“…eu juro que é melhor não ser o normal…”

Muitas pessoas não me entendem, não entendem esse meu jeito de ser, eu acho que elas pensam que eu faço algum tipo. Como são bobinhas essas pessoas. Elas não entendem que ser diferente é coisa comum, afinal ninguém é igual a ninguém. Agora se o meu é diferente da maioria, isso é uma coisa que as pessoas tem que aceitar, não é porque eu gosto de conjuntos de rocks novos que eu tenho que deixar de gostar de outros tipos de músicas. Tem pessoas que acham que porque eu gosto de rockinhos é porque eu não gosto de outros tipos de  música, elas não entendem que não é nada disso. Também não entendem que quando pinto minha unha de azul acham que só por isso não gosto de usar cores claras. Não é nada disso, bobinhos. Eu gosto de ambas as cores, cada uma a seu estilo.

Eu tenho meu estilo e se é por causa de coisas tão pequenas como essas, que acham que eu quero fazer tipo de uma menina diferente, essas pessoas não estão entendendo nada e estão presas dentro de seus próprios preconceitos, estão criando a cada dia limites.

Eu tenho muito que aprender ainda, não sou a rainha da verdade do mundo, eu apenas tento ser feliz e não me prender a pequenas coisas.

Eu não faço um tipo para ser diferente, eu sou o que sou, talvez um pouco maluquinha em coisas tão banais, mas sei ser muito séria quando precisa. Sabe de uma coisa, eu gosto de ser do meu jeito.

30 de julho – Gisa Luiza – 17 anos

Adriana Chebabi – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde escreve contos, poesias e crônicas. Publicitária e empresária. Divide seu tempo entre suas agências Modo Comunicação e Marketing  www.modo.com.br, 3bis Promoções e Eventos e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. É do signo de Leão, ascendente em Virgem e no horóscopo chinês Macaco. Isso explica muita coisa :). A personagem Gisa Luiza do “Fragmentos de um diário” é uma homenagem a suas duas avós – Giselda e Ana Luiza

 

14569173_1044326735688193_1803317920_n-1

Aprendi que um sorriso faz milagres, além de te deixar mais bonita.

Descobri, a duras penas, que às vezes, desistir de um sonho não é fracasso e sim inteligência e auto-preservação…

Que quem a gente ama e nos ama de volta está sempre ali, por mais longe que esteja fisicamente.

Que chorar faz parte do processo, mas se afundar, não. Não pode.

Que cortar ou pintar o cabelo quando se está triste adianta, mas só na hora.

Que comer brigadeiro é a sempre melhor pedida: na tristeza e na alegria.

Que você pode não entender seus pais e certamente eles não vão te entender, mas eles podem ser sempre um “lugar para voltar”.

Que olhar para dentro é necessário, como é necessário mudar quando você já não se reconhece mais quando se olha.

Que relações – de qualquer tipo- são difíceis, mas podem ser prazerosas e construtivas.

Que fugir e se esconder não adianta, alguém ou o seu medo sempre te acha.

Que ter fé ajuda e liberta, independente do que você acredita.

Que uma ou várias taças de Chaddornay fazem toda a diferença.

E que não importa o que você faça, o dia vai nascer amanhã. E a responsabilidade é toda minha pelo o farei com ele…. e que ainda falta muuuuuito para eu aprender.

12507504_864760573644811_8622203985550743298_n Marina Prado

Marina Prado – Bela Urbana, jornalista por formação, inquieta por natureza. 30 e poucos anos de risada e drama, como boa gemiana. Sobre ela só uma certeza: ou frio ou quente. Nunca morno!

Montagem Janelas

Às vezes falo, às vezes calo.

Às vezes mudo, às vezes nulo.

Às vezes nada.

Às vezes tudo.

12084821_872243929489874_2008663406_o (2) Gil Guzzo 2

Gil Guzzo – Belo Urbano, é autor, ator e diretor. Em teatro, participou de diversos festivais, entre eles, o Theater der Welt na Alemanha. Como diretor, foi premiado com o espetáculo Viandeiros, no 7º Fetacam. Vencedor do prêmio para produção de curta metragem do edital da Cinemateca Catarinense, por dois anos consecutivos (2011 e 2012), com os filmes Água Mornas e Taí…ó. Uma aventura na Lagoa, respectivamente. Em 15 anos como profissional, atuou em 16 peças, 3 longas-metragens, 6 novelas e mais de 70 filmes publicitários. Em 2014 finalizou seu quinto texto teatral e o primeiro livro de contos. É fundador e diretor artístico do Teatro do Desequilíbrio – Núcleo de Pesquisa e Produção Teatral Contemporânea e é Coordenador de Produção Cultural e Design do Senac Santa Catarina. E o melhor de tudo: é o pai da Bia e do Antônio.

© Gil Guzzo – Proibida qualquer tipo de reprodução das imagens sem autorização. Imagens protegidas pela Lei do Direito Autoral Nº 9.610 de 19/02/1998

shutterstock_149644169

Quem gosta de escrever adora uma ante sala de consultório médico, lotada de pessoas aguardando, material farto para observação. Foi ali que revi meus últimos dezessete anos. Levei meu filho adolescente para ver uma amigdalite, a qual depois descobrimos ser uma séria faringite, pensava que esses males da garganta só acometiam crianças pequenas.

Lá estávamos nós, relembrando os velhos tempos da primeira infância, onde as mães não saem do pediatra, pronto-socorro, especialistas, alergologistas, no meu caso.  Já nem lembrava mais a quantidade de antibióticos que meus três filhos juntos tiveram que tomar, eu não era contra a homeopatia, só tinha medo que não funcioanasse, que demorasse demais para curar e eles morressem.

Bem, mas nessa uma hora de espera consegui observar mães com seus bebês, crianças de um, dois, cinco, dez anos e minha vidinha foi voltando como naqueles filmes que rebobinávamos antigamente. Lembrei de cada fase de cada um deles, boas, deliciosamente apaixonantes, mas rápidas.

Perdemos as contas de quantas vezes ouvimos a clássica frase: aproveita essa fase, passa tão rápida. Naquele instante senti isso, um piscar de olhos..dezessete, o mais velho já na faculdade, e as angústias das noites mal dormidas, do mal estar de ter que voltar ao trabalho e deixar o pequerrucho no berçário, do medo de uma febrinha, de um febrão, deles não comerem, não se adaptarem, não conseguirem evoluir em cada fase… foram todas por água abaixo.

A melhor fase é a que você está vivendo… Agradeci por ter conseguido chegar até aqui. Viva. Sobrevivi. Quando vi uma mãezinha dando frutinha raspada para o filho pensei: pobrezinha mal sabe o que é esperá-lo  voltar da balada. Me peguei sorrindo, feliz da vida com meus adolescentes conectados em seus celulares.

12315109_10200902625526122_1329798388_o Dani N

Dani Martini Naufel – mãe de três adolescentes, Bacharel em Direito pela PUCC, funcionária pública, fotógrafa nas horas vagas , adepta do spinning e da yoga, quer desacelerar mas não consegue, enfim, uma mulher contemporânea.

 

shutterstock_280001267 (2) super menino

“Quando era pequena, muito pequena mesmo, eu devia ter uns 4 ou 5 anos, perguntei para minha mãe:

– Mãe, meu pai é o homem mais forte do mundo?

Ela me olhou e respondeu: – Não.

Eu na hora devolvi: – Mas se ele não é o homem mais forte do mundo, como vai nos proteger dos ladrões?

Não me lembro a resposta dela, mas hoje sei que meu pai não era o super homem, e que não existem super homens. Existem homens fortes, mulheres fortes e crianças que podem se tornar pessoas fortes ou não.

Os ladrões virão na vida e em algum momento todos nós seremos roubados, de coisas materiais e de coisas que não são materiais, que são as mais doloridas.

Como nos defendemos e  nos recuperamos? Não sei ao certo, mas acho que esse super homem e essa super mulher podem vir a tona dentro de cada um de nós quando isso acontece, mas para que tenha forças para vir e resistir, isso sim, nasce na infância, é o tal recurso interno que os psicólogos tanto falam.

Recurso interno: Ter ou não ter? Como saber?

Vou pensar mais sobre isso, acho que tenho, já me disseram, mas será que ajudo meus filhos a terem?”

14 de outubro – Gisa Luiza – 47 anos

Foto-0010E001 dri

Adriana Chebabi – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde é a responsável pela autoria de todas os contos e poesias. Publicitária e empresária. Divide seu tempo entre sua agência  Modo Comunicação e Marketing  www.modo.com.br e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. A personagem Gisa Luiza do “Fragmentos de um diário” é uma homenagem a suas duas avós – Giselda e Ana Luiza.

 

 

shutterstock_308589128 (1) dados

disfarça e finge que tá tudo bem

que seu coração nem bate

nem sangra

olha nos olhos e atravessa

não vê

porque a conquista é só um jogo

de azar

e ninguém vence

se precisa escolher lados

 

eu te quero

mas só um pouco

eu te espero

mas só até amanhã

eu me entrego

e me retraio

com suas certezas

que você me entrega

e depois pede de volta

como num jogo de cartas

feito só de adversários

se defendendo das palavras

se ausentando dos olhares

se esquivando dos nós

 

eu não te deixo perceber

que minha derrota

não depende da sua vitória

mas do meu próprio cansaço

quando já não quero mais

suas falas que não dizem

seus olhos que fogem

suas mãos que escorregam

e partem sem razão

 

eu já não aposto minhas fichas

nas suas cartas marcadas

porque não entrego os pontos

por outro blefe seu
IMG-20150923-WA0004 foto amiga Lucas

Luciana –  não tem idade, mas escreve desde a escola, quando descobriu que voz não tem nada a ver com som. Não tem métrica, técnica ou ideologia. Não gosta de maiúsculas e acredita na escrita crua. Escreve em livro, caderno, máquina e computador. Só escreve. É só o que sabe fazer.(e atualiza, às vezes, o Monólogo da Fuga) www.facebook.com/monologodafuga

shutterstock_110027378

… Nada a ver??? Não sei, não sei mais nada, o tempo confundiu minha cabeça, mudou meus sentimentos, mas continuou deixando minha essência de ser intocável (sou a mesma). Vontade de chorar….” eu heim, nem pensar, outra vez nem pensar…”. Se tiver que ser será SERÁ? ….“a roda do tempo gira  e o mau deixa lugar ao bem…”. Será que um dia minhas perguntas serão respondidas??? Coragem!!!

28 de janeiro – Gisa Luiza – 20 anos

10959308_10203700598545176_5268303932415920241_n Dri perfil

Adriana Chebabi – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde é a responsável pela autoria de todas os contos e poesias. Publicitária e empresária. Divide seu tempo entre sua agência  Modo Comunicação e Marketing  www.modo.com.br e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. A personagem Gisa Luiza do ‘Fragmentos de um diário” é uma homenagem a suas duas avós – Giselda e Ana Luiza.