Um amigo postou no Facebook que um policial tinha enquadrado ele por estar com um “back” e ainda disse a ele que dinheiro pra trocar as lentes dos óculos não tinha, mas pra maconha tinha (como se o dinheiro desse meu amigo fosse do tal “poliça” e não dele).

Infelizmente são esses tipos de pouco cérebro que votam no retrógrado, careta, ignorante, infeliz, homofóbico, atrasado e burro do BOZOnaro e querem a ditadura e os militares de volta!

Os mesmos dizem que maconha é o início do vício nas drogas, o que é uma grande ignorância, uma grande falta de percepção e discernimento!

Qualquer vício vem da ignorância, da falta de educação, da falta de cultura.

No interior por exemplo, naquelas cidades pequenas onde nada tem pra fazer nos finais de semana, os adolescentes se viciam em bebidas, quase todos! É impressionante!

O álcool é bem pior que a maconha por exemplo, enfim, sou a favor da liberação da maconha. Sou a favor da educação num país onde gente de faculdade confunde “esta” com “está”, “fica” com “ficar” (onde nunca usam o “S” no final), etc…

E esse meu Brasil, cada dia mais andando para trás!

Obs.: Eu não uso maconha mas usaria se gostasse, não vejo problema algum. Bebo Jack Daniel’s desde jovem e nunca fiquei bêbado.

Ensinamento do meu falecido pai. “Bebidas são feitas pra se apreciar, nunca pra embebedar” dizia ele.

É isso!

Mauro Soares – Belo Urbano, publicitário, diretor de arte e criação, ilustrador, fotógrafo, artista plástico e pontepretano. Ou apenas um artista há mais de 50 anos.

“Maria Joana” – acrílico sobre tela, 1,00m x 0,80m – 2018 – by Mauro Soares

Fui publicitário, diretor de arte e criação por 46 anos e há 4 deixei a profissão pra me dedicar exclusivamente para a pintura, o que desde meus 13 anos eu já fazia profissionalmente, paralelo ao meu trabalho na publicidade e propaganda.

Sentia que deixaria toda a cobrança dos tais clientes e agências. Cobranças essas de temas, layouts, ideias, criação, etc,… Ledo engano! Nas artes também existe isso, e muito, e sempre vem dos leigos ou dos “entendidos em arte”, que de arte mesmo não entendem nada! Sempre tem aquele “metido a marchand” que vem dizendo: “pinta isso, pinta aquilo, etc, etc, porque vende e tals…”. Um saco!

A diferença é que na pintura faço o que eu quero, não dependo das agências e seus clientes, dependo apenas de mim. Colecionadores de arte, se gostam da pintura, do tema ou da técnica eles compram mesmo, sem se importar com o resto. Já vi muitas vezes acontecer comigo, e acho incrível tudo isso. Na publicidade é uma doidera, um desespero, um stresse imenso, prazos, cobranças de todo tipo…arghhh.

Claro que trabalhando com pinturas minhas tenho sempre a pressão das vendas “e tals”, não tenho salário, dependo muitas vezes de marchands que são em sua maioria uma piada, dependo de galerias e suas altíssimas comissões sobre as vendas, etc, mas no fundo tudo é mais tranquilo. Você faz sua hora, seu dia, sua semana…bebe seu Jack na hora que quer!

Tenho minhas neuroses, lógico, mas também faço meus horários, minha logística pessoal.

Pintura é igual sexo, você não pode determinar que vai ou não pintar. Existe todo um entrosamento entre você e a tela. Você chega olha pra ela, ela olha pra você e mesmo estando no meio de uma pintura depende dos dois naquele momento. Se a tela olhar pra você naquele dia e sentir que não vai rolar, não insista, porque o sexo será uma porcaria, ou melhor, vai estragar todo um trabalho.

Normalmente quando isso acontece saio e vou fazer outra coisa. Deixo pra continuar em outro dia quando eu e a tela estivermos na mesma vibe.

Mauro Soares – Belo Urbano, publicitário, diretor de arte e criação, ilustrador, fotógrafo, artista plástico e pontepretano. Ou apenas um artista há mais de 50 anos.

foto: Mauro Soares

Poderia eu escrever sobre hoje, ontem ou há quase 60 anos, daria na mesma.

Continuo sendo aquela criança que gosta de brincar, correr, rir, xingar, amar, brigar, descobrir, desenhar, pintar, criar…

A mesma que adora refrigerantes e chocolate, claro, hoje com um pouco de álcool.

Não mudei muito, apenas continuo um adolescente, mas experiente em algumas poucas coisas, lógico, porque as que não sabemos e nunca fizemos são as melhores a se fazer.

Enfim, nesse tempo que não existe, continuo procurando aquilo que não conheço, arriscando nelas, as novidades, pelo menos para essa criança, porque tempo e espaço não existem mesmo, são apenas ilusão de um ser humano que infelizmente foi predestinado a acreditar em começo, meio e fim….que bobagem isso.

Mauro Soares – Belo Urbano, publicitário, diretor de arte e criação, ilustrador, fotógrafo, artista plástico e pontepretano. Ou apenas um artista há mais de 50 anos.

foto: Mauro Soares