É preciso se cuidar, mas é preciso ir ao supermercado, é preciso fazer o almoço, é preciso fazer o jantar, é preciso trabalhar. Trabalhar na demanda um, na demanda dois e na demanda três, a demanda quatro pode esperar um pouco.

É preciso se cuidar, mas é preciso cuidar dos filhos, acompanhar no dentista, no médico, nos exames, na reunião da escola, na escolha da roupa para a festa. É preciso se cuidar, mas é preciso pagar o INSS, mesmo sabendo que se um dia se aposentar a aposentadoria não deixará você tranquilo financeiramente.

É preciso se cuidar, mas também é preciso pagar o plano de saúde, o plano odontológico, ir na consulta, fazer exames e quanto mais velhos ficamos, mais exames fazemos, aliás é preciso agendar os exames.

Também é preciso pagar a vacina do cachorro, a consulta no veterinário, a conta de luz, condomínio, água, seguros, é preciso lavar a louça, lavar a roupa, guardar a roupa e as vezes passar, é preciso limpar a casa, molhar as plantas, tirar os lixos, separar o reciclável. É preciso levar o cachorro passear, mas é preciso se cuidar.

É preciso pagar o transporte escolar, a escola particular, a faculdade particular. É preciso arrumar as fechaduras que quebram, é preciso chamar o técnico para ver o que quebrou, é preciso cobrar quem não te entrega o serviço combinado, é preciso ligar no banco quando te cobram indevidamente alguma tarifa. É preciso resolver burocracia diárias de um sistema que te manda o tempo todo se cuidar, como se a culpa de tudo isso se resumisse a não se cuidar.

É preciso ser criativo e “antenado”, e é preciso inovar para ter espaço de trabalho, para ser ouvido, é preciso fazer cursos, palestras e ouvir muitas bobagens para em algum momento salvar alguma coisa que de fato tenha valor e não a certeza da perda inútil de tempo.

É preciso estar elegante, ter roupas que te vistam bem, sapatos em bom estado, se possível confortáveis, sapato apertado é para pagar penitência e depois haja tempo para cuidar e recuperar os pés. Ah, é preciso cuidar dos pés de galinha com os “mega” tratamentos estéticos revolucionários, e é claro, é preciso pagar os “mega” tratamentos.

É preciso cortar os cabelos, de vez em quando fazer as unhas, talvez isso seja entendido como se cuidar… não sei se concordo, é chato ficar um tempão no salão de beleza. Também é preciso pagar o que se faz por lá.

É preciso se cuidar, mas é preciso dar atenção a quem você ama, ligar, conversar, se encontrar pessoalmente. Isso eu entendo, que além de cuidar do outro é se cuidar também.

Adriana Chebabi  – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde faz curadoria dos textos e também escreve. Publicitária. Curiosa por natureza.  Divide seu tempo entre as consultorias de comunicação e marketing e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. É do signo de Leão, ascendente em Virgem e no horóscopo chinês Macaco. Isso explica muita coisa . 
Foto: @gilguzzo @ofotografico

Marta já era uma adulta completa e responsável quando se tornou mãe e apesar da expectativa em torno da chegada da primeira filha se sentia preparada e informada para lidar com as novidades em torno do nascimento e enfrentar a amamentação, no fundo ela achava que não teria grandes problemas em amamentar afinal de contas sua mãe tinha feito essa tarefa com tanta desenvoltura como se orgulhava de dizer e além disso tinha tido muito leite e Marta tinha sido amamentada até os dois anos; sua filha chegou e assim que a trouxeram para ser amamentada pela primeira vez seu tio, quase um pai para ela estava no quarto nesse momento, Marta se sentiu totalmente envergonhada, desajeitada e totalmente insegura, suas mamas doíam, teve uma sensação de estranhamento pois não era um homem a tocar seus mamilos, era uma criança, pela primeira vez em sua vida sentiria aquele toque e ele despertaria outros sentimentos, repentinamente sentiu um misto de emoções: medo de não conseguir alimentar a filha, medo de sentir dor e sentiu, ao mesmo tempo tinha lido tanto sobre aquilo tudo e queria demonstrar a todos que tudo era muito normal e que se sentia super segura para amamentar sua filha, a última coisa que queria naquele momento era ter a presença do tio ali, se sentia inadequada e não teve coragem de pedir para ter privacidade e ali na frente do marido, do tio, da tia, da enfermeira deixou-se despir e até hoje se arrepende disso, ela não precisava tentar agradar ninguém e nem provar nada a ninguém e no auge dos hormônios pós-parto mostrou a mama para seu tio e apesar de dizer a si mesma que “tudo bem” é isso que as mães fazem se sentiu morrer por dentro, se violentou, ficou tão tensa que não conseguiu absorver a beleza da primeira vez que alimentou sua filha, a memória que ela tem daquele primeiro momento foi: “Meu Deus mostrei meu seio para meu tio”, era muito estranho, foi também quando ela experimentou alguém sugando seu peito e não era sexo, mais estranho ainda. Conflitos das mamas.

Eliane Ibrahim – Bela Urbana, administradora, professora de Inglês, mãe de duas, esposa, feminista, ama cozinhar, ler, viajar e conversar longamente e profundamente sobre a vida com os amigos do peito, apaixonada pela “Disciplina Positiva” na educação das crianças, praticante e entusiasta da Comunicação não-violenta (CNV) e do perdão.

E farto me sinto, quando o abuso rouba sonhos,
impossibilita salvar vidas, e
determina pobreza.

E farto me sinto, quando a irresponsabilidade vira de lama,
mancha de óleo,
ou queda de prédio.

E farto me sinto, quando o desmatamento é lucrativo,
há extração ilegal de madeiras, e
a floresta queima.

E tem mais, farto me sinto, quando há auxílio moradia,
verba de gabinete, salário extra, auxílio saúde, carros oficiais,
e condições especiais de aposentadoria.

Farto da demência coletiva de mentes manipuladas.
Farto da hipocrisia dos abusadores profetas.
Farto me sinto, de discursos de ódio e da violência diária.
Engulo, mas não digiro.

Farto, quase enfarto.
Farto, quase parto.
Farto, não me calo, falo, mas me sinto só.

Se farto você não está,
só me resta pensar que a fartura é para você!

Adriana e Claudia Chebabi Andrade – Belas Urbanas, irmãs. Publicitária e pedagoga. Leão e touro. Morena e loira (hoje já estão quase iguais). Mães. A mais velha e a caçula. Acreditam que todos tem direito a comida, diversão e arte, como já disse os Titãs.

O que me encanta em alguém…

Encanta-me o simples, os pequenos gestos, o olhar sem preconceitos, sem “dedos apontados”, sem críticas infundadas…

Encanta-me o jeito diferente de ser, o que agrega, o que ensina, mas também o que aprende, apreende e transforma.

Encanta-me o olhar que acalma, a mão que acaricia e ergue do chão.

Encanta-me a perseverança, a intuição, a convicção flexível, a possibilidade de diálogo, a busca.

Encanta-me a fé, que não precisa ter nome, religião ou dogma, mas sim a força que impulsiona e faz seguir.

Encanta-me a empatia, o se colocar no lugar do outro, o altruísmo, a gratidão, a afetividade, o bem-querer e, acima de tudo, o respeito!

Me encanta gente que sorri, seja para a vida ou que ri de si mesma. O mundo já anda muito carrancudo – precisamos de mais risadas, gargalhas, sorrisos e alegria.

Me encanta gente que tolera, e que, é claro, pensa diferente um monte de
assunto, mas que tem a capacidade de tolerar e bater um papo e simplesmente almoçar juntos e jogar conversa fora.

Me encanta conversar com criança, que de tão inocente a conversa, o papo não cansa, só instiga, só abre a mente, só alimenta a alma. Me encanta gente que não tem vergonha de dizer “eu te amo”.

Me encanta gente educada, que, vamos combinar, nos acaricia a alma, com gentilezas escassas.

Me encanta a espirituosidade da minha filha, que faz graça, imitando sotaque francês, sem ter nenhuma noção de onde fica a França, que cavalga em seu cavalo de brinquedo como se fosse um grande manga larga.

Me encanta os olhos negros da Leila, que trabalha, corre atrás e batalha, me encanta essa parceria desinteressada.

Me encanta gente que reconhece as falhas e que por ser um mero mortal, sabe que estamos aqui de passagem, mais sendo encantados do que encantando.

Vinícius Eugenio – Belo Urbano47 anos, publicitário, redator, atua com criação há mais de 25 anos, mas sem dúvida, a sua melhor criação, feita em dupla com a Leila, foi a Valentina. Espirituoso, prático e pragmático, gosta tudo de preto no branco, até por isso, é corintiano razoavelmente apaixonado. Saudosista confesso, colecionador de objetos antigos e admirador nato de Fuscas antigos. 

Me encanta a fala profunda, além dos clichês e estereótipos, o diálogo. Me encanta o olhar acolhedor e aberto. O ouvido atento ao outro e o gesto gentil. Me encanta o pensamento no coletivo antes do individual. O trato como sujeito e não objeto. A moderação das ideias e ideologias nas visões de mundo, afinal, todas são úteis.

Me encanta a poesia no pensamento, a beleza no coração e a verdade nos lábios de quem é solidário. O balanço de um cabelo livre das amarras da mente, das cores, da idade que reflete a cabeça aberta que os porta. Me encanta o andar firme e seguro de quem não deve nada a ninguém e a resposta pronta para quem condena. Quem luta pelo bem do mundo. Quem não se prende aos fetiches do consumo, das coisas, das modas.

Me encanta a liberdade de quem voa para dentro de si como um Concorde. A liberdade de quem pensa, não apenas sente. E pensa no bem, não no ódio. Quem sente o bom, não a maldade. Me encantam as mãos abertas e dadas. O corpo no formato que for, na cor que for, na idade que for.

Pareço exigente, mas é o mínimo que deveríamos cultivar. Apenas sinto que deveria me esforçar mais, pois estou aquém de minhas pretensões. O mundo merece sempre mais, e eu mereço ser correspondido na medida do que aprendia a ser. Apenas isso. 

Crido Santos – Belo urbano, designer e professor. Acredita que o saber e o sorriso são como um mel mágico que se multiplica ao se dividir, que adoça os sentidos e a vida. Adora a liberdade, a amizade, a gentileza, as viagens, os sabores, a música e o novo. Autor do blog Os Piores Poemas do Mundo e co-autor do livro O Corrosivo Coletivo.

Todo SER VIVO é um SER ENCANTADO!!

Um SER ENCANTADO é enlaçado ao outro, na medida em que seu encanto entrelace o encontro. O melhor sobre sermos encantados é sem dúvida alguma, quando o encontro é sedimentado pela dualidade da avidez diante da unidade de cada um.

Eu me encanto com o OLHAR d’outro… Pois, para mim os OLHOS FALAM… Não mentem mesmo quando fechados… E aquilo que sentimos extrapola… Executando o compasso da vibração de nossas emoções… E, se acontecer um contato por meio de um toque mais expressivo, sentimos o transpirar da pele, o calor úmido e a sensação do sentimento aferido, pois, os OLHOS FALAM e esse ENCANTO é Divinal!

Eu me encanto com o OLHAR  d’outro.

Joana D’arc de Paula – Bela Urbana, educadora infantil aposentada depois de 42 anos seguidos em uma mesma escola, não consegue aposenta-se da do calor e a da textura do observar a natureza arredor. Neste vai e vem de melodias entre pautas e simetrias, seu único interesse é tocar com seus toques grafitados pela emoção.

Em primeiro lugar a conexão, algo que gostamos juntos, um interesse dividido, uma opinião parecida ou algo que achamos engraçado, por vezes até o que é completamente oposto, algo que eu ame e a pessoa odeie e assim ficamos ali naquela defesa de gostos e desgostos, na verdade o encanto aí é a conversa, o argumento.

Me encanta também o riso em meio ao desespero, e que nas situações mais absurdas ainda encontra um motivo para uma piadinha mesmo que leve, só para descontrair o ambiente, sem mal gosto, sem ser indecente. O bom gosto me encanta, não falo de roupa e nem de estilo, falo do bom gosto da alma, do jeito de ser, sabe aquela pessoa que tem um argumento excelente para te colocar no seu lugar durante uma discussão mas não o usa apenas por tem um espírito elevado, uma classe emocional altíssima, ou seja, daquelas pessoas que não gostam de magoar ninguém gratuitamente, isso me encanta, é lindo demais ver essa evolução de caráter acontecendo. Me encanta pessoas humildes, que não tem necessidade de fazer marketing pessoal com frequência, há pessoas que tem qualidades que falam por elas próprias e basta, todos podem reconhecer essas qualidades mesmo sem a pessoa falar nada sobre si, isso me encanta, me encanta um aperto de mão firme e quem gosta de ajudar, quem tem consciência do outro, abre a porta do elevador e oferece passagem, tem gestos gentis, também me encanta aqueles que se atrevem a ser eles mesmos sem culpa, mesmo que não agrade a muitos, contradição? Não sei, mas me encanta, talvez por eu ser alguém que tem muito medo de magoar as pessoas e muitas vezes tenha que me magoar para proteger alguém…não sei. O encanto de alguém para mim está em seu jeito peculiar, o jeito que se comporta nas redes sociais, a maneira como cuida as palavras escritas e faladas, que goste de ler livros, isso me encanta, as pessoas que gostam de livrarias sempre chamam minha atenção, os que amam viajar e explorar comidas diferentes, os que amam as plantas, os que leem rótulos de alimentos, os que falam de comidas e de dietas. As pessoas de riso fácil e descomplicadas, aquelas que dizem quando não gostaram de algo e dizem também quando gostaram, as que não se importam em elogiar e desculpam-se quando erram, aquelas que sabem olhar nos olhos e ouvir com cuidado e atenção, sem julgamentos.

E você? O que te encanta em alguém?

Eu gosto muito de gente…

De conhecer gente, de conversar com as pessoas,  de ajudá-las, de ouvi-las e de estar junto. Mas o que mais me encanta mesmo são as “gentes crianças”.

Me encanta poder colaborar com o desenvolvimento delas. Me encanta a pureza. Me encanta a alegria. A energia que vem delas me encanta.

Fazendo as contas são mais de 40 anos junto a elas…. Me encantando a cada dia. São filhos, alunos, sobrinhos, primos e netos. Crianças.

Me encanta saber que em algum lugar vou encontrar com elas. Mesmo que eu não as conheça,  me encantam.

Me encantam quando nossos olhos se cruzam de dentro do carro,
no ônibus, na rua. Me encanta o abraço quando chego ao trabalho. Me encanta receber a florzinha colhida na calçada. Me encanta o desenho caricaturado, sem perna, nem braço…E sou eu!

Me encanta a espontaneidade ao dizer que me amam ou que me acham linda. Para elas eu sou a princesa do castelo.
Me encantam quando após um limite ou uma bronca, elas vem com o sorriso do agradecimento.

Criança sabe, sem saber falar. Criança sente, sem saber dizer. Criança sofre sem demonstrar. 
Quando estou com elas, não há problemas, nem medos. Há vida, latente…. Há vida fresca e pronta para vibrar. Há energia no ar. Há brilho no olhar. 

O que me encanta também é a criança que existe dentro de cada ser humano.

Vera Lígia Bellinazzi Peres – Bela Urbana, 54 anos, casada, mãe da Bruna e do Matheus e avó do Léo, pedagoga, professora aposentada pela Prefeitura Municipal de Campinas, atualmente diretora da creche:  Centro Educacional e de Assistência Social, ” Coração de Maria “

Como és tu?
Tu és o significado exato do admirável
És a plenitude que canta e encanta teu regozijo sem fim
Tu és caminho, és vida em mim
És sabedoria, és guarida
És fortaleza de se ter em mãos o amanhecer
És riqueza de se enxergar, por ti, o alvorecer
És o olhar que busca o céu aberto
Para que fique perto do esplendor divino,
Sem dúvida, ínsito, implantado na sociedade
Difusa, confusa, malfazeja
Sem ponto de partida ou chegada
Tu és a pessoa amada que o mundo todo almeja
Tu és sonho, és leveza
És referencial do que é certo
És alguém que se queira por perto,
Pois teu mundo é vitalício
Nada teu é fictício
Tu és crença, és poesia
Sinfonia, maestria
Concretude e talento.
És menestrel do tempo,
E do amor atemporal.

Solange Cristina Marchioni – Bela Urbana, especialista em língua portuguesa, neurolinguista, revisora, musicista e poetisa. Entende que a vida é desafiadora e surpreendente… que a dor vem de cenas urbanas tristes, como moradores de rua, crianças e animais abandonados. Acredita que a esperança e o amor vêm junto para resgatar tanta dor. A poesia fala por ela e fica muito feliz se, com os poemas, puder tocar os corações endurecidos.
Poesia do livro: Prosas, Sonhos e Rosas