Com Covid aprendi que:

– O autocuidado não deveria ser uma escolha. Nosso corpo é a maior preciosidade que temos no mundo terreno. Cuide-se com muito amor.

– O autoconhecimento nos faz perceber precocemente os sinais do nosso corpo, oportunizando tempo para a cura.

– O nosso maior propósito aqui neste planeta é conhecer a si mesmo a ponto de conseguirmos aprimorar nosso espírito.

– Cuide dos seus processos intuitivos, estimule-os. A intuição é o nosso maior GPS.

– Ter amigos desejando o nosso bem nos fortalece e nos conecta com uma fonte imensurável de luz.

– Alimentar laços de amor todos os dias de nossas vidas deve ser a nossa maior prioridade.

–   Cuidar de quem amamos com dedicação é uma das coisas que mais vale a pena nesta vida.

– Demonstrar amor ao próximo só é possível quando nosso coração transborda de amor por nós mesmos.

– Antes de querer salvar o mundo, salve a si mesmo.

– Os cachorros são grandes companheiros dos homens e nos ensinam o que é amar incondicionalmente.

–  Mergulhar nas nossas sombras é necessário para a evolução.

– Abrir-se para o inesperado é reconhecer nossa falta de controle e confiar no que Deus reserva para a nossa vida.

– Viver o presente é alinhar corpo, mente e alma, trazendo estado de consciência para nossas escolhas.

– Dentro do mal há bem e dentro do bem há mal. A divisão do que bem e mal é feita pela a nossa mente… para a alma não há dualidade.

–  O covid não é monstro, ele só veio nos mostrar como somos frágeis na matéria e quão melhores podemos ser no espírito.

– Só hoje é tempo de perdoar, de agradecer, de ajudar e de entrar em contato com a sua melhor versão. A vida é passageira mas nossa caminhada é eterna.

Carolina Salek Fiad – Bela Urbana, Mulher, mãe (muito mãe), yoguin, aromaterapeuta, reikiana, professora, entusiasta da vida. Acredita que o corpo é instrumento de cura e evolução. Lema de sempre: Leve a vida leve.

Fui convidada a escrever um texto… pandemia, um ano depois.

Me estranhei com a dor muda, com o sofrimento silenciado, com a sensação de impotência e desesperança com que me deparei, ao tentar trazer em palavras minha vivência de agora.

Tantas perdas, tantas relações estremecidas, tantos momentos perdidos, tanta instabilidade material.

A principio estávamos lutando, sendo fortes, praticando resiliência frente a um inimigo imensamente maior que nós, contra o qual tínhamos poucas armas e nenhum conhecimento.

Agora estamos nos relacionando com um inimigo conhecido, antigo, com a manifestação da ignorância nos inúmeros erros de gestão. Erros que significam vidas. Erros que significam vazios. Erros que significam também nossa falta de capacidade de reagir enquanto povo brasileiro de forma organizada e assertiva.

Palavras de motivação e reflexões sobre como cada um pode lidar melhor com os fatos já não cabem mais.

Precisamos de palavras de misericórdia. Precisamos de compaixão ativa.

Precisamos transmutar essa dor muda em ação pelos mais necessitados.

Precisamos colocar nossos recursos internos e externos à disposição, para socorrer os que estão ficando pelo caminho. Para oferecer o pão, mas também a alma e o coração.

Direcionar nossa energia de indignação, dor e medo em ações de
corpo, fala e mente, na escala que nos for possível.

Etienne Janiake – Bela Urbana, psicóloga, professora de Yoga e meditação, mãe, se encanta pelo florescimento humano e pelo cultivo de relações mais lúcidas e compassivas. Nas horas vagas adora dançar e desenhar mandalas.

Consulentes

O momento é de recolhimento. Recolher não para encolher, mas para colher.

Frutos novos nascerão dentro de cada um que puder além de sobreviver, VIVER o novo, renascer.

Pra renascer e preciso morrer. Isso é a Páscoa, a morte para a nova vida. O ovo simboliza o nascimento. O ovo hoje é a esperança da vacina.

Ovos controlados cujos embriões serão utilizados em um processo muito especial: produzir vacinas para imunização humana contra a pandemia do covid 19.

Consulentes, desejo muito ovos para comerem cozido, frito, mexido, ovo de chocolate, mas acima de todos o OVO ESPERANÇA, o que traz a cura física, e se você de fato renascer, o que traz a cura para as dores da alma.

Para quem acha ainda que tudo isso é UMA OVA, eu lamento com as familias de todos 2,5 milhões de pessoas que não tiveram a chance de renascer, e ainda digo, usando uma frase de Cristo, aquele que renasceu nesse dia de Páscoa, “Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem”.

Aproveite a chance, renasça! Força! Feliz Páscoa!

Madame Zoraide – Bela Urbana, nascida no início da década de 80, vinda de Vênus. Começou  atendendo pelo telefone, atingiu o sucesso absoluto, mas foi reprimida por forças maiores, tempos depois começou a fazer mapas astrais e estudar signos e numerologias, sempre soube tudo do presente, do passado, do futuro e dos cantos de qualquer lugar. É irônica, é sabida e é loira. Seu slogan é: ” Madame Zoraide sabe tudo”. Atende pela sua página no facebook @madamezoraide. Se é um personagem? Só a criadora sabe 



Eu e meus amigos frequentávamos aquele bar assiduamente.

Era um lugar descontraído, onde podíamos nos divertir de diversas maneiras, desde uma boa música ao vivo, uma pista de dança, comidinhas deliciosas, até um vinho de primeira!

Não posso me esquecer da mesa de sinuca, meu lugar favorito, pois ali conhecia muita gente diferente e a interação era uma constante.

E foi dali que rumei ao balcão do bar, pois queria mais uma taça, quando de repente a vi sentada, conversando com um rapaz. Deu para ouvir que falavam algo sobre o Japão, e logo pensei se seria possível ela ter viajado em algum momento para lá. Na verdade, pouco me importava.

Fazia anos que não a via, desde a nossa triste e definitiva discussão. Ela foi uma figura importante, mas saiu da minha vida de um jeito ruim, não deixando boas recordações. Preferi esquecer aquela amizade, pois tinha motivos sérios para isso.

Peguei minha bebida e passei por ela, fingindo não vê-la; não sei se ela me viu, sigo com a dúvida.

Nenhuma palavra foi dita, nem tampouco algum gesto foi feito.

Retomei minha sinuca e fiz uma tacada contínua, deixando a equipe adversária embasbacada.

Confiante de que eu era mesmo uma exímia jogadora – claro que isso não passava nem perto da verdade –,  senti uma vontade imensa de dançar. A música sempre teve um poder transformador em mim.

Na pista de dança com meus amigos me senti feliz! As mágoas do passado não tinham vez… Pelo menos não ali, não naquele momento mágico, onde a melodia me envolvia e fazia com que meu corpo e minha alma estivessem livres.

Simara Bussiol Manfrinatti Bittar – Bela Urbana, pedagoga, revisora, escritora e conselheira de direitos humanos. Ama o universo da leitura e escrita. Comida japonesa faz parte dos seus melhores momentos gastronômicos. Aventuras nas alturas são as suas preferidas, mas o melhor são as boas risadas com os filhos, família e amigos.

DOR

Quando falamos em dor pensamos em algo que machuca, mas a dor as vezes cura, fortalece e faz você perceber que aquilo que estava te trazendo tristeza pode ser o começo de uma mudança, pois aquilo mexe, bagunça e até dilacera dependendo da sua intensidade. Hoje foi o início de uma nova era, pois toda essa dor enraizada por um motivo que muitos tentam negar quando acontece, parece que dói na alma e que alguns deixam essa dor se transformar em doença, vou fazer todo esse mal virar amor, pois quem gosta cuida e não machuca.

Só tenho que dizer que é com seu desprezo que vou esquecer o que no fundo não teve significado nenhum para você.

Giovanna Finatti Domingo – Bela Urbana, é bem tímida, não consegue às vezes se expressar bem em palavras, mas a escrita a fez evoluir muito. Amo animais e não vive sem o seu cachorro, o Flocks.

Ficamos cientes das atrocidades que um ser, dito humano, é capaz de cometer através de um caso mais chocante ou mais divulgado pela mídia do que muitos outros. Ao lado da divulgação, muitos números, percentuais, gráficos, implorando por leis que protejam seres que estejam submetidos, por diferentes razões, à tais violências e atrocidades. A alma ainda não compreendeu, então precisamos de Leis para ter boa conduta como a Lei dos Direitos Humanos e a Lei Maria da Penha. “Detalhe” facilmente esquecido por trás dos números, cada caso ou morte refere-se à um ser humano.

Feminicídio, violência doméstica, violência conjugal, temas que emergem novamente com o confinamento e com a aparição das fotos em preto e branco de mulheres nas redes sociais em solidariedade às mulheres assassinadas, à manutenção da “Convenção de Istambul”, tratado internacional do Conselho da Europa pela eliminação de toda forma de violência contra as mulheres, conjugal ou familiar.

Ultimamente, me perguntei várias vezes se estamos vivendo no ano de 2020 d.C. , sem esquecer que também houve um tempo a.C. O ser, dito humano, já não é tão jovem… Somos considerados os seres mais evoluídos do planeta Terra, e que decepção! A evolução da alma ficou esquecida. Já passou da hora de agir com menos instinto e mais humanidade, de responder mais com o cérebro frontal e menos com o reptiliano.

Esqueceram que o único modo de entrar neste planeta é através de uma mulher, que nutre, protege, acompanha, ensina, perdoa. Esqueceram que sua descendência se faz através de uma mulher. Parece tão difícil para ele ver a mulher como um ser humano, pois ele não o encontrou dentro de si mesmo.

Tudo na natureza toma forma à partir de polaridades, de seres que direi complementares e não opostos, da união do masculino com o feminino. Sendo assim, não deveria haver espaço para a ilusão de propriedade, superioridade ou mesmo a submissão, que geram a violência, seja ela física, verbal ou psicológica. A energia feminina é naturalmente diferente e assim é a natureza, isso não significa qualquer motivo para menosprezo ou violência de algum tipo.

Para os leitores curiosos em números, relembrando que cada caso se trata de um ser humano, uma vida, uma alma, pessoas envolvidas, sonhos e emoções: Na Suiça, 0,4 assassinatos por 100.000 mulheres, esta proporção é de 0,13 na Grécia, 0,27 na Espanha, 0,31 na Itália e 0,35 no Reino Unido. Mais feminicídios são registrados na França 0,50 e na Alemanha, 0,55. (“Le Matin”, 25/08/2019).

Se observarmos os outros planetas do nosso sistema solar, podemos dizer sim que aqui é o Paraíso, e vamos nutrindo a esperança de que “Adão e Eva” não sejam expulsos, sendo a espécie “mais evoluída” do planeta. Yin e Yang, Shiva e Shakti, Masculino e Feminino em harmonia complementar, gerando vidas ao invés de eliminar vidas.

Viviane Hilkner – Bela Urbana publicitária (PUCC) e Profissional de Marketing (INPG). Atuou na área, no Brasil, em agencias de publicidade e meios de comunicação, e, na Itália, em multinacionais no Trade Marketing e Brand Development & Licensing. Morando na Suiça, mudou seu estilo de vida e apaixonou-se pela prática de Hatha Yoga. Ansiando compartilhar esta prática e sabedoria milenares, forrnou-se professora.Atualmente, ensina no Centre Kaizen e no Club de Yoga da Associação de Esportes e Lazer da Nestlé.Organiza Workshops e Retiros de Yoga na Suíça e no exterior, principalmente, na Grécia.Sua profissão tornou-se hobby e seu hobby, sua profissão.

Ela coçou os olhos, sentou na cama e literalmente reclamou de ter que acordar naquela manhã gelada. Sair debaixo das cobertas não fazia parte dos seus planos, muito menos abandonar o seu quarto, que se tornou o seu refúgio neste confinamento obrigatório!
Pegou o celular e lá estavam as mensagens de “bom dia” e “oiê” que a têm feito sorrir nos últimos tempos. Como é bom ter amigos! Esse foi o primeiro pensamento dela, ainda sem sair da cama.
E às vésperas de quarentar em plena quarentena, ela se pegou pensando: o que essa pandemia tem feito com as pessoas? No seu caso, foram tantas perdas até então: o contato com o outro, que lhe é tão característico; o tocar; trabalhos; a avó, que naquele dia completava um mês de sua partida; a despedida que não aconteceu; os amigos que estão longe; a saúde que teima em ter ligeiros baques pelo tal estresse.
Coerente, ela sabe que muita gente, por esse mundão afora, perdeu muito mais. Mas é impossível dela não sentir a sua dor, nem que na maioria das vezes seja em silêncio.
Sendo assim, ela pensou nos que eram, nos que são e nos que serão…
Para alguma coisa essa reclusão forçada há de servir! Muitos dizem que é para buscar o “eu interior”, ela, nos seus pensamentos mais secretos, acredita que vá muito além do reconhecer o “eu”, mas é reconhecer o “nós”.
Se cada um passa pela nossa vida com um propósito, durante um determinado período, ela fez questão de entender o cada um daquele momento.
Foram tantas mensagens que ela esperou em vão. Foram tantos os olhares que não vieram. Foram tantas certezas desfeitas. O aconchego veio de quem talvez ela menos esperasse: novos amigos, alguns quase tão recentes quanto à própria quarentena, amigos distantes geograficamente e tão presentes.
É claro que algumas certezas se mostram absolutas e aquelas amizades de anos, de quase uma vida, estão lá, naquele lugar especial que estiveram e sempre estarão. Pessoas que a leem como se fossem sua alma.
Ela lembrou da fala rotineira da terapeuta: “não se apegue ao passado, nem se penitencie pelo futuro. Viva o hoje. Não fique chorando pelo que se tinha, mas valorize o que se tem”.
Coçou novamente os olhos. Respondeu suas mensagens, como faz toda manhã, mas com uma grande diferença. Sorriu, com os lábios e com o coração, entendendo que aqueles que FORAM, foram. E esses, que fazem questão de estar, cada um a seu jeito, SÃO e, se Deus assim o permitir, ainda SERÃO.
Finalmente ela levantou da cama, fez o coque em seu cabelo e foi de pijama mesmo cuidar da sua vida!

Marina Prado – Bela Urbana, jornalista por formação, inquieta por natureza. 30 e poucos anos de risada e drama, como boa gemiana. Sobre ela só uma certeza: ou frio ou quente. Nunca morno!

Tenho lido muito sobre o amor e sobre as declarações tipo eu te amo, desculpem-me mas pra mim é difícil EUTEAMO, tem gente que diz com a banalidade de quem diz “como vai” e na verdade só quer dizer “oi” sem saber como você vai de verdade. Pra mim EUTEAMO é sagrado, intenso, avassalador!

Quando falo de não se banalizar o “EUTEAMO”, penso e lembro o quanto meu amor, esse sentimento tão humano é imperfeito, é egoísta e necessita de reciprocidade! Necessito que me respeite e me preserve como ser, como pessoa, como indivíduo singular, pra não cair nas relações abusivas tão nocivas. Preciso que tenhamos admiração um pelo outro, admirar e ser admirado faz parte deste amor terreno, não dá pra amar alguém que desprezamos pois cairíamos num processo doentio e insalubre. Preciso olhar para o outro e perceber que faz o seu melhor, não poupa esforços pra cuidar de nossa relação, e que quando falha, logo busca sanar isso pois preservar o que temos é mais importante que vencer ou deixar de dar o braço a torcer. Preciso egoisticamente que você possa ser pleno na minha ausência, pois parte da sua beleza é não precisar de minha pessoa, e que compreenda que não preciso da sua pessoa pra existir, mas que escolhemos partilhar este amor e nossa existência; seja como casal, família ou amizade.

Que te ofereço a melhor pessoa que consigo ser e recebo isso de volta de você. Que nossas diferenças não nos aniquilam, que quando pensamos diferentes isso representa nossas opiniões, gostos e preferências, nunca são questões morais ou valores que ameacem nossa integridade e sobrevivência. Que estar junto é bom, mas, estar separado é apenas uma questão de geografia, nunca algo que enfraqueça a relação, e que, o reencontro, mesmo que demore muito tempo, faz com que pareça que foi ontem que pudemos sentar, rir e abraçar. Que este afeto não dependa do contato físico e sim do contato da alma.

Pensei isso, e muitas coisas mais, pensei que te quero, quero vocês, as pessoas especiais as quais reservo o meu EUTEAMO, te quero e só posso desejar que seja recíproco. Ainda sou muito terrena pra amar incondicionalmente…quem sabe um dia chego lá.

Thelma Carlsen Fontefria – Bela Urbana, 50 anos, psicóloga, mãe de Isabella 20 anos, 2 cães, 1 gata, 1 afilhada 21 anos, 2 gerbils netos, mora em Santos, tentando manter a sanidade neste tempos de um Brasil tão distópico.

Irão nos interceptar, estudar e captar nosso silêncio.
Serão estrategicamente contraditórios para nós derrotar.
Mudarão suas táticas para nos confundir, cooptar.
Sem perceber, saberemos ser flexíveis, surpreendentes,
Alterando nossa rota, sempre opostas as rotas deles.

Onde não estão, estaremos.
Onde estiverem, estaremos.
Onde são queridos, seremos amados.
Onde são temidos, seremos força.
Onde são confusos, somos simples e óbvios.
Onde são óbvios, seremos poesia.

Eles serão ardilosos e nós seremos nós:
Seremos jovens e rápidos, espertos e sorridentes.
Seremos o que nos caberá ser a cada momento,
Pragmáticos no agir, firmes no querer.
Sangraremos, cairemos e sofreremos na alma,
Mas não em vão, se o fizermos por nós,
nosso bem, o bem de todos.
Pois faremos.

Crido Santos – Belo urbano, designer e professor. Acredita que o saber e o sorriso são como um mel mágico que se multiplica ao se dividir, que adoça os sentidos e a vida. Adora a liberdade, a amizade, a gentileza, as viagens, os sabores, a música e o novo. Autor do blog Os Piores Poemas do Mundo e co-autor do livro O Corrosivo Coletivo.

Sonho sonhado, vivido, compartilhado.

Sonhei então que entrava num prédio, subia as escadas, entrava num elevador daqueles antigos, todo de madeira escura, lindo.

Saia dele e entrava na redação de um jornal, mesas também de madeira escura, muitos papéis em cima, textos escritos nas máquinas de escrever antigas, pesadas e lindas, desenhos e mais desenhos pendurados, caricaturas, artes, charges, imagens do cotidiano saídas das cabeças incríveis de cartunistas famosos Glauco, Caruso, Quino, sim Quino.

Era uma mistura de Folha de São Paulo, Estadão e Correio Popular, aquele mesmo, famoso e antigo jornal da minha cidade natal, Campinas.

Jornal este muito conhecido e respeitado na região onde hoje, acabado, arrasado, desrespeitado, humilhado por muitos que vejo dizendo: “está quebrado coitado, esse já era, acabaram os jornais, hoje é só internet e olhe lá”!

E me vem aquele cheiro de papel, de tinta de impressão, de sorrisos, risadas na redação, brincadeiras mil, de gente de peso, artistas, jornalistas, repórteres, escritores, a mulher do café, a faxineira que lá trabalhava alegre, feliz ao meio de toda aquela gente maravilhosa e linda, e me vem as lágrimas agora me escorrendo pelo rosto enquanto escrevo, me vem a tristeza da alma.
Um jornal, uma época inesquecível, onde todos os dias se reuniam amigos sinceros, jornalistas, fotógrafos, publicitários que também andavam por lá, os tais vendedores de espaço, contatos, um corre corre danado, louco atrás de matérias e notícias quentes do dia…
Tudo isso se foi, acabou!
O tempo passou, levou e deixou em nossa memória.
Me vejo chegando nesse sonho de novo no jornal, na redação, cumprimento feliz um amigo cartunista, olho para o lado e pendurada num móvel junto de tantos outros desenhos lá estava eu, desenhado em minha visita anterior, minha caricatura, estampada num trabalho que ficará para sempre, enquanto o papel existir, enquanto o jornal não acabar, enquanto a janela não quebrar e o vento entrar e levar tudo para os ares, para o passado que vejo hoje distante, quase esquecido…
O tempo que leva tudo, que acaba com tudo, mas que não apaga da nossa triste e feliz memória.
Saudades restaram, apenas elas…

Mauro Soares – Belo Urbano, publicitário, diretor de arte e criação, ilustrador, fotógrafo, artista plástico e pontepretano. Ou apenas um artista há mais de 50 anos.

foto: Mauro Soares