Ontem ao voltar para casa, após o trabalho com pessoas naturalmente especiais… BEBÊS, tive a grata visão de dois PÉS de CEREJEIRAS, em minha vizinhança.
Estando eu com a minha valiosa máquina, não me apoquentei!
Roberto parou o carro, e…

E como sempre as analogias me cercaram através de sensações tão estimulantes, que hoje escrevo para todos o que senti, exatamente naquele momento de ORGASMO, diante DELA sobrevoada de ANJOS, ARCANJOS, SERAFINS…

Ao envelhecer, quando chegam as rugas, as marcas do tempo, as fragilidades físicas, emocionais, mentais, jamais podemos esquecer de que como as flores das CEREJEIRAS, que caem após as floradas magníficas que enfeitam o nosso UNIVERSO, e… elas?

AINDA CONTINUAM BELAS, ENFEITANDO O NOSSO
ESTREITO RELACIONAMENTO COM A VIDA,
SOBREPONDO MAIS UMA VEZ A PRIMAVERA, O
VERÃO, O OUTONO E PRINCIPALMENTE O RIGOROSO INVERNO.

(e não é loucura da Jôaninha, que também já está envelhecendo, é simplesmente uma REFLEXÃO, sobre a

troca de e do AMOR!)

Encanto, no encontro, no toque da máquina,
Penso no tempo, penso na plástica!
Me vejo atuante, entre o belo,
Entre os desejos, entre os amores…

E entre os solfejos!

Joana D’arc de Paula – Bela Urbana, educadora infantil aposentada depois de 42 anos seguidos em uma mesma escola, não consegue aposenta-se da do calor e a da textura do observar a natureza arredor. Neste vai e vem de melodias entre pautas e simetrias, seu único interesse é tocar com seus toques grafitados pela emoção.

Manhã. Sol. Abro os olhos e vejo o teto acima de mim. Teto branco da mesma maneira que tetos brancos geralmente são. Brancos com leves imperfeições. Já reparou nas imperfeições do dia a dia? Nada, visualmente falando parece perfeito. A flor no vaso teve uma folha comida por um inseto. A pessoa mais linda do mundo que viu na rua, tem uma espinha na ponta do nariz. O gato que você tanta ama como bichinho de estimação tem um leve odor do peixe que ele comeu há pouco. Da mesma forma o meu teto. É um bom teto que cumpre seus afazeres de teto. Fica em cima da minha cabeça. Não deixa chuva entrar. É branco. O que mais posso esperar dele? Que seja liso perfeito e maravilhoso? Não o é. Mesmo as coisas mais lindas não são perfeitas. Tem pequenas falhas que estragam a sua perfeição. O que não é ruim de jeito nenhum. Olhe para o seu teto. Se ele for branco como o meu talvez consiga enxergar. Verá pequenas manchas nele. Sujeira. Talvez até mesmo uma teia de aranha em algum canto. Mas ele ainda assim será perfeito a seu modo. Pois mesmo imperfeito eu ainda vejo o teto sobre minha cabeça. Como posso eu exigir a perfeição dele sendo eu mesmo não perfeito? Ninguém o é de fato. Mas ai que esta a graça e a beleza disso tudo. Se tudo fosse perfeito, o mundo seria muito mais sem graça. O que seria da beleza, se nós não soubéssemos o que é a feiura? Nós saberíamos o que é belo? Entenderíamos e apreciaríamos a beleza das pequenas coisas? É o que pensei ao olhar para o meu teto essa manhã. Depois eu fiz é claro o obvio. Ainda tinha um tempo. Virei para o lado e voltei a dormir mais um pouco.

Igor Mota – Belo Urbano, um garoto nascido em 1995, aluno de Filosofia na Puc Campinas do segundo ano. Jovem de corpo, mas velho na alma, gasta grande parte de seu tempo mais lendo do que qualquer outra coisa. Do signo de Gêmeos e ascendente em Aquário, uma péssima combinação (se é que isso importa).