Ipê roxo
amarelo
Ipê amarelo
estrada longa
verde mata
Atlântica
Colorida paisagem
fique assim
verde selvagem
reggae nativo
lirio branco
solta o som
amizade
Povo bom
da peste
da ribeira
contraste
sonhar:
Deixa o menino jogar.

Crido Santos – Belo urbano, designer e professor. Acredita que o saber e o sorriso são como um mel mágico que se multiplica ao se dividir, que adoça os sentidos e a vida. Adora a liberdade, a amizade, a gentileza, as viagens, os sabores, a música e o novo. Autor do blog Os Piores Poemas do Mundo e co-autor do livro O Corrosivo Coletivo.

Foto Crido: Gilguzzo/Ofotografico

Ela era dessas pessoas confusas. Confusas e centradas. Coisas dúbias em uma só pessoa e talvez isso fosse o que a tornava mais interessante.

André era apaixonado por ela, dizia isso. Ela gostava dele, já foi também apaixonada, mas hoje já não mais. A paixão secou, como água da torneira da sua cozinha por culpa do encanamento do vizinho. A pia ficou com as coisas para lavar, sujas, mas não tem o que fazer, até a água voltar.

Jantou o macarrão de ontem, frio, nunca gostou de comer comida requentada. Hoje só queria ficar só, e estava… André, estava por ai e ela nem ai, não ligou, apesar do dia merecer uma comemoração especial.  Dia dos namorados. Ela hoje não liga para datas, na adolescência sim, mas hoje, tantos anos depois da adolescência não mais.

Depois do jantar, mais um prato, copo, garfo e faca para a pia suja, ela olhou tudo aquilo com desgosto e sem ao certo saber o que fazer para resolver. Terá que resolver com o tal vizinho.

E por falar em vizinho se não fosse tão esquisito seria interessante. Era interessante, mas era esquisito. Quantos anos tinha? Acho que era um pouco mais novo que ela e sempre a olhava quando estavam no elevador.

Resolveu tomar banho, colocar seu perfume favorito. Usava seu perfume até para dormir sozinha. Era para ela. Amava aquele cheiro. Tentou dormir cedo, mas seu relógio biológico não ajudava para isso. Foi para a sala, ligou a TV, a TV sempre dava sono, mas nada. Foi para internet e ali despertou de vez, com ele, aquele que agora fazia ela sorrir, gargalhar. Ela só observava o que ele postava e quantas eram as que respondiam para ele. Muitas…

Ele era história antiga. História dela com ele. Dele com ela. Cada um pelo seu olhar. Seguiam suas vidas separadamente. Ela lembrou da música da adolescência “no balanço das horas tudo pode mudar”, cantava com a amiga da escola em um dia 12 de junho de muitos anos atrás. Ela lembrou e confusa que era pediu para o “Papai do Céu”, sim, ela ainda se referia a ELE como “Papai do céu”, pediu com fervor, pedir com amor e com um certa dose de dor.

Pediu que tudo fosse para o lugar certo. Que a água voltasse. Que a comida nunca faltasse. E que a alma dela encontrasse a dele frente a frente. Cara a cara. Corpo a corpo. Olhos nos olhos. Que pudesse ser seu nAMORado. Que esse tempo, esse das horas da música,  que enfim, chegasse para eles. Coragem.

Pegou no sono. Sonhou com merda. Sim, merda. Não estranhem, isso é um sonho que trás sorte. Presságio bom. É o que dizem…

Adriana Chebabi – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde faz curadoria dos textos e também escreve. Publicitária. Curiosa por natureza.  Divide seu tempo entre as consultorias de comunicação e marketing e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. É do signo de Leão, ascendente em Virgem e no horóscopo chinês Macaco. Isso explica muita coisa :)

Foto Adriana: Gilguzzo/Ofotografico.

Preciso ler minha poesias vazias, notícias de jornal, revista de fofocas, livros de suspense e ver novelas na TV.

Preciso fazer as unhas do pé, tirar fora o esmalte velho e deixar aparecer a cor que se é.

Não dar importância para os ruídos nas portas, pingos do chuveiros que teimam em não parar e carros que correm na avenida.

Jogar fora tudo que não me deixa DEIXAR e RELAXAR.

14 de novembro – Gisa Luiza – 32 anos

Adriana Chebabi – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde escreve contos, poesias e crônicas. Publicitária e empresária. Divide seu tempo entre suas agências Modo Comunicação e Marketing  www.modo.com.br, 3bis Promoções e Eventos e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. É do signo de Leão, ascendente em Virgem e no horóscopo chinês Macaco. Isso explica muita coisa :). A personagem Gisa Luiza do “Fragmentos de um diário” é uma homenagem a suas duas avós – Giselda e Ana Luiza

Foto Adriana: Gilguzzo/Ofotografico.

Busque nos detalhes a poesia.

Faça do simples a sua liturgia.

Colecione as alegrias. 

Busque a real poética 

de todas as coisas.

Neste mundo, conviva 

como quem sonha.

Construa a Comunidade Anônima.

Crido Santos – Belo urbano, designer e professor. Acredita que o saber e o sorriso são como um mel mágico que se multiplica ao se dividir, que adoça os sentidos e a vida. Adora a liberdade, a amizade, a gentileza, as viagens, os sabores, a música e o novo. Autor do blog Os Piores Poemas do Mundo e co-autor do livro O Corrosivo Coletivo.

Foto Crido: Gilguzzo/Ofotografico.

Tudo seria diferente se eu tivesse coração.

Eu teria me fartado de amar. Teria.

Se eu tivesse coração eu teria beijado a menina da sobrancelha grossa naquela avenida movimentada dos anos iniciais da vida adulta.

Teria, talvez, trocado aquele amor cheio de frescor por aquele que, na plenitude da espera, queria acontecer. Amor que ainda serpenteia no rio grande.

Eu teria  dilacerado meu coração quando aquele que amava, por um instante, imaginei estar parado. O amor estancou. O coração não.

Não teria enviado tantas flores em dias felizes até que ela pedisse para parar. Foram-se os dias e as flores.

Se eu tivesse coração eu tivesse dito a ela que a desejava para além do vestido. Amor e desejo diluíram em caminhos opostos.

Talvez eu tivesse atravessado oceanos para dar aquele anel mesmo sem ela estar pronta pra ele. Anel e calor ficaram cegos no bolso.

Se eu tivesse coração?

Se eu tivesse coração eu me apaixonaria uma vez mais.

Gil Guzzo – Belo Urbano, é ator e fotógrafo. É um flaneur que faz da rua, das pessoas e da vida nas grandes cidades sua maior inspiração. Trabalha com fotografia de arte, documental e fotojornalismo. É fundador do [O]FOTOGRÁFICO (Coletivo de arte contemporânea que desenvolve projetos autorais e documentais de fotografia). E o melhor de tudo: é pai da Bia e do Antônio

Que Deus cuide e proteja os pais. Todos. Sem exceção.

Proteja os pais que ajudam as mães a cuidar dos filhos uma ou duas vezes por semana, porque estes não entendem nada do papel de um pai.

Cuide daqueles que colocam os filhos no mundo e que às vezes aparecem anos depois sem nenhuma explicação, porque estes não podem reconhecer a si mesmos como homens, o que dirá como pais.

Cuide e proteja os pais separados que dão uma força pra mãe de vez em quando desde, que não atrapalhe o futebol ou a cerveja com os amigos. Que pagam a pensão de um salário mínimo em dia, mesmo que isso não dê conta das despesas dos filhos. Afinal, já estão fazendo mais do que a mãe das crianças merece. Estes meu Deus, não conseguem enxergar muito além ao redor dos seus umbigos. Logo, não sabem o que é ser homem, nem tão pouco o que é ser um pai de verdade.

Cuide e proteja todos esses pais e tantos outros que abandonam seus filhos de infinitas maneiras, estando perto ou longe.

Mas Deus, observa com cuidado aqueles outros pais que levantam antes das seis da manhã para preparar o lanche, acordar as crianças e deixar todos na escola antes do trabalho. Que levam os filhos ao médico, que preparam o almoço, o jantar, que fazem festa no banho, que jogam cinco ou seis partidas de futebol por dia com seu filho, mesmo que já não tenha mais idade pra isso. Que brinca de boneca com sua filha depois de um dia exaustivo de trabalho. Que anda de bicicleta num domingo de tarde, que arruma um cachorro grande pra seus filhos mesmo morando num apartamento pequeno. Que sai mais cedo do trabalho nos dias quentes só pra poder brincar com os filhos antes de escurecer. Que inventa histórias antes de dormir. Que orienta as tarefas da escola, que dá bronca, que repreende, que educa. Que viaja sozinho com os filhos e se diverte com isso. Que se emociona ao ver os filhos dormirem abraçados a ele. Que é capaz de olhar nos olhos da sua companheira ou companheiro e ver que são pais e mães, mães e mães, pais e pais, sabendo que as alegrias e as dores fazem parte da vida e que a construção de uma vida é mais leve quando se faz junta aparando um ao outro. Que é capaz de construir a mesma vida junta, mesmo quando são separados.  Pais e mães são para sempre. Esse pai sabe disso meu Deus. Esse pai sabe disso e de tantas coisas. Esse pai tem um sexto sentido, igual ao da mãe.

Ah Deus! Estes pais não precisam de cuidado nem proteção. Com eles você não precisa se preocupar. Sim, eu sei. Eles são incríveis. São homens. São pais de verdade. São pais felizes de ser pai. Mas Deus, eles não fazem nada além da sua obrigação.

Gil Guzzo – Belo Urbano, é ator e fotógrafo. É um flaneur que faz da rua, das pessoas e da vida nas grandes cidades sua maior inspiração. Trabalha com fotografia de arte, documental e fotojornalismo. É fundador do [O]FOTOGRÁFICO (Coletivo de arte contemporânea que desenvolve projetos autorais e documentais de fotografia). E o melhor de tudo: é pai da Bia e do Antônio.  

A morte dói. Dói para quem fica. Dói quando vem inesperada. Dói quando é esperada também. Dói em qualquer idade.

A morte é um soco na alma de quem fica. É ruína. É um presta atenção, uma reflexão de quem fica sobre quem vai. Não importa mais para quem vai quando já foi.

O tal do “nunca mais” é tempo demais. A certeza da eternidade da alma que vai, não temos. Podemos ter fé, crença, certeza não.

Certeza temos do que fica por aqui. A alma que vai, deixa. Deixa sua história, seus pensamentos, legados. Deixa saudades, alegrias, tristezas, ensinamentos, lamentos, raiva, amor, amizade. Continua viva na lembrança de quem a conheceu.

Quando pensamos na morte, pensamos na vida, na nossa vida e aí vem todos esses questionamentos. Quem é você para cada vida que convive? Para algumas vidas está entre os personagens principais. Para outros pode ser um personagem menor. Em outros casos pode ainda ter aquela participação especial. Para bilhões de vidas, um nada.

Vem a tona a questão: Será que exerço o meu melhor papel em cada vida que convivo? Não importa o tamanho, a questão é: exerço esse papel com a minha coerência ou sou um blefe de mim mesmo?

Não escolhemos o papel, mas escolhemos como vivê-lo. Como aqui estamos falando da vida de verdade, estamos falando de nós mesmos. Vivo como quero? Faço o que acredito?

Muitas pessoas passam pela nossa vida das mais diversas formas. Nunca seremos iguais para todos, e acredite, tem que ser assim.

Alguns vão te amar, te admirar, vão querer ser como você, alguns vão gostar da sua companhia, outros vão estar loucos para te ver longe, te chamarão de pedante, te acharão engraçado, falso, depressivo, coração mole, firme, trabalhador, sonhador, chato, alegre.

A única coisa que importa é ser quem se quer ser. A tal da coerência com você mesmo. Se o outro vai entender não é certeza, mas as chances para isso são muito maiores e consequentemente as relações são verdadeiras e intensas.

Pessoas blefe não vivem bem e não sobrevivem por muito tempo na memória de ninguém.

Já que a vida é finita, como você escolhe viver os seus papéis?

Eu escolho as ruínas da minha memória. Eu escolho ser de verdade.

Adriana Chebabi – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde escreve contos, poesias e crônicas. Publicitária e empresária. Divide seu tempo entre suas agências Modo Comunicação e Marketing  www.modo.com.br, 3bis Promoções e Eventos e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. É do signo de Leão, ascendente em Virgem e no horóscopo chinês Macaco. Isso explica muita coisa :)

FOTO – @gilguzzo do arcervo do O FOTOGRAFICO  www.ofotografico.com.br © Gil Guzzo – Proibida qualquer tipo de reprodução das imagens sem autorização. Imagens protegidas pela Lei do Direito Autoral Nº 9.610 de 19/02/19

 

 

 

Pastor Conceição era uma daquelas figuras que possuem um magnetismo pessoal impressionante. Bastava entrar no vagão e imediatamente os olhares de todos se voltavam em sua direção. Sempre subia no último carro e sempre na estação Conceição do metrô – motivo pelo qual todos assim o chamavam, já que ninguém o conhecia pessoalmente e não se fazia idéia do seu nome verdadeiro. Não me lembro ao certo quando o conheci. Na verdade nunca me apresentei, nem tão pouco troquei mais do uma ou duas palavras com ele. O fato é que esse homem mudou a minha vida desde a primeira vez. Prefiro não revelar minha identidade por motivos que vocês poderão saber mais adiante.

Hoje, no meu retorno a cidade após três anos, oito meses e dezenove dias, entrei num ônibus no Guarujá rumo a São Paulo. No terminal Jabaquara, peguei o metrô em direção ao centro e a todas as minhas memórias que brotaram pelo caminho. A primeira delas, e a mais marcante de todas, chegou com a estação Conceição. Nem me dei conta que estava no último vagão. Só me dei conta quando chegamos ma plataforma. Eu podia vê-lo nitidamente entrando triunfal pela porta, com seu terno alinhado, o cabelo todo penteado para trás, cuidadosamente empastado com um gel fortíssimo e brilhante, que alguns antigos chamavam de glostora. E claro, com a sua infalível bíblia negra na mão direita, mãe de todos os seus discursos apaixonados e da minha conseqüente glória. Essa lembrança tão límpida distorceu meus lábios num velho sorriso maroto ao qual já estava desacostumado. Bons tempos aqueles em que havia sido iluminado pela palavra daquele homem. Enquanto ele falava trechos e mais trechos do Apocalipse – Parece que sentia um prazer mórbido ao ler esses trechos – Eu o ficava olhando e tentava adivinhar o que havia de especial em seu jeito. Todos prestavam atenção em suas palavras, mesmo àqueles que já o conheciam de muitas e muitas viagens. Era um troço impressionante. Tão impressionante que recebi uma luz divina. Eu não tinha que procurar nada nele que pudesse copiar e reproduzir. A mudança estava em mim. E estava. Agradecia todos os dias antes de sair de casa, com uma ave maria e um pai nosso a graça alcançada: a possibilidade de que eu poderia aproveitar aquele momento de entorpecimento coletivo para promover alguns pequenos furtos em bolsas e carteiras tão distraídas quanto seus proprietários.

Que fique claro que sempre fui honesto. Nunca roubei nada de ninguém, nem pão de queijo frio em balcão de padaria. Trabalhava feito um burro de carga como ajudante de cozinha numa lanchonete no calçadão da rua XV de novembro. Mas aquilo era diferente. Era como se tivesse recebido uma benção divina e a proteção dos quatro cavaleiros do Apocalipse, personificados na figura do Pastor Conceição. Continuei com meu emprego, mas pode se dizer que melhorei minhas condições. Botei roupa nova, passeava com minha namorada pelo shopping, comprei uma televisão de tela grande para minha santa mãezinha ver a novela, não perdia um jogo do tricolor no estádio e vez por outra alugava uma casinha na praia grande pra passar um fim de semana. Aniversário, carnaval, páscoa, dia das mães, dia dos pais, natal, nada mais passava em branco. É como dizem aqueles executivos da bolsa que freqüentavam a lanchonete: “O fulano de tal tá bem. Teve um ganho em qualidade de vida”. Foi exatamente isso que aconteceu comigo. Virei orgulho da família, xodó das tias e um partidão lá no meu bairro.

Apesar das especulações e das más línguas, ninguém fazia idéia de onde vinha o meu dinheiro. Do salário minguado do meu emprego é que não poderia ser, mas não entrava muito em detalhes. Desconversava toda vez que alguém vinha me perguntar de onde vinha o dinheiro, se eu tinha mudado de emprego, essas coisas. Teve até um travesti que morava nos fundos da lanchonete que uma vez me disse: “Tô sacando tudo bofe. Tu anda saindo com um velho, viado e rico”. “Ora, faça me um favor. Eu tenho cara de quem come bicha velha”. Respondi logo de imediato.

Tudo andava bem na minha vida. Tinha uma rotina que em nada me deixava triste. Saía de casa as cinco e trinta, pegava um ônibus até o metrô, esperava o pastor chegar, entrava no vagão com ele, assaltava de oito a dez passageiros por viagem – Um dia passei dos limites, assaltei dezenove de uma vez – descia na sé, colocava na caixa de achados e perdidos as carteiras que não conseguia devolver e ia contente pro meu dia de trabalho. Foi assim, sem interrupção, durante um ano e meio. Algumas noites, antes de dormir, sentia um frio na espinha. Principalmente quando lembrava de uma frase do pastor que disse um dia e que tive a impressão de que era dita diretamente pra mim.

A frase era mais ou menos assim: “As portas do paraíso sempre estão abertas para os bons e os justos”. Eu era bom e justo, mas era ladrão também. E ele nunca disse nada sobre os ladrões. Se teriam perdão ou algo parecido. Eu fazia tudo certo. Era bom moço, funcionário, filho, amigo e tudo o mais. Meu único desvio eram esses pequenos roubos. Mesmo assim era extremamente cuidadoso. Só roubava dinheiro vivo e quando tinha certeza que a pessoa não ia perceber. Assim ela nem se assustava. Eu pretendia parar com aquilo em algum momento. Não sabia ainda quando. Mas o roubo era a minha cachaça. Um vício que eu adorava. Além do mais eu tinha um grande projeto para aquele ano: comprar minha casa própria. Foi por causa disso que eu coloquei tudo a perder.

Fiz as contas. Faturava com essa atividade extra em torno de R$ 200,00 por dia. No final do mês, em 22 dias úteis, contabilizava R$ 4.400,00. Metade desse dinheiro ia direto pra poupança. A outra metade gastava com as coisas que vocês já sabem. Em um ano e meio, já tinha R$ 36.0000,00, fora os juros e correções. Nesse ritmo, precisaria de pelo menos mais 3 anos para poder juntar em torno de R$ 120.000,00. Dinheiro suficiente para comprar dois apartamentos de dois dormitórios ao lado da estação Bresser do metrô. Um pra mim e outro pra minha mãe. Ou então usaria todo esse dinheiro e compraria um apartamento maior e mais bem localizado e colocaria todo mundo junto. Um amigo meu disse que ali na Vila Mariana, pertinho da estação Santa Cruz, tinha um três dormitórios por uns R$ 110.000,00. Talvez valesse a pena.

O fato é não queria esperar os três anos arrumar esse dinheiro. O jeito era trabalhar mais para antecipar a entrada do capital. Em vez de faturar R$ 200,00 por dia, me esforçava para garantir pelo menos uns R$ 500,00. Foi aí que entrei pelo cano. Enquanto ficava apenas em pequenos furtos, eu era um número quase nulo na estatística de roubos ao metrô. No fundo, quase não davam conta por mim. Contudo, quando expandi meus negócios engrossei os números. Virei notícia. Mas ninguém sabia quem eu era. Ainda.

Saiu numa manchete do Metro News: Roubos ao metrô aumentam vertiginosamente no último mês. O problema foi essa palavra “vertiginosamente”. A partir daquele dia a polícia estava atrás de alguém. Precisava achar um culpado. E esse culpado era eu.

Não levou muito tempo para o metrô ficar infestado de policiais à paisana. Não demorou muito para colocarem as mãos em mim. E pasmem, com a ajuda do Pastor Conceição. Ele havia dito aos policiais que sabia quem praticava os roubos e que me entregaria imediatamente.

Naquele dia chovia muito. Saí de casa com um certo aperto no peito. Não dei muita bola. Achei que era o dia cinzento que me provocara aquela sensação. No fundo fiquei com uma pulga atrás da orelha. Tudo corria normalmente, mesmo eu sabendo que estavam atrás de mim, resolvi que não deveria parar. Queria cumprir minha meta. Depois disso poderia parar. Antes não.

Durante a viagem fiz o que tinha que fazer enquanto o pastor falava. Só que dessa vez, quase no fim das suas habituais palavras, ele colocou os olhos em mim e caminhou na minha direção. Parou frente a frente comigo, olhou bem nos meus olhos, colocou a mão na minha cabeça e disse: “O diabo é um mestre com muitas faces. Com uma mão ele dá, com a outra ele tira”. Esse foi o código combinado com os policias. Fui preso em flagrante, com os bolsos cheios de dinheiro. Justo no dia em que eu tinha tido um faturamento recorde: R$ 639,00. O que se passou daí em diante vocês podem imaginar, inclusive o que estava fazendo no Guarujá nos últimos três anos, oito meses e dezenove dias. Muitas vezes, na cadeia, cheguei a pensar que se tivesse dividido a grana com o pastor, talvez ele não me entregasse. Logo abandonava esses pensamentos. Não faziam sentido naquela altura dos acontecimentos.

O trem já estava chegando à estação Tiradentes quando acordei dessa memória que me trouxe muito prazer, me fez sonhar, ter planos, e que também me deu o gosto amargo da falta de liberdade. Desci e andei meio sem rumo até parar no parque da Luz. Fiquei sentado num banco por horas. Vi casais de namorados, pais com filhos, idosos e suas enfermeiras a tira colo. Vi a vida seguir seu curso no parque perdido na imensidão rude de concreto.

Até hoje não tive o perdão da família ou dos amigos. Isso me preocupou um tempo, hoje não mais. A gente aprende a conviver com tudo, até com a culpa.

Comprei um algodão doce e pensei no futuro. Tenho uma vida pela frente e perto de R$ 45.000,00 no banco. Acho que vou abrir uma lanchonete na Vila Esperança. Tenho experiência no ramo. Alguns amigos que moram lá dizem que logo o metrô chega por aquelas bandas e vai se chamar Guilhermina-Esperança.. Se eu der sorte consigo abrir bem ao lado da futura estação e aí o faturamento será bem maior.

Levantei-me e fui em direção a saída. No caminho, tentei acertar o lixo com o palito do algodão doce. Errei. Dei mais dois passos e parei. Voltei e coloquei o palito dentro do cesto de lixo. Pode parecer bobagem, mas senti uma enorme satisfação nesse ato. Tinha decidido. Não faria mais nada errado. Pelo menos até a vida me provar o contrário.

Gil Guzzo – Belo Urbano, é um flaneur que escreve e fotografa tudo por aí.  A rua, as pessoas e a vida nas grandes cidades tem sido sua maior inspiração. Em 2015 finalizou seu quinto texto teatral e o primeiro livro de contos. No cinema, foi vencedor de melhor roteiro por dois anos consecutivos (2011 e 2012) no edital da Cinemateca Catarinense. Atualmente trabalha com fotografia de arte, fotojornalismo e fotografia documental.  É fundador do [O]FOTOGRÁFICO (Coletivo de arte contemporânea que desenvolve projetos autorais e documentais de fotografia). E o melhor de tudo: é pai da Bia e do Antônio.  

 

Vida de médico não é fácil. Vida de enfermeira também. Principalmente quando se tem mais de um emprego e se trabalha doze horas em cada um deles. Faço 24 horas direto, dia sim dia não, sete dias por semana. Minha rotina é cansativa, mas adoro o que faço. São dois hospitais, duas UTIs, muitas vidas e uma quantidade considerável de mortes. Algumas doloridas. Esse é o meu trabalho e ainda consigo sorrir no fim do dia. Mas esse não é o caso. Só fiz essa breve introdução para que vocês entendam um pouco o meu estado físico e emocional depois de uma jornada dupla de trabalho. Era quinta-feira e voltava pra casa com um nó no peito. Naquele dia havíamos perdido uma paciente muito querida. É assim que falamos quando não conseguidos salvar os pacientes.

Desci as escadas da estação Clínicas. A plataforma, quase sempre vazia naquela hora, era ocupada apenas por algumas pessoas, na maioria, vestidas de branco como eu. Tomada pelo cansaço e um pouco angustiada, sentei-me. Abaixei a cabeça e quase cochilei. Quando senti aquele vento morno nas pernas, que sempre precede a chegada do trem, levantei a cabeça. Algo me chamou a atenção do outro lado da plataforma. Parada, em pé, olhando fixamente pra mim, estava uma mulher toda vestida de preto dos pés a cabeça. Ela usava um chapéu preto também. Aparentava ter uns 20 e poucos anos e era muito branca. Um tanto quanto pálida. Foi isso o que pude perceber no curto espaço de tempo entre a chegada do trem na plataforma e o sumiço imediato dela após a parada da composição.

Fiquei intrigada com aquela mulher, mas resolvi não pensar muito. Na verdade não tinha forças nem pra pensar. No dia seguinte, não sei porque, a imagem me veio à cabeça mais de uma vez. Não o suficiente pra que eu perdesse meu precioso tempo em tentar entender o que fazia aquela mulher olhando pra mim daquele jeito. Mal sabia eu que aquela história só estava começando.

Ao final da minha jornada seguinte, como fazia habitualmente, desci as escadas da estação Clínica. Igualmente cansada, só que dessa vez  sem nó no peito. Fui pro meu banco, sentei-me e abaixei a cabeça. Quando veio o ventinho do trem, levantei-me e tomei um susto. Lá estava ela. Olhando pra mim de novo. Resolvi olhar nos seus olhos. A distância que nos separava era de uns três metros. Vi uma tristeza serena como nunca vi antes. Gelei. O trem chegou e ela sumiu novamente. Na vez seguinte a mesma coisa. E na outra também. A imagem daquela mulher parada olhando com tristeza pra mim estava me atormentando. Perguntei pra todo mundo que eu conhecia se alguma vez a tinham visto na estação ou por ali. Nada. Ninguém nunca tinha visto uma mulher com aquelas características. Senti medo de estar vendo coisas.  O cansaço, a dupla jornada, o trabalho pesado de uma UTI, poderia estar desviando a minha consciência para o plano do imaginário. Em outras palavras, ou estava com um nível absurdo de estresse ou estava ficando louca mesma. Mas não era possível. A mulher era real demais. A única coisa esquisita era ela sempre estar com a mesma roupa preta e de chapéu. O que faria uma mulher de chapéu naquela hora da noite numa estação de metrô? Quanto mais eu pensava menos entendia o que estava acontecendo. Não me restava outra opção. Na próxima vez eu iria tentar falar com ela ou iria ao seu encontro. Me enchi de coragem. Estava com medo. Ela poderia ser real e poderia querer me assaltar ou me fazer algum mal. A gente nunca conhece as pessoas que cruzam nosso caminho. E se talvez ela não fosse real, fosse um fantasma. O que um fantasma poderia querer comigo? Tinha decidido. Iria enfrentar a situação. Não queria viver atormentada com aquela dúvida.

Meu coração quase pulava do peito quando desci as escadas. Tinha chegado a hora de descobrir a verdade. Ao chegar na plataforma nem pensei em ir pro meu banco habitual. Meu olhar se projetou para o outro lado da plataforma. Lá estava ela. Do mesmo jeito. Devolvi o olhar em sua direção. Ela me abriu um sorriso, ao qual retribui um tanto quanto sem jeito. Num impulso, virei-me e subi correndo as escadas. A única coisa que eu queria era chegar do outro lado antes da chegada do trem e do seu desaparecimento instantâneo. Quase sem fôlego e parecendo uma doida entrei na plataforma. Olhei de um lado a outro e não vi nada. Nenhuma alma viva ou morta. Eu a havia perdido mais uma vez. Nessa hora senti um cheiro forte de rosas misturado a um perfume doce. Olhei pro outro lado, onde eu deveria estar, e vi um homem sentado no meu banco. Aproximou-se uma senhora e sentou-se ao seu lado. Ele anunciou o assalto. A mulher reagiu. O homem tirou a pistola do bolso, deu dois tiros na mulher e subiu as escadas correndo. Senti uma forte tontura e caí. Ao acordar, no ambulatório do hospital que eu trabalhava e que fica em frente à estação do metrô, fui informada de que o homem que atirou estava drogado e foi capturado na porta da estação. E que a mulher, infelizmente havia morrido.

Tomei um táxi e fui pra casa. Era tarde demais e já tinha perdido o último trem. Não consegui pregar os olhos. Aquilo tudo não saía da minha cabeça. A mulher, o assassinato e o cheiro de rosas. Fiz mil suposições, todas racionais e não encontrava respostas. Parti então para o outro lado dos fatos. Fiz um esforço danado pra aceitar a suposição que me invadiu a cabeça, instantes antes de eu desmaiar na estação: a mulher que eu havia visto até então era um espírito que veio ali só pra me salvar. Era claro. Se eu não a tivesse visto, ficada intrigada e tentado ir ao encontro dela do outro lado, estaria sentada no mesmo banco de sempre e seria eu a vítima do homem drogado. Tentei resistir o quanto pude, mas nada, absolutamente nada fazia sentido. A única história que encaixava parte por parte era essa. Definitivamente, uma coisa do outro mundo. É claro que não disse isso a ninguém. Poderiam rir de mim. Eu mesma iria rir de alguém que me contasse uma coisa dessas.

Em silêncio comecei a fazer conjecturas. Logo de cara veio a inevitável pergunta: Por que eu? E quem era essa mulher?

Eu já tinha ouvido muitas histórias da estação Clínicas. Não sei se todos sabem, mas essa estação fica ao lado do cemitério do Araçá. Dizem que na época da construção, durante as escavações, muitos operários tinham visões assustadoras lá embaixo. Falavam que os espíritos apareciam frequentemente e que continuam aparecendo até hoje, principalmente depois do pôr do sol. Um homem disse uma vez que os espíritos não conseguiam descansar com o vai e vem dos trens.

Quero deixar uma coisa bem clara aqui: sou atéia e não acredito em nada disso. Nunca vi nada também. Pelo menos não até esse momento.

Contudo, o que tinha visto era real e tudo levava a crer que poderia ser um espírito. Foi nisso ao que me agarrei pra tentar desvendar esse mistério e acreditar que eu ainda estava lúcida, apesar de tudo. Se fui ajudada por um espírito, deveria ao menos saber quem era e agradecer o que tinha feito por mim.

Reservei meu sábado de folga para começar a minha busca. Não sabia quem eu procurava. Tinha uma imagem na cabeça e um roteiro a seguir. A primeira etapa era o cemitério do Araçá. Era uma manhã quente de primavera. Fiquei abismada com a beleza e paz daquele lugar. Muitas árvores e verdadeiras construções em homenagem aos mortos. Muitas delas adornadas com esculturas magistrais de Victor Brecheret. Não que passasse a freqüentar cemitérios dalí pra frente. Não era meu estilo, mas era um lugar bonito de se ver. Deve ser por isso que os góticos adoram cemitérios.

Depois da minha entrada triunfal pela alameda principal e das minhas descobertas iniciais, comecei a olhar túmulo por túmulo, nome por nome, foto por foto. A busca poderia durar um dia inteiro. Um dia não, semanas. Até meses lá dentro. E se ela não tivesse enterrada ali? Se tivesse em outro cemitério?

Parei por um instante e respirei fundo. Estava me achando uma doida varrida e morrendo de medo de algum conhecido me ver. Tudo bem que estava toda vestida de preto e de óculos escuros. Pensei nesse disfarce e numa boa explicação caso um amigo me encontrasse ali.

Já passava do meio dia e nada. Não sabia mais por onde tinha passado e a fome começou a apertar. Saí do cemitério e fui até um bar que fica do outro lado da Avenida Dr Arnaldo. Poderia encontrar alguém do hospital, mas estava cansada e com fome e não queria andar dois quarteirões abaixo na Teodoro Sampaio. Comi um queijo quente, tomei um suco de laranja e retomei novamente minhas buscas.

A tarde começava a despedir-se do dia e eu estava exausta. Mesmo assim resolvi parar embaixo de uma árvore e assistir ao pôr do sol que se deitava pelos lados do Sumaré. Acendi um cigarro. Não costumo fumar sempre, apenas em situações especiais. E essa situação, convenhamos, era mais do que especial. Valeria aquele cigarro e aquele breve descanso para minhas pernas. Dei algumas tragadas. Meu olhar vagava perdido, sem achar um ponto fixo. Assim como minhas convicções sobre tudo naquele momento, inclusive sobre minha sanidade. Puxei fundo e dei a última tragada no cigarro. Como se atraída por uma força olhei pra frente. Ela estava ali, olhando pra mim. Não como das outras vezes. Era a sua foto estampada numa sepultura de mármore preta. O mesmo olhar triste e o sorriso enigmático. Fui chegando perto, quase que tropeçando nas minhas próprias lágrimas. Mais uma vez ela me ajudou. Agora a encontrar ela mesma.

Tirei uma caneta da bolsa e anotei seu nome, data de nascimento e data de morte. Chaamava-se Maria Georgete Gomes. Tinha nascido em 06 de junho de 1933 e morta em 29 de outubro de 1957. Corri até a administração do cemitério e lá fui informada, que a pedido da família, nenhuma informação poderia ser dada. Diante da minha cara de decepção, o funcionário me disse: “Minha senhora, não posso entrar em detalhes, mas essa moça teve um fim trágico”.

Fui para casa atordoada, cansada, cada vez mais confusa e com uma certeza absoluta: vi um espírito e ele se comunicou comigo.

Passei o fim de semana juntando mais peças do meu quebra-cabeças e cheguei a mais uma conclusão. Ela talvez tenha me ajudado para que eu também não tivesse tido um fim trágico como ela. Mas com isso aquela senhora teve um fim trágico. Por que ela me escolheu? Será que não era a minha hora e sempre dão um jeitinho de nos avisar? E que ela era apenas uma mensageira disso?

É claro que não me contentei com esse desfecho. Eu precisava saber mais.

Na segunda-feira pedi licença de uma semana dos dois hospitais. Aleguei estresse. Aceitaram rapidamente. A minha cara não deveria ser das melhores depois de ter passado o fim de semana praticamente em claro.

Três dias de pesquisas e nada. Internet, arquivo público, biblioteca, cartório e mais uma dezena de lugares que se possa imaginar. Cheguei a voltar no cemitério e implorar na administração, mas é claro, saí e lá sem nada. De repente, numa dessas idas e vindas entre um lugar e outro, me deu um estalo. Se ela teve um fim trágico, ela pode ter sido assassinada. Não tive dúvidas. Fui direto ao museu do crime da polícia civil. Lá chegando foi relativamente fácil. Expliquei a situação, o que estava procurando e dei o nome dela. Em menos de dois minutos o atendente simpático voltou com uma pasta e colocou na minha frente. Estava tudo ali. A mulher era uma jovem enfermeira que foi brutalmente assassinada ao sair do hospital depois de um dia de trabalho. O hospital que ela trabalhava era um antigo hospital que deu lugar ao que é hoje o maior complexo hospitalar da cidade e onde, por acaso, eu trabalho. E a rua onde foi assassinada é a rua onde passo todos os dias quando vou para a estação do metrô Clínicas.

Um calor aqueceu meu coração. Meu choro se misturava a um riso tímido e orgulhoso. Minha busca havia chegado ao fim e algo de muito diferente estava se processando dentro de mim.

Nunca contei essa história a ninguém, nunca mais a vi e também nunca vi nenhum outro espírito. Aquele encontro foi único e agradeço todos os dias por tê-lo tido. Minha vida voltou ao normal. Tudo continua como antes, a não ser por um detalhe: todo dia 12 de maio, dia da enfermeira, vou até o cemitério e coloco flores em seu túmulo. É como se eu dissesse: “Parabéns pelo dia de hoje minha amiga”.

Gil Guzzo – Belo Urbano, é autor, ator, diretor e fotógrafo. Em teatro, participou de diversos festivais, entre eles, o Theater der Welt na Alemanha. Como diretor, foi premiado com o espetáculo Viandeiros, no 7º Fetacam. Vencedor do prêmio para produção de curta metragem do edital da Cinemateca Catarinense, por dois anos consecutivos (2011 e 2012), com os filmes Água Mornas e Taí…ó. Uma aventura na Lagoa, respectivamente. Em 15 anos como profissional, atuou em 16 peças, 3 longas-metragens, 6 novelas e mais de 70 filmes publicitários. Em 2014 finalizou seu quinto texto teatral e o primeiro livro de contos. É fundador e diretor artístico do Teatro do Desequilíbrio – Núcleo de Pesquisa e Produção Teatral Contemporânea. E o melhor de tudo: é o pai da Bia e do Antônio.

 

 

 

As vezes é melhor calar. Calar quando se quer gritar. Gritar só pra fazer barulho. Barulho que não sai da cabeça. Cabeça cheia de pensamentos. Pensamentos sobre tudo. Tudo que existe. Existe hoje no mundo real e no imaginário. Imaginário que cutuca e você não sabe se tem sentido ou não. Não, por favor, não. Não, isso enlouquece. Calar, gritar, barulho, cabeça, pensamentos, tudo, existe, imaginário, não. NÃO.

Adriana Chebabi – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde escreve contos, poesias e crônicas nesse blog. Publicitária e empresária. Divide seu tempo entre suas agências Modo Comunicação e Marketing  www.modo.com.br, 3bis Promoções e Eventos e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. É do signo de Leão, ascendente em Virgem e no horóscopo chinês Macaco. Isso explica muita coisa :)

FOTO – @gilguzzo