Deitou-se na cama. O sol teimava entrar no quarto se esgueirando pela janela e cortinas fechadas. Mesmo assim encontrava uma brecha e iluminava levemente o ambiente. Com os olhos fixados nos seus pensamentos, olhava o ventilador de teto que fazia girar a sua história. Tocou em seus dedos e a marca do anel estava mais fraca. Pensou: “um pouco de sol e a marca desaparece…assim como minhas memórias”.

Saiu do quarto, do hotel, da cidade. De novo na estrada. Resolveu abrir o teto solar. Precisava do sol para queimar a marca do anel. O sol estava forte, mas era compensado pelo vento no rosto. Sentia-se sozinha e livre na estrada.

Sem saber direito o porquê, lembrou do filme Telma e Louise. Um filme antigo que agora, em sua lembrança, a fazia sentir um frio gostoso na barriga. Acelerou fundo. Estava indo para algum lugar que não sabia ao certo qual era. Sem destino, sem ninguém. Foi em frente. “Para onde vou?”. Perguntou a si mesma. Soltou um leve sorriso. Para onde ia pouco importava. Mas o filme Telma e Louise não saía da sua cabeça.

Gil Guzzo –Belo Urbano, é artista, professor e vive carregando água na peneira. É um flaneur catador de latinhas. Faz da rua, das pessoas e da vida nas grandes cidades sua maior inspiração. Trabalha com fotografia de arte, documental e fotojornalismo. É fundador do [O]FOTOGRÁFICO PRESS (Agência de imagens) e professor universitário. Adora cozinhar e ficar olhando distraidamente o mar. É alguém que não se resta a menor dúvida…só não se sabe do que…. 

Bateu a desconfiança.

Pensava: – Esse homem, quem é? – Será que é mais um daqueles papos de restaurante? Quantas e inúmeras vezes ele já deve ter tido essa atitude?

Eu era mais uma dessas passarinhas… uma canarinha, não! Uma fênix, já sai da gaiola. Sou dona de mim. Pensando bem, vou viver o agora, como senão tivesse o ontem e nem o amanhã.

Acreditar? O que importa? Se for mais um daqueles, bem… não irei me fechar para uma possível possibilidade do amor. Na verdade, o amor é quase inventado na nossa mente no coração ele apenas pulsa.

O que vai dar? Um pouco de mel ou de fel?

VEJA AMANHÃ NO ÚLTIMO CAPÍTULO

A história AQUELA ESTRADA é uma história escrita por 07 autores – Liliane Messias, Macarena Lobos, André Araújo, Crido Santos, Gil Guzzo, Maria Nazareth Dias Coelho e Adriana Chebabi. O capítulo de hoje foi escrito por Macarena Lobos.

Macarena Lobos –  Bela Urbana, formada em comunicação social, fotógrafa há mais de 25 anos, já clicou muitas personalidades, trabalhos publicitários e muitas coberturas jornalísticas. Trabalha com marketing digital e gerencia o coworking Redes. De natureza apaixonada e vibrante, se arrisca e segue em frente. Uma grande paixão é sua filha

Compromisso? Que compromissos ela teria além de consigo própria.

Colocou o telefone no gancho. Foi ao espelho e seu olhou profundamente. Cada marca de expressão em seu rosto.

Ensaiou pequenos sorrisos. Viu-se menina, criança feliz das fotos emolduradas da casa de seus pais.

Onde havia se perdido? Buscou sua história na mente e veio seu maior medo: dias que se passavam sempre iguais. Se repetiam em círculos de monotonia. Se escrevesse um diário dos últimos 14 meses da sua vida, todos os dias seriam igualmente sem graça. Até o dia no qual abriu a porta de sua casa gaiola e com seu carro pássaro voou em busca da liberdade.

Seria aquele sedutor dono do restaurante uma arapuca pra passarinhas que buscam o amor?

VEJA AMANHÃ NO CAPÍTULO 6

A história AQUELA ESTRADA é uma história escrita por 07 autores – Liliane Messias, Macarena Lobos, André Araújo, Crido Santos, Gil Guzzo, Maria Nazareth Dias Coelho e Adriana Chebabi. O capítulo de hoje foi escrito por Liliane Messias.

Liliane Messias – Bela Urbana, é pagadora de profissional: bancária. Cresceu na hoje vacinada cidade de Serrana-SP. Fez Letras em Araraquara. E adora dançar.

Preferi pegar seu telefone, dar uma desculpa e não fazer nada aquele dia. Por mais que meu corpo gritasse por aquele homem, não queria apenas corpos, queria dele alma, vida, tudo!

Dei uma desculpa, dessas que convencem, mas nem tanto. Disse que teria um compromisso logo cedo e teria que voltar ao meu quarto. Ele indagou, queria saber mais, mostrou-se curioso com minha agenda repentina, mas fui firme ao despistar. Fiquei pensando o quão adolescente poderia parecer essa atitude. 

Era sim uma aposta. Ele poderia não mais querer nada. Resposta em si, não seria mais que ilusão. Mas se ainda quisesse, poderíamos iniciar algo interessante até o próximo desafio.

Agora senti que a atitude, a responsabilidade em relação ao que sentia era só minha. Aquele telefone, anotado em guardanapo estava comigo. Quando ligo? O que falo? Como contínuo nossa história?

O medo me bateu também: eu menti para interromper aquele clima, aquele momento. Mas foi em prol de uma história mais longa com ele. Mas estou tão enferrujada em relação a esse jogo do amor que não sei ao certo como agir. Minha preocupação toda agora era: e se ele perguntar sobre meu compromisso, como vou agir?

VEJA AMANHÃ NO CAPÍTULO 5

A história AQUELA ESTRADA é uma história escrita por 07 autores – Liliane Messias, Macarena Lobos, André Araújo, Crido Santos, Gil Guzzo, Maria Nazareth Dias Coelho e Adriana Chebabi. O capítulo de hoje foi escrito por Crido Santos.

Crido Santos – Belo urbano, designer e professor. Acredita que o saber e o sorriso são como um mel mágico que se multiplica ao se dividir, que adoça os sentidos e a vida. Adora a liberdade, a amizade, a gentileza, as viagens, os sabores, a música e o novo. Autor do blog Os Piores Poemas do Mundo e co-autor do livro O Corrosivo Coletivo.

Olhou novamente o seu dedo, a marca do anel ainda forte e parecendo permanente, como a marca que havia em seu coração, mesmo distante, todas as lembranças ainda eram muito vivas em sua mente.

Entrou no restaurante, ofegante e contente, pensando que poderia realmente fazer diferente, brilhar diferente, sentir diferente tudo que se pode ter. O cheiro de mar nas suas narinas e o vento em seus cabelos a fez sorrir como nunca.

De frente, o dono do restaurante não conseguiu esconder o brilho em seu olhar, ficou simplesmente ali, parado olhando-a entrar, como em um filme, o tempo também ousou parar, sorridente e sem graça ela perguntou sobre a placa.

-Sim, estamos contratando, adoraria tê-la! Desculpe, adoraria tê-la trabalhando aqui conosco! Mais um sorriso, mais um olhar! – Os detalhes podemos conversar, você gostaria de jantar?

Ela pensou, não acreditando no que acontecia, havia por tanto tempo se sentido feia, e agora era notada, era bonita, era querida! Sim, gostaria de jantar! Ele, homem forte, cabelos ondulados e uma voz que fazia o seu corpo tremer, como não querer.

Foi então naquela tarde, onde o sol se punha como uma poesia sem fim, que ela conhecia quem gostaria, sentiu seu sangue ferver, sentiu a felicidade da vida renascer.

-Muito prazer! Disse ele sorrindo no jantar.

– Já nos conhecemos no restaurante. Sorridente respondeu sem pensar!

– Mas é diferente, não pude deixar de notar a sua beleza ao entrar!

– Fico encabulada, você quer parar, por favor.

Risos e vinho fizeram aquele momento ser único, lindo, perfeito, sem nenhuma dor ou nó no peito, era tudo que ela queria ter! Depois de algum tempo, o vinho, o mar, o novo e um calor gigantesco, ele ousou sentar-se ao lado dela!

O que ele está fazendo, pensou tremula! Será que estou pronta, não sou ingênua! Eu quero e ele quer, Meu Deus que dilema!

O que devo fazer?

VEJA AMANHÃ NO CAPÍTULO 4

A história AQUELA ESTRADA é uma história escrita por 07 autores – Liliane Messias, Macarena Lobos, André Araújo, Crido Santos, Gil Guzzo, Maria Nazareth Dias Coelho e Adriana Chebabi. O capítulo de hoje foi escrito por André Araújo.

André Araújo – Belo Urbano. Homem em construção. Romântico por natureza e apaixonado por Belas Urbanas. Formado em Sistemas, mas que tem a poesia no coração. Sorriso de menino. Sempre irá encher os olhos de água ao ver uma Bela Mulher sorrindo.

O escuro da estrada lhe trazia medo, os faróis contrários, a realidade. A vida foi passando como num filme, suspirava se enchendo de AR e de coragem.

Vieram lágrimas, palavras desconexas foram ditas em voz alta… assim como músicas cantadas aos berros.

Horas de estrada lhe trouxeram o cansaço e a realidade lhe bateu forte. Agora dona dos seus passos, se sentia livre e indecisa. Escolher um lugar para dormir, escolher o que comer, para onde ir, agora em suas mãos.

Um hotelzinho de beira de estrada com jeito simples de casa do interior, foi sua escolha.

Luz fraca, cheiro de mato. Cama limpa, água fresca. Era tudo o que precisava, amanhã pensaria o que fazer.

Acordou no susto, era real.

Sentia agora o cheiro pouco familiar de um quarto estranho, barulhos lá fora traziam algo que não queria lidar. Neste momento, nem bom dia queria dar.

Era isso então, banho gelado, roupas limpas e seguir caminho.

Resolveu no café traçar um plano, assustada que estava com suas últimas atitudes.

Teria que olhar com cuidado as novas possibilidades e o mais sensato, seria alugar um quarto e se estabelecer, talvez.

A outra possibilidade hotel em hotel, nada lhe agradava.

A busca foi cansativa, mais uma vez o medo, mas também veio junto a ousadia.

Resolvido, quarto na praia. Traçou a rota, chegou a noite.

Foi recebida pela dona da casa, senhora arrastando chinelos.

Manhã seguinte, tentou logo se inteirar do que se fazia naquela Vila.

Arriscou e perguntou a senhora dona da casa, se seria fácil arranjar algum trabalho.

Resolveu contar quase nada de sua vida.

De pronto a resposta, o restaurante da esquina precisava de gente pra trabalhar.

Então é isso que lhe espera?

VEJA AMANHÃ NO CAPÍTULO 3

A história AQUELA ESTRADA é uma história escrita por 07 autores – Liliane Messias, Macarena Lobos, André Araújo, Crido Santos, Gil Guzzo, Maria Nazareth Dias Coelho e Adriana Chebabi. O capítulo de hoje foi escrito por Maria Nazareth Dias Coelho.

Maria Nazareth Dias Coelho – Bela Urbana. Jornalista de formação. Mãe e avó. É chef de cozinha e faz diários, escreve crônicas. Divide seu tempo morando um pouco no Brasil e na Escócia. Viaja pra outros lugares quando consigo e sempre com pouca grana e caminhar e limpar os lugares e uma das suas missões.

Naquele dia ela tirou o anel. Olhou no espelho, respirou fundo e puxou o anel com força do dedo. Não precisou de água nem sabão, saiu de uma vez só em uma puxada forte, mas deixou uma marca ali… uma hora essa marca sai, pensou.

Se fez bonita, bem bonita, como há muito não ousava. Tem uma música do Chico que fala isso… ” então ela se fez bonita como há muito tempo não queria ousar…”. A música vinha na sua mente. Resolveu colocar também um vestido que estava guardado fazia tempo, lhe caia muito bem, fez isso, se sentiu bonita.

Cabelo solto, maquiagem no rosto, pele clara, sentiu falta do banho de sol que também há muito não tomava, mas mesmo assim estava bonita. Regou suas plantas, conversou com elas, falou que estava ansiosa… ela sempre fazia isso de conversar com as plantas, deu boa noite para todas, trancou a porta da sala e desceu o elevador, que antes de descer, subiu até o décimo primeiro, só porque estava ansiosa o tempo estava em descompasso com o seu tempo e sua ansiedade aumentava.

A chamada do décimo primeiro foi em vão, ninguém desceu junto, ufa, não precisava de ninguém naquele momento com ela, apesar de ser sempre simpática e receptiva com as pessoas, naquele momento, não estava dando conta dos macaquinhos no seu sótão, é assim que a expressão diz, não é?

Ufa, novamente, térreo. Acelerou o passo antes que desistisse. Nunca tinha feito aquilo. Em outros momentos chegou a julgar e condenar, mas a lição dos últimos 14 meses era justamente essa, não julgue, não condene, não seja a rainha da verdade absoluta. Essa lição já tinha vindo em sua vida em outros tempos, em vários outros tempos… mas ela, até agora, não tinha ainda aprendido, apesar de tentar todas as vezes.

Lições são assim quando não são aprendidas, voltam e voltam em um grau maior para ver se desta vez entram na alma.

E por falar em alma, naquele momento a sua flutuava, mas os pés firmes seguiram para seu carro, dirigir era uma liberdade, gostava de dirigir sozinha, gostava de dirigir a noite, gostava de dirigir em estradas e foi o que fez, pegou aquela estrada de novo.

Pra onde ía?

VEJA AMANHÃ NO CAPÍTULO 2

A história AQUELA ESTRADA é uma história escrita por 07 autores – Liliane Messias, Macarena Lobos, André Araújo, Crido Santos, Gil Guzzo, Maria Nazareth Dias Coelho e Adriana Chebabi. O capítulo de hoje foi escrito por Adriana Chebabi.

Adriana Chebabi  – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde faz curadoria dos textos e também escreve. Publicitária. Curiosa por natureza.  Divide seu tempo entre seu trabalho de comunicação e mkt e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. É do signo de Leão, ascendente em Virgem e no horóscopo chinês Macaco. Isso explica muita coisa.

Os estranhos se encontram onde tudo pode. Me deseje sorte!

Os estranhos enlouquecem as mentes certas. Talvez erradas.

O que é certo? E o errado… apenas diferente.

Afinal… nas diferenças somos todos iguais.

Mas buscamos espelhos.

Narcisistas que só acham belo o igual.

Fora de moda, fora do tempo, fora da caixa, são o fora do fora do fora.

E estando tão fora, não percebem que estão dentro. Estranhos…

Macarena Lobos e Adriana Chebabi – Belas Urbanas, amigas desde a faculdade, uma mora em Niterói (RJ), a outra em Campinas (SP), publicitárias, a arte mora nas duas em diversas formas, e pra quem diz que não tem tempo para os amigos, elas dão um belo exemplo, se falam quase todos os dias tomando juntas virtualmente café da manhã e assunto não falta, das gargalhadas as lágrimas.

Um livro que me marcou muito, foi o livro Crer ou não crer de Leandro Karnal e Padre Fábio de Melo.

É uma lição de vida, de democracia, de respeito à opinião do próximo. De uma inteligência e sabedoria ímpar, esses dois homens debatem sobre religião, e com suas ideias e pensamentos se entrelaçam numa harmonia que muitos de nós deveríamos, nesta sociedade intransigente e intolerante aprender, refletir e botar em prática.

São nas diferenças que somos todos iguais. Heligare é a palavra de ordem.

Indico a leitura, que te toque como me tocou.

Macarena Lobos –  Bela Urbana, formada em comunicação social, fotógrafa há mais de 25 anos, já clicou muitas personalidades, trabalhos publicitários e muitas coberturas jornalísticas. Trabalha com marketing digital e gerencia o coworking Redes. De natureza apaixonada e vibrante, se arrisca e segue em frente. Uma grande paixão é sua filha

Lembro do meu pai me fazendo lentamente um cafuné, recitava algumas poesias e fazia caretas imitando monstros… na vitrola, um disco de Eric Clapton, Neil Diamond e o favorito Harry  Chapin. Era especial aquele abraço, abraço de pai, de conforto, de proteção, de segurança. Isso tudo foi na minha infância. Quando ele me abraça é tão significativo pra mim que não tem uma só vez que eu não chore… sempre busquei esse abraço… esse afago.

Na minha adolescência, virei rebelde sem causa, e esse abraço, sobre minha e total responsabilidade se perdeu, e as palavras dele começaram a ser duras, rígidas e eu? Sem voz. Sempre tivemos uma relação de fortes sentimentos sem quase nenhuma intimidade. Meu pai, viajava muito no seu tempo de trabalho e até hoje, uma porta se fechando me dá arrepios. A gente não tem ideia das cenas que ficam na memória de uma criança.

Sempre fomos antagônicos, temos uma intensa e legítima dificuldade de nos comunicar, linguagens diferentes, sensações parecidas… sentimento de impotência. Mas estamos anos luz muito mais serenos e a nossa comunicação finalmente flui.

Minha garganta se embarga, os olhos se embaçam…é incrível como ele não imagina o amor profundo que sinto por ele. Tive uma educação rígida, cheio de horários, castigos e algumas certas regras. Hoje como mãe que sou, sei e sinto o quanto é árduo o nosso papel de educador. Meu pai fez o seu melhor. E em várias situações eu cheguei a ter muita raiva e tristeza, mas hoje o tempo passou, apaziguamos nossas almas, nosso juízo de valores, e posso dizer que esse grande homem, faz toda diferença em mim.

O que sou hoje devo grande parte a ele. A minha persistência, minha determinação, meus valores, minha lealdade perante aos outros e a vida, vem dele, desse homem que me pergunta de onde tenho tanta fé. Se ele soubesse que ele é um dos homens de mais fé que eu conheci. Sempre acreditando no quase impossível e realizando. Ele não se dá conta. Aprendi com ele sempre, sem titubiar, seguir em frente!

Obrigada meu pai,  só eu sei que você jamais desistiu de mim, mesmo você acreditando que sim, obrigada por todo amor que temos um pelo outro com todo respeito de todos esse anos que conseguimos conquistar: nosso melhor papel, pai e filha.

Macarena Lobos –  Bela Urbana, formada em comunicação social, fotógrafa há mais de 25 anos, já clicou muitas personalidades, trabalhos publicitários e muitas coberturas jornalísticas. Trabalha com marketing digital e gerencia o coworking Redes. De natureza apaixonada e vibrante, se arrisca e segue em frente. Uma grande paixão é sua filha.