Neste dia do professor, de 2019, minha homenagem vai para milhares de alunos que passaram pelos meus olhos e ficaram no meu coração. Agradecimentos a muitos que receberam, pouco ou muito de minha influência. Gratidão tanto aos que se lembram de mim como aos que nem sabem mais quem eu sou.

Afinal, tenho sempre em mente que ensinar é, muito mais, aprender. Como se sabe, em francês o verbo é o mesmo: “apprendre” (aprender e instruir, cf. Dicionário Michaelis).

Realmente, ao longo da vida fui entendendo que quanto mais ensinava, mas aprendia. Portanto, o professor é um aluno ao quadrado, capaz de potencializar o conhecimento.

Muito tenho a agradecer por tudo a todos meus alunos e alunas, sem exceção.

Vocês, talvez, não saibam; vou contar. Sempre senti na minha direção, nesse papel, um fluxo contínuo e vibrante de boas energias, fazendo-me muito bem à pele e ao coração. Isso injeta em mim sua juventude em doses colossais. É inexplicável com palavras, é algo entusiasmante, um sentimento sutil fornecedor de doses enormes de disposição e força para todos os momentos.

Isso, antecipadamente, já serve de resposta para muitas questões que me fazem pessoas que não entendem bem o que é ser professor por vocação.

Desde o início perguntavam: “- como é que você suporta as atitudes dos alunos, sua rebeldia, alguns petulantes ou prepotentes, como donos da verdade, outros desafiantes quanto ao seu poder e seu conhecimento?”

Ultimamente, as questões têm sido do tipo: – “como você aguenta ainda, depois de 35 anos de magistério, ter paciência para ‘enfrentá-los’ em sala de aula, em vez de ir pra piscina, tomando uma cervejinha, ir passear, morar numa praia ou viajar pelo mundo?”

“Por que você não deixa as preocupações da sala de aula e vai curtir os prazeres da vida?”

Para essas perguntas posso acrescentar sinceramente.

O que me dá imenso prazer, tanto quanto as sugestões prazerosas mencionadas, é conhecer pessoas novas a cada ano. Lembrando que, a cada período, mais de 100 alunos entram para seguir os mesmos passos que nós percorremos ao longo de tantos anos.

Com outras perguntas, retorno às questões do amigo preocupado, julgando infelicidade e chateação do mestre em sua jornada.

– O que dá mais prazer a alguém do que conhecer e conviver, ao longo de tantos anos, com pessoas alegres, curiosas, animadas, cheias de sonhos, mas também de angústias?

– O que pode dar mais satisfação do que acompanhar as gerações que se sucedem diante dos olhos e poder acompanhar tão de perto o amadurecimento da moçada que chega com 18 anos e após oito semestres segue seu caminho?

– O que pode dar mais alegria do que sentir que você é importante na condução de pessoas em sua vida e em suas carreiras num mundo cheio de incertezas?

Posso garantir, são centenas de vantagens a serem expostas aqui, mas não quero falar demais.

Em minha bagagem de vida, tenho milhares de histórias pra contar sobre a experiência maravilhosa de minha carreira.

Sempre me empolguei pensando em ensinar, desde o primeiro quadrinho negro com giz que ganhei de presente, um dia lá com meus 7 aninhos, já sabendo escrever, e querendo brincar de professora, em que eu assumia sempre o papel de mestra, colocando os amiguinhos sentados pra aprender o que eu achava que devia ensinar a eles.

Se pudesse renascer, sem dúvida nenhuma, escolheria seguir a mesma profissão, tendo pensado, na fase da minha juventude, que não aceitaria ensinar nada a ninguém. Entretanto, tendo passado por outros tipos de trabalho e amadurecimento, tudo acabou me reconduzindo à minha vocação primeira.

Quem não está neste barco do ensino por vocação e amor, não pode ter ideia de quanto é incrível ver o resultado de seu trabalho. Não apenas ao longo e ao final dos quatro anos, período que passa, a meu ver, num piscar de olhos.

Mais interessante, ainda, é poder acompanhar de perto, ou mesmo de longe, os resultados de muitos que mantêm contato virtual, graças à internet, além de algumas amizades presenciais sinceras e despretensiosas.

Ninguém pode imaginar como tudo isso é gostoso, uma felicidade difícil de explicar. Sem contar, visitas a agências de publicidade ou participação de eventos da área, encontrando centenas de ex-alunos, ocupando inúmeros postos de trabalho do setor ligados ao marketing ou à comunicação.

Só pra citar um exemplo, recebi de um aluno um livro indicado no tempo da faculdade (1995), ele hoje um diretor de uma agência do interior de São Paulo com a seguinte mensagem:

-“Este é o meu exemplar do ‘Relatório Popcorn’ – adquirido ainda quando seu aluno – e que vem sendo utilizado como a primeira leitura recomendada para todos que chegam à ‘Full Hand’, desde o nosso primeiro dia de atividade. Gostaria que ficasse com você, em sinal de gratidão à sua paciência, dedicação e estímulo. Denis. (obs. Temos outros aqui)”.

Aos Denis e a todos os Andrés e Andréias, Adrianos e Adrianas, Carlos e Carlas, Caios, Lucas, Danilos, Danielas, Fernandos, Gustavos, Rodrigos, Marcos, Enios, Enzos, Marias, Joões, Pedros, Paulos e Paulas, Rebecas, Manuelas, Fábios, Fabianos e Fabianas, Giovannis e Giovanas, Julianos e Julianas, Carolinas, Tiagos, Vitors e Vitórias… e centenas de nomes, repetidos, ou inusitados (como o meu) gostaria de falar. Queria dizer, pessoalmente, com muitos abraços e beijos, quanta gratidão eu sinto por tudo de maravilhoso que me fizeram sentir durante tantos anos dessa minha vida, realizando meu sonho infantil de instruir e ajudar pessoas a encontrarem seus caminhos.

Vejo o tempo passar por meio deles, em revezamento a cada quatro anos, como belas nuvens passando no céu azul, jovens, belos e cheios de sonhos.

Pra concluir, devo agradecer a Deus, pela emoção das recordações de tanta gente. Quanta responsabilidade ter a incumbência de instruir e falar com tantas personalidades e, agora, poder declarar meu grande amor por todos ou meus, eternamente, alunos e alunas do coração.

Desculpem, se, o que afirmo a seguir, possa parecer politicamente incorreto, deixo de lado esses melindres, viver é se apaixonar, é fazer por paixão o que o universo nos designou como missão. Mas me apaixono pelo que faço e, muito, pelos meus alunos e alunas, não posso deixar de dizer isso e, também, que acho difícil esquecê-los.

Reencontrar ex-alunos, por aí, é muito bom, é como retornar no tempo e sentir de novo e acrescentar novas emoções, uma nova parte da nossa história. Sem exceção, todos se tornam nossos filhos, “nossas crias”, como dizem outros professores felizes nesta profissão.

Precisa mais pra justificar a alegria imensa que é ser professor?

Flailda Brito Garboggini – Bela Urbana, Pós graduada em marketing, Doutora em comunicação e semiótica. Dois filhos e quatro netos. Formada em piano clássico. Hobbies música, cinema, fotografia e vídeo. Nascida em São Paulo. 4 anos como aluna, 35 anos como professora de Publicidade na PUC Campinas. É aquariana (ao pé da letra).

Outro dia a vida me trouxe de volta uma pessoa que foi muito próxima há alguns anos, conversamos, tímidos, desajeitados e constrangidos inicialmente, ao evoluir a conversa fomos nos reconhecendo e o conforto da amizade antiga voltou um pouquinho; tínhamos nossos compromissos, o encontro não durou mais que dez minutos, voltei para meus pensamentos com pedaços de lembranças da vida que eu tinha quando ele fez parte dela, naquela época tivemos um breve romance, eu era muito jovem, curti uma dor de cotovelo danada pois ele era apaixonado por outra pessoa e de repente ela também se viu apaixonada por ele, ou seja, eu conhecia os dois, tive que ver os pombinhos sempre juntos, frequentávamos o mesmo grupo de amigos, foi triste, sentia uma dor física mesmo no peito, parecia que o coração iria sangrar, eu chorei muito por isso, sentia tudo com tal intensidade, com tal paixão que achei que fosse morrer de amor; o tempo passou, eu aprendi tanto com esse episódio, eu me prendi aquela máxima de que se existe amor por alguém e se ele é real, é preciso deixar a pessoa livre para que ela escolha o que o coração dela pedir, sem tragédia, simples assim, a fila anda, como dizem, minha fala interior me dizia isso, uma maneira que encontrei para amenizar minha perda, minha dor, obviamente ele já estava com ela e era livre para fazer o que bem entendesse, nunca tivemos um relacionamento de verdade, foi apenas o inicio de algo que nunca começou, mas naqueles breves encontros eu me sentia bem, me identificava com ele e o mais triste talvez não tenha sido perder o futuro namoro que nunca veio, e sim a conexão que eu sentia com ele; eu tinha plena consciência que nossa recente amizade não iria evoluir, eu segui minha vida e passei a prestar mais atenção às conexões, aos encontros que tinham potencial de se transformar em uma amizade verdadeira pois entendi que eles poderiam ser muitos breves.

Ao longo dos anos sinto que aquele intenso sentimento mesmo tão efêmero me transformou, e sou grata por isso, apesar do amargo da perda me deixou uma ternura tão grande pois amei, eu ainda não tinha sentido nada parecido, confesso que depois durante meu percurso pela vida me apaixonei muitas outras vezes mas aquele encontro me alertou para as conexões, para estar atenta, para não deixar de aproveitar nem que fosse uma horinha de conversa com aquela pessoa especial, mesmo que não fosse com intenção amorosa, apenas sentir e aproveitar a presença de um ser humano que se aproxima de nossa alma, nem todos tem esse poder, nem todos tem esse toque mágico e nem sempre a vida nos presenteia com esse tipo de sentimento, é preciso saboreá-lo, usufrui-lo antes que se desvaneça como fumaça na correria do dia a dia, na viagem que nos leva para outros lugares, nas mudanças inevitáveis, nas mortes prematuras, nas desavenças repentinas, nas palavras mal pensadas e proferidas no impulso.

Amo as conexões, os encontros, e aqui cito Rubem Alves: “Não havíamos marcado hora, não havíamos marcado lugar. E, na infinita possibilidade de lugares, na infinita possibilidade de tempos, nossos tempos e nossos lugares coincidiram. E deu-se o encontro”.

Tenho tanto carinho pelas pessoas especiais que passaram por minha vida e que no momento não fazem mais parte dela, queria que o mundo mantivesse perto de mim todos com quem amo estar e conversar e trocar energias boas, esse contato me traz um pouco mais de sentido para vida, há dias que buscar o sentido é como encontrar uma agulha no palheiro, mas esses encontros me dão a certeza que a vida também é boa, amorosa, pode ser leve e que ali com aquela pessoa posso ter um colo, um aconchego, muitas risadas e falar do tudo e do nada, não serei julgada, serei aceita tal qual como sou, nada mais, nem menos, isso é conexão, isso é amor, seja ele em formato de homem ou mulher, quer seja um amor romântico ou uma amizade, é como nos sentimos na nossa casa, conexão verdadeira é quando um rosto inchado de chorar, um nariz escorrendo, um coque mal feito, maquiagem borrada, quando você fala demais e possui alguns quilos extras não te fazem mais feia, na verdade, só significa que você é humano e é isso que nos conecta com outro ser humano, nosso eu real, quando as máscaras estão caídas ou guardadas nos esconderijos e ainda assim aquele alguém especial nos ama.

Agradeço a todos meus encontros especiais, aos meus amados amigos e companheiros de alma que eu ganhei de presente no trajeto, por momentos ou por anos,  mesmo longe estão presentes em tudo que há de mais belo em mim, tudo que me fez chegar até esse momento, preciso de vocês como uma flor precisa de água.


Eliane Ibrahim – Bela Urbana, administradora, professora de Inglês, mãe de duas, esposa, feminista, ama cozinhar, ler, viajar e conversar longamente e profundamente sobre a vida com os amigos do peito, apaixonada pela “Disciplina Positiva” na educação das crianças, praticante e entusiasta da Comunicação não-violenta (CNV) e do perdão.

Dei os pêsames e foi assim que acabou o que nunca foi o que eu queria que tivesse sido. Foi a última palavra. A última, distante da penúltima. Todas distantes, poucos foram os momentos que as palavras não foram distantes.

Entender agora que pêsames foi a última para fechar aquele capítulo foi pesado.Tudo era pesado. E quando tudo é pesado não existe braços que aguentem… um hora cai e pode quebrar.

Nem sei se quebrou, mas caiu. Por muitos anos essa foi minha última palavra para ele. Palavra que esqueci, como esqueci vários detalhes, mas reler me faz lembrar e sentir de forma estranha toda essa história.

Talvez não seja bom mexer com os mortos, eles ressuscitam algo em você e se já morreram é melhor deixar essas memórias em paz. Reviver é se prender ao que já não existe mais. O tempo é outro, mas somos sempre um pouco do nosso ontem, para o nosso melhor e nosso pior.

As coisas não precisam ter mais peso do que já tiveram. Quero deixar o passado descansar em paz. Dar pêsames ao que me prende a ele. Jogar fora as armadilhas que levam as dores.

Passou e só o que ficou na minha memória e no meu coração verdadeiramente está vivo e assim deve ser. Preciso aprender enterrar de vez, deixar ir, esquecer os detalhes do passado. Zumbis só são legais nos filmes.

14 de agosto – Gisa Luiza – 50 anos

 

Adriana Chebabi – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde faz curadoria dos textos e também escreve. Publicitária. Curiosa por natureza.  Divide seu tempo entre as consultorias de comunicação e marketing e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. É do signo de Leão, ascendente em Virgem e no horóscopo chinês Macaco. Isso explica muita coisa :). A personagem Gisa Luiza do “Fragmentos de um diário” é uma homenagem a suas duas avós – Giselda e Ana Luiza

Foto Adriana: Gilguzzo/Ofotografico.

Dois homens morreram hoje. Pai e filho. Mas que lástima ser essa. Que tristeza
inominável isso é para seus parentes e amigos. Um pai nunca quer ter uma vida mais
longa que a de seu filho, e o filho não quer nem pensar de em perder o seu pai. Claro isso
serve apenas para verdadeiros pais e filhos, onde um soube cuidar de sua criação e ter
dado a ele amor e carinho. Pai é quem cria alguns chegam a dizer. E apenas assim que
se é um verdadeiro pai.
Mas pais não são criaturas perfeitas. Afinal, quem é? Os únicos homens perfeitos
que existem estão presentes nas histórias antigas que dizemos uns aos outros na
escuridão da noite, mas nunca nas histórias pessoais de nosso dia a dia. E mesmo na
morte, essa imperfeição não se vai. Pois é apenas na morte que somos obrigados a ver
aquilo que sempre negamos em nós mesmos e nos outros. E assim foi, para um pai e um
filho que se foram no mesmo momento.
O pai chegou as portas do mundo dos mortos alguns instantes antes de sua
descendência, como deve ser (segundo alguns). E chegando lá conversou por um tempo
que pareceram ser horas, com uma entidade que nunca vira e nunca ouvira falar. Falaram
sobre histórias de sua própria vida e talvez nesse ínterim, tenha tido até mesmo a sua
alma medida de cima a baixo. Pois a história do pai fora longa e sofrida. Em sua historia,
fora abandonado e largado. Lutara e se desesperará. Muito ele passou e diversas
cicatrizes ele acumulou em seu espírito. E apenas ali, no mundo dos não vivos que ele
havia sido capaz de enxergar isso.
Pois em um mundo que não é mundo, onde a carne não existe e o que sobra é o
espirito, apenas as almas podem ser vistas, mesmo que não da forma as quais as
pessoas pensem que as almas são. E o pai e a entidade viam que nele, em sua alma,
havia uma grande gama de cicatrizes. Cicatrizes que apenas os vivos sabiam fazer. E o
pai se entristeceu, se adoeceu e se redimiu. Pois é assim que as coisas são no mundo
dos não vivos. E o filho, após poucos segundos que foram a eternidade, chegou também.
E o pai ao ver o filho ficou horrorizado com o que via. Pois mesmo sem saber, viu
o filho de verdade pela primeira vez. E em seu coração soube que não havia sido o pai
que pensara ser. Pois ao olhar para seu filho pela primeira vez, viu que nele as cicatrizes
eram muito maiores e mais profundas do que o pai jamais havia tido em si mesmo.

Igor Mota – Belo Urbano, um garoto nascido em 1995, aluno de Filosofia na Puc Campinas do segundo ano. Jovem de corpo, mas velho na alma, gasta grande parte de seu tempo mais lendo do que qualquer outra coisa. Do signo de Gêmeos e ascendente em Aquário, uma péssima combinação (se é que isso importa).

C

Caos cansa

Crianças causam

Calamidade cansa

Críticas causam

Correria cansa

Comidas causam

Cretinos cansam

Cumplicidade, cultura, cooperação, calma, cobertor, cores, corais. Cadê?

Coração continua

Coração corrói

Coração coragem

Adriana Chebabi – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde faz curadoria dos textos e também escreve. Publicitária. Curiosa por natureza.  Divide seu tempo entre as consultorias de comunicação e marketing e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. É do signo de Leão, ascendente em Virgem e no horóscopo chinês Macaco. Isso explica muita coisa :)

Foto Adriana: Gilguzzo/Ofotografico.

 

 

 

 

 

Desde muito pequena sempre fui chamada de beijoqueira. Passava batom pra beijar o espelho e o vidro do box do  banheiro vaporizado. Meu pai não gostava muito de beijo mas eu insistia e ele acabava cedendo dizendo:  – Essa menina é beijoqueira.

Penso que o beijo é uma demonstração de afeto muito pura, que vem do coração, por isso quando fui questionada para quem iria o próximo beijo, no mesmo instante pensei nas crianças.

São elas que dão os beijos mais puros, afetivos e despretensiosos. Elas aprendem desde um aninho o que é um beijo estalando a boquinha e mandando beijinhos pondo a mão na boca.

Quando chego na creche onde trabalho, lá estão elas, esperando o meu olhar, o meu carinho e o meu beijo. Um amor incondicional, sem esperar algo em troca, sem preconceito. Um amor puro. Um beijo puro. simplesmente um beijo.

É pra elas que vai o meu próximo beijo, e o outro, e o outro também. Sempre que existir uma criança é pra ela o meu beijo.

Vera Lígia Bellinazzi Peres – Bela Urbana, 53 anos, casada, mãe da Bruna e do Matheus e avó do Léo, pedagoga, professora aposentada pela Prefeitura Municipal de Campinas, atualmente diretora da creche:  Centro Educacional e de Assistência Social, ” Coração de Maria “

Quer ganhar o coração de alguém?

É mais fácil do que você pensa. Escute a pessoa.

Sem julgar, sem palpitar, sem dar conselhos. Só escute, esse é o segredo.

É claro que você não pode ficar como uma múmia, é claro que não pode ficar fingindo que escuta e pensando em outras coisas, e mais do que isso, esse escutar tem que ser leve, como um doce prazer ou então, com aquele sentimento de cuidado com alguém que você quer proteger.

Pense duas coisas, se você quer ganhar o coração de alguém e consegue de verdade, sem peso algum, escutá-lo/a, é porque esse alguém já ganhou seu coração. Simples assim.

Agora, se esse escutar não é assim, esquece esse coração, na verdade, esquece o corpão que tem esse coração, porque no fundo é só isso que está te interessando e pode ter certeza, isso é muito pouco.

Em tempos de Natal o melhor é saber onde é amor, seja ele do jeito que for.

Entendeu consulentes? Espero que sim.

Ah, ia esquecendo, para escutar precisa perguntar 😉

Até a próxima.

Madame Zoraide – Bela Urbana, nascida no início da década de 80, vinda de Vênus. Começou  atendendo pelo telefone, atingiu o sucesso absoluto, mas foi reprimida por forças maiores, tempos depois começou a fazer mapas astrais e estudar signos e numerologias, sempre soube tudo do presente, do passado, do futuro e dos cantos de qualquer lugar. É irônica, é sabida e é loira. Seu slogan é ” Madame Zoraide sabe tudo”. Tem um canal no Youtube: Madame Zoraide dicas e conselhos www.youtube.com/channel/UCxrDqIToNwKB_eHRMrJLN-Q.  Também atende pela sua página no facebook @madamezoraide. Se é um personagem? Só a criadora sabe 😉

 

 

“Não deixe alguém ferir duas vezes seu coração”.
Deixe sim
Duas
Três
Quantas vezes forem necessárias
Pois, o carma é de quem fere
A paz é de quem suporta
E quem suporta
Se torna forte
E faz do seu coração
Uma oração
Que acalenta a alma
E diz que amou
Até onde o coração suportou
E perceberá
Que, de tão forte que ele se tornou
Ele novamente se apaixonará
Por outro coração
Tão forte como ele
E, então
Entenderá
Que o sofrimento
Era, de fato
Aprendizagem

Jorge Luis de Souza – Belo Urbano, artista plástico, pedagogo e empresário. Como todo bom leonino é muito dedicado a tudo que faz. Não resiste a um chocolate. Ama escrever e ama sua família.

Conter a intensidade pode causar danos físicos e psicológicos.

Pode ser tão difícil quanto resolver uma fórmula matemática.

É não viver nas extremidades.

É espremer o coração levemente para não despedaçar e sangrar.

Cris Saad – Bela Urbana, professora universitária, publicitária, fã do vento, da lua e do acaso. Apaixonada por música e dança, enfim apaixonada pela liberdade, pela loucura do movimento e o gozo do encontro.

Tudo seria diferente se eu tivesse coração.

Eu teria me fartado de amar. Teria.

Se eu tivesse coração eu teria beijado a menina da sobrancelha grossa naquela avenida movimentada dos anos iniciais da vida adulta.

Teria, talvez, trocado aquele amor cheio de frescor por aquele que, na plenitude da espera, queria acontecer. Amor que ainda serpenteia no rio grande.

Eu teria  dilacerado meu coração quando aquele que amava, por um instante, imaginei estar parado. O amor estancou. O coração não.

Não teria enviado tantas flores em dias felizes até que ela pedisse para parar. Foram-se os dias e as flores.

Se eu tivesse coração eu tivesse dito a ela que a desejava para além do vestido. Amor e desejo diluíram em caminhos opostos.

Talvez eu tivesse atravessado oceanos para dar aquele anel mesmo sem ela estar pronta pra ele. Anel e calor ficaram cegos no bolso.

Se eu tivesse coração?

Se eu tivesse coração eu me apaixonaria uma vez mais.

Gil Guzzo – Belo Urbano, é ator e fotógrafo. É um flaneur que faz da rua, das pessoas e da vida nas grandes cidades sua maior inspiração. Trabalha com fotografia de arte, documental e fotojornalismo. É fundador do [O]FOTOGRÁFICO (Coletivo de arte contemporânea que desenvolve projetos autorais e documentais de fotografia). E o melhor de tudo: é pai da Bia e do Antônio