Olhinhos grandes. Ela tinha. Os olhos bem grandes mesmo sendo pequenininha. Era arteira. Os olhos grandes brilhavam quando viam brigadeiros, pudim, sorvete, chocolate. A boca salivava, as mãos escondidas escorregavam para perto dos doces. A casa era pequena, mas aos olhos dela era grande, chique e cheirava doce.

A mãe e a vó eram doceiras, tiravam o sustento do dia a dia dos doces. Ela tinha razão, a casa cheirava baunilha misturada com açúcar. Não era só uma sensação, era real.

Se pudesse teria sentido só o doce da vida, mas sabemos que isso é sonho, e não o que vende na padaria.

Sentiu sabores amargos, outros salgados como mar, que brotavam dos olhos grandes com a lágrima que caia. Gostava desse sabor, que a acalmava quando se dirigia para boca e ia virando brincadeira.

Simples como todos os melhores sabores, assim que ela sempre foi e assim como tinha sido sua Vó e sua mãe, talvez a sua filha também seguisse nessa linha, mas o que ela hoje sabia, é que a filha tinha a mesma mão. Mão para doce.

Seus olhos continuam grandes. Grandes para doces, mas a balança implora que se controle, assim como seu médico quando leva os exames de sangue. Ela, continua arteira e sua resposta vem com uma bomba. De chocolate. Não é o esperado, ela sabe, mas com a frase feita que uma amiga sempre dizia “de amarga já basta a vida”, ela não se continha e comia.

Memórias afetivas e coração quente, é assim que ela vai enfrentando os dissabores da vida e assim, seus olhos continuam grandes e brilhantes.

Adriana Chebabi – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde faz curadoria dos textos e também escreve. Publicitária. Curiosa por natureza. Entre uma fruta e um doce, prefere a fruta. Divide seu tempo entre as consultorias de comunicação e marketing e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. É do signo de Leão, ascendente em Virgem e no horóscopo chinês Macaco. Isso explica muita coisa :).

 

2716

Sou daquele tipo de chata que se importa com os outros. Aquele tipo de pessoa que está passando por algum problema mas não demonstra porque um amigo está precisando dela, sabe?

Aquele tipo de pessoa que tem como lema “o que não me mata me deixa mais forte” e que está cansada de ser sempre forte mas se mantém forte pelos outros. Aquela que sempre tem os melhores conselhos e nem sabe de onde tirou, e pior: que serviria muito bem para própria vida mas não os usa.

Aquela que está bem quando o outro está bem. Aquela que vê simplicidade em tudo, abomina materialidade mas que guarda a pedrinha que ganhou do sobrinho – aquela pedra que ele achou na rua mas te deu com um sorrisão no rosto. Sou mais do que esse tipo de pessoa.  Sou esse tipo de mulher.

Aquela que urra contra o destino, que muda o futuro, que quebra barreiras de egos exagerados, que dá tapas em olhares preconceituosos, que amamenta o filho no meio da rua e que se mantém firme quando o mesmo faz um escândalo no mercado.

Aquela que usa mini saia e se sente bem e se defende das cantadas maliciosas no meio da rua. Aquela tem a coragem de ser uma das poucas mulheres a pilotar um avião ou entrar para o exército.

Sou aquela que decidiu ser mãe e aquela que preferiu não ser. Aquela que sonha em casar de vestido branco e aquela que “solteira sim, sozinha nunca”. Aquela que não se importa em usar 48 e aquela que faz academia 7 vezes por semana.

Sou aquela que trabalha fora o dia todo e sou “a dona de casa”. Sou aquela que cuida dos netos e dos sobrinhos se precisar.

Aquela que você pode se apoiar nas horas difíceis e aquela que você pode chamar para um bar. Aquela que você vai lembrar e agradecer por ter por perto.

Sou aquela forte que nem sempre gostaria de ser.

Sou tudo isso e sou muito mais que tudo isso.

Eu sou ela.

 

Natália Frizoni – Bela urbana, viveu nas nuvens durante anos e agora em terra firme. Adora livros. O Cabernet Sauvignon é sempre o escolhido. Aprecia a sua própria companhia e sai sozinha sempre que tem vontade. Tecido acrobático e escalada como esportes. Liberdade como lema.

Tudo seria diferente se eu tivesse coração.

Eu teria me fartado de amar. Teria.

Se eu tivesse coração eu teria beijado a menina da sobrancelha grossa naquela avenida movimentada dos anos iniciais da vida adulta.

Teria, talvez, trocado aquele amor cheio de frescor por aquele que, na plenitude da espera, queria acontecer. Amor que ainda serpenteia no rio grande.

Eu teria  dilacerado meu coração quando aquele que amava, por um instante, imaginei estar parado. O amor estancou. O coração não.

Não teria enviado tantas flores em dias felizes até que ela pedisse para parar. Foram-se os dias e as flores.

Se eu tivesse coração eu tivesse dito a ela que a desejava para além do vestido. Amor e desejo diluíram em caminhos opostos.

Talvez eu tivesse atravessado oceanos para dar aquele anel mesmo sem ela estar pronta pra ele. Anel e calor ficaram cegos no bolso.

Se eu tivesse coração?

Se eu tivesse coração eu me apaixonaria uma vez mais.

Gil Guzzo – Belo Urbano, é ator e fotógrafo. É um flaneur que faz da rua, das pessoas e da vida nas grandes cidades sua maior inspiração. Trabalha com fotografia de arte, documental e fotojornalismo. É fundador do [O]FOTOGRÁFICO (Coletivo de arte contemporânea que desenvolve projetos autorais e documentais de fotografia). E o melhor de tudo: é pai da Bia e do Antônio

 

14970861_1082020838585449_2135921203_o-coque-marina

Ela e somente ela entendeu o significado daquilo tudo… lágrimas escorrendo pelo rosto e um sorriso esquisito nos lábios… fez um birote nos cabelos, amarrou – os com um nó, subiu no salto, batom vermelho nos lábios… Se olhou rapidamente no espelho… sorriu novamente esquisito: essa sou eu se desescondendo de mim… sim a palavra é essa mesma: desescondendo…

Olhou para o céu… Não estava o calor que tanto ama, mas Oxalá não chovia. Fez sua oração em silêncio.

Conferiu de novo o espelho e achou que tudo ok com o que viu… mas esses olhos vermelhos não combinam.

Ligou o som nas alturas e saiu dançando sozinha. Sem se importar com os vizinhos ou com os curiosos na rua…ficou exausta de tanto dançar… desceu do salto, tirou o batom, chacoalhou o cabelo… botou o pijama… olhou para o espelho… e dessa vez não viu um sorriso esquisito.

Viu somente e tão somente a ela. E há quanto tempo isso não acontecia. E há quanto tempo ela não se pertencia.

12507504_864760573644811_8622203985550743298_n Marina Prado

Marina Prado – Bela Urbana, jornalista por formação, inquieta por natureza. 30 e poucos anos de risada e drama, como boa gemiana. Sobre ela só uma certeza: ou frio ou quente. Nunca morno!

mulher shutterstock_106550762

Ela bela fera

Ela eterna terna

Ela bruxa bruaca boazuda

Bunduda bacana benzinho

Ela um tesão furação vulcão

Ela pequena grande

Ela passa fica complica

Ela azeda doce pele salgada

Dança dirige canta cozinha

Lava passa

Passa com ferro

Passa aspirador

Passa de carro

Passa atrasada apressada

De salto, de rasteirinha

Ela perfumada Cinderela moderna

Alice no país que não é de maravilhas

Pollyana que não joga só o jogo do contente

Amélia sim, assim, a mulher de verdade.

Vida real, ela real.

Ela, elas.

12308453_10205306926782378_7964104893761853478_n foto Dri para perfil

Adriana Chebabi – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde escreve contos, poesias e crônicas nesse blog. Publicitária e empresária. Divide seu tempo entre sua agência Modo Comunicação e Marketing  www.modo.com.br e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. É do signo de Leão, ascendente em Virgem e no horóscopo chinês Macaco. Isso explica muita coisa 🙂