O inverno chegou e veio em todo seu esplendor, não é? Que tal aproveitar esse friozinho ( puro eufemismo, claro) e reunir os amigos, juntar uns cobertores e preparar uns caldinhos para se aquecer e jogar um pouco de conversa fora?

Estamos vivendo em um tempo de muita informação, correrias sem fim, relacionamentos líquidos e virtuais, mas muito pouca interação verdadeira. É claro que o dia a dia acaba nos levando a escolhas cada vez mais práticas e rápidas, mas que tal tirar um tempinho para resgatar as relações ao redor da mesa e levar de brinde mais saúde física e mental?

Minha proposta? Invista nas sopas, caldos ou cremes (os nomes são apenas variações gastronômicas para as texturas, ok?); eles aquecem, dão uma sensação de conforto e, com os ingredientes certos, ainda podem proporcionar uma melhoria no sistema imunológico, reduzindo a incidência de doenças associadas ao inverno. Ah! E se você convidar os amigos para dividir essa experiência, ainda tem o conforto emocional, a alegria da partilha…que também ajuda a prevenir muitas doenças. ”Pessoas felizes são mais saudáveis”!

Sem ideias do que fazer? Abuse das especiarias! Cardamomo, gengibre, anis estrelado, canela, páprica, açafrão… Todas têm propriedades anti-inflamatórias e são termogênicas, o que vai ajudar a te aquecer…

Não conhece algumas delas? Vá a uma casa de produtos naturais ou na sessão de temperos do supermercado e se divirta. Experimente, ouse, saia da caixinha!

Sabores são muitos! Mandioquinha com açafrão, abóbora com gengibre, beterraba com cenoura e cardamomo, feijão com páprica…e mais um monte de combinações a sua escolha. Todos deliciosos, quentinhos e, com as companhias certas, uma experiência única e renovadora.

E aí? Que tal tentar esse encontro no aconchego de casa? Eu garanto que é demais!

Adriana Rebouças – Bela Urbana, formada em Publicidade. Cursou gastronomia no IGA – São José dos Campos. Publicitária de formação e Chef por paixão. Sócia do restaurante EnRaizAr que fica dentro de um espaço de yoga e terapias que se chama Manipura em São José do Campos – SP.

sexta

O que tem a sexta-feira tem de tão especial?

A esperança de um ótimo final de semana. E o que é um ótimo final de semana? Não fazer nada, dormir até tarde, ver filmes, ir a um churrasco, encontrar amigos, namorar, paquerar, se embelezar e mais um monte de coisas que o fato de não ter hora marcada para nada nos permite.

Sexta-feira é o quase lá de tudo isso. Tem sextas que o dia passa corrido e quando nos damos conta já são 6h e, ufa, é hora de ir para o happy! Mas tem sexta que o dia passa arrastado, pura preguiça; a nossa gasolina, essa energia, acabou um pouco antes do fim do expediente e a vontade é que acabe logo o dia, porque não rende mais nada e o dia vira só procrastinação. Por que sexta encanta tanto? Porque a maioria trabalha por trabalhar. Trabalha para ganhar dinheiro e pagar as contas, só que muitas vezes a conta não fecha. E corpo cansa, assim como a cabeça, e não sabemos nem dizer qual cansa mais e onde começa essa canseira toda.

Mas aí, eis que existe a sexta para nos libertar dessa dor, do que não se faz com amor. Porque quando se faz com amor; segunda, terça, quarta, quinta e a própria sexta são mais leves e divertidas e isso torna todos os dias da semana especiais e não só a sexta. Mesmo quando o dinheiro é curto, porque o amor traz esperança; com amor o trabalho é bem-feito e a chance de reconhecimento é muito maior.

Sim, reconhecimento, é isso que todos queremos, em qualquer dia, mês ou ano. Todo mundo quer ser mesmo reconhecido como alguém especial, com características próprias que façam a diferença em qualquer ambiente, na vida profissional ou pessoal.

Ser reconhecido colore o dia, mas e nós? O quanto nós reconhecemos e valorizamos quem está à nossa volta? Somos o peso na vida de quem está do nosso lado ou colocamos as pessoas para cima? Somos a chata segunda ou a doce sexta? Na opinião da maioria é assim, segunda é chato, sexta muito bom.

Mas a questão é, final de semana bem-vivido e divertido é uma delícia, porque saímos da rotina e a rotina, meu caro, é dura, mesmo quando se ama o seu trabalho. Ela tem todas as obrigações da semana e isso gera ansiedade, por tantas e tantas obrigações a fazer.

Com essa ansiedade à flor da pele, esse esgotamento físico e mental à tona, entram os salvadores da pátria que nos prometem o paraíso: “trabalhe menos, ganhe mais, acompanhe seus filhos, veja seus pais, saia com aos amigos, namore, tenha dinheiro, não tenha stress etc”. São ilusionistas, alguns até têm boas intenções, mas muitos não. Você está lá como a próxima vítima, vampiros da sua conta bancária que te prometem o reino dos céus aqui na Terra, estão em várias profissões que teoricamente estão aí para te ajudar, mas a que preço?

Então, desculpe a dureza das palavras, aproveite seu final de semana o máximo que puder, mas aproveite também a limitação da segunda, a corrida da terça, a entrega da quarta, o imprevisto da quinta e o happy, porque não, da sexta.

A felicidade não está do lado, simplesmente porque não existe salvador da pátria, pessoa perfeita, duendes, coelhinho da páscoa, fadas, príncipes e princesas encantadas. A felicidade está dentro de você, todos os dias, e não só na sexta.

12308453_10205306926782378_7964104893761853478_n foto Dri para perfil

Adriana Chebabi – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde escreve contos, poesias e crônicas nesse blog. Publicitária e empresária. Divide seu tempo entre sua agência Modo Comunicação e Marketing  www.modo.com.br e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. É do signo de Leão, ascendente em Virgem e no horóscopo chinês Macaco. Isso explica muita coisa 🙂

 

 

 

 

shutterstock_132428099 panela

Na novela a trama é fictícia

Na panela a comida cozinha

A comida está cara, cada vez mais

Na novela quem vencerá? O bom?

É isso que queremos ver, o bom, na novela e na panela (na vida real)

Novelaço? Nem tanto, mas garante diversão

Que falta, quando a comida é cara, quando a saúde é paga, quando a educação de boa qualidade é paga e é muito cara.

As panelas deveriam ser fartas

Os sabores deveriam ser diversos

O tempero deveria ser saudável

Mas nessa panela “rola”

Pouca comida, tempero artificial e

a falta de novos sabores que nunca serão comidos

Porque comida vai sendo a panela que vai ficando velha, oca e sem brilho

A novela consola, a esperança que o bem vencerá no final, é real nesse fictício.

Citando os Titãs “a gente não quer só dinheiro, a gente quer dinheiro, diversão e arte”

10959308_10203700598545176_5268303932415920241_n Dri perfil

Adriana Chebabi – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde é a responsável pela autoria de todas as histórias do projeto. Publicitária, empresária, poeta e contadora de histórias. Divide seu tempo entre sua agência  Modo Comunicação e Marketing  www.modo.com.br, suas poesias, histórias e as diversas funções que toda mãe tem com seus filhos.  Gosta de novelas e panelas fartas. 🙂