Sonho sonhado, vivido, compartilhado.

Sonhei então que entrava num prédio, subia as escadas, entrava num elevador daqueles antigos, todo de madeira escura, lindo.

Saia dele e entrava na redação de um jornal, mesas também de madeira escura, muitos papéis em cima, textos escritos nas máquinas de escrever antigas, pesadas e lindas, desenhos e mais desenhos pendurados, caricaturas, artes, charges, imagens do cotidiano saídas das cabeças incríveis de cartunistas famosos Glauco, Caruso, Quino, sim Quino.

Era uma mistura de Folha de São Paulo, Estadão e Correio Popular, aquele mesmo, famoso e antigo jornal da minha cidade natal, Campinas.

Jornal este muito conhecido e respeitado na região onde hoje, acabado, arrasado, desrespeitado, humilhado por muitos que vejo dizendo: “está quebrado coitado, esse já era, acabaram os jornais, hoje é só internet e olhe lá”!

E me vem aquele cheiro de papel, de tinta de impressão, de sorrisos, risadas na redação, brincadeiras mil, de gente de peso, artistas, jornalistas, repórteres, escritores, a mulher do café, a faxineira que lá trabalhava alegre, feliz ao meio de toda aquela gente maravilhosa e linda, e me vem as lágrimas agora me escorrendo pelo rosto enquanto escrevo, me vem a tristeza da alma.
Um jornal, uma época inesquecível, onde todos os dias se reuniam amigos sinceros, jornalistas, fotógrafos, publicitários que também andavam por lá, os tais vendedores de espaço, contatos, um corre corre danado, louco atrás de matérias e notícias quentes do dia…
Tudo isso se foi, acabou!
O tempo passou, levou e deixou em nossa memória.
Me vejo chegando nesse sonho de novo no jornal, na redação, cumprimento feliz um amigo cartunista, olho para o lado e pendurada num móvel junto de tantos outros desenhos lá estava eu, desenhado em minha visita anterior, minha caricatura, estampada num trabalho que ficará para sempre, enquanto o papel existir, enquanto o jornal não acabar, enquanto a janela não quebrar e o vento entrar e levar tudo para os ares, para o passado que vejo hoje distante, quase esquecido…
O tempo que leva tudo, que acaba com tudo, mas que não apaga da nossa triste e feliz memória.
Saudades restaram, apenas elas…

Mauro Soares – Belo Urbano, publicitário, diretor de arte e criação, ilustrador, fotógrafo, artista plástico e pontepretano. Ou apenas um artista há mais de 50 anos.

foto: Mauro Soares

Este texto não cumpre a função de resenhar um filme em específico. Na verdade, este texto irá cumprir uma tarefa que, na maioria das vezes, é extremamente difícil e fatigante: defender as chamadas “animações”.

Dentro da universidade, já me peguei discutindo muitas vezes acerca do local que a Psicologia abrigaria dentro da genealogia dos cursos. As engenharias estão de um lado, as humanas de outra, também existem as biológicas, as artísticas… Mas onde está a Psicologia? Depois de muito discutir, cheguei à conclusão de que o curso mais próximo à Psicologia é o Cinema. Cinema podendo ser inclusive utilizado aqui com o significado original da palavra: local de entretenimento, onde as pessoas se reúnem para experimentar as mais diversas emoções assistindo a filmes de ação, comédia, drama e… Animação.

Os filmes, apesar de ficcionais, são criados por pessoas reais e que viveram em contextos reais. Se o grande objetivo da Psicologia é entender a mente humana, então ela vem aqui ser uma ciência auxiliar na busca da compreensão do que há verdadeiramente por trás dos chamados “filmes de animação”. Ou seja: o que os criadores do filme querem realmente dizer ao colocarem esse filme nos cinemas e quais os valores que eles querem passar ao público.

É aqui que começa a tão falada “defesa da animação”. Em primeiro lugar, “animação” é um termo genérico que define TODAS as animações. Porém, existem animações de todos os tipos: comédia, drama, ação, aventura… O próprio termo contribui para certo preconceito para com as animações de maneira geral. Realmente, a maioria das animações envolve três gêneros principais: a comédia, a aventura e o drama. E é por abrigarem esses três gêneros que a grande maioria das animações faz as pessoas experimentarem um misto de emoções diferente do que elas sentem em outros filmes. Em um mesmo filme a pessoa ri, chora, fica tensa com o destino que um dos personagens terá, torce pelo herói. Torcemos por personagens que nem ao menos existem.

Mas então, onde fica a “defesa da animação”? Ora, o preconceito com a animação vem desde cedo, visto que junto da definição de “animação” vem também “isso é coisa de criança”, “já passei da idade”, “isso é muito infantil”. Então vamos a alguns fatos:

            – “O Rei Leão” arrecadou quase um bilhão de dólares nos cinemas mundiais, contando a história de um pequeno príncipe leão que teve o pai assassinado pelo próprio tio e teve de fugir do reino para não ser culpado pelo assassinato do próprio pai.

            – “Procurando Nemo” é um filme sobre um pai que tem a esposa e todos os filhos mortos por um serial killer, menos um: o próprio Nemo, que nasce deficiente e é seqüestrado. Seu pai então decide viajar pelo oceano em busca do próprio filho.

            – “Detona Ralph” é um filme no qual podemos ver a segregação contra aqueles que são considerados “vilões”. Temos a história de Ralph que, ao sentir-se desprezado por todos sai em busca do seu sonho, que na verdade sempre foi o sonho de ser reconhecido como alguém especial.      

            – “Wall-E” traz reflexões incríveis sobre como estamos agindo com relação à nossa verdadeira casa – o Planeta Terra – pela perspectiva de um pequeno robô, que parece ser o mais humano dos personagens presentes no filme.

E estes são só alguns exemplos de filmes – todos da Walt Disney – que mostram que os motes desses tão “infantis” filmes de animação, não são tão infantis assim. Isso porque as crianças não vão sozinhas ao cinema: os produtores dos filmes precisam fazer com que eles sejam atrativos para adultos também. E é aqui que as animações deixam de ser apenas “infantis” para tornarem-se filmes que podem ser apreciados igualmente por todas as idades. Elas trazem valores carismáticos enraizados na história de personagens irreais, mas que parecem tão humanos quanto ou mais do que os próprios humanos. Os valores podem ser absorvidos facilmente pelas crianças, enquanto uma análise mais profunda fica no papel dos próprios adultos.

Para falar de um exemplo meu: até os meus 17 anos eu também tinha um enorme preconceito para com qualquer filme de animação. Isso é decorrente da adolescência: a fase da vida em que as pessoas não gostam de ser chamadas de “crianças”, valorizam a “ordem social” imposta nos grupos da escola ou do condomínio e relevam, muitas vezes, as ordens dos pais ou de superiores. Isso é próprio da adolescência. Mas o que seria um adolescente senão uma criança tentando adormecer-se?

Foi apenas quando eu entrei para a faculdade e comecei a estudar e a entender as animações a fundo que eu descobri o quão belas elas podem ser. Quando se entende o verdadeiro mote, os verdadeiros valores por trás da animação, é que se compreende seu verdadeiro valor. E aí não há preconceito que barre o sonho.

É claro que isso pode ser transportado para a televisão de maneira não tão nítida: há alguns desenhos que simplesmente foram feitos pelo puro entretenimento, outros foram feitos para “educar”. De uma forma ou de outra, na televisão também podemos encontrar bons exemplos de animações que nos prendem, nos fazem gargalhar, porém nos fazem chorar também.

Diogo PB (2)

 

Diogo Della Volpe – Estudante do segundo ano de Psicologia na PUC-Campinas, 19 anos, amante de mangás e animações. Espera sempre que a vida ganhe um pouco mais de cor e aprecia a arte da criação