A noite vinha chegando sem muito floreio… Obscura e incerta, como de costume, e apagando luzes e temperaturas com menos eficiência que o normal, mas firme nesse propósito de séculos. Eu jamais diria que não havia, ali, naquele dia comum, uma noite trivial se aproximando… Eu sempre fui meio desligado, e fosse como fosse, o que eu poderia imaginar que aquela noite me daria? Não havia mesmo muita expectativa, sabe? Um salto no inesperado. E saltei.

Até que chegou, no susto, mais cedo do que eu esperava, a tal anoitecida, o que me fez acelerar um pouco meu ritual de banho e camarim. Eu investia algum tempo nisso, confesso. Na falta de beleza genética, sempre compensei com estilo, remendando aqui e ali as fantasias da vez. Um bom palhaço entende a importância de sua pintura de guerra, e era noite de picadeiro. Rir no final era fundamental.

Com algum suspense suspenso no ar, e a tal da ansiedade que eu ocultava por baixo do perfume, sempre que era dia de festa, saí de casa rumo ao clube onde eu praticava vôlei. E aqui cabe um pouco mais de história… Vôlei havia entrado tarde na minha vida, depois de muitas outras experiências menos interessantes com esportes diversos, de futebol à ginástica olímpica, que embora eu até gostasse, pareciam nunca gostar de mim de volta. Era bom finalmente ter um que me aceitava, acolhia e divertia. E foi dele a culpa que me levou à festa que nos aguarda, e que eu guardo na superfície da memória há tantos anos, revisitando sempre, como faço agora.

A aniversariante era minha amiga de vôlei, assim como dos outros amigos com quem marquei de encontrar na porta do clube, para irmos juntos para a festa dela. Tudo entre amigos faz mais sentido, né? E a mera caminhada de quarteirões virou coleção de risadas que ecoam ainda hoje em mim, feito a mais linda moldura que antecede a mais perfeita obra de arte. Indo, sem saber, descobrir o colorido da vida, fui, ainda por cima, bem acompanhado. Tem sortes que a gente precisa mesmo emoldurar.

E chegamos… Festa de quintal de casa, com decoração despretensiosa, ali apenas para ilustrar um pouco do que acontecia de mais importante: as interações. E como sempre acontecia nas chegadas, liguei meu radar para entender melhor o lugar, as pessoas que eu conhecia, as que eu não conhecia, banheiro, comida e “espelhos”. Espelhos, entendam, eram aqueles caras descolados que serviam de inspiração para meus desajeitados passos de dança… Eu era um pot-pourri de passos surrupiados discretamente, mas nunca colocados em prática como deveriam. Mas era festa, e ser feliz sem muitos cuidados era obrigatório.

Eu já estava nessa, de ser feliz e livre entre amigos e risos na pista de dança, há um tempo já quando ela chegou… Não sei dizer o motivo real de tê-la visto entrando, de longe, tão rápido. Talvez meu radar ainda estivesse ligado, procurando algum salgadinho diferente dos que eu já tinha provado, ou o rodopio copiado do garoto de topete maneiro tenha me deixado de cara com ela… Não sei. Acho que tudo isso… Ou talvez nada disso fosse mesmo preciso, já que eu não era o único sob os efeitos da hipnose. Mas quis acreditar que ela era meu feitiço particular.

Não foi a primeira vez que a vi. Na estreia, alguns anos antes, a conheci como amiga da minha cunhada e, portanto, presa a ser apenas isso, embora houvesse já algum desconforto nessa limitação. Ela foi sempre dessas pessoas que roubam o fôlego da gente, sabe? Quando a vi pela primeira vez acho que desaprendi a respirar, e agora ali, naquela festa de quintal, zonzo por rodopios nada dominados, senti voltar com tudo o poder da inspiração.

Caramba! e agora? Pernas bambas mesmo, que deixavam aquela cópia fajuta de coreografias alheias ainda mais descabida… Será que ela lembrava de mim? Será que ela tinha me visto? E será que eu estava dando pinta demais daquele interesse incubado por tanto tempo e tantos “não possos”? Me vi um enorme e desajeitado ponto de interrogação, com a sensação de que estava piscando florescente, e ainda por cima fora do ritmo da música que tocava. O que estava acontecendo?

Olhando daqui do futuro, penso que eu havia acabado de receber o golpe… Cambaleando ainda do choque com aquela paixão gigante que despencou sei lá de onde, e foi tomando todo o quintal, desrespeitando qualquer limite que via pela frente. E de repente, era só eu, ela e os escombros daquela paixão, espalhados por todo lado, saindo sem controle de mim. De uma coisa eu sabia… Era impossível esconder aquele troço. E eu também não queria esconder.

Ok, ok. Eu estava entre amigos, e ficava sempre mais a vontade nesses casos… Havia meu figurino de festa, elaborado com dedicação para superar a natureza, e havia aquela composição de estilos, remixados com a trilha sonora que tocava, mas por baixo daquilo tudo, eu era um cara tímido pra essas coisas. Ótimo nas palavras que ziguezagueavam atrás dos olhos, mas super enrolado na hora de fazê-las sair. O coração começava a descompassar, e junto dele, as poucas que saiam pareciam não saber mesmo o que dizer. E por acaso, naquela simples ocasião, parecia que toda a minha vida estava em jogo… E, de novo aqui do futuro, sei que estava mesmo.

Fiquei então ali… No esconderijo da roda de amigos, criando coragem como quem cultiva o mais complexo dos grãos… Arando aquele terreno de poucos metros que nos separava, e que parecia tão maior e mais arisco. Lava imaginária, creio ter visto até. E dali, do outro lado da pista, ficava lançando olhares como quem pede socorro, em SOS, esperando alguma fisgada de coragem. Nunca soube pescar.

Mas, como tudo entre amigos faz mesmo mais sentido… Numa jogada inesperada, e na mais incrível levantada que já recebi na partida de vôlei da minha vida, a aniversariante veio até mim, vencendo aquele terreno ilusoriamente flamejante, e perguntou o que eu achava da garota fulana, justamente aquela que havia me sequestrado da festa e da razão. Oi? Lembro de ser pego mesmo desprevenido… Acho que engasguei… Certeza que gaguejei… Mas consegui formular algo que foi suficiente pra declarar meu total interesse. E completei com “por que?”. Eu precisava saber porque… E mais, o porque tinha que me levar até os lábios dela.

A resposta veio. E sei lá pra onde me levou naquele instante. Minha amiga de vôlei, que era já tão mais que isso, disse que ela, a feiticeira, havia perguntado de mim… Em algum momento dos poucos que a perdi de vista. Por que? Estaria interessada também? Curiosa? Eu estava encarando além do saudável? Tudo isso passou feito um calhambeque numa rua de paralelepípedo, trepidando em minha total incredulidade. Era, enfim, uma coragem fisgada.

O que se desenrolou desse momento em diante é difícil de descrever. Acho que por haver, não sei, alguma coisa de magia mesmo, dessas névoas de encantamento sobrevoando aquela cena de encontro. Nos aproximamos, os dois, vencendo uma distância que nem parecia mais real… Ela vindo mergulhada no sorriso mais lindo que já vi até hoje, e eu indo por já não poder mesmo segurar aquele impulso de ir, até ela, pra ela. Cataclisma. A pele dela, imantada, exercia uma atração impossível… E resistir seria imperdoável.

Já próximos, enlaçado pelo perfume dela, descobri ali meu aroma preferido. Engraçado como há coisas que marcam, feito ferro incandescente… Fecho hoje meus olhos, cansado pelo tempo, e sinto ainda aquele perfume, cravado em mim, permanente. E agora um na órbita do outro, mudamos a trajetória indo juntos para fora daquele quintal. Outra dessas coisas que não consigo explicar. Simplesmente fomos, com uma certeza impossível de que era o que o outro também queria. Rua vazia… Sozinhos abarrotados de tanto o que dizer e fazer… E a noite, ali perdida, sem saber para onde olhar.

Nao sei mais o que esperam de mim nesse relato… Esperam que eu conte como foi o beijo? O que eu disse? E o que ela falou? Não posso. Não há nas palavras que eu conheço alguma combinação que consiga traduzir aquela paixão. Antíteses… Um tanto de incêndio, com uma dose de céu… Perdido completamente naquele lábio que parecia meu, ganhado, absorvido… Embaralhando desejos, sonhos, mãos e gostos, como se não houvesse mesmo amanhã. E hoje, alguns amanhãs depois, sei que não haveria mesmo nenhum que pudesse ser maior que aquele instante.

Tudo parece ir e voltar daquele ponto. A vida, o volei, os amigos e antigas namoradas, a rua e a noite me levando como se me devolvessem àquele beijo, que volto também, com a vida em curso hoje, sempre que preciso me refazer, respirar, e me reencontrar. Origens…

De volta àquela festa, da amiga do volei…
De volta àquela rua, vazia e tão perfeitamente à espera de nós dois…
De volta, ao começo de absolutamente tudo.

Paixões como essa são feito estrelas, que estendem seu brilho no manto da nossa história e seguem iluminando e atraindo passe o tempo que passar.

E hoje?
Hoje essa estrela dá novos sinais, novos horizontes, de novas chances e novos encontros.

Reencontros…
E reencantamentos.

A noite vem aí, obscura e incerta, como já conheço, e agora aprendi a não deixar na mão do universo o desfecho do meu espetáculo. É noite de picadeiro, e rir no final é fundamental.

Bernardo Fernandes – Belo Urbano. Um gêmio canceriano, e um ingênuo de 35 anos, nesse contínuo processo insano de se descobrir. Achou na Comunicação uma paixão e uma labuta, e vive nessa luta de existir além do resistir, fazendo diferente e diferença… Ser feliz de propósito, sabe? Sem se distrair desse propósito. E vai assim, escrevendo o que a alma escolhe dizer, tocando o que a viola resolve contar, fazendo festas com cachorros e amigos perdidos, e brincando de volei, de pique, e de ser feliz na aventura da sua viagem. Vai uma carona?

Ela sentiu a nuca arrepiar ao olhar para aquele par de olhos azuis. Aquele era um indício de muita confusão em sua vida e de uma entrega que nunca havia vivido. Eram apenas algumas horas para viver essa louca paixão estrangeira, sem freios.

E assim foi. Foram exatas 10 horas de êxtase, gargalhadas, alguns problemas com o idioma, a descoberta que ele realmente não gostava de pimenta e que ela era louca em vinho Carménère e não podia tomar cerveja daquele jeito maluco e que eles dançavam forró lindamente, apesar dos dois pés esquerdos dele.

Jogo de Copa do Mundo no Brasil, festa na arena São Paulo. E lá estava o hermano mais charmoso que ela havia visto. Tudo começou com um irreverente e –inocente – acreditou ela, pedido de “saca uma foto, por favor?”. Claro! Pronto, feito o primeiro contato aqueles olhos não se desgrudaram mais. Conversa vai, conversa vem, em bom portunhol. Pois sim, ela só achava que as aulas de espanhol tinham feito algum efeito. Ele brincou com ela e a pediu tirar uma foto com o chapéu azul e branco. Ela tomou outro gole da birra e topou a brincadeira. A “irmã caçula” que a acompanhava, achando tudo lindo, incentivou a brincadeira.

Ela torceu pelos hermanos… O Brasil não jogava naquele dia, já havia acontecido o fatídico 7×1. Entre uma tentativa e outra de tentar ensinar o dançarino de tango forrozear, ele lhe roubou um beijo. Ela parou. Ele, sem graça, pediu desculpas. Ela riu e roubou outro beijo. A irmã, os amigos só se olharam e seguiram tarde e noite a fora rindo.

E eles pararam de ver a Copa, os jogos, as pessoas e se fecharam num mundo só deles. Conversaram, riram, dançaram. Até que ele teve que ir embora. Era domingo à noite. Ele tinha uma fronteira para cruzar e ela, uma hora e pouco de estrada pela frente.

Se abraçaram como se não existisse amanhã. Até hoje ela é capaz de sentir o cheiro do perfume dele se pensar naquele momento. Os olhos marejaram. Os dela e os dele. Trocaram juras de se ver. Ele prometeu voltar, ela prometeu ir. Passaram a se seguir nas redes sociais e conversaram horas a fio durante a volta dele. Se falam até hoje. A promessa de se encontrarem não foi cumprida. Ele namorou, ela também. Mas ainda se conversam esporadicamente. Numas dessas conversas a revelação mais surpreendente: ele guardou o guardanapo que ela escondeu no bolso da sua calça com um bilhete, ainda ouve a aquele forró de Gil e lembra dela. Ela ainda bebe o vinho Carménère e sabe o trecho que ele ensinou do hino argentino. Um torce pelo time do outro (quando não são rivais na partida) e guardam os copos de cerveja daquela Copa.

Uma história linda, de um encontro inusitado, que até hoje move sentimentos em dois corações distantes.

Marina Prado – Bela Urbana, jornalista por formação, inquieta por natureza. 40 anos de risada e drama, como boa gemiana. Sobre ela só uma certeza: ou frio ou quente. Nunca morno!

Caminhei olhando a rua e me peguei no tempo;
Como em um sonho, as coisas ao meu redor pareciam andar mais devagar;
Uma leve música cantarolava em meus pensamentos;
Anti a rua, o tempo e o som lembrei do seu olhar;

Sua voz doce recitava uma poesia;
Seu olhar demonstrava muita paixão;
Pensei, lembrando, quem sabe um dia…
Poderei conhecer seu coração!

Hoje conheceremos as minhas lembranças de um sonho bom;
Onde, de mãos dadas, caminhava com você;
Tinhas a rua, o som a brisa e o tempo, que ao seu lado, no meu sonho, parecia não correr;

Foi próximo ao lago, amparado pelo belo pôr do sol;
Que segurei suas mãos levemente e, com os lábios trêmulos, beijei você!
Foi um beijo leve como a brisa daquela tarde linda, sensível como uma poesia recitada por você;
E, ao final deste beijo, com um olhar um pouco sem jeito, descansou seu rosto no meu peito;

Peito este que tinha o coração palpitante de emoção, e em um turbilhão de pensamentos, não encontrei palavra nenhuma para dizer;
Passei meu braço pela sua cintura, e como em um doce que chega ao fim, caminhamos sem falar, mas ficou escrito, isso nunca mais se apagará!

André Araújo – Belo Urbano. Homem em construção. Romântico por natureza e apaixonado por Belas Urbanas. Formado em Sistemas, mas que tem a poesia no coração. 46 anos de idade, com um sorriso de menino. Sempre irá encher os olhos de água ao ver uma Bela Mulher sorrindo.

Ela andava pelas ruas. Era madrugada, estava só.

A noite tinha sido uma sucessão de desencontros. Primeiro com os amigos, o que ela entendeu não foi o que eles entenderam e ela foi parar em outro bar com o mesmo nome.

Gente estranha tinha por lá. Esperou, tomou uma cerveja, nada de chegarem, olhou o relógio, nada ainda, mais uma cerveja. Como era fraca para bebidas, já no final da segunda estava meio zonza, resolveu ir para a terceira, começou a rir de tudo que observava por ali.

Chegou um carinha na sua mesa, com uma dessas cantadas baratas e abobadas, mas como ela estava só, aceitou a cantada e que ele sentasse na mesa. Falaram do Japão, nenhum era japonês, e o lugar mais distante que ela conhecia era bem perto, mas atrevida que era, não se fez de rogada e do Japão falava sem parar e ria, porque quem bebe um pouco além da conta ri.

Lembrou da turma de amigos que nunca chegava. Pensou no celular, mas como de costume, sem bateria. Xingou as velhas gerações por não ter comprado aquele carregador que pode carregar em qualquer lugar, mas sabe como é, grana curta.

O carinha que só falava do Japão lá estava a falar sem parar e aquilo parecia uma boca nervosa que precisa ser calada e acalmada; sem pensar lascou-lhe um beijo. Há dois anos atrás ela jamais faria aquilo, mas agora, as águas rolaram e era só um beijo em uma noite de verão, em um alguém, sabe-se lá quem.

Ele ficou boquiaberto e ela foi embora, deixando a mesa e a conta para ele. Foi embora a pé, rodando aqueles bares, sem celular, cabeça acelerada, fala lenta.

Pensava nele, tinha saudades dele, do beijo dele. Não, não era do carinha de cinco minutos atrás não, aquilo era nada, era do outro, do antigo, do que grudava na sua pele, mas que estava longe, do que tinha a melhor pegada, pele a pele.

E esses amigos onde estão? Cabeça ia, vinha, voltava e vinham risadas, ânsia de vômito. Ela era fraca para beber, ficava engraçada, mas assim na madrugada, sozinha na multidão, com quem podia compartilhar?

Podia passar uma cantada e usar o celular de alguém, mas não adiantaria porque não sabia ‘de cór’ nenhum número. Eram quase três horas da manhã, resolveu andar e ir para a praça perto da faculdade, não tinha combinado de dormir na casa de ninguém, e não queria voltar para a casa da mãe porque garantiu que dormiria na casa das amigas.

Então, foi para a praça esperar o nascer do sol, a vista era linda! Já tinha feito aquilo uma vez com ele (ele de novo nos seus pensamentos), ela ria e tinha vontade de dançar, melhor não, estava zonza mas não totalmente sem juízo, dançar na rua era um sonho de infância, mas sem companhia não teria graça.

Na praça, sentou no mirante. Ela, o céu e um celular que tocou. Sim, tocou um celular que estava perto, ninguém ali, só ela, o céu e o celular.

Não atendeu. Tocou de novo. Atendeu: – Alô, não, não é ela. Não, não é ela que está falando. O quê? Como assim? Não, não sou. Ah, por favor, não sou, ligue depois.

Desligou, esperou e o sol começou a clarear o dia, assim como a mente clareava para seu estado normal.

Adriana Chebabi  – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde faz curadoria dos textos e também escreve. Publicitária. Curiosa por natureza.  Divide seu tempo entre seu trabalho de comunicação e mkt e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. É do signo de Leão, ascendente em Virgem e no horóscopo chinês Macaco. Isso explica muita coisa. 

Lembro de muitas histórias de carnaval. Na infância, esperava ansiosa minha tia Marta e minha prima Gi chegarem do Rio de Janeiro, com a fantasia que minha tia trazia pra mim igual ao da minha prima. Sempre tão lindas! Lembro de nós duas na matinê, no salão do clube à espera para desfilarmos no concurso de fantasias… já fomos baianas, bruxinhas, ciganas etc.

Na adolescência, a primeira vez que fui a um baile à noite estava de melindrosa, tinha 12 anos e fui uma única noite. Queria porque queria ir, já que minha prima ia, mas não gostei. Não me senti pertencendo, ainda gostava da luz da matinê e de ficar jogando confetes e serpentinas… A noite ainda não era para mim!

Com 13 anos, passei as cinco noites com um grupo de uns 40 adolescentes como eu, fantasiados de egípcios e gritando: “Alalaooooo, mas que calor”. Aquilo para mim foi o máximo! Passei as cinco noites junto com o grupo, correndo pelo salão, cantando sem parar aquele refrão e sem olhar para nenhum garoto. Eu era mais criança que adolescente ainda.

Já no ano seguinte, 14 anos, começaram a ser mais divertidos os bailes de carnaval. Nesse ano, lembro que junto com minha amiga Alexandrina, ficamos “apaixonadas” platonicamente por um mocinho no salão, que nunca nem sequer dançou uma música com nenhuma de nós. Acho que nem nos via, era “gatinho”, como dizia a gíria da época dos anos 80 quando era para fazer referência a alguém bonito. Ali eu descobri que gostei do colorido que a paixão nos traz, mesmo quando não é correspondida. Ainda era uma menina que nunca tinha beijado na boca.

Com 15 anos, já era mais encorpada, bem morena, e novamente com minha prima e amigas fizemos fantasias iguais para algumas noites. Éramos piratas com meia arrastão preta, top vermelho com lantejoulas e um pano de cetim vermelho que servia de saia, biquine por baixo, porque tudo era bem curto, era moda. Ano que comecei a ser vista pelos mocinhos. Dançava com um, depois com outro e com outro pelo salão. Funcionava assim: Tinha uma grande roda e quando parávamos de dançar com o par, ficávamos no entorno dessa roda dançando até outro convidar para dançar. Sempre nós, as meninas, esperando passivamente sermos convidadas. Eu nunca convidava ninguém, poderia justificar com minha timidez – de fato era tímida demais para chegar em algum moço –, mas não era só isso, era algo que no fundo estava enraizado em mim. “Isso não é papel de moça, os homens é que devem tomar a iniciativa”.

Os homens podiam escolher e nos tirar para dançar, mas nós, moças mais recatadas, jamais faríamos isso. Isso nunca passou pela minha cabeça como algo a ser questionado, nunca nem pensei, e se quisesse dançar com alguém, por que não ir tirá-lo também? Nesse ano, me lembro de dois mocinhos que ficavam “me disputando”… Uma vez, dançando com um deles, um amigo o chamou para brigar, e ele, como ‘bom macho e fortão’, falou pra mim: “– Tenho que brigar agora, depois eu volto, me espera”. Eu sei lá qual o motivo da tal briga, na hora o achei muito valente. “Nossa, uau, ele vai brigar, como é forte! Como é valente!”, esses eram meus pensamentos.

Bom, os dois que me “disputavam”, o valentão e o outro, eram amigos, esse outro tinha uma namorada… mas passava por mim quando não estava dançando comigo e me media de cima a baixo, jogava charme, fazia comentários, mesmo dançando com ela, sem nenhum respeito por ela. Eu, na verdade, também não percebia que isso não era respeitoso nem com ela e nem comigo.

Na última noite, a banda tocava até quase o raiar do sol, e nas repetições do mais um, eu estava dançando com outro mocinho. A música parou e ele veio todo para cima de mim tentar me beijar, quando o tal que me “disputava” com o amigo fortão, o que tinha namorada, disse em alto e bom som: “Não mexe com essa moreninha que eu vi primeiro!”. Como se eu pertencesse a ele, como se eu fosse um mero objeto.

Como me senti? Sinceramente, naquele dia, me senti desejada, importante, e estava gostando das investidas do garoto que levou um sinal amarelo do outro. Eu fiquei passiva, esperando que os meninos decidissem de quem eu era. Como assim de quem eu era? Eu que deveria escolher! Afinal, eram dois pretendentes, mas eu não tinha essa percepção e talvez até achasse interessante ser “disputada como um prêmio”. Hoje consigo enxergar o quanto eu era machista e não tinha consciência de nada disso. Sou uma desconstrução dessa machista.

Enfim, me despedi, fui embora com minha prima e amigas. Já com saudades daquele carnaval, que me traz lindas lembranças, mas com água na boca de um beijo que não aconteceu, mas… a vida é um caixa de surpresa e o primeiro beijo veio no carnaval do ano seguinte… Mas essa história é outra…

Adriana Chebabi  – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde faz curadoria dos textos e também escreve. Publicitária. Curiosa por natureza.  Divide seu tempo entre seu trabalho de comunicação e mkt e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. É do signo de Leão, ascendente em Virgem e no horóscopo chinês Macaco. Isso explica muita coisa. 

Foto Adriana: @gilguzzo @ofotografico

Não me recordo há quantos anos, e contá-los seria só um detalhe, quando fui pra rua atrás de Blocos de Carnaval.

Os grandes não me interessavam muito porque sentia fobia – pequena que sou, mal via o chão.

Procurava a Agenda Carioca e também o “disse me disse” a respeito de um bloquinho de esquina.

Fazia meu roteiro. Adorava ver a criatividade do povo, mas a minha não ia além de um short velho, uma mini camiseta, tênis velho e uma rosa no cabelo. Pochete também (rs). Totalmente ninguém na multidão!

Rio de Janeiro, fevereiro, sempre mais de 35 graus, dias de sol. Sábado à tardinha, concentração do Cacique de Ramos, o mais antigo bloco que mantém a tradição de desfilar entre cordas, com a ala da Velha Guarda e apenas uma marchinha. Saí às 7 da noite – se não tem a camisa do bloco e está fora das cordas, siga ao lado, farra igual, batucada, cantoria e pé no asfalto… Lá vai o bloco! Uma vez sentada no meio-fio com uma latinha de cerveja na mão, um vendedor perguntou se eu estava bem. Meus cabelos brancos denunciavam mais uma coroa na avenida. – Estou ótima!

Domingo, 8 da manhã, e o sagrado Boi Tá Tá na Praça XV, famosa praça no Centro da cidade do Rio de Janeiro. Bloco parado com toques políticos, artistas engajados em causas sociais, músicos famosos. Uma mistura perfeita! Marchinhas antigas e novas, sambas, rock, frevo, de tudo um pouco. Nesse bloco, já abandonei namorado velho para ver Teresa Cristina na beira do palco, no meio da muvuca. Acho que ele ainda está me procurando. Ali também já beijei namoradinho de escola que não via há anos. Sumiu também.

Agora é lei, e se é multado caso faça xixi na rua. Mas sou do tempo em que não existiam banheiros químicos… Xixi atrás dos carros, muitos!

O roteiro mudava conforme a disposição, acompanhar o tradicional Escravos da Mauá pelas ruas do Centro da cidade, esse com samba-enredo que se cantava com papelzinho na mão. Gosto pouco!

Partindo Zona Sul, o hilário: “Largo do Machado, mas não largo do copo!” Bloco pequeno que dá a volta em duas ruas e volta para o Largo. Ali se vai atrás de uma bandinha, cujos integrantes se somarmos as idades dá uns 1000 anos. Dos prédios, as pessoas cantam e acenam: momento sambódromo! Só diversão!

Suor, fome indo embora num pastel de queijo, cachorro-quente sem salsicha e sucos duvidosos. Não existe cansaço, não dá pra ser politicamente correto, é carnaval! São dias pra se esquecer e vestir vários personagens.

Gosto de ir sozinha, não sei andar em fila com amigos e filhos. Gosto realmente de ser ninguém. Dançar com estranhos, rir das performances. Me dar o direito de sentar no chão, lavar o rosto com água mineral, cantar alto e desafinado e ir “carnavivendo”!

Atravessar a Baía de Guanabara no bloco da Barca, que vai de uma cidade a outra flutuando e batucando.

A cada ano o Rio de Janeiro se reinventa na criatividade, nos nomes dos blocos.

Agora muitos tomaram grandes proporções que já não me agradam mais. Fico de olho nos batuques de esquina antes que cresçam. Os ouvidos sempre atentos a qualquer batucada e o corpo vai seguindo com faro de perdigueiro até encontrar sua caça.

Maria Nazareth Dias Coelho – Bela Urbana. Jornalista de formação. Mãe e avó. É chef de cozinha e faz diários, escreve crônicas. Divide seu tempo morando um pouco no Brasil e na Escócia. Viaja pra outros lugares quando consigo e sempre com pouca grana e caminhar e limpar os lugares e uma das suas missões.

Os relacionamentos por whatsapp são muito comuns nos dias de hoje. Se por um lado o aplicativo une e agiliza a comunicação, por outro pode tornar até um casamento sem a relação “face to face”.

Me lembro de uma amiga cujo marido falava tudo por mensagens. Mas quando chegava em casa, não dava nem um beijo sequer. Boa noite então, seria gentileza demais. Ele ia direto para o banheiro e se dirigia de costas para a esposa apenas para perguntar: – O que tem de janta?

Celular no criado mudo não parava de “apitar”. Cunhada, irmãos… mesmo tendo passado o dia todo juntos, invadiam a privacidade do casal.

Acontecia sempre naquele mesmo horário. Então jantavam separados, pois ele sempre estava ocupado respondendo mensagens de whatsapp ou falando ao celular.

Na hora de dormir, ele queria sexo. Mas não havia troca. O sexo para ela era a continuidade de uma relação, caso contrário, se tornava obrigação. Pra que fingir? Melhor fugir.

Relação afundando, mas o whatsapp continuava lá. Ativo, funcionando.

Ele nunca lhe pediu desculpas por nada, afinal, tinham jurado ao pé do altar que o casamento seria pra sempre.

Triste contradição: ela terminou o casamento e o mandou embora de casa por mensagem… de whatsapp.

Ele não pediu para ela reconsiderar. Não tentou dialogar. Sua única tentativa foi mandar uma mensagem a ela agendando terapia de casais…por whatsapp.

Tarde demais.

Angela Carolina Pace – Bela Urbana, publicitária, mãe, apaixonada por Direito. Tem como hobby e necessidade estudar as Leis. Sonha que um dia as Leis realmente sejam iguais para todos.

O beijo surgiu
Num dia de frio
Dia norte e sul
Anil, azul, a mil
Carinho de céu
A dois em um
Um, dois, fugiu

Nosso encontro
Nasceu inusitado
Cresceu remediando
Trajetos errados
Seja eterno
Enquanto dure
Mais que o tempo
De uma vida
Ao teu lado!


Crido Santos – Belo urbano, designer e professor. Acredita que o saber e o sorriso são como um mel mágico que se multiplica ao se dividir, que adoça os sentidos e a vida. Adora a liberdade, a amizade, a gentileza, as viagens, os sabores, a música e o novo. Autor do blog Os Piores Poemas do Mundo e co-autor do livro O Corrosivo Coletivo.


O próximo beijo que eu vou dar
Quantos próximos beijos estão por vir…
O beijo de amor… O de afeto… O de gratidão… O de compaixão…
Aquele cheio de ternura… O da despedida, mas também o da chegada.
Beijos que selam a amizade… Que encerram ciclos. Beijos apaixonados, mas alguns meio aflitos.
Todos fundamentais, mas sugiro um diferente, simbólico, porém de grande valor… Um beijo no espelho! Isso mesmo… beije aquele que está refletido ali. E siga confiante, pronto pra quantos outros beijos quiser dar e receber!

Simara Bussiol Manfrinatti Bittar – Bela Urbana, pedagoga, revisora, escritora e conselheira de direitos humanos. Ama o universo da leitura e escrita. Comida japonesa faz parte dos seus melhores momentos gastronômicos. Aventuras nas alturas são as suas preferidas, mas o melhor são as boas risadas com os filhos, família e amigos.

Desde muito pequena sempre fui chamada de beijoqueira. Passava batom pra beijar o espelho e o vidro do box do  banheiro vaporizado. Meu pai não gostava muito de beijo mas eu insistia e ele acabava cedendo dizendo:  – Essa menina é beijoqueira.

Penso que o beijo é uma demonstração de afeto muito pura, que vem do coração, por isso quando fui questionada para quem iria o próximo beijo, no mesmo instante pensei nas crianças.

São elas que dão os beijos mais puros, afetivos e despretensiosos. Elas aprendem desde um aninho o que é um beijo estalando a boquinha e mandando beijinhos pondo a mão na boca.

Quando chego na creche onde trabalho, lá estão elas, esperando o meu olhar, o meu carinho e o meu beijo. Um amor incondicional, sem esperar algo em troca, sem preconceito. Um amor puro. Um beijo puro. simplesmente um beijo.

É pra elas que vai o meu próximo beijo, e o outro, e o outro também. Sempre que existir uma criança é pra ela o meu beijo.

Vera Lígia Bellinazzi Peres – Bela Urbana, 53 anos, casada, mãe da Bruna e do Matheus e avó do Léo, pedagoga, professora aposentada pela Prefeitura Municipal de Campinas, atualmente diretora da creche:  Centro Educacional e de Assistência Social, ” Coração de Maria “