Como você é linda!
Foi assim que o relacionamento começou.
Já se passaram meses, e como ele é carinhoso!
Mig estava nas nuvens. Que homem incrível havia encontrado. Fiel, trabalhador, um eterno
romântico, sempre a elogiando, presenteando com chocolates e buquês de rosas vermelhas.
“A verdade é que ele a amava. Era intenso.”
Não demorou para as promessas de casamento começarem a lhe cobrir de esperanças, afinal,
Mig realizaria o sonho de constituir uma linda família, pois filhos também já tinham sido
cogitados.
Combinaram de sair, e Mig comprou um belo vestido, arrumando-se toda para agradar seu
amado. Pena ele não ter gostado tanto assim da sua produção, pedindo-lhe com todo carinho
que colocasse algo mais apropriado. “Que mal faria ela trocar sua roupa?” Jamais iria
contrariar seu agora quase noivo com uma bobagem dessa.
O tempo passou, e como ele se recusava a usar métodos contraceptivos (Mig entendia as
razões dele), não custou para que o primeiro filho chegasse.
“O casamento podia esperar”, disse ele.
Foram morar juntos.
Uma pena ele ser tão ocupado! Chegava todos os dias tarde, cansado sempre, não cuidava do
bebê, nem tampouco da casa.
Mig se desdobrava entre os afazares, o trabalho e a faculdade à noite, quando contava com a
ajuda de sua mãe e algumas amigas.
Mas essa situação ficou insustentável e, segundo ele, a faculdade podia esperar. Mig viu que
ele tinha razão. Trancou sua matrícula.
Outro ponto foi manter sua mãe e as amigas mais distantes, pois “viviam dando palpites e eles
acabavam sempre discutindo por isso”. Mig ficou triste, mas entendia as razões dele.
Estranho que ele andava nervoso, mas Mig sabia que era por conta do cansaço.
Passados alguns dias, todo carinhoso, sugeriu então que Mig largasse o emprego, pois assim
teria mais tempo e condições de cuidar dele e do bebê. Ela entendeu que ele estava fazendo
isso para o bem da família. E assim, pediu demissão.
Mas parecia que nada o agradava.
Até que um dia, sem mais nem menos, deu-lhe um tapa na cara, alegando que a comida não
estava quente. Ela chorou muito, mas não quis brigar.
Na manhã seguinte, ele pediu desculpas, chorou, implorou para que ela esquecesse aquele
triste momento. “Ele a amava e não faria de novo”. Claro que ela o perdoou.
Os episódios passaram a ser constantes… Descaso, humilhação, cobranças absurdas e muita
agressão física.

O pedido de perdão, com lágrimas e lamentos, tornou-se recorrente.
Mig não estava mais dando conta. Mas não tinha coragem nem força para tomar uma atitude,
inclusive porque não sabia o que fazer.
Mas o tempo a fez perceber que precisava terminar com ele, pois temia por seu filho também.
Foi aí que a tragédia aconteceu.
Por conta de não aceitar o fim do relacionamento, ele planejou o pior.
Esperou Mig dormir, jogou álcool sobre ela e ateou fogo.
Ela acordou em chamas. Com seus gritos de dor, uma vizinha conseguiu arrombar a porta e
socorrê-la.
Ele havia fugido para sempre.
Mig teve 80% do corpo queimado, seu rosto desfigurado e marcas psicológicas para sempre.
Precisou lutar pela vida.
Sobreviveu com garra! Hoje luta pela causa, para ajudar outras mulheres a não passarem pelo
que passou.


*Dados do DeltaFolha afirmam que “o Brasil registra 1 caso de agressão à mulher a cada 4
minutos.”
*Segundo a ONU (Organização das Nações Unidas), “7 em cada 10 mulheres no planeta foram
ou serão violentadas em algum momento da vida”.
*Segundo o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, “a quantidade de
denúncias de violência contra as mulheres recebidas no canal 180 cresceu quase 40%
comparando o mês de abril de 2020 e 2019”. (saude.abril.com.br)

Disque 180. Denuncie. Vá até a Delegacia da Mulher (ou delegacia mais próxima) e preste
queixa.
Disque 190 – Polícia Militar para atuação emergencial.


Simara Bussiol Manfrinatti Bittar – Bela Urbana, pedagoga, revisora, escritora e conselheira de direitos humanos. Ama o universo da leitura e escrita. Comida japonesa faz parte dos seus melhores momentos gastronômicos. Aventuras nas alturas são as suas preferidas, mas o melhor são as boas risadas com os filhos, família e amigos.

E aquela menina com menos de 5 anos, morava na roça, cidade pequena, numa casinha de pau a pique, morava com os pais, uma irmã mais velha e a caçulinha.

Era uma família simples, trabalhadora.
A casa dentro de uma fazenda, afastada da casa dos patrões, o pai trabalhava na lida no curral, tirando leite, a mãe, cuidava das crianças e da casa.

Raramente recebiam visitas de parentes. Mas quando vinham, deixavam os pequenos felizes, pois, embora tivessem crianças na casa, não eram de muita interação, pelo menos a menina não se lembra. As conversas eram só nas horas de visita. Conversa não, pois ficavam só escutando as prosas e contos na beira do fogão a lenha. Criança não se entromete nas conversas de adulto, ouviam dos pais!
Tinha uma visita que era constante, ia filar uma boia ou um café com bolo da comadre Maria e do compadre Beto, como ele chamava os pais da menina (mas não era padrinho de ninguém).
Sujeito bonachão, solteirão, não tinha parentes era amigo da família e estava sempre presente e solícito. Trazia balas, doces e mimos para os pequeninos da casa.

Os pais tinham muito apreço pelo Vitão (sim, esse era o nome dele).
A pequena se lembra que sempre estava perto dele. Quando ele chegava, se sentava num banquinho de madeiras e chamava a pequena para sentar no seu colo ou ficar perto dele. Se iam na missa ele aparecia e fazia questão de carregar a menina nos ombros até a entrada da fazenda, afinal era uma caminhada longa. Todos diziam que gracinha: ela gosta tanto dele! Que carinho ele tem por ela! Que xodó! Termo muito usado pela mãe.
Nunca nem imaginavam o que acontecia ali. Nem a menina.
Não demorou muito a família mudou de cidade em busca de trabalho e melhores condições de vida. A menina cresceu e um belo dia quando falavam de abuso sexual contra crianças, veio em sua memória um desses momentos vividos por ela. Foram flashes reveladores que acenderam sua memória!

A menina mulher estava brigando com a família, que conversavam sobre um caso de tentativa de abuso contra a filha da vizinha, diziam inclusive que a criança houvera provocado e que estava muito saidinha, blábláblá…

Nesse momento a menina mulher em prantos grita e conta sua triste experiência:

Começou dizendo:

– Não existe essa de se provocar o abusador! São canalhas! Parem de defender o bandido!

Lembra daquele Vitão que vocês gostavam tanto?
Nunca disse nada porque não lembrava, mas me lembrei agora!

Ele se sentava no banquinho, na cozinha da casa, na beira do fogão a lenha e enquanto vocês conversavam, alheios ao que se passava, ele me punha de cócoras entre as pernas dele e seus dedos me invadiam… ninguém via, ninguém desconfiava.

Então, eu o estava provocando?

A mãe da menina mulher, emudeceu por cinco eternos minutos e lhe disse com tristeza:
Meu Deus! Você vivia grudada com ele, como eu ia imaginar? Ele sempre foi muito respeitador! Jamais desconfiei!

Maria Teresa Cruz de Moraes – Bela Urbana, negra, divorciada, mãe de duas filhas moças, totalmente apaixonada por elas, seu maior orgulho. Pedagoga, psicopedagoga, especialista em alfabetização e coordenação pedagógica. Ama estudar. Está sempre envolvida em algum grupo de estudo que discuta sobre práticas escolares e tudo que acontece no chão da escola. Ah, é ariana.

“A criança cala por medo. A criança cala por vergonha. A criança cala por não ter voz…”

Difícil pensar em tudo que uma menina de dez anos, submetida a estupros desde os seis pelas pessoas que deveriam cuidar dela, grávida e julgada pela hipocrisia da sociedade sofreu e ainda vai sofrer como consequência disso tudo. Mas uma questão que foi levantada por muitos “cidadãos de bem” tem me incomodado: Por que a criança não falou para ninguém?

Aos 10 anos de idade mais ou menos eu era uma menina muito curiosa. Os meninos da escola estavam naquela fase de começar a descobrir a sexualidade, sabe? Viviam desenhando “pintos” para tudo que é lado e eu achava aquilo bem engraçado, mas não entendia muito o que era aquele desenho feito a exaustão e sempre seguido de um risonho pelos amigos do sexo oposto. Dito isso, saibam que eu era a artista da turma.

Bom, para contextualizar deixa eu contar um pouquinho da minha minha infância. Meu pai (meu herói e ídolo) morreu quando eu tinha cinco anos e meio de idade. Minha mãe nunca mais se casou, mas eu bem que gostaria. Tinha sede por uma figura masculina na minha vida. Embora ela não tenha casado, tinha amigos de infância que frequentavam nossa casa e que também frequentávamos.

Um deles, que vou chamar de João, era tapeceiro de mão cheia e eu, a artistinha da casa tinha verdadeiro fascínio por tudo que tinha a ver com trabalhos manuais. Nem preciso dizer que ele era meu ser humano, do sexo oposto, de preferência! Ele era casado com a Rosa, uma moça aparentemente mais velha e muito doce que eu amava de paixão também.

Não nos víamos muito, porque a oficina ficava num bairro mais afastado, mas sempre que possível estávamos um na casa dos outros para um café, para mim era um Nescau mesmo, um bolo… os adultos conversavam e eu ficava maravilhada por orbitar esse universo. O João sempre me encantou mais porque era o que me dava atenção, me tratava quase como uma igual.

Pois bem, a oficina mudou para perto da minha casa. Na verdade no caminho entre minha casa e a escola e imagine minha felicidade porque agora eu podia parar para “tomar um café” sempre que estivesse passando por lá.

João estava prosperando e tinha uns três funcionários no seu pequeno paraíso (paraíso é por minha conta, porque era assim que eu enxergava aquela portinha cheia de tecidos, móveis desmontados e fedendo a curtume… coisas de criança) e todos eles me tratavam como uma mascote.

Um dia, eu passei por lá e João estava só. Entrei para nosso café com bolo usual e nossas conversas que até então era pra que serve essas taxinhas?, o que é um capitonê?, etc e tal...mas como eu disse, ele estava sozinho e, como eu disse lá em cima, eu andava sendo bombardeada pelos desenhos de “pinto” sem saber muito bem o que eram. A gente sentou nas banquetas em frente a bancada de trabalho. Eles tinham o hábito de rabiscar os projetos nas grandes pranchas de madeira e sempre tinha um lápis por ali. Eu, curiosa, perguntei por que aquele lápis tinha um formato diferente dos meus da escola (ele era quadrado, bem maior e escuro), João explicou e me deu o lápis na mão apontando a prancha de madeira e dizendo que eu podia testar. Lógico que desenhei um “pinto”! Na verdade algo bem rudimentar como duas bolinhas e um palito. Ele olhou e perguntou se eu sabia o que era aquilo. Eu balancei a cabeça e disse que achava que sim, mas não tinha certeza… foi nesse momento que meu mundo virou de cabeça pra baixo. Ele pegou minha mão, uma mãozinha de uma menina mirrada de 10 anos de idade (vocês não imaginam o quanto eu era miúda nessa época, magrinha mesmo, uma varinha, nada que pudesse ter um apelo sexual) e colocou no pau dele. Um membro totalmente rígido. Puxei minha mão na hora num misto de medo, vergonha e sei lá o que. Ele ainda insistiu que eu poderia tocá- lo para saber como era um homem de verdade? Homem de verdade? Oi? Eu queria desaparecer dali, virar pó, ser engolida pelo chão, mas não consegui simplesmente sair correndo. Lembro de agradecer polidamente e dar uma desculpa para ir embora.

Cheguei em casa me sentindo suja, mal, nas não conseguia elaborar o que tinha acontecido. Eu sabia que era errado, mas eu tinha provocado aquilo! Não podia contar para minha mãe, porque, na minha cabeça, ela ia se zangar comigo, afinal, fui eu que fiz o desenho que levou aquela situação. Não podia contar pra Rosa, porque ela ia ficar triste e eu não queria que ela ficasse triste por algo que eu tinha causado.

A partir daquele dia, sempre que era para ir na casa deles eu inventa uma desculpa e sempre que eles iam em casa eu não mais queria participar ou, se participava, era grudada na minha mãe ou na Rosa. Minha mãe chegou a me perguntar por que eu não ia mais na tapeçaria, algo que ela só sabia porque o João tinha falado para ela que eu andava sumida. Eu não me lembro o que respondi, mas sei que a partir daí não fui mais questionada. Só sei que nunca contei e eles seguiram amigos até o fim da vida… se viam menos, eu, cheguei num momento que nunca mais os vi, mas essa história ficou pra mim. E para o abusador do João.

Por que eu não contei? Porque eu tinha vergonha… Porque eu achava que a culpa era minha… Porque eu não queria magoar os adultos… Porque eu queria proteger a Rosa… Porque eu só tinha 10 anos…

Porque não se falava dessas coisas…

Adriana Rebouças – Bela Urbana, formada em Publicidade. Cursou gastronomia no IGA – São José dos Campos. Publicitária de formação e Chef por paixão. Sócia do restaurante EnRaizAr em São José do Campos – SP.

Fotos Taine Cardoso Fotografia

Quando se conheceram ele era encantador, chegara a instituição a procura de apoio para sair da dependência química. Ela era trabalhadora do lugar. Moça bonita, esforçada, nunca havia fumado ou bebido, não era dada a saídas ou baladas, vaidosa, tivera muitas perdas recentes: não conseguira terminar sua faculdade de odontologia devido à situação financeira, seu animalzinho de estimação morrera, seu ex-noivo do nada, havia terminado e tudo desencadeou em depressão.

Ele devido aos problemas não só de dependência, mas de bipolaridade foi acolhido por ela e não demorou muito para que começassem a namorar. Ele muito envolvente, dizia que queria mudar e constituir uma família. Ela tinha um desejo de ter filhos pois segundo ela estava com 35 anos e não poderia esperar. Ficou grávida e decidiram morar juntos, com 6 meses de gravidez ele quis terminar o relacionamento, ela chorou e ele arrependido convenceu a voltar.

Entre a gestação e nascimento do bebê muitas turbulências, continuaram juntos ele sempre ofendendo, depreciando-a perto dos outros, em virtude de ser adicto por vezes ele recaia no uso de drogas e bebidas, sempre se desculpando dizendo que ia mudar e continuavam aos trancos e barrancos. A criança nasceu, já no hospital era rude com a inexperiente mãe. Ele aparentava o pai zeloso e fazia dela a mãe relapsa, ignorando sua depressão e agravando a situação, pois dessa forma o pânico se instalou.

E ela vive uma situação abusiva. Como é difícil para nós que estamos de fora vendo um familiar passando por essa situação e não conseguimos ajudá-la a sair, principalmente quando a própria pessoa identificou que está vivendo a situação abusiva, mas não tem forças para sair, se encontra refém da situação. Acredita que o agressor poderá mudar.

Na tentativa de ajudar essa pessoa que vive essa situação de abuso, nos desgastamos de uma forma tão intensa que ficamos adoecidos, sentimo-nos invasores e após muitas insistências de nossa parte, vem o sentimento de impotência, pois a pessoa parece não querer sair.

Quero acreditar que é uma situação muito mais complexa do que imagino, principalmente quando se tem filhos envolvidos.

Sempre me perguntei: como querer que seu filho conviva com essa situação? Como submeter os pequenos a assistirem eles se destruindo?

Quando vai ter forças pra sair? 
Lhe dizia: Estou aqui! Conte comigo! Minha casa é sua! 
Não adiantava.

Na primeira vez que saiu devido as fortes discussões, estava magoada, ele manipulador pedia desculpas, alegava arrependimento, ela voltava. 

Na segunda vez, além de magoa, decepção, mais uma vez pede perdão demonstra arrependimento, assume que foi responsável, diz que ela também teve culpa, pois é teimosa e ela lhe impondo culpa, pois acaba por acreditar que deveria ter sido tolerante (ele a faz se sentir culpada por tudo), ela volta.

Na terceira vez: mágoa, decepção, medo e uma filha.

De agressões verbais a psicológicas e a quase agressão física, sai de novo pela quarta vez, a levo até a delegacia mas não registra queixa, pois segundo ela teme por ele, pela filha, pela família dele. Isso me deixou possessa! Ficou 5 meses longe dele.

Arrumei escola para a criança, quando ele viu que ela estava relutante em voltar, começou a torturá-la, alegando que pelo fato dela estar depressiva e com síndrome do pânico diagnosticada, não iria conseguir a guarda da criança. (Que poder eles tem? pois mesmo a advogada dizendo a ela que ele não conseguiria).

Organizei toda minha casa em função e por amor a elas… ele ligava todos os dias, ia até a porta de casa, a família dele também a pressionava por causa da criança e mais uma vez ela decide voltar.

Segundo minha irmã, a filha é a razão pela qual permanece, muitas vezes briguei, dizendo que a filha era só pretexto para que ela continuasse com ele, fui dura! 

Nessas Idas e Vindas, os abusos aumentaram, agora ele a isola, não aceita visitas, tem todo o controle da situação.

Ele me odeia! Me ameaçou! Diz que sou corajosa de ir até lá! 
Mas vou! Não entro na casa dela, faço visitas semanais para ver como elas estão.  Quero com meus olhos. 

Nunca deixo de visitar e percebo nela nem sombra daquela pessoa que ela foi! Há em seus lábios um sorriso triste, os olhos falam mais que a boca e me contam de sua dor, evita me falar tudo o que tem passado.

Mora num lugar muito difícil, sem luxo e muitas vezes passa necessidades. Ele a humilha e debocha dizendo que ela agora mora na favela e que acabou a frescura! 

Os vizinhos cuidavam dela no começo, até me ligavam quando sabiam que ela estava sofrendo, hoje não mais, pois devido as suas idas e voltas deixaram de se envolver acreditando no “briga de marido e mulher ninguém mete a colher”.

Por vezes tive medo que ela tirasse sua vida ou ele o fizesse isso me consumia. A fraqueza e o medo a visitam todos os dias. 

Ele vive mais desempregado que trabalhando, todos os dias bebe.

Ela zelosa e amorosa com a filha caprichosa no cuidado do lar e ele só se queixa. Nada está bom!

Contratei uma psicóloga que atualmente atende online, o faz escondido do sujeito. 

Torço para que com essa ajuda ela se cure tenha forças e saia fortalecida. Se por enquanto não sair, que não sinta que esta só.

Todos os dias mando mensagens de vídeo e reafirmo meu apoio.

Durante as visitas, mesmo agora em virtude da pandemia, não deixo de ir, garantimos o protocolo de segurança e nos vemos. Na despedida  me coloco  pronta e digo:

Precisando estou aqui! Quando estiver pronta e decidida me chama que te tiro daqui. Ela balança a cabeça afirmativamente e me dá um sorriso.

Ah, como eu gostaria de arrancá-las de lá!

Mas como eu disse acima, ela deverá estar realmente decidida senão  acabará voltando.  

MULHER – Bela urbana, 45 anos mais, não quis ser identificada
SOS – ligue 180

Quando eu era menina, em torno dos meus 9 anos, tinha uma senhora que trabalhava como faxineira na casa de uma tia. Não me lembro o nome dela. A imagem que fazia da mesma, era de alguém com idade próxima a da minha avó, mas não sei se de fato ela tinha essa idade ou uma aparência muito judiada.

Certa vez, estávamos brincando na rua, ela apareceu caminhando em nossa direção, provavelmente voltando de alguma casa que limpava. Os adultos comentavam que ela apanhava do marido. Eu me lembro de olhar para ela e pensar indignada em várias perguntas que nunca tiveram respostas: Como assim ela apanha do marido? Ela é uma adulta (quando eu era criança era normal as crianças apanharem) por que deixa? Por que ela não bate nele, corre, foge?

Há uns anos, minha filha veio me contar que a mãe de uma amiga que morou no nosso condomínio apanhava do marido. Fiquei passada e perguntei como ela soube e por que não tinha me contado na época. Contou-me que um dia que caminhavam juntas na trilha do condomínio, quando a amiga disse que a mãe apanhava do pai, minha filha perguntou sem resposta: Como assim? Disse então: não pode. Na época do ocorrido ela devia ter os mesmos 9 anos que eu tinha no caso que contei acima.

Essa família ficou pouco tempo no condomínio. O pai era muito simpático e a mãe muito reservada, sempre usava roupas de mangas compridas, muito pálida e nunca descia para as áreas em comum. Eu desconfiava que ela tinha algum problema de saúde, mas como sempre foi muito fechada, não abria espaço para conversa. Uma vez fui buscar minha filha no apartamento de sua amiga e achei estranho a forma como a mãe se comportou, me senti incomodando e pedi para a minha filha acelerar para irmos embora rápido.

Hoje, sabendo que ela apanhava, consigo entender seu comportamento, suas roupas e sinto não ter percebido que isso acontecia e ter de alguma forma ajudado. Difícil pensar que essas coisas acontecem tão próximas a nós.

Os tempos mudaram, mas a violência doméstica ainda se faz presente em qualquer classe social. Precisamos romper esse ciclo. Estender a mão para a vítima, ligar para o 180, denunciar. Não ter medo.

Não quero ouvir daqui alguns anos, uma neta contar que soube de mais um caso de violência doméstica. Chega desse tipo de história.

Adriana Chebabi  – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde faz curadoria dos textos e também escreve. Publicitária. Curiosa por natureza.  Divide seu tempo entre seu trabalho de comunicação e mkt e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. É do signo de Leão, ascendente em Virgem e no horóscopo chinês Macaco. Isso explica muita coisa. 

O Cordão Umbilical nos amarra para sempre… Alguma dúvida?

Belas Urbanas, meu pensamento pode ser mais reflexivo e atuante sobre esse amarrar em cordão que se faz pela vida afora, inteira…

Como é difícil, essa separação, que muitos, ainda não acreditam que esse cordão tão forte e tão necessário para a vida que veio, e outras que ainda estão por vir, e necessitam dele para sobreviver!

Sim, estamos falando de sobrevida…

Isso é realmente o que acontece em algumas crianças entorno de suas mães, e essa atitude é tão veemente, que ofusca o olhar de quem está observando as carícias entoadas nas revistas encantadas, onde as mães sentem que a Paz é por elas providenciada, como se fossem a “Divina Providência”.

De que Paz, ela fala com o olhar em seu filho?

E, de que Paz, o filho fala ao olhar em dependência para a sua mãe?

Será teatro, pensam alguns, ou será que é um espelho de almas engatadas no social, e, devido a isso, esses filhos e mães se sentem engajados ao determinismo da comunidade funcional?

A mídia familiar proclama, e a mamãe reclama, e tem tantos receios de ser talhada de dês… natural e uma mãe desigual, que aperta mais o cordão e chora os seus absintos nefastos sobre a sua cama, e se acha uma mamãe in… sana!

E, para ela isso é ponto final, e ela se entrelaça mais e mais no cordão umbilical…

A mídia familiar exalta, e os filhos se deixam acreditar que esse laço tem um nó, e será muito dificultoso desenlaçar…

Ora, eu digo ao ver uma mamãe se situando nesse abrigo já roxo, já meio frouxo, e já escalpelado devido aos preciosos tempos de seu filho contigo, e muitos deles com a pressão do desconforto entre o rei/rainha em seu trono, e mimado em demasia, sem ter sido abandonado nenhum dia!

Quando elas chegam, em uma Escola, para efetivar a matrícula de seu bebê, elas nem percebem que o cordão irá se dês… fazer simplesmente por uma razão, ela e seu filho terão uma força vinda dos céus, e darão aos curadores de seus cordões, que eles serão desprendidos das paredes de seus corações, que estarão agora em rede com outras histórias, em tempo de novos aconteceres, em tempo de se alegar novas memórias, checadas ao se olhar para a liberdade de estarem sem esse nó entrelaçado, não permitindo um novo olhar entre o presente e o passado…

Motivos, muitos nós temos em algumas vezes para nos sentirmos presos aos cordões de nossas mães, mas, nós adultos sabemos que esse processo de aleitamento materno nessa idade, não é bonito, é até esquisito ao olhar de uma sociedade, que nos apara e, nos aperta, e nos declara presos, mas, essa mesma sociedade nos liberta…

Penso eu, após muitos anos exercendo o ofício em uma Escola Infantil que o cordão se estabelece por receios, de que a maternidade se desfará, e nos obrigará a sermos independentes desse amado ofício de estarmos mães, sem artifícios, sem colagem, sem adereços, sem compressas, sem avessos, no entanto com muito compromisso, conosco e com o nosso filho que veio para nos dar mais artifícios para enlaçar as pontas das fitas sem nós, e muitas vezes nos perdemos ai…

Que tal iniciarmos um curso, em que o assunto é como fazer um laço, sem dar nó, para que o nosso abraço seja fortalecido num cordão que poderemos desenlaçar para uma viagem, quando se der a mudança de uma estação para outra?

Estou falando de Filhos e de Mães… Mas também falando para Educadores…

Até, eu volto.

Joana D’arc de Paula – Bela Urbana, educadora infantil aposentada depois de 42 anos seguidos em uma mesma escola, não consegue aposenta-se da do calor e a da textura do observar a natureza arredor. Neste vai e vem de melodias entre pautas e simetrias, seu único interesse é tocar com seus toques grafitados pela emoção.

Tenho lido muito sobre o amor e sobre as declarações tipo eu te amo, desculpem-me mas pra mim é difícil EUTEAMO, tem gente que diz com a banalidade de quem diz “como vai” e na verdade só quer dizer “oi” sem saber como você vai de verdade. Pra mim EUTEAMO é sagrado, intenso, avassalador!

Quando falo de não se banalizar o “EUTEAMO”, penso e lembro o quanto meu amor, esse sentimento tão humano é imperfeito, é egoísta e necessita de reciprocidade! Necessito que me respeite e me preserve como ser, como pessoa, como indivíduo singular, pra não cair nas relações abusivas tão nocivas. Preciso que tenhamos admiração um pelo outro, admirar e ser admirado faz parte deste amor terreno, não dá pra amar alguém que desprezamos pois cairíamos num processo doentio e insalubre. Preciso olhar para o outro e perceber que faz o seu melhor, não poupa esforços pra cuidar de nossa relação, e que quando falha, logo busca sanar isso pois preservar o que temos é mais importante que vencer ou deixar de dar o braço a torcer. Preciso egoisticamente que você possa ser pleno na minha ausência, pois parte da sua beleza é não precisar de minha pessoa, e que compreenda que não preciso da sua pessoa pra existir, mas que escolhemos partilhar este amor e nossa existência; seja como casal, família ou amizade.

Que te ofereço a melhor pessoa que consigo ser e recebo isso de volta de você. Que nossas diferenças não nos aniquilam, que quando pensamos diferentes isso representa nossas opiniões, gostos e preferências, nunca são questões morais ou valores que ameacem nossa integridade e sobrevivência. Que estar junto é bom, mas, estar separado é apenas uma questão de geografia, nunca algo que enfraqueça a relação, e que, o reencontro, mesmo que demore muito tempo, faz com que pareça que foi ontem que pudemos sentar, rir e abraçar. Que este afeto não dependa do contato físico e sim do contato da alma.

Pensei isso, e muitas coisas mais, pensei que te quero, quero vocês, as pessoas especiais as quais reservo o meu EUTEAMO, te quero e só posso desejar que seja recíproco. Ainda sou muito terrena pra amar incondicionalmente…quem sabe um dia chego lá.

Thelma Carlsen Fontefria – Bela Urbana, 50 anos, psicóloga, mãe de Isabella 20 anos, 2 cães, 1 gata, 1 afilhada 21 anos, 2 gerbils netos, mora em Santos, tentando manter a sanidade neste tempos de um Brasil tão distópico.

Se deparar com o silêncio é enlouquecedor. O apartamento era chique, tudo milimetricamente no lugar.

Nos últimos dias ela estava só. Ninguém podia entrar. Dispensou a empregada doméstica e o personal trainer, a contragosto, mas no condomínio o pedido foi explícito: Liberem seus funcionários pelo bem de todos, precisamos controlar as entradas, temos 06 casos suspeitos aqui.

Solidão pesa, ainda mais para quem se engana. A filha mora em Brasília com o marido, se falam bem pouco. O ex casou faz 10 anos com uma jovenzinha, como ela diz, e até hoje não conversam.

Solidão pesa. Você tem que se olhar, quando tudo que te sobra é você mesmo. Sentir isso era uma facada no peito. Não tinha amigos para ligar, sempre implicava com todos. Era chata. Impecavelmente chata.

As pessoas se afastam de quem só enxerga problemas, só critica.

Sandra, esse era seu nome, mas ela nem se lembrava. A vida inteira foi Sazinhah, que ela escrevia com o H no final desde menina. Achava chique como os copos de cristais que ganhou no casamento há 35 anos e que continuam intactos, sem uso.

Sua vida foi cuidar da casa, mas sempre com ajuda de empregada doméstica. Cada ano uma. Ninguém durou muito ali. Ela implicava. Não era rica, mas tinha uma boa condição. Classe média-alta, casou bem. Fez um acordo no divórcio de uma boa pensão, afinal, ele tinha condição.

Hoje o incomodo foi enorme quando o som alto do vizinho chegou aos seus ouvidos, a música falava rezadeira…. ela se irritou, como sempre aliás. Ligou na portaria para pedir para abaixarem. O som vinha do vizinho, que ela nem sabia quem era. Evitava entrar no elevador com outras pessoas, odiava sentir outros perfumes além do dela. Era chata até o infinito.

A música não parava e se repetia. A portaria retornou e disse que ninguém atendia. Ela poderia bater no vizinho e pedir para abaixar, mas só de pensar sua mão gelava.

Engoliu seco, e foi deixando aquele som diferente entrar na sua mente, no seu corpo. Foi até o espelho, olhou uma mulher com a expressão dura, parada, pensou: deve ser o botox.., os vários preenchimentos. Nunca tinha percebido sua falta de expressão. Doeu, assim como doeu olhar para a cristaleira com aqueles copos de cristais esperando a melhor ocasião. Esperando há 35 anos!

Foi para a varanda, a música que falava benzedeira não parava. De irritada começou a se movimentar, olhava para as áreas do condomínio, todas vazias. Super irritada, começou a se soltar e a dançar. Devo estar louca, pensou. Jogou as almofadas no chão. Foi fazendo um striptease até ficar nua. Nua e só.

Nua e com os cristais. Nua dançando ao som do vizinho. Resolveu beber, por sorte tinha um vinho bom. Presente da dermatologista pelo aniversário, afinal, gastou um bom dinheiro com ela. Não gostou, nunca gostava de nada. Chata.

Nua, abriu o vinho, fez uso da taça de cristal, até que enfim, a ocasião. Dançou na varanda, nua, com o copo na mão ao som do vizinho. Bebeu a garrafa inteira.

Lembrou-se de quando era uma criança e de tudo que NÃO vivera até ali. Lembrou a pandemia. Lembrou da dor da solidão. Dançou até o último gole e jurou que se saísse viva daquilo, mudaria tudo, começaria convidando os vizinhos para um vinho e decidiu que todos os dias da sua vida usaria seu jogo de copos de cristal, até para beber água. 

Adriana Chebabi  – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde faz curadoria dos textos e também escreve. Publicitária. Curiosa por natureza.  Divide seu tempo entre as consultorias de comunicação e marketing e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. É do signo de Leão, ascendente em Virgem e no horóscopo chinês Macaco. Isso explica muita coisa . 

Foto: @gilguzzo @ofotografico

A pedido da profissional, prima e amiga fui convidada a escrever sobre toda esta assustadora realidade que estamos enfrentando, amo estes desafios e como amo escrever, cá estou!

Mulher, advogada, empresária, mãe e dona de casa acostumada a madrugar e não parar até a hora de descansar. Ser obrigada a parar em casa por completo. Fácil, não, difícil, muito difícil!

Os primeiros dias, a falta de rotina dá margem a ansiedade, às crianças assustadas e o marido ainda sem muita consciência de tudo que está ocorrendo a nossa volta, homem tem tendência a negação.

Os dias vão passando e a angústia daqueles que dependem de nossa empresa, pagamento de vales transportes, vales alimentação do nosso Grab a Dog no Aeroporto Internacional de Viracopos, em breve os salários e o aluguel…., o que fazer sem poder sair de casa mas ao mesmo tempo manter nossa equipe lá, trabalhando, pois dependem dos seus empregos para se manter e manter suas famílias e filhos, ou seja, sobreviver!

Muitas recomendações reforçadas, fazendo tudo aquilo que está a nosso alcance visando proteger nossa equipe e clientes, por outro lado, a contradição: de que o mais correto é a recomendação de que todos permaneçam em suas casas!

O aniversário da nossa querida Bisa em Bebedouro, a 300 km de distância, nosso amor de avó desde que a conheci quando comecei a namorar meu marido Fábio aos 30 de novembro de 1998, que no último dia 20/03/2020, comemorou muitos anos e como sempre tudo desde o início do ano programado, para estarmos ao lado dela, não foi possível.

O coração aperta de tanta angústia, como é difícil se manter afastado! Manter o afastamento social, ficar longe para proteger quem amamos!

Para uma virginiana sempre super programada, os imprevistos e esta necessidade de se manter isolada chega ser a oportunidade de percebemos que o ser humano tem muita capacidade de mudar seu estilo de vida e ser feliz!

O que nos resta é nos reinventar, desde o primeiro dia que estou em casa com meus filhos, muitas boas ideias estão surgindo e percebo como os seres humanos tem uma grande capacidade de criar e fazer o bem quando desafiados.

Combinei com minha família na quinta, 19/03/2020 uma pequena rotina: iniciamos com a aula sobre a importância da lavagem das mãos, com direito a aula pratica e muitas risadas por aqui. Logo após as atividades escolares que tentaremos realizar nos períodos das manhãs e às tardes poderiam assistir tv, ler um livro, jogar um jogo, treinar nosso violão e na sexta um cinema em casa com pipoca ou uma gordice, como amo chamar alguma extravagância alimentar que de vez em quando nos permitimos por aqui.

Surgem ideias para fazer o bem daqueles que mais precisam, já compartilhei o telefone de um supermercado delivery com minha Tia Maura caso seja necessário e também me coloquei à disposição pois afinal não me enquadro como sendo de nenhum grupo de risco e oferecer ajuda aqueles que tem mais de 70 anos, e um alto risco de letalidade acaba fazendo toda a diferença.

Por fim, o mais novo projeto que já começamos a colocar em prática por aqui a doação de sabonetes antissepticos, aqueles que não tem condições de comprar e com isso irmos fazendo a diferença em tempos muito difíceis que temos que nos reinventar e semear, mesmo que a distância o bem e o amor! Por aqui já começamos e como não podemos sair de casa, estamos fazendo uma distribuição digital que fará a diferença.

Já reduzi a jornada de trabalho de minha ajudante por aqui mas no dia que ela vem para me ajudar, está levando vários sabonetes antibactericida para doar as pessoas que precisam, não tem condições de comprar e muitas vezes desconhecem inclusive o bem que tudo isso faz em relação ao combate à estes vírus e doenças.

Um gesto de carinho para proteger quem precisa neste momento em que quem tem mais consciência e talvez oportunidades, possam fazer a diferença mesmo que afastados uns dos outros e assim com pequenos gestos neste momento de tanta dificuldade, vamos enchendo o mundo de amor e proteção!

Mantenham – se distantes para depois podermos celebrar o amor!

Beijo de longe com carinho e preocupação.

Ana Carolina Rogé Ferreira Grieco – Bela Urbana, mulher, advogada e empresária. Virginiana que ama jogar tênis e ficar com a familia!

Eu começo o dia lendo notícias ruins nos sites, na TV e logo em seguida, parto para minha energia diária…o site Só Notícia Boa…, lá mostra o lado bom de tudo, inclusive sobre este assunto e aí as informações ficam balanceadas…mas meu coração prefere terminar o momento de atualização “com notícias positivas…o dia fica bem melhor”!

Mas, estou em casa e a minha realidade é o que realmente importa.

Minha mãe de 83 anos em casa, filhos sem aula em casa e…de repente o WhatsApp toca. Era minha manicure confirmando o horário de amanhã.

Pensamento 1- Meu Deus, eu não posso ir, não posso fazer isso com minha mãe…será que seria perigoso pra ela? Será que eu seria culpada se eu passasse algo para ela? E meus irmãos? E minha família?

Pensamento 2- Puxa, como sou egoísta, eu é quem poderia levar o vírus pra minha manicure, afinal, ela tem uma mãe acamada e corre mais riscos do que a minha… Ela seria culpada por trabalhar? E o dinheiro dela no fim do mês? E se alguém da família dela pegasse de mim?

Pensamento 3- Nossa, será que preciso mesmo correr este risco? Eu não sei se tenho alguma coisa que ainda não apareceu.

Pensamento 4- E meus clientes? Vai aparecer minhas unhas sem fazer nas reuniões online?

Foi assim minha tarde, uma mistura de sentimentos…às vezes egoísta, às vezes com medo… e foi aí que o amor e a gentileza falou mais alto…

Comecei a pegar os ovos, a manteiga, o leite, a canela, a noz moscada, a ameixa, a farinha de trigo….misturei tudo…, mas achei ainda faltava alguma coisa especial…coloquei então castanhas e mel, que nem tinha na receita. Dei um toque final com fermento em pó, muito amor e bons pensamentos…

Em seguida, untei a forma e coloquei tudo lá dentro. Com o tempo, o cheiro foi se espalhando pela casa toda e todos perguntando que eu estava fazendo e a resposta foi… estava fazendo quarentena, cuidando da família (fiz dois) e fazendo gentileza!

Pode ser que enquanto você esteja lendo este texto, ainda tenha sobrado um pedacinho de bolo no salão da Paula…

Mas se quiser a receitas, me liga…a gente aproveita, bate um papo, você passa o tempo e minha quarentena em casa ficará ainda mais divertida!

Agora, sem unha bonita, mas com muita consciência e muita gentileza!

Roberta Corsi – Bela Urbana, coordenadora do Movimento Gentileza Sim que tem como objetivo “unir pessoas que acreditam na gentileza” e incansavelmente positiva, para conhecer o movimento acesse https://www.facebook.com/movimentogentilezasim