Nesses últimos dias do ano fiz algo bem diferente, resolvi apostar na loteria. Estava no Shopping com meus filhos e fui pra lotérica, minha filha estranhou. Sim, é de estranhar mesmo, porque eu nunca aposto ou jogo em nada.

Enquanto estávamos na fila conversamos sobre o valor do prêmio, eu disse que se ganhasse iria gastar com compromissos, meu filho me interrompeu na hora e disse, não, se você ganhar nós vamos viajar todos juntos, você vai ficar com uma reserva e vai ficar mais tranquila.

Eu sorri e disse, você está certo, não posso achar que vim aqui só pra trabalhar. A vida não é só trabalho. Ela é trabalho sim, mas é diversão também. Ela é construir, mas é também descansar. A vida é hoje, não da pra deixar todos os sonhos para amanhã. Bom senso sempre, mas bom senso não quer dizer se privar de tudo que você gosta no presente, esperando um futuro que nunca chega.

Esse ano foi um ano conturbado, um ano em geral difícil em vários aspectos para a maioria das pessoas aqui no Brasil, eu estou nessa maioria. Mas por mais difícil que seja um ano, ele não se faz somente de problemas. Se faz de aprendizados, se faz de persistência, de faz de generosidade, se faz de mãos dadas. Você já pensou em quantas mãos você segurou esse ano? Já pensou em todos que abraçou durante o ano? Já pensou se você mais agradeceu ou se lamentou?

Estou pensando no que não fiz e queria ter feito. Estou pensando nos imprevistos que me tiraram o sono. Estou pensando nas pessoas que estiveram do meu lado, muitas dessas pessoas já estão por muito tempo. Estou pensando se fui generosa e ajudei como fui ajudada. Estou pensando o quanto cresci e quanto ainda tenho para crescer.

Estou pensando nos caminhos que andei, nas paisagens que apreciei, nas fotos que tirei, nas músicas que ouvi, nos pratos que comi, nos livros que li, filmes que assisti. Nos beijos que dei, nas risadas que dei e junto com quem, gargalhadas e nos choros também.

Penso que o tempo vai passando e vamos tendo cada vez mais claro e certo o que fato importa. Importa ter saúde antes de tudo.

Então, minha grande reflexão desse ano é viver um dia de cada vez, sem fazer planos para um futuro tão distante. VIVER sem radicalismos, um pouco da cigarra e um pouco da formiga.

Então, vamos em frente, de cara limpa e coração aberto para 2018.

PS.: Não ganhei na loteria…mas aprendi a lição do ano. E você qual foi sua lição desse ano?

Adriana Chebabi – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde faz curadoria dos textos e também escreve. Publicitária. Curiosa por natureza.  Divide seu tempo entre as consultorias de comunicação e marketing e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. É do signo de Leão, ascendente em Virgem e no horóscopo chinês Macaco. Isso explica muita coisa :).

As crianças estão morrendo de vontade de ter um cachorro aqui. Mas olha a responsa! A gente ama mas precisamos pensar muito.

Os alemães tem uma adoração imensa por estes bichinhos, que estão em toda a parte.

Apesar da adoração, ter um cachorro, na Alemanha, pode custar caro. O preço de um labrador pode chegar a 1.500 euros.

Fora isso, a lei obriga o proprietário a pagar imposto pela posse. A taxa (varia de cidade para cidade), fica entre 60 e 160 euros por ano para o primeiro cão e, de regra, aumenta para cada cachorro adicional, e os cães de combate, pitbull e etc., pagam em média 700 euros.

Já para os donos de cães treinados (guias para cegos, salva-vidas e dos usados em terapias) há redução no imposto.

O dono tem que tirar uma “carteira de cachorro” demonstrando que foi aprovado para ter o animal. Além de alimentá-lo e dar carinho, o cão não pode ficar mais de 3 horas sozinho, e caso esteja latindo muito por estar só, os vizinhos podem ligar para que que venham resgatá-lo e o dono paga uma multa!

E agora? Ter ou não ter?

Esses bichinhos tão vivendo melhor que eu.

Silvia Lima – Bela Urbana, publicitária, leonina, mãe do Gabriel e Lucas. Atua na área de moda internacional com foco em sustentabilidade. Mora em Stuttgart, adora uma viagem, só ou bem acompanhada, regada a muito vinho. Acredita no casamento, desde que não seja sempre com o mesmo marido, já que está no terceiro, que foi coletando mundo afora! É uma das sócias da Kbsa Inovação Responsável, que ajuda empresas de moda brasileiras a atuarem no mercado internacional por meio da sustentabilidade. www.kbsa.com.br

 

1

Há três meses me mudei para a Alemanha. Deixei o Brasil pela segunda vez em busca da solução para os “meus problemas”, de um melhor futuro para os meus filhos, de um novo emprego, de mais segurança, menos medo, mais certezas. O Brasil não está fácil, afirmar isto é chover no molhado, eu sei, mas há alguns meses um pensamento tomou conta de mim. “Tenho 47 anos, no melhor dos casos estou partindo para a segunda metade da minha vida, será que aguento esperar as coisas melhorarem vivendo trancada em casa, no shopping, no carro, tentando recuperar um bom emprego como o que tinha antes da crise? E o meu sonho de viajar o mundo, que está parado por causa das crianças, do trabalho, de mil coisas que iam aparecendo e aparentavam ser o fundamental, a prioridade; esqueço e deixo no mundo das impossibilidades para todo o sempre?”

Na minha opinião nós mulheres que chegamos ou estamos vivendo os 40 anos, temos este impulso do “tudo ou nada”, do “agora ou nunca”, por puro medo da vida não ter valido a pena. Já vivemos um bocado e sentimos que não sabemos de nada, que muita coisa deixou de ser realizada e somos assombradas pelo fantasma do tempo, nos olhando cara a cara.

Me lembro de ter sentido este medo no início dos meus 20 anos. Foi esta mesma sensação de hoje, somada à uma completa falta de experiência de vida inerente à idade, que me fez largar meu primeiro emprego e ir embora para a Itália. Buscava uma vida que valesse a pena (novamente a mesma frase, o mesmo sentimento); foi “ele” que me fez arriscar, sair da zona de conforto.

Não pensei que mudaria novamente do Brasil, depois de sete anos na França, um na Itália, e um retorno ao Brasil em 2003, quando estava mais apaixonada do que nunca pela terrinha. O Brasil vivia uma falsa abundância, estávamos na boca da mídia internacional com uma profusão de empresas ampliando suas atuações no país. O meu emprego ia muito bem obrigada. Ainda não sabíamos que a conta do governo chegaria mais cedo ou mais tarde, e 2014 quebrou as pernas de muitos.

A decisão de deixar o país não foi fácil, foi bem dolorosa. O desemprego bateu à nossa porta, tínhamos que encontrar uma saída para manter a casa, os filhos em escola particular, empregada, carros, plano de saúde e uma pilha de contas.

Meu marido é alemão e sempre admirei a cultura, precisão e organização alemãs, à distância. Durante os 11 anos de casamento moramos no Brasil e a Alemanha ficava ali, no cantinho dos sonhos. Eu não sabia se queria realizar o feito de morar em um país tão “perfeito”. Sim a Alemanha é perfeita, e até a perfeição é chata e as vezes cansa.

Colocamos na balança a questão monetária, é claro, pois no Brasil gasta-se pelo menos duas vezes mais. Também pesou a qualidade de vida, segurança, boas escolas e universidades públicas. Apesar dos alemães pagarem 50% aproximadamente do salário em impostos você sente que valeu a pena.

Vendemos quase tudo e viemos. Tinha a minha dificuldade com a língua, o alemão não é nada fácil e eu sempre deixava de lado o aprendizado, nunca priorizei. A adaptação é muito mais difícil quando não se fala a língua local. Mas ainda assim resolvemos encarar.

Chegamos no final de julho deste ano e minha maior preocupação eram as crianças, que no final das contas foram a razão maior da nossa vinda. O ditado de que para criança tudo é mais fácil é totalmente verdadeiro na mudança de país. Os meus filhos de 8 e 13 anos estão nos primeiros meses de aula, que começaram em setembro. Aqui o calendário escolar se inicia no meio do ano. Estão refazendo a mesma série que no Brasil e voltaram um semestre. Devagarzinho as coisas estão entrando nos eixos com eles. Como diz a Caroline, uma grande amiga inglesa, criança tem a tecla da felicidade sempre ligada e isso é super valioso nestas horas.

Para a mãe, já são outros quinhentos. A Europa de luxo é para pouquíssimas pessoas e a vida aqui não é para os fracos, apesar de toda a estrutura. Uma mãe de classe média brasileira não está preparada para a vida em uma região do mundo que batalhou muito para dar dignidade para sua população, e onde cada um faz o seu e não existem “ajudantes, diaristas, secretárias do lar”.

Costumo falar para meu marido que estou passando por vários MBAs em paralelo: prendas do lar, culinária, professora, mediadora, tradutora, técnica em sustentabilidade, sem esquecer do Alemão, esta língua que me faz ganhar vários cabelos brancos, e que finalmente acho que vou deixar, pois aqui as mulheres são práticas e verdadeiras. Bonito de ver.

Ainda é cedo para saber se foi uma boa escolha, pois o Brasil, apesar dos enormes problemas, é a minha terra e a dos meus filhos. Eu tenho uma enorme esperança nos brasileiros e amo meu país. Sei que vou voltar para ficar, só não sei quando.

Como falei lá em cima, em alguns momentos da minha vida senti este impulso que me fez balançar as estruturas. Acho que todas as mulheres na minha idade tem isto. O trabalho e a inquietação por um lado e a responsabilidade com a família de outro. Parece que já fizemos muito, investimos na carreira e tentamos no meio disto tudo criar nossos filhos, e ainda assim bate um vazio. E agora?

Pela minha experiência e tendo feito isso outra vez, o que mais ganhei quando saí da rota de vôo não foi conhecer pessoas, ver o outro lado do mundo, aprender uma nova língua, entender e viver uma nova cultura, para minha surpresa este crescimento estava diretamente relacionado com o que eu deixei de ver.

Quando se sai do próprio país é como se vivêssemos um longo período de silêncio, pois as vozes não são conhecidas, e elas nos fazem escutar a nossa própria.

Tenho plena certeza que estes tem sido os momentos de maior encontro comigo mesma, quando nem tudo está favorável e preciso resgatar o que de melhor tenho, mesmo o que já me esqueci e que ainda faz parte de mim. São montanhas de coisas e conhecimento que estão escondidos no passado e são exatamente eles que me ajudam a passar por longos períodos de readaptação.

Talvez esteja sendo muito simplista, mas viemos sozinhos para este mundo e o melhor que temos a fazer é nos lançarmos em experiências profundas e solitárias que nos transformem e preparem para outras vidas, ou simplesmente para a próxima etapa.

O zona de conforto é atraente, mas não é transformadora. No meu caso o “meu país” é o que chamo de zona de conforto, mas poderia ser um emprego, um casamento, um relacionamento desgastado.

Será que precisaria ir embora ou mudar meu jeito de viver, ficar e lutar durante a tempestade? Acredito que as duas opções são verdadeiras, e podem ser transformadoras na mesma intensidade. Tanto faz, desde que o desconforto seja combatido e as vozes estranhas estejam gritando tão alto que nos façam olhar para dentro nós.

Aparentemente nossas maiores inimigas, a inquietação e a adversidade, são na verdade grandes amigas e podem ser a chave para nos sentirmos cada vez mais vivas, logo após é lógico de uma boa manicure!

Silvia Lima – Bela Urbana, publicitária, leonina, mãe do Gabriel e Lucas. Atua na área de moda internacional com foco em sustentabilidade. Mora em Stuttgart, adora uma viagem, só ou bem acompanhada, regada a muito vinho. Acredita no casamento, desde que não seja sempre com o mesmo marido, já que está no terceiro, que foi coletando mundo afora! É uma das sócias da Kbsa Inovação Responsável, que ajuda empresas de moda brasileiras a atuarem no mercado internacional por meio da sustentabilidade. www.kbsa.com.br

Fui convidado a escrever para o “Belas Urbanas” depois de uma troca de constatações e relatos que eu e um grupo de amigos compartilhamos pelo Whatszapp. Achamos o assunto pertinente e atual, portanto parto daqui este relato.

Escrevo aqui hoje sobre uma preocupação minha e de grande parcela da população e da sociedade urbana mundial – a obesidade e suas consequências.

Viajei com minha família para Orlando/EUA em julho/16 com objetivo de conhecer, em família, os parques temáticos e um pouco da cultura norte-americana. Já tinha viajado para o mesmo destino em 1995 e em 1997. Mas em relação a esta última viagem, muita coisa mudou, muita coisa me assustou. Falo isso sobre a questão “corporal”, objeto de estudo da minha profissão, que é o corpo e o movimento humano na perspectiva do Educador Físico (profissão esta que abraço com carinho há 27 anos).

Quando estive nas primeiras vezes nos EUA, já tinha ficado extremamente chocado com a quantidade de obesos que encontrei por lá. Não era a maioria, mas sim pessoas distintas, um ou outro membro de uma mesma família, que apresentava essa, digamos, diferença corporal. Mas já eram muitos.

Em todos os lugares por onde passei – parques, centros comerciais, dia a dia – me surpreendeu aqueles corpos bem acima do peso que consideramos como ideal (ainda que consideremos como “ideal” uns quilinhos a mais nesse parâmetro). Eram corpos, desculpem a expressão, monstruosos. Vi pessoas já demonstrando sérias dificuldades em realizar movimentos simples, como o caminhar. Percebi, em suas grossas pernas, marcas arroxeadas e algumas feridas provocadas por problemas circulatórios e, possivelmente, causado pelo entupimento de veias e também pelo diabetes. Percebi em suas posturas, cansaço fácil e dificuldade em respirar.

Mas voltemos para 2016. A propagação midiática agora, da busca de uma qualidade de vida, é toda baseada no “saudável” – alimentos light, diet, sem gordura trans, facilidade de acesso a programas de atividade física, nova geração de profissionais de saúde atentos à questão – enfim, parecia que eu iria observar mudanças ao chegar lá.

E o que encontrei nos EUA, mais especificamente em Orlando, nos mesmos parques, centros de comerciais e no dia a dia, após esse tempo? Uma nova e aterrorizante constatação: agora várias pessoas de uma mesma família estão acima do peso e extremamente obesas. Já não andam com dificuldade…porque não andam mais. Como assim? Andam de carrinhos elétricos, motorizados. Nos parques você tem que desviar dos carrinhos de bebês e dos carrinhos motorizados dos adultos. Até adolescentes utilizam esse meio de transporte. Comida? Continuam se alimentado aos montes. Atividades físicas cotidianas e exercícios? Faz-me rir…

Fiquei pensando naquele velho ditado: “em terra de cego quem tem um olho só é rei”. Permita-me modificá-lo para “em terra de caminhantes, quem der o primeiro passo será…SAUDÁVEL”.

Maurício Maia – Belo Urbano – educador fisíco, ama a família, gosta de uma boa caipirinha e um happy hour com os amigos, principalmente os da infância… 😉

tvs sutterstock_262453772

Escolhi não ir ontem a nenhuma passeata. Sim, é bonito ver as ruas tomadas, cheias de pessoas que protestam, sim é bonito ver, mas… mas como aprendi que temos que questionar tudo, faço cada vez mais perguntas e se não encontro às respostas que me convençam a fazer algo, opto por não fazer e por isso optei por não ir.

Meus motivos? Acho muita ingenuidade não ver que existem grupos que financiam a divulgação desse movimento. A estratégia de comunicação foi muito bem feita, posso falar com propriedade disso, pois esse é o meu negócio, trabalho com estratégias de comunicação. Ainda nessa questão, tudo custa, nada é de graça, criar vídeos custam, colocar carros de som nas passeatas custam, bonecos infláveis gigantes custam. Então, eu penso aqui com meus botões, não acredito que “ninguém” faça isso sem nenhum interesse. Pois é, eu que sempre fui tão idealista, não acredito mais, é uma pena, mas foi isso mesmo que esses políticos e partidos me roubaram, a ingenuidade de crer que isso vai mudar.

Outro ponto que embasou minha decisão é porque não preciso provar nada para ninguém. Faço meu trabalho no dia a dia, pago minhas contas honestamente, sempre trabalhei e tudo na minha vida veio do resultado dele. Então, não preciso provar nada para ninguém e nem sair bem na foto do facebook dizendo que sou engajada e estive lá.

Sim , eu sou engajada em várias questões, hoje em especial, me interesso muito em divulgar e trazer questionamentos do universo feminino. Feminista? Sim sou, apesar de que muitos, ainda hoje, não sabem e não entendem o que é ser isso, mas se tem uma causa hoje que abraço em primeiro plano é essa e o blog Belas Urbanas veio para isso.

Deixo claro aqui que não sou a favor do PT, mas também não sou do PSDB e dos outros. Se a campanha para irmos para as ruas fosse algo para mudarmos todos os nossos políticos e sistemas de governança que hoje imperam, eu estaria disposta a participar e talvez fosse algo que me motivasse como um fio de esperança nesse mar de lama, mas como de fato o único objetivo é tirar a Dilma da Presidência da República sem propostas concretas, com um claro entendimento do cronograma de ações, isso não me convence.

Ontem no facebook vi que alguns amigos foram agredidos porque se posicionaram dizendo que não iriam e explicando seus motivos. Até de bundão vi um ser xingado. Lamentável.

Pense que se posicionar contra a maioria não é fácil, é um ato de coragem e honestidade perante suas crenças. Não alardear notícias falsas é pensar sobre o que estamos fazendo. Saber sobre o que estamos protestando e para onde vai isso é sinal de maturidade e responsabilidade.

Eu não preciso de fotos na passeata para dizer que faço a coisa certa, porque eu sei que faço. Porque eu sei o que é estar à frente de um negócio há mais de 20 anos e pagar suas contas em dia e não entrar em empréstimos, já tendo passado por diversos planos econômicos. Eu sei o quanto dói ver empresas que crescem porque corrompem e são corrompidas e ver a sua perder concorrências porque aquilo ali já estava comprado. E triste meu caro, dói muito. Sigo em frente mesmo assim e o meu caminho escolho viver o que aprendi ser o certo. A minha parte eu faço, mas me enoja ver pessoas “tão corretas” gritando contra a corrupção, mas que no seu dia a dia, corrompem, fazem parte de esquemas, dão aquele medonho “jeitinho brasileiro” para resolver seus problemas. Ah, por favor, quer mudança? Comece no seu dia a dia, no seu micro universo. De o exemplo que cobra dos governantes. Menos hipocrisia.

Não quero ser injusta, não foram todos que participaram que agem assim, claro que não, tem muitas pessoas que foram e que de fato acreditam que esse movimento pode trazer mudanças e que no dia a dia fazem seu trabalho corretamente, pessoas do bem. Só coloco a questão de estarmos atentos para não sermos manipulados. Ir por ir não leva para lugar nenhum.

Estou cansada daquela velha máxima “não fiz por mal”. Não fez?  Mas fez mal. Qual é o impacto de não saber e fazer mal? Não fez porque não pensou? Minha reflexão: se esforce para saber o que faz para que um dia não venha com essa “não fiz por mal”. Pense antes de agir.

Está cansado e quer saber como mudar? Estude como funciona os mecanismos de votos, essa é a forma democrática que temos para mudar algo. Não concorda? Comece um movimento para mudar isso? Como? Entenda como dentro da lei isso pode ser mudado e faça dentro da lei. Cobre que a lei seja cumprida. Você terá trabalho, se engajar de fato e buscar soluções demanda tempo e da trabalho, mas se é algo que acredita e acha que vale a pena, vá fundo.

Chega de sermos tão emocionais, chega de tanto carnaval sem carnaval. É lindo ver as ruas cheias, mas é triste saber que muito de tudo isso é para sair bem na foto, para fazer parte. Sim, nós precisamos fazer PARTE, mas de uma parte mais justa e honesta com direitos e deveres para todos.

Chega de sermos uma sociedade de coitadinhos. Chega de sermos o pais do futuro. Tancredo morreu, era a salvação? Ulisses também. Collor caiu e já voltou. A salvação de uma nação não está em ninguém sozinho essa é a questão. Cai um rei de paus, entra outro e não muda nada. Isso sim é que tem que ser mudado, essa estrutura.

Agora volto ao meu trabalho é o que melhor posso fazer pelo Brasil e por mesma nesse momento.

Foto-0010E001 dri

Adriana Chebabi – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde escreve contos, poesias e crônicas nesse blog. Publicitária e empresária. Divide seu tempo entre sua agência Modo Comunicação e Marketing  www.modo.com.br e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. É do signo de Leão, ascendente em Virgem e no horóscopo chinês Macaco. Isso explica muita coisa :)

 

 

 

shutterstock_246362914 (2) stop terror

Desde 2001 o mundo está diferente, o terrorismo deixou de ter fronteiras e pode atingir qualquer um em qualquer lugar.

2015 foi um ano particularmente marcante.Charlie Hebdo em janeiro , estudantes mortos pelo Boko Haram em uma universidade no Quênia, Refugiados que fogem da barbárie, mulheres sequestradas e escravizadas. Tudo em nome de uma visão de religião podre e extrema que prega a morte como pena aos infiéis dessa religião.

O islamismo é usado como desculpa para o terror, assim como o judaísmo, o catolicismo já foi, e no Brasil, a bancada evangélica no governo, machista, homofóbica e ignorante, ganha cada vez mais poder.

Temos  também o problema do governo brasileiro, que pela corrupção e negligência permitiram situações como a da lama em Mariana, MG, morte de pessoas e do Rio Doce, gerada pela ganância de uma companhia, sem contar as vítimas da violência do tráfico de drogas no país , violência imaginável ou não, em todo o mundo , a situação é surreal.

E nas redes sociais você é obrigado a optar por solidarizar com uma situação ou outra, como se em nossos corações não tivesse espaço para todas as dores do mundo!

Não nos esqueçamos que em 2016 o Brasil sediará as Olimpíadas e os olhos do mundo se voltarão para cá.

Por fim, enquanto for permitido justificar a violência pelas religiões, está errado! É errado!!!

IMG_0514 (2)

Synnöve Dahlström Hilkner É artista visual, cartunista e ilustradora. Nasceu na Finlândia e mora no Brasil desde pequena. Formada em Comunicação Social/Publicidade e Propaganda pela PUCC. Desde 1992, atua nas áreas de marketing e comunicação, tendo trabalhado também como tradutora e professora de inglês. Participa de exposições individuais e coletivas, como artista e curadora, além de salões de humor, especialmente o Salão de Humor de Piracicaba, também faz ilustrações para livros. É do signo de Touro, no horóscopo chinês é do signo do Coelho e não acredita em horóscopo.  

Não quero falar de política, mas fica difícil nesse momento. Não votei na Dilma, e não porque morro de amores pelo Aécio mas porque não concordava com a sua condução do país nos primeiros 4 anos. Minha única ferramenta para manifestar essa insatisfação é votando em outro candidato certo?

Na minha cabeça, que nada entende de política, mesmo trocando um político safado por outro, ainda sim, acredito que alternância de governo qdo temos um partido há 12 anos é importante para desarticular parcialmente crostas de quadrilhas no governo, enquanto a outra entra e manobra pra tomar o lugar na roubalheira o país tem um leve respiro. Sem ilusões, afinal algumas figurinhas não saem nunca mesmo e continuam ali, ervas daninhas eternas da nossa política não importa quem entra e quem sai.

Agora, essa palhaçada entre petistas e tucanos batendo boca, e digo isso dos meus amigos tb, como se parecessem fanáticos acéfalos de alguma religião ou de jogo de futebol é a prova maior de que somos uma país infantilóide e muito longe de saber o que significa e como se comportar em relação a essa tal “democracia” da qual meus pais tanto panfletaram e tomaram “toco” de polícia pra alcançar.

A presidente Dilma, que acho fraca aliás, e amigos petistas, é uma democracia e não adianta tentar jogar ovos pra cima de mim, TENHO O DIREITO de achá-la fraca, apesar de tudo foi eleita por maioria. Se o esquema de votação apresenta indícios de manipulação ou não o fato é que no processo vigente no país ela ganhou as eleições, ponto. E infelizmente viver em uma DEMOCRACIA é justamente ter que conviver com a escolha da maioria. Maioria essa que não se sentiu afetada ainda pela má administração ou os erros de gestão cometidos mais que hora ou outra irão atingir à todos. Maioria essa que apostou mais 4 anos na presidente.

Fui nas outras manifestações mas não vou dia 15 porque não concordo com a proposta de impeachment, e sabe o motivo?
Porque se de fato a Dilma sair não terá absolutamente nada a ver com nossas reclamações de rua, e sim com articulação dos partidos aliados ao PT, principal a base PMDB, (é amigos tucanos na real quem mais sai no lucro são eles com o queridíssimo Temer entrando no lugar e o resto da cambada que vem na cola), usando uma comoção popular pra tomar o poder que a presidente Dilma andou “miguelando” nos acordos de bastidores.

Outra coisa importante de se lembrar, o “GOVERNO” não se resume a DILMA, temos duas casas que votaram, aprovaram e conduziram o país junto com a presidente e devem ser incluídos na culpa dessa má gestão. Vamos exigir impeachment de TODOS os reeleitos? Porque o que está acontecendo no país não pode ser colocado como culpa apenas do presidente.

Esse “golpe” nada tem a ver com “sacadas burguesas” amigos petistas e tucanos que não se iludam, aliás ando com o saco cheio tb dessas balelas, troco minha conta bancária com a da maioria dos meus amigos petistas, não sou PT, não suporto o Lula, nem a Dilma nem a maioria da bancada petista, voto em muitos candidatos tucanos mas tb não sou cega, surda e burra, a exemplo não votei no Alckmin em sp na última eleição por não achar que ele administrou bem SP e nem por isso SOU UMA DROGA DE ELITE BRANCA OU BURGUESA OK? SACO! QUE CHATOS!

Voltando ao dia 15. Não está certo querer tirar a candidata eleita, há poucos meses. Concordo que é uma baixaria o que ela prometeu em alto e bom som nas eleições e não está fazendo, mas isso, quem acompanha a economia, sabe que mesmo se outro entrasse as medidas seriam as mesmas, juros, altas, a situação do país é insustentável sem essas medidas… tb acho que a crise interna é de gestão principalmente e não de fatores externos, mas de novo, minha única ferramenta democrática nesse caso? Não votar nela ou no partido dela na próxima eleição. E pra quem votou e acreditou nas promessas e está descontente com as mentiras em que acreditou ficar atento e se não achar justo não votar de novo no partido.

Temos o direito de cobrar explicações pelas ações, temos o direito de manifestar nossa insatisfação, acho válido bater na porta em Brasília e panfletar e pedir por medidas e mais pela TRANSPARÊNCIA das ações, cobrar que bandidos sejam punidos. Acho justo e necessário como um regulador.

Mas exigir o linchamento de UMA única personalidade enquanto existe todo um grupo conivente e quando infelizmente o país em sua MAIORIA aprovou mais quatro anos dessa gestão é mostrar por A mais B que somos totalmente ignorantes em cidadania, não temos preparo para a democracia, não sabemos nem por onde começar qdo o assunto é cobrar nossos direitos, e quando fazemos enfiamos os pés pelas mãos.

Minha impressão sobre isso? Continuaremos sendo ludibriados e roubados por políticos que sabem muito bem que nós brasileiros somos incapazes de nos unir de forma correta e eficaz para exigir o respeito que eles deviam ter, viramos facilmente fantoches idiotas nas mãos dos espertalhões e assim caminhará o Brasil ainda por muito tempo.

Não adianta dar livros pra analfabetos, precisamos ensiná-los a ler pra isso não virar apoio de mesa. E atualmente acredito que nossa noção de democracia está logo ali, no livro debaixo da lista telefônica que nunca mais teve utilidade pra apoiar algum eletrodoméstico…

SAD, so sad…

Juh Leidl

 

Juh Leidl – Bela urbana, artista, designer, publicitária e eterna amante da moda. Divide seu tempo entre as criações na Modo Comunicação e Marketing www.modo.com.br e exposições pelo mundo como membro da Ward-Nasse Gallery | SoHo – NY www.wardnasse.com/Juh_Leidl.php

Foto 3 Bonito

Ainda que soe ufanista o título dado a este texto, não me envergonho de usa-lo. Nas minhas andanças em busca de êxtase e relaxamento conheci lugares fantásticos e todos, quando neles estou, parecem-me o mais bonito de todos. Talvez porque a própria Terra, em sua exuberância e magnitude, seja o planeta dos planetas, não é? E qual seria o País mais bonito? Hoje penso que é o Brasil, só porque acabei de visitar a cidade de Bonito-MS e suas belezas naturais. Na verdade, ao retornar, a intitularia de Maravilhosa. Porém, como todos sabemos que a Cidade Maravilhosa é outra, que por certo em algum momento será lembrada neste blog por ser, mesmo, inesquecível, melhor é manter o nome tão sabiamente já atribuído à cidade.

BONITO fica há três horas e meia de Campo Grande e está localizada no sopé da Serra da Bodoquena, onde se localiza o Parque Nacional da Serra da Bodoquena, criado no ano 2000. A cidade é plana, limpa e lindinha, com ruas e calçadas amplas e com uma estrutura turística de causar inveja a várias regiões do país. Fui pra lá em lua de mel – sim, lua de mel, porque nunca é tarde pra recomeçar!!! -, para matar o desejo e curiosidade que me acompanhavam há anos. Não nos decepcionamos. Apesar do calor escaldante, as belezas naturais são incontáveis: as águas cristalinas dos rios e cachoeiras contrastam com a vegetação de semicerrado e com o céu límpido e isento de poluição. A relação homem-outros animais é de respeito e admiração e é fantástico ver tantas espécies cruzando pra lá e pra cá, em relativa harmonia. Araras azuis e vermelhas, periquitos, sabiás, tucanos, pica-paus, seriemas, antas, capivaras, macacos-prego, borboletas, tamanduás, jacarés, jibóias, sucuris, onças-pintadas, piraputangas, dourados, pintados, lambaris, foram algumas das espécies que cruzamos pelos lindos caminhos durante nossa estadia.

Foto 1 Bonito

O Passeio de bicicleta recuperou 100% nossos pulmões, numa overdose de ar puro; os banhos de cachoeiras descarregaram as tensões do dia a dia e purificaram nossa alma; o sol aqueceu e dourou nossa pele, além de recarregar nossas energias; o pé na terra morna, a flutuação nos rios cristalinos, a visualização dos peixes em sua rotina e o silêncio das grutas e lagos misteriosos nos fez relaxar e meditar.

Foto 2 Bonito

A soma de tudo que encontramos naquele paraíso ecológico permitiu que voltássemos ao nosso atribulado dia-a-dia com a certeza de que, de tempos em tempos, temos que nos entregar ao contato intenso com a mãe natureza, para lembrar quem somos, de onde viemos e para onde vamos.

MARIA CLAUDIONORA AMÂNCIO VIEIRA é formada em Direito pela Universidade Estadual Paulista – UNESP e é especialista em Direito do Trabalho e Processual do Trabalho pela Universidade de Franca. Amante incondicional da Natureza Selvagem, grande apreciadora dos prazeres da vida, leitora contumaz e cinéfila por excelência.