àquela passa que você odeia? É só colocar de lado. E os animais que você não come? Apresente uma nova opção aos seus e mostre que é possível festejar de outra forma (mas sem imposição, sem nariz torcido e sem desrespeito). Pense que levou um ano inteiro, as vezes mais, para se chegar a esse momento que é de aceitação, amor e confraternização e desfrute de cada segundo que puder com carinho.

Deixemos as diferenças para outro momento. Bom Natal à todos! Ho, ho, hooooo!

 

Adriana Rebouças – Bela Urbana, formada em Publicidade. Cursou gastronomia no IGA – São José dos Campos. Publicitária de formação e Chef por paixão. Sócia do restaurante EnRaizAr que fica dentro de um espaço de yoga e terapias que se chama Manipura em São José do Campos – SP.

O inverno chegou e veio em todo seu esplendor, não é? Que tal aproveitar esse friozinho ( puro eufemismo, claro) e reunir os amigos, juntar uns cobertores e preparar uns caldinhos para se aquecer e jogar um pouco de conversa fora?

Estamos vivendo em um tempo de muita informação, correrias sem fim, relacionamentos líquidos e virtuais, mas muito pouca interação verdadeira. É claro que o dia a dia acaba nos levando a escolhas cada vez mais práticas e rápidas, mas que tal tirar um tempinho para resgatar as relações ao redor da mesa e levar de brinde mais saúde física e mental?

Minha proposta? Invista nas sopas, caldos ou cremes (os nomes são apenas variações gastronômicas para as texturas, ok?); eles aquecem, dão uma sensação de conforto e, com os ingredientes certos, ainda podem proporcionar uma melhoria no sistema imunológico, reduzindo a incidência de doenças associadas ao inverno. Ah! E se você convidar os amigos para dividir essa experiência, ainda tem o conforto emocional, a alegria da partilha…que também ajuda a prevenir muitas doenças. ”Pessoas felizes são mais saudáveis”!

Sem ideias do que fazer? Abuse das especiarias! Cardamomo, gengibre, anis estrelado, canela, páprica, açafrão… Todas têm propriedades anti-inflamatórias e são termogênicas, o que vai ajudar a te aquecer…

Não conhece algumas delas? Vá a uma casa de produtos naturais ou na sessão de temperos do supermercado e se divirta. Experimente, ouse, saia da caixinha!

Sabores são muitos! Mandioquinha com açafrão, abóbora com gengibre, beterraba com cenoura e cardamomo, feijão com páprica…e mais um monte de combinações a sua escolha. Todos deliciosos, quentinhos e, com as companhias certas, uma experiência única e renovadora.

E aí? Que tal tentar esse encontro no aconchego de casa? Eu garanto que é demais!

Adriana Rebouças – Bela Urbana, formada em Publicidade. Cursou gastronomia no IGA – São José dos Campos. Publicitária de formação e Chef por paixão. Sócia do restaurante EnRaizAr que fica dentro de um espaço de yoga e terapias que se chama Manipura em São José do Campos – SP.

13681902_589536417885669_1134474613_o foto comida Dri Rebouças

Na vida, na arte, nos relacionamos e até na cozinha mudar é preciso. Mas falar é fácil, né? Difícil é fazer…

Existe em nós um paradoxo: ao mesmo tempo em que ansiamos pelo novo (a tal mudança), nos agarramos com unhas e dentes ao conhecido. O conhecido é nosso lugar de conforto, onde mesmo com sofrimento e desconforto, sabemos (ou achamos) os resultados. O novo…ah, o novo traz milhões de possibilidades, mas nem sempre a que esperamos… Difícil, não? NÃO! Nem tanto. Precisamos apenas desconstruir nossas percepções e começar a encarar a vida e tudo que ela nos oferece como oportunidades… de crescer, de aprender, de transformar… as vezes dói, mas sempre é enriquecedor ao final.

Mas o que isso te a ver com gastronomia? Afinal, essa parte do blog fala sobre isso, né?

Eu aprendi, dentro da minha cozinha, que mesmo que a gente ache que está no controle, algo sempre pode “dar errado”… e isso foi no meio de uma aula de gastronomia que eu estava ministrando.

Receita testada, todos os ingredientes certos e… a lentilha cozinhou demais! Deu errado, vocês poderiam pensar… mas, não! Foi ótimo! Me deu a chance de mostrar que tudo tem jeito se você estiver preparada e mantiver o foco. E fizemos o melhor hambúrguer de lentilha até então preparado!

Então, quando você estiver com pena de si mesma e pensando o que deu errado. Imagine que nada! O errado é só a vida te levando para um lugar melhor e testando o quanto você está preparada.

11153459_418305808342065_1335618606_o - foto Adriana Rebouças

Adriana Rebouças – Bela Urbana, formada em Publicidade. Cursou gastronomia no IGA – São José dos Campos. Publicitária de formação e Chef por paixão. Sócia do restaurante EnRaizAr que fica dentro de um espaço de yoga e terapias que se chama Manipura em São José do Campos – SP.

foto restaurante
Quando pensamos em reunião de família, àquele almoço gostoso de domingo ou as festas de final de ano o que nos vêm à cabeça é a vó, a mãe ou qualquer mulher que cozinhe bem…Porque, mesmo que inconscientemente, o universo da cozinha caseira é algo ligado ao feminino. Já quando pensamos no nosso restaurante predileto ou em alta gastronomia lembramos do Chef ( quase sempre no masculino) ….um ser quase mítico que transforma “comida” em experiência, sabor em prazer…Rsrs.
Você se lembra do nome de uma Chef mulher? E homem? Mesmo que não lembre do nome, tenho certeza que vem muitas imagens de grandes mestres ( homens) na cozinha.
Será que eles realmente cozinham melhor? Fico aqui me questionando…Ou o mundo realmente é 100% machista como querem me fazer acreditar as feministas de plantão?  Eu tenho minha cozinha profissional para comandar, muitos me chamam de Chef de cozinha e pensando essa questão acho que o que ocorre de verdade é que cozinhamos tão bem ou tão mal quanto eles…
O que ocorre , no meu ponto de vista, é que temos objetivos e posturas diferentes quando entramos no mundo da cozinha profissional. O homem tem um espírito competitivo e um foco no marketing pessoal muito maior do que a mulher e isso o faz buscar muito mais os holofotes.
Não posso falar por todas as mulheres, mas o que sinto e o que busco quando entro na minha cozinha não é a auto promoção, pouco me importa se sou Chef ou cozinheira (aliás, Chef é cargo. Todo Chef é um cozinheiro em primeiro lugar) o que busco é a excelência dos ingredientes, o melhor preparo, os sabores e a satisfação do meu cliente.
Não preciso ser a primeira do mundo, sair em capa de revista…e acho, que como eu, a maioria das mulheres quando entra no mundo da cozinha está muito mais focada na comida em si do que na imagem e talvez por isso não sejamos tão reconhecidas publicamente…
Machismo ou foco?! Não sei…
 11153459_418305808342065_1335618606_o - foto Adriana Rebouças

Adriana Rebouças – Bela Urbana, formada em Publicidade. Cursou gastronomia no IGA – São José dos Campos Publicitária de formação e Chef por paixão. Sócia do restaurante chama EnRaizAr e fica dentro de um espaço de yoga e terapias que se chama Manipura em São José do Campos – SP.

brigadeiro tterstock_197832512

Como curar dores de amores mal vividos, não correspondidos ou incompreendidos? Será que é possível?

Pensando sobre amores, dores e comidas a primeira coisa que me veio à cabeça foram imagens das “mocinhas” da telona afogando suas mágoas num delicioso pote de sorvete…será?! Me lembro também, de quando era adolescente (faz só um tempinho, hein?! Rsrs) e que sempre pensava: “se algum dia eu tiver uma desilusão, resolvo com sorvete “… nunca tirei a prova.

Hoje, na idade adulta, já tendo passado por milhares de desilusões fui levada novamente a pensar sobre isso. Será que existe algum tipo de comida que preencha àquele vazio deixado pela pessoa amada? Que transforme desilusão em alegria? Que nos dê um conforto num momento de dor?

Realmente não tenho a resposta para isso. O que acho, é que uma comidinha gostosa, preparada com carinho, sempre vai trazer , se não alegria, pelo menos prazer. Um pote de pipocas, para quem gosta, pode ser um momento de esquecimento ou um encontro consigo.

O importante é se permitir desfrutar dos pequenos prazeres. E aí, pensando nas minhas próprias desilusões, me veio uma saudade imensa daquilo que não volta mais. O que eu faço com essa saudade? Tem dias que faço graça, tem dias que faço caipirinha…hoje, fiz brigadeiro! Gourmet! Rsrsrsrs

11153459_418305808342065_1335618606_o - foto Adriana Rebouças

Adriana Rebouças – Bela Urbana, formada em Publicidade. Cursou gastronomia no IGA – São José dos Campos Publicitária de formação e Chef por paixão. Sócia do restaurante chama EnRaizAr e fica dentro de um espaço de yoga e terapias que se chama Manipura em São José do Campos – SP.

shutterstock_260224184 (1) mulher em pose de luta

Outro dia, numa conversa sobre feminismo, me disseram que se eu não julgo que sou inferiorizada por ser mulher é porque fui programada por uma sociedade machista e sou uma vítima de minha própria história.

Desculpa, mas tenho que discordar. Não vou dizer que somos tratadas como iguais em muitas circunstâncias, mas jamais vou me considerar ou agir como vítima. Já passei por algumas situações constrangedoras por ser mulher e talvez alguns desavisados me considerarem frágil e se atreverem a um avanço não solicitado, mas acho que o que nos faz mais vítima de uma situação é a forma como lidamos com ela.

Sou uma pessoa muito expansiva e carinhosa com àqueles que conheço e muitas vezes isso foi confundido. Muitas vezes tive que “desenhar” para amigos ou colegas o tipo de relação que tínhamos… desagradável, sim, mas sempre fui muito clara com as pessoas e isso sempre deu certo.

Há alguns anos passei por uma situação um pouco mais delicada. Eu trabalhava com uma amiga e tinha uma ótima relação com a família dela. O marido e o pai dela sempre me davam carona ou me levavam o que comer quando ficava presa no trabalho. Um dia, como estávamos com os horários muito apertados, ela pediu para o pai me levar em casa para ser mais rápido. Pois bem, no meio do caminho ele simplesmente enfiou a mão com toda força nas minhas pernas. Levei um susto enorme e na hora falei um monte para ele. Deixei bem claro que ele não tinha o direito de fazer aquilo e confesso que nunca mais troquei uma palavra com ele. Não contei para minha amiga. Não por vergonha, mas por saber que àquilo machucaria mais a ela do que a mim.

Fui vítima?! Talvez da ignorância e do machismo dele,um homem bronco que talvez achasse que podia tornar para si tudo que queria. Mas não me considero vítima no sentido estrito da palavra, pois reagi na hora e disse para ele tudo o que eu achei que ele precisava escutar.

Não temos os mesmos direitos ainda. Trabalhamos muito mais para provar que somos competentes, mas antes de sermos vítimas, somos guerreiras! Não preciso que ninguém me diga o que posso ser ou não, como devo ou não me sentir, sejam machistas ou feministas.

Tenho direito de não me sentir oprimida e de ser responsável por cada vitória minha! Rótulos não me servem!

Que me desculpem as feministas.

11153459_418305808342065_1335618606_o - foto Adriana Rebouças

Adriana Rebouças – Formada em Publicidade. Cursou gastronomia no IGA – São José dos Campos Publicitária de formação e Chef por paixão. Sócia do restaurante chama EnRaizAr e fica dentro de um espaço de yoga e terapias que se chama Manipura em São José do Campos – SP.

12180080_489355864570392_239873224_n comida texto adolescente

Adolescência é um período de descobertas, experiências e muitas expectativas, né? A minha não foi diferente. E pensando naquela época me lembrei de um episódio que poderia ter mudado o que faço hoje.

Eu devia ter uns 17 anos mais ou menos . Minha mãe e minha irmã iam viajar e eu ia ficar por minha conta. Coisa que eu adorava! Bom, eu estava namorando um cara mais velho e logo pensei em algo para impressioná-lo.

Pedi para minha mãe se podia fazer um almoço para ele e ela não só concordou, como comprou os ingredientes.

O cardápio: estrogonofe ( de carne) com arroz e batatas fritas.

Chegado o dia comecei a trabalhar bem cedo…separa ingredientes, pica, põe na panela, mas como era mesmo? Tempera a carne com limão, mas esse tem que ficar especial, mais um pouquinho de limão para ficar melhor.

Tudo lindo, eu linda (era o que eu achava aos 17 anos…rs), a mesa posta, até um vinho arrumei. O gato chega (era assim que chamávamos) eu faço seu prato e ansiosa espero a primeira garfada. Percebo um certo desconforto em suas feições, mas acho que é meu nervosismo, afinal não tinha como dar errado.

Me armo de meu melhor sorriso e pergunto: e aí, como está? Ele mal consegue respirar, mas gentilmente me responde: – É tá bom. Nesse momento me lembro de meu próprio prato e coloco uma porção generosa na boca, hummmm….ecaaaa! Só tem gosto de limão! Começamos a rir e resolvemos sair para comer um delicioso pastel feito pelo japonês da esquina.

O almoço foi um fiasco total e o namoro não ficou atrás, mas por incrível que pareça, apesar da primeira incursão na cozinha ter dado nisso, hoje cozinho profissionalmente. Os talentos nem sempre aparecem na hora que precisamos, mas muita vontade e estudo nos fazem capazes de tudo. Nunca desistam no primeiro tropeço, vocês podem se surpreender com o que são capazes de realizar.

Agora faço comida saudável!!! rs.

11153459_418305808342065_1335618606_o - foto Adriana Rebouças

Adriana Rebouças – Formada em Publicidade. Cursou gastronomia no IGA – São José dos Campos Publicitária de formação e Chef por paixão. Sócia do restaurante chama EnRaizAr e fica dentro de um espaço de yoga e terapias que se chama Manipura em São José do Campos – SP.

12165295_488005761372069_789126305_o comida de criança

Muito se discute a respeito da alimentação infantil e, nesse mês em especial, o tema se torna ainda mais visado.

Quem nunca pirou porque ” seu filho não come isso ou aquilo” , ou nunca escutou a frase:” não sei mais o que fazer para meu filho comer”? Pois bem, existem alguns fatores que devemos considerar:

– Você e todos os membros da famílias comem bem?

– Ele não gosta de determinado ingrediente ou do modo como ele é apresentado?

Criança aprende por exemplo. Se você ou alguém alguma,vez torceu o nariz para aquele maravilhoso brócolis que apareceu por um acaso na mesa…desista, seu filho não vai comer o tal brócolis… rs

Um truque para fazê-lo comer , é tê- lo como seu ajudante de cozinha. Ele vai querer comer aquilo que ele mesmo ajudou a preparar. Prepare pratos coloridos e deixe ele brincar com a comida. Uma loucura, né? Mas funciona!

Ofereça de tudo, faça pratos bem coloridos e se mesmo assim tiver algo que ele não come, relaxe. Talvez ele realmente não goste daquilo!

11153459_418305808342065_1335618606_o - foto Adriana Rebouças

Adriana Rebouças – Formada em Publicidade. Cursou gastronomia no IGA – São José dos Campos Publicitária de formação e Chef por paixão. Sócia do restaurante chama EnRaizAr e fica dentro de um espaço de yoga e terapias que se chama Manipura em São José do Campos – SP.

11911694_477406709098641_254140144_n josog de cintura 3 11992158_477406735765305_827906541_n jogo de cintura 11997129_477406765765302_1747376048_n jogo de cintura 2

Quantas vezes não planejamos algo e quando vemos algo inesperado acontece e ficamos sem saber o que fazer? Pois é, na cozinha não é diferente… Já imaginou planejar uma festa, ou mesmo uma reunião de amigos e descobrir que um deles (ou vários) não comem carne nem nada com leite ou derivados?

A primeira vez que isso me aconteceu, confesso que entrei em pânico. Hoje, por ironia do destino, comando uma cozinha vegetariana/vegana e descobri que podemos fazer maravilhas se deixarmos nossos preconceitos de lado e estivermos abertos ao novo.

E para você aqui vão algumas dicas:

Experimente fazer uma canjica usando leite de coco, ou servir uma bruschetta com tomates e manjericão ( pão normalmente não vai leite…rs).

Esfriou? Faça um caldo de abóbora com gengibre. Fica uma delícia! Abuse das ervas, dos temperos e especiarias.

Não tenha medo de ousar e descubra um novo universo de sabores ! Que tal experimentar?!

11153459_418305808342065_1335618606_o - foto Adriana Rebouças

Adriana Rebouças – Formada em Publicidade. Cursou gastronomia no IGA – São José dos Campos Publicitária de formação e Chef por paixão. Sócia do restaurante chama EnRaizAr e fica dentro de um espaço de yoga e terapias que se chama Manipura em São José do Campos – SP.

11997916_477407175765261_2015402379_n en raiz ar

11275551_430592013780111_670030433_n foto doce Adri rebouças

Adoro cozinhar, tanto quanto adoro comer e sempre tive uma questão a rondar minha mente: o que é comida boa?

Como publicitária que sou,  comecei a procurar informações sobre o assunto e encontrei várias justificativas: comida boa é comida farta, comida boa é aquela feita com bons ingredientes o Chef tem que conhecer técnicas etc e tal…

Concordei com cada uma das justificativas, mas nenhuma  me satisfazia por completo, até que um dia… num evento cujo o foco era a harmonização de vinhos e gastronomia eu tive uma experiência que abriu meus horizontes. Uma das participantes me chamou e quando cheguei perto para atendê-la ela começou a dizer que me adorava e começou a me abraçar chorando e quando eu me mostrei perdida com a situação, ela virou para mim e disse: eu precisava te agradecer pois a sua comida é a melhor que eu já experimentei, pois lembra a da minha avó… e isso se repetiu em algumas outras ocasiões com variações do tipo: minha infância, mãe, uma ocasião  especial…  eu cheguei a conclusão de que comida boa é aquela que alimenta não só a fome, mas sim aquela que nos traz emoções, memórias afetivas.

Hoje, sempre que vou pensar num cardápio, penso antes na história daquela comida, nas tradições envolvidas, no que posso oferecer de memoria a respeito daquilo.  Quer fazer um jantar, um café ou qualquer encontro gastronômico de sucesso?

Procure na sua própria historia o que lhe traz boas memórias e apresente aos seus amigos. Você vai ver o sucesso que isso faz.

Bom apetite!

11153459_418305808342065_1335618606_o - foto Adriana Rebouças

Adriana Rebouças – Formada em Publicidade, cursou gastronomia no IGA – São José dos Campos Publicitária de formação e Chef por paixão.