Um soldado
só é soldado quando luta.
Antes disso,
ele é só um menino,
sem andar,
sem falar,
uma criança que brinca de adulto.
Quando batalha
as pessoas o veem como um homem.
Vejam lá!
Vejam como ele é belo em seu caminhar!
As mães ficam com medo por ele,
mas elas tem muito orgulho.
Elas veem seu bebê
agora como um homem.
O que elas não veem é seu olhar
terror durante a guerra.
Os sons estranhos e distantes.
Explosões, tiros e mortes.
Mortes dele,
só um menino.

Igor Mota – Belo Urbano, um garoto nascido em 1995, aluno de Filosofia na Puc Campinas do segundo ano. Jovem de corpo, mas velho na alma, gasta grande parte de seu tempo mais lendo do que qualquer outra coisa. Do signo de Gêmeos e ascendente em Aquário, uma péssima combinação (se é que isso importa).

E não é que guerreiras também desabam?

Desabar na frente dos amigos pode ser algo corriqueiro, principalmente quando falamos de amor ou falta de dinheiro. Mas o tema hoje não é esse, aqui o assunto foi: mostrar-se humana pra um ser “humaninho” de apenas 6 anos de idade.

Mães são humanas?

Muitas coisas nos assombram à noite antes de dormir. Aquele momento em que temos de esvaziar a mente é justamente o momento em  que o pequeno incorpora super-heróis mirabolantes, que não param de se mover e criar estórias e ações.

Mas voltando, à questão: – Mães são humanas?

Fomos educadas e orientadas ao longo de nossos primeiros anos de vida a pensar num ciclo: crescer, namorar, noivar, casar e ter filhos. Pronto! Linda família feliz se formou! Mas de repente a família feliz “Família Margarina” aquela dos comercias perfeitos, se dissolve. O que restou? Para a sociedade: uma mãe e um filho. E isso é tudo. Nada sobre o que significa a união destes dois seres que são o argumento de muitas outras visões não vistas e não sentidas pela sociedade.

Restou apenas isso? E a vida cotidiana? E a vida particular? Os duelos? Aquela mãe é também mulher e também o chefe da família. Deve ser provedora, dócil, enérgica, responsável, assertiva e sobretudo: eficiente. Competentíssima!

Nos intervalos do dia a dia às vezes ouvimos: – Você está linda! Nossa como você está diferente depois da separação! Está realizada como mulher!? E logo pensamos: como mulher, no sentido mulher bonita e independente, sim! Mas e quando essa mulher independente e “guerreira” também pede colo? Também chora. Temos esse direito?

Dia desses, depois de uma jornada tripla, entre sair da sala de aula e pegar meu filhote para encerrar mais um dia, coloco a cabeça pra fora da janela do carro e vejo uma Lua cheia! A observo por alguns segundos…pare!

Tarefas me chamam! Dar banho, escovar os dentes, conferir o caderno da escolinha, separar roupas sujas… As mães são assim… Ágeis como formigas em busca de comida. Como conseguem ser tão rápidas? Não tenho ideia! Não consigo pensar nisso agora, porque depois que dei banho no meu filho vejo um ser “humaninho” de pijama com as duas mãos semiabertas dizendo: – Mãe, mãe! Olha o que trouxe hoje!

Vejo duas mãozinhas firmes segurando carapaças de cigarras. Desta vez ele pegou muitas, mais de cinco! – Hora de dormir filho, amanhã vemos isso! Exausta, e quando achava que já estava liberada para espiar mais uma vez a Lua cheia na janela, meu filho me pede para explicar por que as cigarras cantam. Mãe, mãe, porque elas ficam assim? Meu pequeno quer encantar sua mãe, quer a presença dela para lhe levar ao sono. Sim! Ele tem apenas 6 anos, ele precisa de mim!

São 23h30. Quando deitei ao lado dele, vieram as lágrimas. Desabei! Segurei ao máximo, mas essa “maldita” arte de ser intensa não me deixa e para não chorar em frente ao meu “super-herói” mixei o choro frustrado com o sorriso triste, gesto típico de uma mulher que (cresceu, aprendeu e amou)  e teve de aprender a “cicatrizar” rápido (como me disse uma amiga), ao ter de lidar com sentimentos fortes, com a emoção de amar e ser amada, mas também de experimentar o gosto do não-amor. Existe isso?!

– Mamãe você está chorando? Por que? Fala pra mim. Dizia ele acariciando meu rosto.

Desabei…e aos prantos:

– Filho, sim estou chorando! Por muitos motivos. Porque sua mãe hoje é também uma mulher que sofre de amor, que erra, que sofre por não conseguir melhores condições financeiras, por não conseguir ser “competentíssima” como mãe, por não ter lhe dado a melhor escola que desejava, que sentiu muitas pressões e opressões do mercado de trabalho, mas que acima de tudo é a sua mãe guerreira que acorda todos os dias em busca de apenas três letras: PAZ.

Somos também as mulheres que desabam, que choram e que desejam proteção, amor e sonhos para os nossos filhos.

Que todas as mães possam simplesmente serem verdadeiras consigo mesmas. Somos mães, mulheres e acima de tudo, humanas.

Cris Saad – Bela Urbana, professora universitária, publicitária, fã do vento, da lua e do acaso. Apaixonada por música e dança, enfim apaixonada pela liberdade, pela loucura do movimento e o gozo do encontro.

Aos 10 eu achava a Sandy um mulherão. Meiga, delicada e independente.

Aos 15 meu ícone era Jennifer Lopes. Corpão, bundão, silhueta enxuta e independente.

Aos 20 eu queria ser Madonna. Atrevida, sem papas na língua e desprendida de tudo e de todos.

Aos 25 meu padrão era Beyoncé. Linda, poderosa, corpo pra botar qualquer fitness no chinelo, sonho dos homens e admiração das mulheres. Era a própria Miss Independent.

Aos 30 eu descobri que o mulherão que eu sempre quis ser era eu mesma. Levando porrada da vida e levantando de novo.

Pegando no tranco, sem dar moral pra otário.

Batendo de frente e enfrentando os leões com uma vida nos braços.

Aos 30 eu decidi que o Mulherão que a gente sempre idealiza mora lá no fundo da alma, muitas vezes gritando pra sair e se calando por medo de outros.

Aos 30 eu não conquistei nem metade do que eu sonhei, mas já estou realizada em todos os âmbitos porque eu sei que isso só depende de mim.

Independência é o nome da liberdade que quis pra mim. Eu sei que sou o tipo de mulher que 98% das pessoas não gostam ou não sabem gostar. Bato de frente e não tenho medo de me machucar.

Se cair levanto, se ferir saro.

Não tenho medo, não me calo.

Não tenho vocação pra ser vítima, porque eu aprendi que meu lugar é no pódio.

Eu sou o mulherão que eu idealizei e não preciso que me digam.

Eu sei e isso basta.

Gi Gonçalves – Bela Urbana, mãe, mulher e profissional. Acredita na igualdade social e luta por um mundo onde as mulheres conheçam o seu próprio valor. 

Há alguns dias me sinto muito incomodada para escrever esse texto. Depois de alguns posts sobre o que “mães” fazem com seus filhos decidi escrevê-lo hoje.

Pois bem, desde que aceitei Deus como meu Único Salvador e Santo vejo muitos cristãos dar ênfase sobre a vida de alguns apóstolos, profetas, seguidores e outros não. Sempre que alguém se encontra enfermo há uma pessoa para nos lembrar da Mulher do Fluxo de Sangue que foi curada, quando alguém esta em total fracasso nos lembramos que com com Jó também foi assim se não pior e com fé ele obteve sucesso. Lembramos da conversão de Maria Madalena no auge do pecado … Vejo muitos cristãos falando de Pedro, Thiago, Samuel, Davi, Elias … Mas e Maria?
Dentre tantas mães virtuosas que existem entre nós, por que não lembrar de Maria que foi um instrumento tão abençoado na mão de Deus para que pudesse gerar em teu ventre nosso Único Salvador?
Seria pecado? Sinceramente não sei. A gloria que reina em minha vida pertence somente a Jesus filho de Deus, mas como quero que Ele me molde e me use como Maria!!!
Num mundo de hoje como esse que vivemos onde existem tantas mortes e crueldade com nossos filhos alguém que esta lendo isso já parou para pensar na dor de Maria?
Meu Deus que força esta mulher teve! Pare um pouco e pense. Você gera por nove meses um presente de Deus, sente as dores do parto, acolhe teu bebê em seus braços, dá amor e proteção, o vê crescer como um santo, ama sem limites. Incondicionalmente. E certo dia você vê teu filho sendo humilhado, pisoteado, espancado, PREGADO em uma cruz. Aquele filho que Deus lhe confiou porque somente você saberia como criá-lo aqui na Terra, agora esta agonizando lavado de sangue e sofrimento morrendo aos poucos sem reclamar e você sem poder fazer nada. Você não pode fazer nada à não ser sofrer junto com aquele menino que você concebeu e esta vendo partir da forma mais cruel e injusta.
Sinceramente? Eu imaginei e já me encontro em soluços só de imaginar o começo da dor.
Quisera eu Pai ter a força de Maria. Logo eu que me acabo de sofrer ao ver meu filho tomando qualquer agulhada.
Quisera Você Pai que eu tenha a paciência de Jó, a fé de Abraão e a força materna de Maria.
Infelizmente nunca vi uma igreja evangélica citar Maria como falam de Davi, João Batista ou Saul.
As mulheres de hoje nasceram com a maternidade aflorada na alma e neste mundo tão desesperador precisam de um ícone de Mãe e Mulher.
Sou Cristã, meu Único Salvador é Jesus e a glória dEle não divido com ninguém, pois Santo na minha vida somente Ele.
Mas quero e espero ser como Maria e que minha força como Mãe transceda qualquer tipo de medo ou falha que eu venha a ter como ser humano.

Por um mundo com mais Mães como Maria.

Gi Gonçalves – Bela Urbana, mãe, mulher e profissional. Acredita na igualdade social e luta por um mundo onde as mulheres conheçam o seu próprio valor. 

 

A 1ª vez que recebi os Parabéns pelo Dia da Mulher foi em 1980 e eu, com 16 anos, perguntei por que haveria um dia da mulher. Com o tempo, é claro que fui estou descobrindo, mas aquela pergunta me instigou quando eu ainda me questionava o que era ser feminista.

Recentemente, fui buscar nas redes sociais, os motivos que levam algumas pessoas, homens e mulheres a lutar contra o feminismo e deparei-me com uma ala radical, cujos comentários de teor violento, precisei engolir, assustada, para tentar entender o que pensam: feminista é mulher feia, frustrada, gorda, com pelo no sovaco e falta de rola, que não merece nem ser estuprada! Normalmente saio da conversa quando a palavra “feminazi” entra na discussão. Mas digo que foi uma pesquisa interessante. É uma sociedade machista que não está aberta ao diálogo.

Essa era a ala radical, existe também o machismo velado, tipo “mulher deve lutar pelos seus direitos, desde que não interfira com os afazeres do lar”, ou “para que tanto mimimi?”

Estamos em março de 2017 e as pessoas ainda se espantam quando falo sobre a luta das mulheres para coisas tão simples como ter direito a votar, trabalhar, receber salário, o direito de estudar, de viver, não ser morta ou limitada pelo companheiro que se julga dono. Mulheres qualificadas ainda perdem a vaga por serem “mães”, ganham menos que seus colegas homens e justifica-se que faltam mais, produzem menos e não são boas no que fazem. Elas sofrem assédio! No emprego, na rua, na chuva, na fazenda ou numa casinha de sapé…   Moral ou sexual. Levante a mão a mulher que não passou por isso, incluindo sua mãe, avó e filha.

Hoje me defino como Feminista sim! E quem não é, está mal informado! Homens e mulheres feministas são nada mais que pessoas que respeitam o outro ser como seu igual. Feminismo é entender que todos tem os mesmos direitos e deveres, capacidades e limites. É respeito pela pessoa, independente do gênero, cor ou credo.

Feminismo não é oposto de machismo, visto que machismo visa a opressão, enquanto o feminismo visa igualdade.

Ainda causa estranheza quando uma mulher está em um cargo de liderança ou quando desempenha uma função considerada masculina, como no mundo corporativo, na publicidade, na política, no taxi, caminhão, construção, no desenho, ou tantas outras áreas.

Eu, hoje, estou entre as “Mulheres Cartunistas”, “Mulheres desenhistas” mais conceituadas no Brasil. Muito feliz! Mas fico me perguntando quando eu e minhas colegas de traço seremos “cartunistas”, “desenhistas”, “quadrinistas” do seleto mundo do cartum, sem referência a gênero.

Como diz minha irmã Åsa: “Torço para que um dia não haja mais necessidade de existir um dia para lembrar as pessoas que mulheres são gente.”

Synnöve Dahlström Hilkner Bela Urbana, é artista visual, cartunista e ilustradora. Nasceu na Finlândia e mora no Brasil desde pequena. Formada em Comunicação Social/Publicidade e Propaganda pela PUCC. Desde 1992, atua nas áreas de marketing e comunicação, tendo trabalhado também como tradutora e professora de inglês. Participa de exposições individuais e coletivas, como artista e curadora, além de salões de humor, especialmente o Salão de Humor de Piracicaba, também faz ilustrações para livros. É do signo de Touro, no horóscopo chinês é do signo do Coelho e não acredita em horóscopo.

A revista. O moço lê. O celular. A moça brinca.

A porta abre. A música toca pra todos e diz: “se for preciso eu sumo”.

A porta fecha. Outro moço sai.

O velho telefone trabalha. A secretária liga, fala, confirma.

O sofá de couro conforta. Dois homens. Um dorme. Ronca sem constrangimentos.

A porta abre. Entram. Ela e ele. Sentam. Mãe e filho. Filho adulto. Mãe cuidando ainda. Os mesmo traços.

O relógio na parede. De ponteiros. Marca o tempo.

O tempo de cada um agora. Nessa recepção. Que tem café quente. E água gelada.

A música agora: “sou fera ferida no corpo, na alma e no coração”.

Olho para todos. E penso que sim, as mães são incansáveis. Mesmo estando cansadas.

Adriana Chebabi – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde escreve contos, poesias e crônicas nesse blog. Publicitária e empresária. Divide seu tempo entre suas agências Modo Comunicação e Marketing  www.modo.com.br, 3bis Promoções e Eventos e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. É do signo de Leão, ascendente em Virgem e no horóscopo chinês Macaco. Isso explica muita coisa :)

 

Independente de qualquer religião ou da falta dela, essa prece é para as mães.

shutterstock_162957713 - vela

Deus cuide das mães para que as mães cuidem de seus filhos.

Proteja as mães, sejam elas de qualquer idade, qualquer religião, de qualquer classe social, com qualquer grau de instrução.

Proteja por favor as mães, para que elas possam continuar a proteger seus filhos quando pequenos, e também, ensiná-los a irem se protegendo à medida que crescem.

Força para as mães, porque é preciso força para enfrentar as cabeçadas dos filhos. Essas cabeçadas doem em dobro nas mães, literalmente as cabeçadas dos tombos que deixam “galos”, que os filhos berram de dor e de medo,  e também,  das cabeçadas que os filhos adolescentes e adultos muitas vezes insistem em levar por não ouvir, por querer experimentar o que as mães já sabem não ser bom.

Deus, piedade das mães que sofrem por dores que nunca vão passar, mas que o tempo, somente ele, poderá consolar e talvez até confortar. Que esse tempo não demore tanto tempo para elas.

Que venham alegrias para as mães e elas possam comemorar os passos, os acertos, as conquistas de seus filhos. Que as mães escutem aplausos.

Perdoe os erros das mães, faça-as se perdoarem. Sabemos que cada mãe faz o seu melhor e por isso o mundo é tão diverso e interessante. As mães precisam aceitar e entender isso; a responsabilidade pela escolha do caminho é individual  – do filho.

Perdoe também as mães impositivas, cabeças duras e intolerantes. Ajude-as a aprender a apreciar as borboletas amarelas do caminho.

E por fim e com muita força, que essa prece rogue para que mãe nenhuma desista de seu filho. Por mais difícil que seja, que nenhuma mãe desista, mas que tenha sabedoria para superar problemas e que acima de tudo haja amor, em qualquer fase da vida delas e de seus filhos.

Amém e feliz dia das mães (todos os dias).

foto-adriana2

Adriana Chebabi – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde é a responsável pela autoria de todas as histórias do projeto. Publicitária, empresária, poeta e contadora de histórias. Divide seu tempo entre sua agência  Modo Comunicação e Marketing  www.modo.com.br, suas poesias, histórias e as diversas funções que toda mãe tem com seus filhos. Deseja um feliz dia das mães para todas as mães e quer curtir esse dia com seus filhos e sua mãe 🙂