Lavar roupa, fazer almoço, pensar na comida do dia seguinte, lavar banheiro, trocar a cama, acordar cedo para preparar o café, deixar tudo em ordem para as aulas online, arrumar a casa o tempo todo, levar na escola e nas atividades extras… Essas e outras tarefas foram incorporadas ao meu cotidiano nos últimos anos. Preciso admitir que não estou dando conta, esqueço umas, atraso outras, erro em várias, levo bronca das filhas. Sigo aprendendo em um processo gratificante. Diminui a vergonha que sinto por ter replicado uma lógica machista no meu relacionamento, no cuidado de minhas duas filhas, na minha vida profissional. É pouco ainda. Sinto uma dívida muito grande, construída ao longo dos anos, baseada em vantagens que eu não pedi mas das quais me benificiei para chegar onde cheguei.

O término do meu casamento durante a pandemia, a própria pandemia e outras situações doloridas recentes geraram muitas reflexões e mudanças no meu comportamento. Tão intenso quanto sentir-me empoderado sobre todo milímetro quadrado da minha casa, com autonomia pra fazer o prato que me der vontade — e agradar uma filha carnívora e outra vegetariana —, é o grau de exaustão que estou sentindo. A louça acumulada, a roupa pendurada no varal que implora pra ser guardada, a câmera do computador que para de  funcionar, a criança com fome, os clientes ansiosos pelos seus projetos finalizados e o doutorado que aparece quando abre uma rara brecha. Parece impossível dar conta. Precisei disso para entender e me sensibilizar com a exaustão das mulheres que assumem a maior parte destas tarefas no cotidiano. É inadmissível esse desequilíbrio. Lamento não ter chegado neste ponto antes. Desculpem-me.

É duro ver um homem dizer que não é machista. Auto-estima delirante! Como pode? É muito cruel se contentar com o discurso —a ideia da igualdade— em detrimento da prática. Quem abre mão dos benefícios quando chega a sua vez? Eu mudei. Eu precisei mudar. Tornei-me um machista em desconstrução. Mais que necessário. Sigo atrelado a esta herança cultural tão forte que moldou e continua moldando a sociedade. Sigo errando. É uma batalha diária na qual preciso me concentrar e colocar energia o tempo todo. Sem arredar o pé, sem esmorecer, sem reclamar. E não é uma atitude temporária. A luta pelo declínio do machismo passa por enxergar em si essa bizarrice, envergonhar-se, abdicar o quanto for possível destes previlégios que o homem possui e retribuir a quem já se doou. Pra sempre, sem data para acabar!

Faço um alerta para os homens, caso você não seja uma mulher maravilha. Vai rolar uma exaustão, vamos sentir falta dos benefícios e vão acumular fracassos. Um problema nosso. Não está fácil e não há outro caminho a seguir.

Renato de Almeida Prado – Belo Urbano. Machista em desconstrução, buscando ser uma pessoa melhor. Pai de duas meninas, é homem, branco e pansexual. Formado em arquitetura, trabalha com espaço digital em museus e exposições.

Início de mais uma semana, em uma rotina que é difícil até de se imaginar;
Ao final da segunda-feira, com a cabeça ja dolorida, chamei minha amiga Chica para caminhar;
A resposta sincera foi não poder, falou algo da dança flamenca que iria praticar;
Disse também da distância da escola e perguntou alegre se não gostaria de acompanhar.

Fui até a portaria onde esperei Chica chegar, ainda envolto aos pensamentos do trabalho, francamente bem cansado a vi se aproximar;
Uma mulher com estatura alta e forte de uma presença que impõe respeito, mas traz uma doçura no olhar e no falar que me faz alegrar;
De longe ela já vem sorrindo, pude perceber pois não havia colocado a máscara, adereço destes novos tempos;
A abracei com ternura e saímos para caminhar;

Ela tem um daqueles poderes de super herói que a gente não sabe direito explicar, nos conhecemos a pouco tempo e já parece que somos grandes amigos e me coloco a falar;
Sem muita vergonha falamos das ruas da cidade, do cotidiano e de poesia, assunto que insiste em me procurar;
com passos fortes, seguimos sorrindo e eu me aproveitando do que poderia aprender, afinal ela é letrada, de conhecimento não muito casual e não poderia perder;
Disse que para escrever era só me dedicar, sentar em frente a máquina e deixar a coisa rolar, disse também que conheceu outros escritores, não que eu seja um, mas que eu poderia ser;
As ideias e composições são, de acordo com ela como canções e podem renascer, falou que se tiver uma pitada de sofrimento fica até melhor, mais fácil de entender;

A deixei a frente da escola e fui para padaria comprar o que comer, pensei em poesia, livros escritos e musicados, achando de certo um bocado que talvez tenha algo a fazer.
Mas não sou escritor e nem musico, minha poesia é reza, não se sustenta só, se parada cai de pé, se deitada se esparrama, se sentada descansa a chama que não quer calar.
De concreto se quebra a lama e de banda se anestesia a alma e chega dar um nó;
Logo como pode ´perceber, não sou escritor nem musico, não sei tocar nenhuma nota SÓ;

Mas se ela que conhece e sabe muito bem escrever, se ela que fala em outras línguas que sequer sei dizer, diz ela, que talvez eu consiga escrever;
Porque então no encanto do descanso do retorno do caminho eu não poderia me colocar para pensar, de repente dentro do meu ninho, sentado, ali sozinho eu poderia escrever;
Sair quem sabe um rascunho, daquele curto e sem nó, que ninguém nem consegue ler, quem sabe se eu pegar uma caneta, colocar atras da orelha eu poderia fazer;

Foi o que fiz ali calado, de certa forma ainda cansado do trabalho e agora do lazer, quis escrever esta trilha, de de passo em passo , poder relatar o que aprendi com você;
Na caminhada com Chica, descansei na escrita do que pude pensar;
Na caminhada com Chica, de conhecimento terno e rica, pude perceber;
Se quero e busco conquisto, haja visto o que um homem pode fazer;
Agradeço a Chica, pessoa mais rica que pude conhecer.

André Araújo – Belo Urbano. Homem em construção. Romântico por natureza e apaixonado por Belas Urbanas. Formado em Sistemas, mas que tem a poesia no coração. 46 anos de idade, com um sorriso de menino. Sempre irá encher os olhos de água ao ver uma Bela Mulher sorrindo.

É fato que a tecnologia nos proporciona vantagens surreais. Graças a ela que temos acesso a todo tipo de informações e notícias, podemos aprender sobre milhares de temas e nos conectar com pessoas ao redor do globo. A tecnologia é uma ferramenta que serve a diversos propósitos: da educação ao entretenimento, do trabalho ao lazer, da utilidade a ociosidade.

Há 20 anos, quem imaginaria que teríamos ao alcance da mão uma infinidade de apps para inúmeros propósitos? Se eu não lembro de beber água (quer coisa mais básica que isso?) é só fazer o download de um app que vai se certificar de que estou me hidratando corretamente. Posso até ter um app pro meu app, como os que registram as séries e filmes consumidas no aplicativo da Netflix.

E isso sem falar nas trocentas redes sociais que surgem diariamente e que precisamos entrar para conferir o que nossos amigos e conhecidos estão fazendo. O Instagram é o novo Snapchat, o TikTok é o novo Instagram, e toda essa ladainha até os nossos celulares não terem mais espaço para app nenhum. E aí, o que fazer? Como pedir comida, chamar um táxi (Ops! Uber, por favor), como lembrar de beber água?

Essa nossa dependência dos apps é assustadoramente perigosa. As pessoas vivem em função de ferramentas que foram feitas para auxiliá-las, mas que em verdade ocuparam todo o espaço do nosso cotidiano. Para acordar precisamos que o app de alarme toque (já que ninguém tem despertador analógico em pleno 2020), para fazer nossas tarefas temos que checar nossos calendários digitais, para dormir lá vem outro app de meditação e sons relaxantes.

A vida segue então regulada por uma máquina, por porcentagens de bateria, por atualizações de software. Mergulhamos tão profundamente em um mundo virtual que deixamos de viver o mundo real. Estamos nos tornando pessoas menos focadas, menos contemplativas, mais influenciáveis. Os apps monopolizam nossa interação com o meio, as notificações constantes nos puxam para bem longe do aqui e agora.

E vamos buscando a solução dentro do próprio problema: apps de saúde mental, apps de relaxamento, apps para focar nos estudos. Não me entenda mal, também sou fã desse mar de caminhos a seguir que a tecnologia nos oferece. Mas estamos em uma encruzilhada que nos pede que façamos algumas mudanças. Está na hora de buscar um ponto de equilíbrio entre o que é saudável e o que não é.

O impulso inconsciente que temos de “passear” entre um aplicativo e outro, dando refresh continuamente na esperança de que algo novo apareça, isso definitivamente precisa mudar. A tela deve estar à nossa disposição, mas não o contrário. E eu acredito que se fomos capazes de inventar coisas tão grandiosas como o mundo virtual, somos igualmente capazes de encontrar o balanço perfeito para esse nosso relacionamento com as telas.

Letícia Chieppe – Bela Urbana, estudante de Direito, apaixonada pela escrita e por tudo que ela proporciona. Encontrou nas palavras um refúgio para suas reflexões. 

Quem mais poderia ser

Que tais linhas há de tecer

Em meio ao conturbado dia

Que ainda presa pela harmonia

Que encanta a todos com alegria

E tenta de tudo rir e torcer

Que melhor possa ser o próximo amanhecer

Sem métrica

Sem estética

Só com a boa intenção

Uma rima, um sorriso

Um coração

Como uma oração

Como o saltimbanco e sua canção

Como um amador

No anseio de ser professor

Da arte de articular

Prosa para comunicar

Nada que o devaneio

Que o inútil anseio

Podia vir a passar

E tempo gastar

Sem mais esperar

A hora de se despedir

Ir para casa e enfim dormir

 

Sonhar, sonhar, sonhar

Ao amanhecer acordar

Tudo recomeçar

Criar, criar e recriar

A mesma rotina de enrolar

Até a hora chegar

De novamente se despedir

Ira para casa e enfim dormir

Crido Santos – Belo urbano, designer e professor. Acredita que o saber e o sorriso são como um mel mágico que se multiplica ao se dividir, que adoça os sentidos e a vida. Adora a liberdade, a amizade, a gentileza, as viagens, os sabores, a música e o novo. Autor do blog Os Piores Poemas do Mundo e co-autor do livro O Corrosivo Coletivo.