Brancos, heterossexuais e machistas, sorrateiros e tão contentes,
vêm e vão disseminando seus preconceitos.
Alheios a todos e a tudo, são os reis do mundo!

Vivemos num pais que culpa mulheres pelos estupros?
Pedófilos virtuais sequestram crianças reais e postam nas redes sociais,
como vocês dormem em paz?
Pequenas meninas se exibindo e rebolando a mando dos próprios pais.
Cada like vale a pena? Ao menos separe uma grana para a psicóloga (você vai precisar)
Eu me distancio disso tudo, não me culpem por querer fugir da realidade, pode dizer que é uma crise de bipolaridade.

Aqui tem pra todos os desgostos, encontramos também homofóbicos, transfóbicos e racistas!
Eu não consigo lidar, não dá pra mensurar a maldade nem a insanidade dessa raça de víboras como já diria João Batista.
Me ajuda, João! Eu sou reflexo do machismo antigo, filho do patriarcado ou é simplesmente a minha falta de tato? (talvez os 3 de uma só vez).

Eles falam e eu me entedio, ouço e observo, mas não absorvo.
Talvez por isso, facilmente me irrite, pode ser, até porque, parece um rito.
Idiotas reunidos, bebendo o próprio mijo, exalando masculinidade, sem deixar de se preocupar com a vaidade. Passam a noite vomitando constantemente seus conceitos inconstantes de egoísmos reprimidos. Eu me sinto perdido, procurando abrigo, longe do seu machismo, distante dos seus preconceitos eleitos por antepassados tão antiquados quanto aquele quadro que pede intervenção militar já! É hora de mudar, de acordar, vamos recordar a história ou esquecer tudo que já conquistamos até agora?

Vocês são piadas para a minha assepsia, eu não me lavo com o lodo que escorre da pia.
A cada dia que passa, passo o dia em lentos passos, procurando espaço pra respirar neste crepúsculo de aço! Sou um filósofo raso, buscando novidades em velhos ditados, me contradigo e repito, transito entre o medo de morrer e a eterna vontade de começar a viver.
Nunca tivemos boas referências para admirar, mas isso não é desculpa!
A culpa é só minha e eu coloco em quem quiser, provavelmente será em uma mulher.
É mais fácil de acreditarem, é mais fácil de me deixarem em paz.
Eu já não tenho mais esperanças, talvez você que me lê possa nos ajudar.

Eu vejo no futuro o mundo colapsar
mas, não acredito que algo vá mudar.
Desculpe o pessimismo, não me culpem por fugir da realidade,
eu sou reflexo do machismo antigo,
filho do patriarcado ou é simplesmente a minha falta de tato, já sei
pode dizer que é uma crise de bipolaridade.

Lucas Alberti Amaral – Belo urbanonascido em 08/11/87. Publicitário, tem uma página onde espalha pensamentos materializados em textos curtos e tentativas de poesias  www.facebook.com/quaseinedito  (curte lá!). Não acredita em horóscopo, mas é de Escorpião, lua em Gêmeos com ascendente em Peixes e Netuno na casa 10. Por fim odeia falar de si mesmo na terceira pessoa.

Em 2013, os protestos surgem contra os 0,20 centavos. Em 2014, contra os gastos com a copa. Em 2015, contra Dilma e sua fraude eleitoral, as pedaladas etc. 

Até então, os protestos, que eram saudados e elogiados, passam a ganhar críticos que viam no discurso vazio e genérico contra a “corrupção” uma falha. Quando perguntados sobre o que era a tal da “corrupção”, os que ferozmente protestavam respondiam taxando a corrupção de “isso tudo que está aí”. Pois veremos que, protestar contra “tudo isso aí” envolve condenar também o bom senso.

(Naturalmente, os críticos foram automaticamente taxados de petistas…).
Em 2016 os protestos foram contra a corrupção nas olimpíadas, 2017 contra Temer e o acordão “com supremo e com tudo” e 2018 contra PT X Fascistas, diante das eleições. O discurso era o mesmo: “contra corrupção”. Agora, quando questionados, os manifestantes respondiam “conta tudo isso aí”, “para salvar o Brasil..”, “por Deus e pela pátria”…

2019 os protestos eram a FAVOR da precarização do trabalho, da previdência, da saúde e educação pública, a título de “salvar a economia e o Brasil”. Em 2020, os protestos são contra as instituições democráticas, sociais e de sanidade pública que “são corruptas e detonam a economia, os mercados…”.

Em pandemias como a que vivemos, os mercado certamente não morrerão. Quem morre são as pessoas e, até onde saiba, eu e você somos pessoas, certo? Penso que seja mais inteligente defender pessoas. 

Atualmente, muitos protestam para defender “O salvador do Brasil”, “defender Deus e a pátria”, “contra a quarentena que é culpa da china”… Portando armas, os 300 estão em Brasília, orando ao “Deus dos Cristão” para encontrar um petista disposto a tomar bala na cara. É sério isso? Sim, pior que é. E alguns dessa lista de amigos publicam em suas redes, em apoio a essas práticas, fazendo coro a essa insanidade.

Fica a dúvida: Será que estamos protestando direito? Será que estamos de fato salvando a nós mesmos ou a um abstrato discurso? Será que não queremos fazer parte de uma novela de quinta categoria que nos faz tornarmos vilões e vítimas de um enredo que não escrevemos? 

E quem será que ganha “com tudo isso aí” que você posta? Você sabe? Pense nisso.

Crido Santos – Belo urbano, designer e professor. Acredita que o saber e o sorriso são como um mel mágico que se multiplica ao se dividir, que adoça os sentidos e a vida. Adora a liberdade, a amizade, a gentileza, as viagens, os sabores, a música e o novo. Autor do blog Os Piores Poemas do Mundo e co-autor do livro O Corrosivo Coletivo.


Não, este texto nada tem a ver com a história original de Lewis Carroll ou com o filme que ela originou. Neste caso, Alice sou eu, é você, somos todas nós, mulheres modernas e sonhadoras que tentam enlouquecidamente sair do País das Maravilhas e voltar para a tão almejada liberdade.

Liberdade? Cortem a cabeça de quem sonhou… De quem deu uma de chapeleiro maluco e que em um delírio alucinante ousou quebrar os padrões durante um chá das cinco…

Como Alice pensa em desafiar a Rainha Vermelha, suas ordens e seu reino? Como tenta fugir da estética perfeita, do amor de conto de fadas, do sucesso profissional? Cortem-lhe a cabeça!

E no tique taque alucinado do relógio do coelho branco, que teima em estar atrasado, a Alice moderna corre, sofre de crise de ansiedade, stress e perde a calma. Opa, alguém chama a lagarta que com sua sapiência e seu narguilê tranquilizante pode ter a resposta mais astuta por meio de suas charadas… ou não… eita paisinho confuso esse.

Alice dorme menina, acorda mulher… Seguindo as maluquices de um mundo moderno, que não começa com o cair na toca do coelho, comer bolos mágicos para aumentar ou diminuir de tamanho. Por mais que a vida às vezes careça dessa magia para nos adaptarmos na sociedade e nas loucuras do dia-a-dia.

Quem nunca se sentiu fora dos padrões da “normalidade”, como se tivesse crescido exageradamente de tamanho ou precisasse diminuir radicalmente para passar pela porta e seguir o curso da vida? Só não pode errar na medida, senão… Cortem-lhe a cabeça…. A insanidade desse meu país, dessa minha visão através do espelho, é tanta que busco insistentemente o sorriso do gato sem corpo que aparece do nada para me fazer graça, rodopiando a cabeça no ar.

Alice quer tanto a liberdade, a leveza da borboleta, a risada desmantelada do Chapeleiro, a graça das flores que falam, que pinta a si mesma e a esse País das Maravilhas como se fosse um retrato. Uma mistura frenética de tintas e sua imagem assim se reflete: em uma projeção de história infantil que em que por um breve momento a mágica se faz e em que se é feliz completamente… por um breve momento… como num sonho… como numa viagem…

De repente, a efemeridade do conto aparece e a tinta do quadro vira um borrão no espelho… esse é o reflexo da alma de Alice… uma mistura densa, complexa de cores e texturas… de repente… antes do grito final de “cortem-lhe a cabeça”, Alice perdeu o chão, perdeu a mão, perdeu o traço, perdeu os laços e o caminho de volta para casa.

Alice quer voar nesse mundo entre o real e o fantástico. Mas como sair da gaiola mesmo que a porta esteja aberta? Alice quer voltar para casa, mas sua casa se tornou aquele País das Maravilhas que ela criou para se satisfazer, momentaneamente. É tudo urgente, tudo para ontem, está sempre tarde. Tique taque, corre o coelho atrasado… Tique taque, Alice o segue. Tique e taque, marcham apressados os guardas cartas de baralho… É tanta insanidade, que tudo roda, nauseia, dá vertigem. Viva o complexo de Alice que eu inventei, viva o País das Maravilhas que eu criei e desejei.

Como diria uma grande amiga e voz da consciência: “Menos, menina. Bem menos. Limpe o espelho e encare-se. Quando você não intervir mais na imagem e na paisagem refletidas, você saberá o real significado de ser livre”. Seria a lagarta falando comigo?

Marina Prado – Bela Urbana, jornalista por formação, inquieta por natureza. 30 e poucos anos de risada e drama, como boa gemiana. Sobre ela só uma certeza: ou frio ou quente. Nunca morno!

Eu queria te agradecer a tudo o que Deus me deu

Eu queria implorar a você carinho que sempre foi meu

Pois na verdade eu adoro a minha vida

E na verdade eu tenho uma tristeza já desaparecida

 

Sinto toda uma mistura de êxtase com alegria
Sinto que minha vida é uma verdadeira fantasia

Por isso te peço não se emocione
Apenas venha e nunca me abandone

Sugiro a você que sempre se lembre
Do Agora, do Final e do Para Sempre

Então venha logo e junte-se a mim
Não seja idiota ou não terá um belo fim

A vida agora é bela como deveria sempre ser
Então arrume-se e venha logo me ver

Me abrace, me beije e diga que me adora
Seja você amiga ou inimiga não quero que vá embora

Pois houve um momento mesmo que seja muito distante
Em que eu e você já fomos dois belos amantes

Agradeço é claro por toda a sua ternura
Mas volte agora antes que eu volte pra Amargura

 

 

 

 

Igor Mota – Belo Urbano, um garoto nascido em 1995, aluno de Filosofia na Puc Campinas do segundo ano. Jovem de corpo, mas velho na alma, gasta grande parte de seu tempo mais lendo do que qualquer outra coisa. Do signo de Gêmeos e ascendente em Aquário, uma péssima combinação (se é que isso importa).