Acho que todos nós enfrentamos o machismo em alguma época de nossas vidas.

Às vezes em casa, com truculências machistas de pais e irmãos…

Mas vamos falar aqui de machismo entre namorado e namorada, entre marido e mulher, que vem recrudescendo mais e mais nesta época de pandemia, com o isolamento social e o desemprego. O feminicídio tem sido tema de reportagens policiais, em volume nunca visto!

O machismo é um sentimento pegajoso, que impregna uma relação perigosamente, demonstrando baixa autoestima e medo.

O homem, nesta situação, com medo de perder a namorada/esposa, estabelece regras, fiscalizando as roupas que vestem, determinando que se aumente o comprimento, proibindo calças compridas coladas, roupas justas. Também remove o blush, o batom, proíbe a pintura de olhos, coisas que são muito caras às mulheres, que são vaidosas. Elas se arrumam para eles. Mas o ciúme e a covardia falam mais alto, o medo e a falta de segurança criam os nós quase impossíveis de se desatar.

A maioria de nós, mulheres, teve namorados doces, agradáveis, boas praças, que pouco a pouco modificaram seus comportamentos e se tornaram ácidos, descontrolados, perigosos. Muitas mulheres começaram a apanhar, a partir daí, machismo perigoso, descontrolado. Muitas mulheres observaram pouco esta transformação, que não ocorre da noite para o dia, mas o que ocorre é o sentimento de posse, de propriedade, que não combina com o amor e com a plenitude da relação conjugal…

E ela passa a ser vítima, tanto de agressões físicas, como de receber ordens absurdas de não trabalhar, de não sair de casa, sem nada para comer em casa, com crianças pequenas dependendo do casal. Também o homem se sente acuado, desempregado, sem projetos  de vida, avolumando o seu ódio contra si mesmo, que não tem como reverter a situação, e passando necessidades.

Qualquer coisa, por menor que seja, acende a fogueira do desamor, do desamparo, e culpar a mulher é o menor caminho a percorrer. Bebedeiras são acompanhadas de surras violentas, contra a mulher, que tem medo de denunciar, pois o machismo é brutal e a retaliação é uma sentença de morte.

É o fundo do poço, não respeita classes sociais, não respeita religião, não respeita nada à sua frente.

Este é um retrato muito rápido da sociedade doente, não só da pandemia, mas da  proximidade maior do casal e filhos, que só se viam à noite ou em fins de semana, obrigados a conviverem muitas vezes a família toda, com resultados dolorosos para todos os atores da relação humana, nessa difícil fase que passamos.

Assim, mulher, tome as rédeas de sua vida, evite ser mais uma vitima fatal!

Bem por isso, DENUNCIE!

Marilda Izique Chebabi – Bela Urbana. Desembargadora Federal do Trabalho, aposentada, e há 20 anos advogando. Ministrou aulas de Direito e Processo do Trabalho, na Unip, e na pós graduação em Direito Empresarial,  da Unisal. Foi docente da Escola Superior da Magistratura do Trabalho. Participou de dezenas de Congressos de Direito do Trabalho, como palestrante e mediadora. Participou de várias bancas de concurso público para a Magistratura do Trabalho e ainda mãe de 04 filhos homens.

Custo a acreditar que um ano se passou, ainda tenho uma sensação de irrealidade apesar de ter me acostumado às máscaras, aos protocolos e ao distanciamento social, não farei desse texto um julgamento, ou reclamarei da atitude das pessoas, não quero e nem me colocarei na posição de juíza, me recuso, já não tenho tempo a perder.

Foi um ano lindo: tive a oportunidade de conviver muito estreitamente com minhas filhas e meu marido, a logística do dia a dia simplificou, cada beijo e abraço foram mais especiais, estar em praças e parques me fez sentir em uma viagem, um privilégio, não me faltou alimento e eu não tive que vender meu botijão de gás para comprar comida e cozinhar com querosene no fogareiro (muitos tiveram), não me faltou um abraço apertado e um carinho em momentos difíceis, meu pai foi vacinado, ele pegou Covid em dezembro, não precisou de internação, sobreviveu, continuou a trabalhar, aparentemente não teve sequelas, a gratidão inundou meu coração, a cada dia ao abrir os olhos senti alegria por estar viva, por ter minhas pessoas favoritas com saúde e ao meu lado e mais um dia para estar nesse mundo, finalmente consegui ler o livro do Roberto Bolaño, uma conquista pessoal incrível, já tinha tentado um milhão de vezes antes e não, não era o momento, encontrei mais conforto e alegria nos livros, não desisti das caminhadas, elas mantiveram minha sanidade, virei fã dos óleos essenciais, especialmente o de lavanda, para acalmar, cada longa conversa com amigos foram celebradas como uma festa, cozinhei bastante e sempre com música para animar o dia.

Foi um ano horrível: Em alguns momentos senti que não conseguiria levantar da cama e enfrentar a mesmice, chorei bastante, me senti no limite do estresse, pensei em procurar um psiquiatra, achei que iria perder o controle, quando meu pai perdeu o paladar e olfato e sabia que teria que levá-lo ao hospital, eu não queria, perdi o ar, pensei nas minhas filhas, achei que teria crise de pânico, pus a máscara ( a do autocontrole também) e fui, ele ficou bem, na nossa família ninguém se contagiou ou se sim, fomos assintomáticos, nos encontramos no Natal e no dia 31/12 estava no hospital com ele, passamos dias tensos, tudo passou. As crianças voltaram para a escola de maneira presencial, não durou muito, me acostumei a comprar por internet, antes comprava apenas alguns itens, mudei. Tive que enfrentar climatério e lidar com a adolescência das minhas filhas, mistura explosiva, senti uma sensibilidade inédita, tudo mudou de proporção, chorei demais, como dizer que tudo está bem se ao redor tantas pessoas estão morrendo ou passando fome, como não se sentir tocado com o sofrimento alheio,  sobre a administração da pandemia pelo presidente e ministros, vou me abster, parei de ver e ouvir notícias com constância, não tenho estômago, tive que escolher entre manter o equilíbrio ou ficar informada, hoje escolho as notícias que leio.

Entre o lindo e o horrível da vida com pandemia, tento focar no fato de que a vacina chegou,  minha família e amigos estão bem dentro do possível dessa situação, vivo um dia de cada vez e procuro ter consciência de cada minuto dele, saboreando como uma manga madura, penso várias vezes antes de ser dura com alguém, relevo, faço o que posso para ajudar dentro do meu possível, ao mesmo tempo outro dia me vi jogando uma assadeira no chão com violência, enlouqueci,  gritei com minha filha, depois chorei, me arrependi e abracei, nunca fui uma pessoa de ceder a esses impulsos violentos, minha filha disse que surtei, falei que estava só sendo humana, me perdoei, me permiti ser imperfeita e me aceitei com virtudes e falhas, tudo faz parte do viver, apesar das agruras, das saudades, das batalhas diárias a alegria vibra aqui dentro, quero seguir assim com ou sem pandemia, nunca houve garantias mas a iminência da morte nos ensina a escolher melhor, a perdoar rápido e a aproveitar qualquer brechinha para escolher e usufruir as pequenas alegrias do dia a dia para conseguir fôlego para lidar com os desafios.

Eliane Ibrahim – Bela Urbana, administradora, professora de Inglês, mãe de duas, esposa, feminista, ama cozinhar, ler, viajar e conversar longamente e profundamente sobre a vida com os amigos do peito, apaixonada pela “Disciplina Positiva” na educação das crianças, praticante e entusiasta da Comunicação não-violenta (CNV) e do perdão.

Olhinhos grandes. Ela tinha. Os olhos bem grandes mesmo sendo pequenininha. Era arteira. Os olhos grandes brilhavam quando viam brigadeiros, pudim, sorvete, chocolate. A boca salivava, as mãos escondidas escorregavam para perto dos doces. A casa era pequena, mas aos olhos dela era grande, chique e cheirava doce.

A mãe e a vó eram doceiras, tiravam o sustento do dia a dia dos doces. Ela tinha razão, a casa cheirava baunilha misturada com açúcar. Não era só uma sensação, era real.

Se pudesse teria sentido só o doce da vida, mas sabemos que isso é sonho, e não o que vende na padaria.

Sentiu sabores amargos, outros salgados como mar, que brotavam dos olhos grandes com a lágrima que caia. Gostava desse sabor, que a acalmava quando se dirigia para boca e ia virando brincadeira.

Simples como todos os melhores sabores, assim que ela sempre foi e assim como tinha sido sua Vó e sua mãe, talvez a sua filha também seguisse nessa linha, mas o que ela hoje sabia, é que a filha tinha a mesma mão. Mão para doce.

Seus olhos continuam grandes. Grandes para doces, mas a balança implora que se controle, assim como seu médico quando leva os exames de sangue. Ela, continua arteira e sua resposta vem com uma bomba. De chocolate. Não é o esperado, ela sabe, mas com a frase feita que uma amiga sempre dizia “de amarga já basta a vida”, ela não se continha e comia.

Memórias afetivas e coração quente, é assim que ela vai enfrentando os dissabores da vida e assim, seus olhos continuam grandes e brilhantes.

Adriana Chebabi – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde faz curadoria dos textos e também escreve. Publicitária. Curiosa por natureza. Entre uma fruta e um doce, prefere a fruta. Divide seu tempo entre as consultorias de comunicação e marketing e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. É do signo de Leão, ascendente em Virgem e no horóscopo chinês Macaco. Isso explica muita coisa :).

 

2716