Nesse momento tem sido muito difícil organizar os pensamentos e colocar em palavras aquilo que estamos vivenciando.
Quando resolvi trabalhar com gastronomia muitos propósitos e sentimentos se juntaram e cristalizaram na minha mente…
Juntar todos numa mesma mesa, mesmo com gosto, filosofias e propósitos diferentes…
Acolher as diferenças…
Mostrar que é possível ter um negócio e ao mesmo tempo fazer parte de uma corrente de conscientização em prol do nosso planetinha…essas foram algumas das coisas que nos guiaram.
Para um Chef de cozinha tudo importa, desde a procedência do ingrediente (nossa base), passando pela confecção de prato (a obra) à reação das pessoas (nosso guia).
Não poder ver nossos propósitos realizados dói, não ter as pessoas ao nosso redor para compartilhar das experiências as nossas mesas dói, mas sabe o que mais dói? Não saber o que esperar do futuro, ter que pensar se vamos conseguir manter nossos colaboradores, pensar quantas pessoas fazem parte da nossa rede e que se tornaram família para nós e não sabemos como garantir a subsistência de toda essa rede.
Trabalhamos lado a lado todos os dias…rimos, choramos, nos apoiamos, mas e agora?
Num primeiro momento nos reinventamos, passamos a não atender no restaurante … saímos na frente e começamos a produzir marmitas…estávamos vendendo horrores, mas … e o pavor de não saber se estávamos levando esse vírus para nossos familiares e clientes?
Optamos por parar…não sei se quando tudo isso passar terei um restaurante…mas a cada dia estou aprendendo mais e mais o que realmente me importa…e cheguei a conclusão que sempre será a vida.
Continuarei pagando meus funcionários enquanto for possível…quando não for mais, vou dividir meu pão… negócios vem e vão… a vida tem que continuar a qualquer custo.
Que ao final disso tudo tenhamos regatado nossa tão frágil humanidade.

Adriana Rebouças – Bela Urbana, formada em Publicidade. Cursou gastronomia no IGA – São José dos Campos. Publicitária de formação e Chef por paixão. Sócia do restaurante EnRaizAr que fica dentro de um espaço de yoga e terapias que se chama Manipura em São José do Campos – SP.

Fotos Taine Cardoso Fotografia

Pergunta… e eu respondo:

E temos outra coisa para pensar?

A palavra “viral” é séria não é?

E, se ela vem da palavra “vírus” qual a relação entre a a vida e a morte?

Pensando alto sobre essa onipotência humana, engolindo mentes relapsas, doentes e sem respeito algum pelo seu respirar, entre o respirar do outro.

Se o momento é teclar, e sem tocar o outro eu finalizo:

Esse não é o que está acontecendo em nossa vivência solitária?

Não podemos julgar, pois alguém se lembra do último abraço, toque que deu antes do vírus chegar?

Bem… então…

Respeite as teclas agora, tornando essa atitude viral!

Joana D’arc de Paula – Bela Urbana, educadora infantil aposentada depois de 42 anos seguidos em uma mesma escola, não consegue aposenta-se da do calor e a da textura do observar a natureza arredor. Neste vai e vem de melodias entre pautas e simetrias, seu único interesse é tocar com seus toques grafitados pela emoção.


Desde o Natal do ano anterior vínhamos ouvindo no noticiário, sem dar muita importância, sobre uma estranha doença, que matava pessoas de pneumonia, em uma remota província da China. Ainda estava claro em nossas lembranças, aquela síndrome estranha que tinha vitimado
consumidores de cerveja, em Minas Gerais, então, a doença da China, acabaria se resolvendo por lá. O desenrolar da história todos já sabem.
No final de janeiro, eu e meu marido fizemos um cruzeiro maravilhoso, que passou pelo litoral brasileiro até Salvador e voltou. Foram sete dias encantados e nós comemorávamos nosso aniversário de casamento. A chegada foi tranquila, mesmo com o estranhamento daquelas pessoas usando máscaras, no porto de Santos.
Dois dias se passaram e eu dei entrada num hospital, não com gripe, mas com um nada glamouroso nó nas tripas, ou um mais elegante volvo intestinal. Cirurgia de emergência. No hospital, nenhum movimento que indicasse a preocupação com o tal vírus da China, que já se alastrava pela Itália e chegava a outras partes da Europa. Enquanto eu me recuperava em casa, as notícias passaram a se tornar mais preocupantes.
Logo eu estava bem para voltar ao meu atelier e às aulas de arte. Depois do Carnaval, minhas meninas de aquarela tiveram sua primeira aula do ano. Já nos preocupávamos em nos cumprimentar à distância. Na semana seguinte, todas as aulas foram canceladas e o atelier foi fechado por tempo indeterminado.
Eu já estava, há mais de um mês, em “confinamento”, para me recuperar da cirurgia, quando tudo foi fechado e o tempo parou. Parou para nós, os confinados. Para o Coronavírus, houve uma crescente a galope. Chamado de COVID-19, para distingui-la de outros coronavírus, essa doença trouxe uma aura de Surrealismo ao nosso cotidiano. Que cotidiano?
O isolamento social, voluntário para a maioria, tornou-se obrigatório em meados de março. O comércio fechou, incluindo os grandes Shopping Centers, as escolas fecharam, as academias de ginástica, os clubes e os restaurantes fecharam. As pessoas passaram a trabalhar em casa, ou melhor, os que podiam. Só ficaram em funcionamento, os serviços essenciais. Para uma crise econômica que já estava ruim, tudo piorou. Porém, um mal necessário, já que a opção era imensamente pior.
As ruas ficaram desertas enquanto os dias comuns, nos centros urbanos, lembravam domingos.
Agora estamos no começo de abril, ler jornais e assistir noticiários na televisão tornaram-se tortura. O número de contaminados aumenta, assim como o de vítimas fatais. Para piorar, estamos em um país em que um ser desprezível ocupa a presidência e faz tudo para sabotar as medidas de contenção do vírus. Parece que virou até chacota internacional. Será que a história irá perdoá-lo?
Estamos longe dos filhos e netos, a saudade dói. Meus sogros têm mais de oitenta anos e estão isolados. Nós estamos autoconfinados, pois optamos por poder assessorá-los. A cada dia que passa, uma sensação nublada desce sobre nós, por mais que o sol brilhe.
Por nós, por nossos filhos, por nossos netos e nossos avós e pais, por você, estamos confinados. Criamos uma rotina para lidarmos com o isolamento e seguiremos firmes no nosso propósito. Pelo bem comum.

Synnöve Dahlström Hilkner – Bela Urbana, é artista visual, cartunista e ilustradora. Nasceu na Finlândia e mora no Brasil desde pequena. Formada em Comunicação Social/Publicidade e Propaganda pela PUCC. Desde 1992, atua nas áreas de marketing e comunicação, tendo trabalhado também como tradutora e professora de inglês. Participa de exposições individuais e coletivas, como artista e curadora, além de salões de humor, especialmente o Salão de Humor de Piracicaba, também faz ilustrações para livros. É do signo de Touro, no horóscopo chinês é do signo do Coelho e não acredita em horóscopo.

O ser humano cria uma corrida entre nações, entre empresas, entre institutos e pesquisas. Entre pessoas que não sabem que competem. Nosso paradigma é da competição. A competição por quem publica primeiro, inventa primeiro, vende primeiro, pensa primeiro, twita primeiro. Evoluímos com isso?

No início da nossa história, enfrentamos animais maiores, tempestades gigantescas e grande carestia. Era preciso nos mover de local em local atrás de sobrevivência. Muita energia para pouco resultado. Hoje temos conforto do delivery, conversamos a longas distâncias sem sair do lugar. Acumulamos energia em gordura e nossos inimigos são microscópicos, não os vemos. Apenas somos abatidos nessa competição pelo que não ganhamos, um tal mercado é quem lucra. Evoluímos afinal?

Acredito que se mandamos câmeras filmar astros distantes, ao passo que nosso olhar consegue detectar partículas sub-subatômicas para compreendê-las, porque não propor um paradigma oposto ao da competição, do lucro, da corrida pela dianteira? Porque não deixar fruir novos pensamentos que nos tornem mais unidos, solidários e colaborativos?

Ideias nos prendem conservando paradigmas de séculos atrás em áreas da ciência fundamentais como a sociologia, a economia, a cultura. Temos um preconceito (que nos é ensinado, lembre) que nos mantém presos a dicotomias, a oposições que competem, mas que não existem mais. Porque, então, não deixar a ciência humana tão livre como a ciência espacial para voar? Que banco (ou dono do mundo) que lucra com a covardia conservadora, apenas para não perder seu capital, num novo sistema humano de colaboração e partilha?

Acredite, pessoas estão pensando nisso agora e sendo caladas.

Não proponho a partilha do capital ou dos meios de produção (uma ideia de quase 200 anos atrás). Mas algo mais moderno: uma partilha da nossa vivência com a natureza, com os outros seres humanos, com o conhecimento que habita em nós em partículas, e que quando partilhado se torna a sabedoria divina. O conhecimento ancestral e fundante que é tão moderno quanto eficáz e que surge apenas nos seres desprovidos de competição e de lucro. Não há monstro gigante nem vírus microscópico que resista ao poder da união dos humildes. 

Comece você, partilhando nas redes o que tem de melhor. Faça uma live para sua rede e sorria para seus amigos. É simples ensinar o que você sabe e debater o que pensa. Comece e partilhe alguma cura. Nosso inimigo é nosso ego, que nos cega para o óbvio: Não temos, somos. E somos apenas juntos.

Pense nisso.

Crido Santos – Belo urbano, designer e professor. Acredita que o saber e o sorriso são como um mel mágico que se multiplica ao se dividir, que adoça os sentidos e a vida. Adora a liberdade, a amizade, a gentileza, as viagens, os sabores, a música e o novo. Autor do blog Os Piores Poemas do Mundo e co-autor do livro O Corrosivo Coletivo.

Dias atrás, minha amiga Adriana Chebabi me pediu para escrever um texto para o site Belas Urbanas: das outras vezes, disse que não tinha tempo, dessa vez, em plena quarentena, seria impossível dar essa resposta, porém informei que estava triste e até com raiva de tudo que estava acontecendo, da falta de consciência do povo em relação ao Covid e pedi para ela esperar um pouco, pois senão o texto sairia meio ácido. Ontem, no entanto, aconteceu algo que acho que deveria ser contato para vocês, leitores do Belas.
Comecei a quarentena sozinho, mas no 9º dia liguei para os meus pais e vi que, por alguns motivos não legais de lembrar e nem de falar por aqui, eles não estariam seguros no sítio deles. Eu os trouxe então para cá e, a partir disso, redobrei o cuidado com tudo, pois eles são idosos (meu pai tem 80 e minha mãe, 78). Antes de ontem, vimos que estavam já faltando alguns itens de alimentação. Tenho evitado ao máximo sair, mas pensei: dessa vez, não vai ter jeito. Comecei a pensar em mercados que me expusessem menos ao risco: hipermercado nem pensar, o mercadinho aqui perto de casa tinha fechado às 13h, lembrei-me, então, de um de médio porte a 3 km da minha casa. Liguei para lá e vi que funcionaria até as 22h. Ótimo: vou às 21h30 e não vai ter ninguém. À tarde, começou a chover: PERFEITO! Não vai parar de chover e vai ter menos gente ainda, e tudo deu certo, principalmente porque a chuva foi até as 21h15, comemorei de alegria! Desci na garagem acompanhado de minha fiel escudeira, a cachorra Lau: sempre que saio de carro, eu a levo, pois ela fica “P” da vida se não for junto passear.
Chegamos ao mercado, estava do jeito que eu queria, pois não tinha vivalma, fora os funcionários. Parece loucura, né, mas para entrar e sair bem rápido, eu mal escolhia os itens ou pesquisava preços: quanto menos ficasse ali, menos exposto ao vírus estaria. Na hora de pagar, foi a consagração: tinha dois caixas e ambos vazios, corri no mais perto, passei as compras (me espantei com o total hahaha) e corri em direção ao carro. Quando me aproximava dele, ouvi ao longe uma voz muito dissonante e não entendi o que era: com a visão de canto de olho, vi que tinha alguém parado num poste, deve ser um mendigo ou casqueiro (usuário de crack) – nesse mercado geralmente tem alguém assim. Nem dei atenção porque sabia o que ele queria. Na verdade, a minha pressa de ir embora e as medidas de proteção que pedem para seguirmos me impediram de ser mais atencioso com ele.
Abri o porta malas, a Lau pulou lá de dentro para seu rolezinho costumeiro e comecei a colocar as compras rapidamente. Quando vi, a mesma voz dissonante estava bem mais perto, não entendia nada e me mantive de cabeça baixa e velozmente guardando as compras. Quando terminei, tinha que levar o carrinho de volta e aí não teria escapatória: teria que encarar o dono da voz. Quando o fiz, me deparei com um sujeito maltrapilho com uma cicatriz de cirurgia de lábio leporino bem pronunciada e com uma deformação severa em uma de suas narinas. Quando eu era criança, minha mãe me falava: “Toda vez que você vir alguém com algum defeito físico, não encare, não aponte e principalmente não pergunte o que foi”. Entendi porque sua voz era tão incompreensível e aí me desarmei. Putz, como deve estar difícil a vida desse cidadão! Perguntei o que ele queria e ele, mais devagar e com mímicas, deu a entender que queria apenas uma moeda. Fui para o console do carro, onde ficam as moedas, e vi que tinha algumas, mas a frase da minha mãe e a atual situação me fizeram pensar: Poxa, o que custa dar algo a mais para esse cidadão? Eu costumo dar moedas a quem me pede, não me importa o que a pessoa fará, eu sei que sempre recebo em troca um sorriso e um agradecimento sincero, sem falar que antes de dar as moedas, eu brinco um pouco com a pessoa, acho que é o fato de ser artista, palhaço, brincalhão por natureza, então peguei minha carteira e vi que tinham, separadinhas, várias notas de R$ 2,00. Eu me virei orgulhoso e entreguei: quando ele viu aquele montinho de dinheiro, me olhou bem nos olhos e, em fração de segundos, me deu UM ENORME E CALOROSO abraço. No meio do abraço, pensei : “Affff Maria”, lá se foram todas as precauções que tive! Ele terminou o abraço pegou minha mão direita com as suas duas mãos e fez um discurso de agradecimento. E eu, “Afff Maria” de novo, tá piorando! Terminando seu discurso, ele foi saindo todo feliz com seu dinheirinho e eu fiquei meio petrificado com tudo aquilo. Para aumentar meu desespero, ele viu a Lau, aí brincou com ela e perguntou se era minha. Quando eu disse que sim, lá vem ele de novo me contar do seu amor por cachorros, com toda a sua dificuldade de fonação e bem pertinho de mim. Coloquei a Lau para dentro do carro, ele aproveitou que tinha se aproximado para conversar sobre a cachorra e tascou-me mais um abração. E de novo fez uma loa de agradecimentos.
Muitas vezes, ajudei pessoas que pedem. Como disse, nem ligo o que elas farão com o dinheiro e, por vezes, fiz compras para esse pessoal. O que querem é só alguém que as olhe nos olhos, que converse com elas sem temor, querem ser ouvidas e isso eu sei que às vezes vale muito mais do que qualquer donativo material ou financeiro. Caridade nem sempre deve ser material.
Entrei no carro, olhei para a Lau que com a linguona de fora e olhar de: Ah! Relaxa! falei :

– Tá nas mãos de Deus! Dei uma buzinadinha e um sorriso para ele. Só fiquei chateado porque, ante o susto e o temor por essa situação do corona vírus, não fiz as costumeiras brincadeiras que faço com essas pessoas que tanto necessitam de atenção.

Hugo Vidal – Belo Urbano, é jornalista, ator e diretor há 29 anos, gosta muito de descobrir novas paisagens rodando com sua moto, aliás uma de suas paixões é o motociclimo. 

Você já aprendeu a fazer seu dinheiro trabalhar pra você?

Já sabe como montar uma startup escalável em que outras pessoas trabalhem pra você?

Ou você precisa de uma furadeira, uma panela, um trator ou qualquer máquina para produzir algum bem?

Se você está nesse grupo, se é brasileiro, se é pequeno, ou pior, se gosta do seu trabalho, talvez hoje esteja se sentindo tão idiota como eu.

Espero que um dia haja comida, roupa, casa e serviços virtuais.

E que isso ocorra antes que todo o setor produtivo e de serviços
desista de continuar lutando.

Noemia Watanabe – Bela Urbana, mãe da Larissa e química por formação. Há tempos não trabalha mais com química e hoje começa aos poucos se encantar com a alquimia da culinária. Dedica-se às relações comerciais em meios empresariais, mas sonha um dia atuar diretamente com público. Não é escritora nem filósofa. Apenas gosta de contemplar os surpreendentes caminhos da vida.

Tive uma longa conversa comigo… Não que isso seja inédito, pelo contrário. Vira e mexe eu me pego travando diálogos internos, trazendo para argumentação críticas e insights recolhidos das minhas experiências, também das artes, dos livros, das peças e das pessoas que eu ouço aqui e ali…
Mas, dessa vez a motivação é nova: isolamento social (imposto pela pandemia covid19).
De um lado, o medo. Do outro, a responsabilidade pelo coletivo. Ou, num rompante filosófico: EU e OS OUTROS.
Dizer também que esse dilema nunca me alcançou, não é verdade. Mas, tomá-lo agora como uma regra eleita e crucial para o bem estar da maioria, é novidade.
Eu me questiono, sem nenhum compromisso: Como ficam os desejos burgueses de dar rolê no shopping para olhar vitrines? E, emendo uma questão bem mais relevante: Como faço para proteger a mim e minha família sem prejudicar a diarista que depende desse dinheiro para sobreviver?
A resposta seria suspender o serviço e manter o pagamento – seria o justo se eu como prestadora de serviço, também tivesse garantidos meus rendimentos. Numa tacada, de relance, já tenho num contexto ultra restrito um enorme conflito, com várias fontes de angústias.
Sem apelar para o romantismo das lições que procuram o lado positivo dos grandes problemas, fico imaginando o vírus de origem oriental, de veloz multiplicação, rompendo continentes, sem cerimônias.
Mais do que encarar a nossa vulnerabilidade, física e emocional, me parece o caso de compreendermos, de uma vez por todas, que as fronteiras geográficas são tolices que supostamente nos mantêm seguros.
Ironicamente, nesses tempos em que pessoas são impedidas de circular entre países, sem comoção por situações de fome, guerra e domínios ditatoriais que produzem comboios de refugiados – rejeitados, açoitados, humilhados, – um ser invisível atravessa todas as barreiras, em todo o globo, por terra, água e ar, destruindo a saúde, a economia, a força de trabalho, a liberdade… Um vírus.
O mapa do mundo pelos olhos do Corona é um todo indivisível, como divertidamente Wislawa Szymborska diz em um poema: (mapas) “um mundo que não é deste mundo” e, no caso da pandemia não há nada de divertido, é triste e cruel.
Então, o que nos desperta a solidariedade e a empatia de hoje é o medo da contaminação?
É por medo e não por respeito ou responsabilidade que nos fechamos em nossas casas e é exatamente neste ponto que eu me deparo com as hipóteses levantadas por Freud no século passado, quando ele próprio travava suas batalhas ideológicas que opunham ego e mundo e concluiu que somos seres, essencialmente, egoístas e os outros são nossa cortina de fumaça.

Dany Cais – Bela Urbana, fonoaudióloga por formação, comunicóloga por vocação e gentóloga por paixão. Colecionadora de histórias, experimenta a vida cultivando hábitos simples, flores e amigos. 

Quando me designaram escrever sobre a pandemia, logo pensei não vou dar conta pois nunca havia passado por uma cilada dessas. Uma sensação de total relevância à vida perante uma desconhecida doença. Nunca passei por guerra ou fome. Que gabarito tenho eu?
Porém, na última declaração “macacônica” do nosso chefe de estado sibilando palavras destorcidas da realidade, entrei no fronte com as narinas abertas para escrever lhe uma carta aberta:
Valha me Sr. presidente,
Então, está tudo bem?
“estatística comprova que o vírus novo atinge mais os idosos“
“voltem a sua rotina”
“economia não pode parar”
É graças a esses “velhos” que digito essas míseras palavras descontentes para lembrar que eles já foram jovens e fortes, criaram famílias, contribuíram economicamente e pagaram impostos e estudo aos filhos. Inclusive muitos o elegeram, infelizmente.
Esses velhos que já não tem vigor, tem rugas e flacidez que já não votam mais e sobrevivem de aposentadoria merecem respeito. Respeito que suas palavras enfadonhas não atingem.
A pandemia nos afastou em pequenos metros esterilizados, vivendo de mídias digitais em lares higienizados não somente do tato, mas do próprio pensamento.
Vamos ter que acertar essa conta que chegou para nós como esse vírus cobrando juros altos, todavia, nos tornando biblicamente iguais não importa o quanto é sua renda, a marca do seu possante, quantos boletos atrasados temos ou o nome do delivery.
Estamos sozinhos no impasse dessa reflexão, assim como meu pai, diabético, de longe me mandou um beijo da sacada de sua casa querendo se esbaldar em um abraço infantil.
Você errou senhor presidente, porque não nos considera iguais, humanamente iguais. Isolado está você.
Vença sua derrota e guarde sua máscara esterilizada e pantomímica de Souvenir.

Meg Lovato – Bela Urbana, formada em comunicação social, coreógrafa e mestra de sapateado americano e dança para musicais. Tem dois filhos lindos. É chocolatra e do signo de touro. Não acredita em horóscopo mas sempre da uma olhadela na previsão do tempo.

Sábado, 21 de março de 2020, 10h30 da manhã. Primeiro dia de primavera no hemisfério norte, e eu aqui, em Copenhague, contemplando este dia tão lindo e ensolarado da sacada do meu apartamento. No fundo, o rádio toca Here comes the sun, dos Beatles.

Seria um dia absolutamente normal de fim de semana, não fosse o fato de que um inimigo invisível está à espreita, obrigando-nos a estar confinados em casa, ou permitindo-nos sair somente em caso de extrema necessidade, e desde que mantenhamos uma distância segura de dois metros de outras pessoas, evitando tocar coisas e desinfetando-nos sempre que possível. Chega a parecer uma dessas sociedades distópicas, que vemos em filmes, em que há uma pseudo-harmonia, mas sob vigilância constante. Será que a chegada das estações mais quentes vai finalmente amenizar esta crise?

Leio as notícias mais recentes no website de um jornal dinamarquês – números atualizados de infectados, hospitalizados, em tratamento intensivo e mortos, estatísticas mundiais, declarações de políticos, planos de resgate para empresas falidas, instruções de higiene, análises de impacto econômico, depoimentos de profissionais de saúde, de pacientes, de gente que perdeu o emprego, que perdeu alguém da família, que está preso em um navio de cruzeiro sem poder voltar para casa. Dicas de como mudar hábitos, de como se manter em forma sem sair de casa, de bons filmes para assistir, conselhos de psicólogos de como explicar a pandemia para crianças. Notícias otimistas, notícias pessimistas…

Nos meios sociais, muitos memes para aliviar a tensão, mas também posts sérios, educativos, outros apocalípticos, assustadores, vídeos de pessoas contando suas experiências em países mais afetados, mensagens de esperança e de medo. Propagandas de novos produtos e serviços que solucionam problemas da era pandêmica. Conselhos caseiros de como se proteger e de como melhorar o sistema imunológico, teorias da conspiração, críticas a governos por não decretar medidas mais drásticas, ou por exagerar nas medidas, ridicularização de políticos, crises diplomáticas…

Todos querem expor suas verdades, suas teorias, suas sabedorias, suas mentiras, suas soluções, suas sátiras, seus comentários pertinentes ou idiotas, seus conselhos, os quais nos chegam pelos mais variados canais de comunicação, queiramos ou não, e que nos esclarecem, nos assustam, nos deprimem, nos influenciam, nos fazem pensar, reagir, analisar, opinar, rir, chorar…

Às vezes soa patético e ao mesmo tempo tudo parece muito estranho e é muito difícil saber como navegar nesse oceano de informações e desinformações, que ao mesmo tempo ajuda e prejudica nossa capacidade de dimensionar a realidade e pôr as coisas em perspectiva. Quem será o verdadeiro inimigo invisível?

Há breves momentos em que me desconecto e me esqueço desse inimigo, seja lá o quê ou quem for. Aqui dentro de casa, tudo segue normal. O sol continua a brilhar no lado de fora, ele me dá mais energia. Uma brisa leve bate no meu rosto e leva meus pensamentos para longe. Na verdade, não quero pensar em nada, não quero saber mais nada sobre este assunto, não quero tentar prever quanto tempo isto ainda vai durar, ou angustiar-me com o que ainda está por vir, não quero saber quem tem razão, só quero viver o agora. A primavera chegou, e neste exato momento, tudo está bem no meu mundo…

Meu marido vem ao meu encontro e me dá um abraço. No mesmo instante, meu telefone me avisa que uma nova mensagem de texto acaba de entrar. Não quero, mas não consigo deixar de abrir a mensagem: é a Polícia dinamarquesa nos lembrando: “O coronavírus está se espalhando na Dinamarca neste momento. Mantenha distância e mostre consideração – mesmo quando o sol brilha. Caso contrário não vamos conseguir diminuir a propagação da doença. Aproveite seu fim de semana!”

Miriam Moraes Bengtsson – Bela Urbana, formada em Comunicação Social/Publicidade e Propaganda pela PUCCAMP e possui mestrado em Comunicação e Inglês pela Universidade de Roskilde, na Dinamarca. Desde 92, atua nas áreas de mkt e comunicação. Natural de Garca, SP, vive atualmente em Copenhague, Dinamarca, com marido e dois filhos. Trabalha com comunicação digital e branding em empresa da área farmacêutica. Em seu tempo livre, gosta de praticar esportes, viajar e estar com família e amigos.

No final do ano passado, antes do Natal, recebemos dois casais de amigos em casa. Naquela ocasião não me lembro de nenhuma notícia falando sobre o coronavírus.

Mal sabíamos que 3 meses depois, sentiríamos muita falta de momentos “simples” como esses. O assunto do momento era um tal vídeo do canal Porta dos Fundos, que tinha como enredo um Jesus Gay. Após o almoço, o tema do polêmico vídeo voltou à tona e alguém perguntou: vocês assistiram? Não? Então, vamos assistir. E assim o fizemos. Aqui cabe um parêntesis: não vou entrar no mérito se o vídeo é isso ou aquilo, se gostei ou não gostei ou se é certo ou errado. A reflexão que proponho aqui é outra. Qual o valor que damos às coisas que realmente importam?  Qual o grau de importância que damos à nossa família e as coisas mais simples, que não têm valor material? Mas o que tudo isso tem a ver com o tal vídeo de Jesus? Eu explico: ao terminar de assistir o vídeo e mediante a polêmica instalada naquele momento (que era grande), eu brinquei com um dos amigos e disse: “imagine só – Jesus lá de cima, vendo tudo isso e pensando – é serio que vocês estão se digladiando por causa de um vídeo que me retratam como gay?” Voltando à nossa reflexão: qual o grau de importância que Jesus, do alto de sua inteligência superior, daria para um fato desses? Por coerência, a resposta é muito simples: muito provavelmente não daria a menor importância, porque ele está muito acima de tudo isso. Mas e nós? Qual a importância que damos para aquilo que realmente tem valor: as coisas mais simples, como um abraço, um almoço entre amigos ou um passeio de bicicleta na chuva? E de repente, não mais que de repente, fomos obrigados a nos olhar uns para os outros. Mas olhar de verdade (olho no olho mesmo). Conviver de verdade. Se preocupar de verdade. E como uma criança que é colocada de castigo, fomos compulsoriamente convocados: terráqueos, parem e pensem no que vocês estão fazendo.

Ok, estamos todos pensando. Que possamos aprender a lição. Será?

Vinícius Eugenio – Belo Urbano48 anos, publicitário, redator, atua com criação há mais de 25 anos, mas sem dúvida, a sua melhor criação, feita em dupla com a Leila, foi a Valentina. Espirituoso, prático e pragmático, gosta tudo de preto no branco, até por isso, é corintiano razoavelmente apaixonado. Saudosista confesso, colecionador de objetos antigos e admirador nato de Fuscas antigos.