Em julho, tive a oportunidade de ir a Feira Literária de Paraty, a famosa FLIP.
Foi umas dessas viagens que eu sempre desejei e nunca me organizava para fazer, enfim, em 2019 deu certo!
Foi uma experiência diferente das que eu estava acostumada.
Fiquei em um Hostel, dividindo o quarto com 04 desconhecidos e uma amiga.
Fiquei espantada ao ver como o bom senso de todos prevalecia e como os cuidados estavam presentes na convivência.
Nada demais, mas eu andava tão frustrada com as constantes interações agressivas nas mídias sociais, que fiquei surpresa.
Havia disposição para compartilhar espaço e as bagagens… nossa, as bagagens eram tão reduzidas.
O interesse era em experimentar Paraty!

E eu também fui fazer isso…

Experimentei ouvir a batalha de Slan… uau, que força curativa.
Me empanturrei de doces caseiros, sem culpa… só doçuras!
A cultura indígena estava presente, misto de alegria pela arte e tristeza no abandono atual.
No dia 12 de julho FLIPEI ouvindo Glenn Greendwal.
Teve sol em Trindade e brindei com a famosa Gabriela.
Escutei novos autores… Carmem Maria Machado e reencontrei Mário de Andrade.

Mas em uma noite, caminhando entre um dos expositores da programação não oficial, me deparo com um livro chamado “Se os Tubarões Fossem Homens”.
Quando vi o autor, descobri que era Bertold Brecht.
Comprei na hora o livro infantil, de capa dura e com ilustrações maravilhosas.
A viagem terminou, voltei para Campinas e ao ler este livro, só consigo desejar que os professores se interessem por Bertolt Brecht.
As crianças precisam ter a oportunidade de ler uma história genial, inteligente, divertida, nada óbvia, que entretém e faz pensar!
Não se furtem dessa leitura!

Claudia Chebabi Andrade – Bela Urbana, pedagoga, bacharel em direito, especialista e psicopedagogia e gestão de projetos. Do signo de touro, caçula da família. Marca registrada: Sorriso largo e verdadeiro sempre 

E farto me sinto, quando o abuso rouba sonhos,
impossibilita salvar vidas, e
determina pobreza.

E farto me sinto, quando a irresponsabilidade vira de lama,
mancha de óleo,
ou queda de prédio.

E farto me sinto, quando o desmatamento é lucrativo,
há extração ilegal de madeiras, e
a floresta queima.

E tem mais, farto me sinto, quando há auxílio moradia,
verba de gabinete, salário extra, auxílio saúde, carros oficiais,
e condições especiais de aposentadoria.

Farto da demência coletiva de mentes manipuladas.
Farto da hipocrisia dos abusadores profetas.
Farto me sinto, de discursos de ódio e da violência diária.
Engulo, mas não digiro.

Farto, quase enfarto.
Farto, quase parto.
Farto, não me calo, falo, mas me sinto só.

Se farto você não está,
só me resta pensar que a fartura é para você!

Adriana e Claudia Chebabi Andrade – Belas Urbanas, irmãs. Publicitária e pedagoga. Leão e touro. Morena e loira (hoje já estão quase iguais). Mães. A mais velha e a caçula. Acreditam que todos tem direito a comida, diversão e arte, como já disse os Titãs.

Outro dia me perguntaram: O que faz um professor se sentir valorizado?

Perguntinha estranha essa, né?

Pensei por segundos… eu poderia responder melhores salários, melhores condições de trabalho, mais segurança, apoio da família, e blá blá blá que no fundo não é nada blá blá blá.

Ferrou… afinal de contas, tudo o que eu disser poderá ser entendido de forma rasa e poderá ser compartilhado de maneira inadequada.

Mais alguns segundos e me arrisquei a responder:

No meu caso, me sinto valorizada quando revejo um ex-aluno e nesse encontro há respeito, há amor, há memórias, há relatos do que juntos fizemos!

Tem risadas, tem conquistas, tem desafios, tem perdas, mas não há desistências.

Tem hoje quem nos tornamos!

Claudia Chebabi Andrade – Bela Urbana, pedagoga, bacharel em direito, especialista e psicopedagogia e gestão de projetos. Do signo de touro, caçula da família. Marca registrada: Sorriso largo e verdadeiro sempre 

Outubro chegou e com ele a oportunidade de aquecer o mercado.

Tem Dia das Crianças! Dia dos Professores!

Dia de comprar e dar presentes.

Tem semana do saco cheio!

Vamos viajar? Que tal?

E tem mais, daqui a pouco dezembro… melhor dar aquele jeito no visual.

“Bora” para academia, alimentação saudável, regime, tratamentos estéticos.

Ah, como outubro é uma oportunidade de fazer acontecer.

Enfim, oportunidades mil de gastar e completar aquele vaziozinho que mora dentro da gente!

Aposto que você vai negar!

Ah, relaxa vai!                                                                                               

Compre se quiser e se não quiser não compre.

Faça o que quiser ou não faça nada.

Eu que não vou dar lição de moral nenhuma.

Nada de conselhos, nada de reflexão, nada a dizer!

Acho tudo isso uma chatice…

No final das contas, não sou eu que vou te livrar de ser o que querem que você seja.

Claudia Chebabi Andrade – Bela Urbana, pedagoga, bacharel em direito, especialista e psicopedagogia e gestão de projetos. Do signo de touro, caçula da família. Marca registrada: Sorriso largo e verdadeiro sempre 

Você já experimentou se nutrir do que lhe faz bem? Natação, meditação, pompoarismo, pilates, poledance, dança do ventre, sapateado e tudo mais que desejar, já ousou?

Arriscou ler, ler, ler e se der tempo, ler de novo? Já experimentou se conhecer em profundidade? Já apostou em estabelecer relações de afeto protetivas?

Encontrar amigos… com que frequência você faz isso? Acordar e trabalhar no que se acredita, acha possível? Já sentiu o cheiro e a temperatura de grama molhada?

Quando está no trânsito, tem coragem de cantar e dançar? Brindou a existência de gatos (ou cachorros, rsss) brincando com eles? Escutou o silêncio da noite e ficou em paz e em gratidão por estar com quem ama?

Obviedade?

Então porque não experimenta?

Claudia Chebabi Andrade – Bela Urbana, pedagoga, bacharel em direito, especialista e psicopedagogia e gestão de projetos. Do signo de touro, mãe e caçula da família. Marca registrada: Sorriso largo e verdadeiro sempre 🙂 

 

shutterstock_276772451

Ela é taurina e ele de escorpião

Brava e ele mandão

Ela acorda cedo e ele dorme tarde

Sua companhia é o gato e a dele o cachorro

Ela é punk rock, ele aprecia metal

Ele eterniza o que é importante na jornada, idealista ela investe na jornada

Arredio e inquieta

Juntos, tomam sorvete, conversam, ficam de mãos dadas

Juntos, vinho, queijo, filme e beijo

Juntos, ele toca, ela escuta… ela fala e ele pacientemente escuta

Juntos, dormem, acordam e namoram ou namoram, dormem e acordam

Juntos, alegram-se com o encontro

Maduros, apenas aceitam o presente!

Não por acaso eles se encontraram

Não por acaso eles estão juntos

13173014_10206063211721910_1457951816746093738_o (1) Claudia irmã

Claudia Chebabi Andrade – Bela Urbana, pedagoga, bacharel em direito, especialista e psicopedagogia e gestão de projetos. Do signo de touro, caçula da família. Marca registrada: Sorriso largo e verdadeiro sempre :) 

 

shutterstock_282033554

Mulher, 44 anos, solteira, com um filho de 15 anos, estudou duas faculdades, investiu em uma especialização, atua em uma fundação do terceiro setor!

Namora… ou não! Ela não sabe dizer, pois não sabe se a relação que ela tem segue os protocolos para caracterizar o que “rola” como namoro, mas isso não diminui o encanto dessa história.

Simples no modo de agir, complexa no modo de pensar.

Se sente livre por não servir a partidos políticos, por não ter que responder a limites acadêmicos e ainda, por não ter que responder as expectativas duvidosas que encontra nos espaços.

Gosta de gente, bichos e plantas, especialmente as árvores. Gosta tanto, mas tanto, que respeita a relação destes com sue habitat! Vai entender essa mulher!

Ah, e tem mais, gostar de animais não a impede de comer carne! Embora passe muito tempo sem ter essa necessidade.

Acha zoológico e espaços de confinamento de bichos para apreciação do ser humano, esquizofrênicos! Mas não pensa em lutar por essa causa.

Gosta de ler, principalmente livros de filosofia, mas se delicia e sente prazer quando uma charge anuncia o seu pensamento, ou mesmo, ilumina-a em um posicionamento.

Acredita na política!

Entre as crenças que cultua, vejamos… pode-se afirmar que:

– a incompletude é o que dá sentido a vida;

– que se constitui nas relações que vive;

– que a dúvida é sábia e necessária;

– quem quer fazer o bem, deve primeiro fazer para quem está a sua volta;

– quem faz mal feito, faz várias vezes;

Algumas ela aprendeu com sua mãe. Admira muito a sua família!

Ter amigos irmãos e irmãos amigos, a deixa mais segura e confortável em sua trajetória. E ela faz questão de dizer isso a eles.

Sorriso largo, não economiza afeto… Mas não pensem que gosta de gente pegajosa e com afagos superficiais. Ela entende afeto, de um modo muito peculiar!

Acorda bem humorada!

Diz que gosta de beber!

Quando escuta música, sua alma dança delicia e maravilhosamente. Ninguém imagina o que ela faz e como ela faz.

Gosta de dirigir e fazer baliza! Sério mesmo!

Sarcástica, se diverte cotidianamente com o que vê.

De imaginação prodigiosa, sempre tem um texto e uma ação teatral no seu imaginário. Acha muito mais fácil viver assim!!!!

Já foi mais ou mesmo! Hoje é mais e de vez em quando é menos!

Claudia Chebabi Andrade – Bela Urbana, pedagoga, bacharel em direito, especialista e psicopedagogia e gestão de projetos. Do signo de touro, caçula da família. Marca registrada: Sorriso largo e verdadeiro sempre 🙂