Fico aqui pensando se não seria melhor não saber desenhar ou não saber pintar.

Talvez eu ficasse mais livre pra desenhar e pintar, talvez eu criasse mais, igual uma criança, sem dogmas, sem preconceitos, sem frescuras, sem direção, sem um rumo determinado, desenharia e pronto.

Pintaria sem estilo, sem técnica, sem certo ou errado, como Miró fazia. Ou será que ele fazia isso mesmo?

Ou ele já estava também preso a um estilo seu?

Vida, sempre uma incógnita…

Mauro Soares – Belo Urbano, publicitário, diretor de arte e criação, ilustrador, fotógrafo, artista plástico e pontepretano. Ou apenas um artista há mais de 50 anos.

shutterstock_287329556 (2) Belas criança

Toda criança deve ter o direito de ser criança. De brincar, de estudar, de ser cuidada e protegida, necessidades básicas de toda criança, mas infelizmente nem todas tem acesso a isso.

Gosto muito dos pensamentos infantis  e da forma que fazem conexão com as coisas. Uma vez meu filho mais velho – quando tinha 05 anos –  vendo um anão, me perguntou, porque ele era daquele jeito. Eu respondi que ele era um anão. Alguns minutos ele silêncio e ele solta: – mas mãe, porque ele não usa o gorrinho?

Tão pura sua colocação e tão forte a imagem que ele tinha dos sete anões. Olhem a influência dos desenhos e filmes em nossas crianças. Me questiono que devemos filtrar o que nossas crianças assistem.

Porém, não conseguimos filtrar tudo. Como passar um filtro sobre as coisas reais que acontecem? Não temos o poder de filtrar tantas e tantas notícias ruins que batem nas nossas telas todos os dias e que nossas crianças, cada vez mais cedo tem acesso.

Os questionamentos chegam e devem chegar, mas como explicar sem matar essa pureza infantil, que acredita no ser humano, que tem o lado bom muito maior que o mal, como?  Ah, se o mundo fosse governado pelas crianças comeríamos brigadeiro todos os dias.

A criança que brinca aprende e cresce de forma saudável.  Incentivar que meninas e meninos deixem tão cedo de ser crinças em função de mil e uma outra atividades é ignorância e frustração de um adulto que em algum momento foi tolido de brincar, porque quem de verdade viveu sua infância de forma rica sabe a importância de brincar e o impacto que isso causa na pessoa e na sociedade a longo prazo.

Brincar é criar e criar é vida. Precisamos criar o tempo todo e durante toda a vida, seja para cozinhar ou para descobrir um novo remédio. Em qualquer profissão criar é algo bem vindo, mesmo nas profissões que nos parecem mais concretas criar é o que faz o mundo ir para frente, superar o que nos parecia sem saída.

Então, que tal pensarmos um pouco sobre esse tema?

Foto-0010E001 dri

Adriana Chebabi – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde é a responsável pela autoria de todas os contos e poesias. Publicitária e empresária. Divide seu tempo entre sua agência  Modo Comunicação e Marketing  www.modo.com.br e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos.