Esta tudo errado, não há nada bem
Como poderia ser, sendo você este alguém?

Me pergunte logo o que está em você
Me desafie, venha me dizer

Seu idiota, sabe nem que é insano
O estúpido, pobre, pensa que é humano

Háháháháháháha

Risos soltos por aquele que não vê
VOCÊ!

Olhe em volte e talvez consiga perceber

Não enxerga aquilo que não te mostram?
Não escuta o reverberar daqueles que choram?

Eles choram por você

Não por sofrer, mas por pena
E você ainda ai, sem entender o motivo dessa cena

Ignorante, pobre e idiota
Olhe em volta!

Eles não te ignoram, e muito menos eu
Mas continuas ai sem saber o que sou perdeu

Nunca soube, nunca viu
Idiota desalmado, servo varonil

Procure em sua mente e um dia talvez ainda vá a ver
O diabo e a inocência
Aquilo que não consegue mais saber

Igor Mota – Belo Urbano, um garoto nascido em 1995, aluno de Filosofia na Puc Campinas do segundo ano. Jovem de corpo, mas velho na alma, gasta grande parte de seu tempo mais lendo do que qualquer outra coisa. Do signo de Gêmeos e ascendente em Aquário, uma péssima combinação (se é que isso importa).

Passa pela mente, em um breve instante, que tudo que se viveu, de repente, possa não ter sido o melhor. Passa pela mente, neste mesmo instante, que daqui pra frente se tiver outra chance, seria assim, também melhor. Fracasso num instante, ganho no seguinte e assim, sigo adiante. Porém uma pausa de segundos. Um momento de fraqueza, da saúde, da alma, do corpo, do todo e se percebe que a vida é por um fio. Que o relógio conspira sempre contra, em sua ditadura temporal. E o arrependimento. De não ter sido melhor, maior, mais forte, dócil ou amigo. Se tiver assim, uma nova chance, tentarei ser melhor… Pois é inigualável a beleza da vida nos seus detalhes sutis. Imperceptíveis. E quantos detalhes já deixei passar por entre os olhos? Muitos. No pouco que me resta, mesmo no auge da juventude, prometo a mim mesmo não perdê-los por nada. Prometo não usar relógios, viver à toa. E não fazer promessas.

Crido Santos – Belo urbano, designer e professor. Acredita que o saber e o sorriso são como um mel mágico que se multiplica ao se dividir, que adoça os sentidos e a vida. Adora a liberdade, a amizade, a gentileza, as viagens, os sabores, a música e o novo. Autor do blog Os Piores Poemas do Mundo e co-autor do livro O Corrosivo Coletivo.

Foto Crido: Gilguzzo/Ofotografico.