Um dia desses fiquei pensando na minha idade e na tal “maturidade”. No dicionário ela é condição de plenitude em arte, saber ou habilidade adquirida. É também “termo último do desenvolvimento.”

Ela chega e é para ficar. Chega muito rápido! As pessoas culpam o tempo dizendo que ele é cruel, mas eu descobri muita coisa boa que essa maturidade nos dá. Muito mais prazeres do que pensamos! Lembranças das experiências vividas; histórias e mais histórias, para contar e relembrar; o prazer de ouvir o netinho te chamar de vovó; o prazer de ver os filhos seguindo sua vida e ter a amizade deles; um delicioso sentimento de leveza e sabedoria; segurança para enfrentar os medos; e muito mais fé.

Foi com a chegada da maturIDADE que pude desfrutar de muitas coisas boas. Me peguei outro dia pensando nem saber mais o que mais  desejar da vida…..O que ainda não fiz? O que mais posso querer? O que preciso?

Com ela dei mais valor as pessoas do que as coisas; mais valor a saúde do que a aparência; mais valor aos passeios do que ao dinheiro guardado;
Ah Maturidade! Você é muito boa para quem consegue te encontrar. E quem não consegue é porque já morreu ou não atingiu o “termo último do desenvolvimento. “Que venha 5.4!”


Vera Lígia Bellinazzi Peres – Bela Urbana, casada, mãe da Bruna e do Matheus e avó do Léo, pedagoga, professora aposentada pela Prefeitura Municipal de Campinas, atualmente diretora da creche:  Centro Educacional e de Assistência Social, ” Coração de Maria“