E chega maio, o Mês das Mães e do meu aniversário. 4.2 neste ano…

Estranho ver como as cobranças externas desde os 30 não mudaram muito: o sucesso na profissão (check It), a independência financeira (check It), os cuidados com o corpo que já não é mais o mesmo dos vinte (check It – com parcimônia), o marido e os filhos…. Xiii, daí complicou!

Será que complicou? Vou me ater aos fatos, aos meus fatos (lembrando, cara leitora e leitor, que não estou querendo polemizar ou caçar likes, apenas refletir)…

Como quase toda menina da minha geração, anos 80, cresci ainda acreditando no príncipe encantado (como já expus em outro texto, meu negócio acaba sempre sendo o sapo… Enfim… Vai lá ler se te interessar)! E dentro do mundo encantado do príncipe, fiz meus planos contando com o seguinte roteiro: me formar, arrumar um emprego, casar e ter filhos. Ah, como eu queria ser mãe. Era um sonho e era um sonho real!

Pois bem, cheguei aos trinta com a profissão e o emprego que escolhi e sem marido. As cobranças internas e externas vieram… Depois, chegaram os quarenta… E a pressão do corpo aumentou.

Vieram os sobrinhos e vi que sou sim um ser maternal e cheio de amor… Mais cobranças…

Durante uns bons anos, essa foi uma questão delicada… Eu diria até que motivo de frustração. Muitas horas e horas de terapia depois, veio a consciência de que minhas escolhas, entre elas as profissionais, me afastaram do modelo encantado do casamento e dos filhos. Flertei com o primeiro, nunca cheguei perto do segundo.

Já me senti muito menos mulher por isso. Já me peguei pensando: “quem vai cuidar de mim na velhice?”

Eita pensamento besta! Basta eu lembrar de quantos idosos são abandonados pelos filhos em casas de repouso, clínicas como são chamadas agora! Essa cobrança passou!

“E quem vai perpetuar minha existência?” Eita pensamento egoísta! Se eu preciso de outro ser humano, uma mini me ou um mini me, para ser lembrada, daí que ferrou tudo de vez!

Pensei até em adotar para cumprir o roteiro da Marina adolescente. Daí vi novamente o egoísmo me bater com tapa de luva de pelica… Eita mulher caprichosa!

Chego aos 4.2 festejando o Dia das Mães com a minha mãe, graças a Deus; lembrando das minhas avós que já se foram; celebrando a minha irmã, que me deu os meus pitucos mais amados, e comemorando a oportunidade de ter minhas “mães” de coração, que me adotaram como filha e zelam por mim.

Passei o Dia das Mães em festa, sem o peso das cobranças internas ou externas… Sem me culpar por ser uma mulher com mais de quarenta sem filhos. Não me lembro de ter feito isso em outros anos, sem as amarras da culpa.  E como foi bom festejar e brindar a isso, sem me amargurar, muito menos sem me sentir menos mulher.

Marina Prado – Bela Urbana, jornalista por formação, inquieta por natureza. 42 anos de risada e drama, como boa gemiana. Sobre ela só uma certeza: ou frio ou quente. Nunca morno!

Pergunta o curioso: quem és tu?
Responde aquela que foi inquerida:
Sou uma MULHER SEMIÓTICA!
A que vens?
A ter a percepção do mundo atual,
O que há para comunicar,
O que devemos deliberar,
Pontos de vista a conversar.
É fácil assim ser mulher semiótica?
Antes fosse!
Vivemos no mundo da “presentação”,
Esse “tipo” requer atenção,
Sem julgar, ofereço minha empatia
Ao outro por detrás da simpatia,
Pode enganar-te à revelia.
Nossa, mulher semiótica! Pensei que fosse fácil!
Estudo o mundo por meio dos sinais,
Interpreto quetais, imaginando o que pensais,
Das avenças e desavenças intergeracionais.
Perguntei quem tu és
Para homenageá-la, nobre mulher,
Afinal, 365 dias são dedicados,
Uma atenção dos que estão ao seu lado,
Porém, por tradição, o faço hoje: seu dia.
Agradeço meu caro curioso,
Mas, infelizmente, alimentamos
Aqueles que amamos,
Nos envolvemos até o pescoço
E do mundo podemos receber o osso.
Mas não se trata de reclamos,
Lamurias ou desenganos,
Ser mulher semiótica
É entender, com nossa ótica,
Que apenas amamos,
Sem esperar nada em troca.

L.C. Bocatto– Belo Urbano. Diretor do Instituto IFEM – Instituto da Família Empresária. Criador da Ferramenta de Análise Científica Individual e Familiar. Formações – Mestre em Comunicação e Mercado, MBA em Controladoria, Contador, Psicanalista Terapeuta com foco em famílias e indivíduo com problemas Econômicos (perda de riquezas) e Financeiros (saldos negativos de caixa)

Era 1979, logo após a anistia. A menina, com seus 20 anos, estava cansada daquilo tudo, daquela cidade de pedra. Junto da sua amiga, resolveram partir para viver uma vida livre e cheia de sonhos. Foram para o sul do país, num estado cheio de praias e natureza.

Lá trabalharam de tudo um pouco. Comércio, serviços gerais, indústria. O que desse algum dinheiro e tempo para viver era suficiente. A menina estudava bastante, principalmente a natureza. Estudava, lia, cantava e vivia livre, sem ter que se preocupar com todo o caos social em que o país vivia, em meio a uma ditadura irresponsável.

Nesse meio tempo, conheceu um homem trabalhando em uma editora. Ele era mais velho, maduro e estruturado. Vinha toda segunda de sua cidade natal e sexta ao final do dia para lá retornava. Ele também sonhava e queria viver de forma livre o mundo e a natureza. Era um par perfeito, se amavam e se completavam. A menina estava plena: tinha um par romântico perfeito, uma amiga inseparável, estava no local que sempre sonhou viver… o que esperar mais da vida?

Foram meses de muita alegria e completude. Conheceram toda região, frequentaram shows, liam e cantavam juntos. Era um sonho. Mas o sonho tinha prazo de validade e ele expirou quando a menina soube que ele era casado. A decepção juvenil não permitiu que as possibilidades fossem pensadas e a coragem necessária tivesse espaço. O rompimento dramático, bem típico daquela juventude veio e ela decidiu voltar a sua cidade de pedra com sua amiga fiel. Abandonaram o sonho para viver a realidade dura.

Logo conheceu um garoto e, para esquecer do homem que a machucou, decidiu seguir com ele a vida morna. Logo se casaram para provar que eram capazes, logo vieram os filhos para provar que são capazes, logo vieram as responsabilidades e dificuldades que provaram sua capacidade de deixar de ser menina e passar a ser mulher. E sendo mulher, não arredou pé de arcar com as agruras e usufruir das poucas alegrias que vinham. 

Mas o garoto não virou homem e logo vieram as traições, a violência psicológica, os abusos. Ela, mulher firme, aguentou tudo pelos filhos. Não era totalmente infeliz. Além dos filhos, tinha uma família maravilhosa e sempre que podia (e que o garoto não estava por perto), vivia essas alegrias plenamente, nunca sem esquecer do que poderia ter sido se aquela decisão precipitada de abandonar o paraíso no Sul e seu amor proibido tivesse dado certo.

Em meio a tudo isso, fez uma promessa a si mesma: assim que os filhos saíssem de casa, largaria tudo e faria como aos 20 anos. Partiria para o paraíso que conhecera e retomaria a vida de onde parou, de preferência, encontrando aquele amor pelo e impossível. A pergunta que não calava: será que consigo?

A filha se casou, o filho casou e lhe deu uma neta. Era hora de criar coragem e, mais uma vez, correr ao encontro da felicidade. Pela internet iniciou uma busca por aquele homem de outrora. Agarrou sua amiga inseparável e, escondido daquele garoto (que, apesar das rugas, mantinha a postura infantil e insegura de um menino), iniciou sua vida novamente.

Enfim, encontrou o homem do passado, que agora era um senhor. Juntou coragem e entrou em contato com ele. Surpresos, reviveram ao telefone os sonhos de outrora. Juntos, planejaram esse reencontro e a mudança daquela senhora-menina para o lugar em que a história avia abruptamente parado. Ela pediu divórcio, juntou as poucas coisas e partiu. Ele não poderia fazer o mesmo. Cuidava de uma esposa doente. Mas isso não seria impeditivo para viverem novamente uma história impossível.

Ela foi viver dos mesmos trabalhos que lhe dessem o sustento e o tempo necessário para ser feliz. Trabalhava com a natureza que havia estudado e voltou a ler e ouvir tudo que o garoto não permitia. E agora, nos poucos momentos possíveis, ao lado de seu grande amor. Mas também, a vida não seria um morango. Ela adoeceria e, pouco mais de três anos após sua libertação, viria a falecer devido a complicações de uma doença que surgira nos anos de estresse e infelicidade viveu na selva de pedras.

Poderia encerrar aqui a história de forma pessimista, já que todo leitor que se prese, espera um final feliz. O Senhor ficou triste com a partida da menina, os filhos dela também. Sua amiga inseparável também ficou inconsolável. Eu mesmo que escrevo essas linhas, no pouco tempo que a conheci, fiquei indignado com a vida ao saber de sua passagem.

Mas paremos para refletir: seria uma vida digna se ela tivesse fincado sua vida junto a moral e bons costumes, mantido um casamento infeliz, sofrente ao lado daquele velho garoto até a morte? Ou seria feliz uma vida pela metade, sustentando uma relação paralela desde a juventude com o homem que amava, mas que já tinha esposa e filhos?

Nunca saberemos. O que sabemos mesmo é que a maturidade trouxe a coragem necessária para que a vida possível fosse vivida e a sabedoria necessária para conviver com as incompletudes e impossibilidades. E tudo que foi possível viver em cada momento foi vivido de forma plena, porque a postura que aquela menina, que virou mulher e que se tornou uma sabia senhora nunca deixou de acreditar que a felicidade era possível, que os relacionamentos não são coisa perfeitas e imaculadas como nos romances hollyudeanos, e que a moral, a expectativa alheia ou mesmo as inseguranças e medos de dentro não são capazes de barrar uma alma livre, cheia de vontade de viver um amor possível, porém verdadeiro.

Esse conto é uma homenagem a uma vida que viveu e amou da forma que, não o que eu desejava escrever e nem o que desejávamos ler. Se você se identifica com a menina, com o homem, com o garoto, com a amiga inseparável, com os filhos da mulher ou mesmo com esse que vos escreve, se pergunte: que coragem me falta para viver a vida e o amor que mereço, mesmo com suas imperfeições? O que me falta fazer para ser feliz? O que preciso ser, independente da expectativa de quem lê minha vida de fora? O que me falta para ser livre?

Pense nisso.

Crido Santos – Belo urbano, designer e professor. Acredita que o saber e o sorriso são como um mel mágico que se multiplica ao se dividir, que adoça os sentidos e a vida. Adora a liberdade, a amizade, a gentileza, as viagens, os sabores, a música e o novo. Autor do blog Os Piores Poemas do Mundo e co-autor do livro O Corrosivo Coletivo.

Meno pausa

Menos pausa

Menos

Pausa

Meno male

Menopausa

Mulher não pausa

Pulsa

Daniella Andreoli e Adriana Chebabi – Belas Urbanas, amigas desde os primeiros anos da adolescência, fizeram esse poema em uma troca de mensagens brincando, sem pretensão, mas trazendo uma reflexão sobre o tema Menopausa e quebrando o receio de falar sobre o assunto, ainda existe tabu e preconceito contra o envelhecimento, principalmente o da mulher, mas envelher é viver e é a melhor opção que existe :). Que sejamos por hoje eternas adolescentes cinquentonas.

Despertando para somar lembranças… nessa página de meninas “arretadas”… por natureza. Eis que, vibro minha leituras de mulher para mulher.

Pergunta básica: Estarmos BELAS hoje, nos faz melhor do que estiveram outras mulheres ontem?

Resposta básica: Vasculhando minha estante, qual para muitos jovens seres possa ser (cringe)… É preciso usar a inteligência mental usando a visada inteligência artificial… ela possui vantagens sobre conhecimentos necessários, a respeito de belas mulheres que nos antecederam.

É  vibrante.

É estimulante.

É essa senhora Marina Colasanti… hoje com 84 primaveras, foi uma das belas dos anos 80. Tendo em conta que sempre… a sua autoestima nos foi presenteada… desde 1968, carregada de nosso tempo vivendis… para o novo modus vivendis, que o “BELAS URBANAS” como outras BELAS, até hoje continuam jogando no campo… saindo da arquibancada que sempre ficou atrás das grades…. das telas de arames (farpados) ora essa!

O sumário desse meu livro 1° EDIÇÃO 1981 –  Livro “MULHER DAQUI PRA FRENTE”, ao ler, vocês ficarão emocioandos… e tem um que nos fala com palavras gritantes…  página 81 – MEU MARIDO NÃO DEIXA!

BELAS URBANAS… e tem outro na página 55 –  que nos mostram o revezamento estrutural que grafita sobre: MULHERES ASSASSINADAS!

Pesquisem sobre essa ardente escritora… que com argumentos fatais (expressão) nos faz pensar que… o tão espevitado e sarcástico cringe da energia, que nos ofertam hoje os roteiros midiáticos sobre palavras…

No fundo do baú, tem muito mais do que grafitam muitas vãs filosofias.

Boa leitura para todos vocês! E também reafirmo com as palavras do meu pai…  Joaninha, um barco só chega no cais, se cuidarmos do remos e não propriamente das remadas. Até (e não é loucura da Joaninha!

Joana D’arc de Paula – Bela Urbana, educadora infantil aposentada depois de 42 anos seguidos em uma mesma escola, não consegue aposenta-se da do calor e a da textura do observar a natureza a redor. Neste vai e vem de melodias entre pautas e simetrias, seu único interesse é tocar com seus toques grafitados pela emoção.

Muitas guerras começam por erros de comunicação. Fala-se uma coisa, mas o interlocutor entende outra e a guerra começa, mas em muitos casos por não saber o real significado das palavras.

A palavra feminismo causa isso, já senti muita vergonha alheia por várias pessoas aparentemente informadas e com boa cultura se posicionarem falando as maiores besteiras em relação ao significado.

Também já fui aconselhada a não me posicionar como feminista porque isso poderia atrapalhar meus projetos com boicote de clientes e anunciantes. Seria engraçado se fosse uma piada, mas isso é real, é o reflexo da falta de saber o sentido da palavra e por isso de uma mediocridade gigante. Toda vez que acontece isso, eu respiro fundo e explico, a maioria entende, se liberta do preconceito e muitos dizem “sou feminista”.

Então, vou fazer o mesmo aqui e explicar. Deixo claro que sou feminista sim e espero que você leitor(a) também seja, ou pelo menos passe a ser após entender a definição correta caso ainda não saiba. Homens podem ser feministas? Sim, porque ser feminista é algo independente do seu gênero, é uma causa que você abraça.

Feminismo é um movimento político, filosófico e social que defende a igualdade de direitos  e condições entre mulheres e homens, e luta contra a violência de gênero. Surgiu após a Revolução Francesa  que tinha como lema a “Igualdade, Liberdade e Fraternidade”, se fortaleceu na Inglaterra, durante o século XIX, e depois nos Estados Unidos, no começo do século XX.

Já a definição de machismo no dicionário é: opinião ou atitudes que discriminam ou recusam a ideia de igualdade dos direitos entre homens e mulheres. Característica, comportamento ou particularidade de macho; macheza. Demonstração exagerada de valentia. Excesso de orgulho do masculino; expressão intensa de virilidade; macheza.

A realidade é que uma pessoa machista (uma mulher também pode ser machista), é uma opressora que acredita que a mulher não deve ter os mesmos direitos de um homem ou ainda enxerga a mulher de forma inferior em diversos aspectos, ou seja, é um preconceito. O homem domina e a mulher é dominada.

Existe também o femismo, que poucos conhecem e por isso a confusão com a palavra feminismo. O femismo nada mais é do que o contrário do machismo. O femismo prega a superioridade da mulher sobre os homem. Pessoas femistas tem geralmente atitudes agressivas em relação aos homens, com constantes comentários que os desavorizam ou humilham. É preconceito também.

Bom, meu caro leitor, eu luto contra o machismo no meu dia a dia, não sou femista, sou feminista e acredito no lema da Revolução Francesa, Igualdade, Liberdade e Fraternidade como o único caminho que podemos trilhar para uma verdadeira revolução e evolução em nossas sociedades.

Faz sentido para você? Se sim, me de sua mão e vem comigo nessa jornada.

Adriana Chebabi  – Bela Urbana, fundadora do Belas Urbanas onde faz curadoria dos textos e também escreve. Publicitária. Curiosa por natureza.  Divide seu tempo entre seu trabalho de comunicação e mkt e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. É do signo de Leão, ascendente em Virgem e no horóscopo chinês Macaco. Isso explica muita coisa.

Brancos, heterossexuais e machistas, sorrateiros e tão contentes,
vêm e vão disseminando seus preconceitos.
Alheios a todos e a tudo, são os reis do mundo!

Vivemos num pais que culpa mulheres pelos estupros?
Pedófilos virtuais sequestram crianças reais e postam nas redes sociais,
como vocês dormem em paz?
Pequenas meninas se exibindo e rebolando a mando dos próprios pais.
Cada like vale a pena? Ao menos separe uma grana para a psicóloga (você vai precisar)
Eu me distancio disso tudo, não me culpem por querer fugir da realidade, pode dizer que é uma crise de bipolaridade.

Aqui tem pra todos os desgostos, encontramos também homofóbicos, transfóbicos e racistas!
Eu não consigo lidar, não dá pra mensurar a maldade nem a insanidade dessa raça de víboras como já diria João Batista.
Me ajuda, João! Eu sou reflexo do machismo antigo, filho do patriarcado ou é simplesmente a minha falta de tato? (talvez os 3 de uma só vez).

Eles falam e eu me entedio, ouço e observo, mas não absorvo.
Talvez por isso, facilmente me irrite, pode ser, até porque, parece um rito.
Idiotas reunidos, bebendo o próprio mijo, exalando masculinidade, sem deixar de se preocupar com a vaidade. Passam a noite vomitando constantemente seus conceitos inconstantes de egoísmos reprimidos. Eu me sinto perdido, procurando abrigo, longe do seu machismo, distante dos seus preconceitos eleitos por antepassados tão antiquados quanto aquele quadro que pede intervenção militar já! É hora de mudar, de acordar, vamos recordar a história ou esquecer tudo que já conquistamos até agora?

Vocês são piadas para a minha assepsia, eu não me lavo com o lodo que escorre da pia.
A cada dia que passa, passo o dia em lentos passos, procurando espaço pra respirar neste crepúsculo de aço! Sou um filósofo raso, buscando novidades em velhos ditados, me contradigo e repito, transito entre o medo de morrer e a eterna vontade de começar a viver.
Nunca tivemos boas referências para admirar, mas isso não é desculpa!
A culpa é só minha e eu coloco em quem quiser, provavelmente será em uma mulher.
É mais fácil de acreditarem, é mais fácil de me deixarem em paz.
Eu já não tenho mais esperanças, talvez você que me lê possa nos ajudar.

Eu vejo no futuro o mundo colapsar
mas, não acredito que algo vá mudar.
Desculpe o pessimismo, não me culpem por fugir da realidade,
eu sou reflexo do machismo antigo,
filho do patriarcado ou é simplesmente a minha falta de tato, já sei
pode dizer que é uma crise de bipolaridade.

Lucas Alberti Amaral – Belo urbanonascido em 08/11/87. Publicitário, tem uma página onde espalha pensamentos materializados em textos curtos e tentativas de poesias  www.facebook.com/quaseinedito  (curte lá!). Não acredita em horóscopo, mas é de Escorpião, lua em Gêmeos com ascendente em Peixes e Netuno na casa 10. Por fim odeia falar de si mesmo na terceira pessoa.

Recentemente tivemos mega empresários lançando suas naves em direção ao espaço. A acumulação de capital foi capaz de tirar do estado o protagonismo no investimento em áreas de fronteira tecnológicas e, a título de explorar negócios tanto no turismo espacial quanto às patentes tecnológicas derivadas dos desenvolvimentos técnicos desse intento, enchem os bolsos desses magnatas.

Em paralelo, jovens garotos crescem unindo técnicas da psicologia social ao campo da TI, inventando redes de contato social que transferem dados comportamentais à conglomerados empresariais que, sabendo o que somos e gostamos, oferecem produtos nas redes sociais. Ambos os exemplos mostram a revolução que estamos passando na atualidade, semelhante ao que ocorreu no início do século XX, quando a eletricidade mudou o mundo.

E naquele tempo, mega empresários disputavam as fronteiras tecnológicas, econômicas, sociais e culturais para emplacar tecnologias tão distópicas para aquele tempo quando dar um rolê à gravidade zero, enquanto vê a terra (redonda) lá de cima, muito de cima. Homens super capazes, tornando-se mitos da história e enriquecendo.

Cadê as mulheres? No início do século XX, lutavam para votar. No início do século XXI, lutam para serem votadas.

Antes de ser um texto que critique o já combalido capitalismo que vivemos, esse texto evoca não a ausência das mulheres no topo do mundo, mas o lugar que colocamos ela em nosso dia a dia. Onde elas se escondem e como nós, homens a escondemos.

A ausência de mulheres na mesma proporção que homens nos postos históricos não ocorre porque nós homens, aqui embaixo, travamos seu potencial a cada momento que, empoderados da chave do carro e do cartão de crédito, os cedemos a elas como conquistas corriqueiras. Coisas que são delas por natureza passam pela nossa benção no dia a dia da casa. Quem pensa em mudar o mundo se precisa da bênção do pai ou do marido?

Toda vez que uma mulher precisa esperar um homem ser promovido para ter seu talento (bem maior na maioria dos casos) reconhecido, vai se ocupar de gastar sua energia provando que merece aquele posto. Essa energia deveria ser gasta em cálculos complexos (que ela domina bem mais inclusive) que matem a fome do mundo e lhe garantam um Nobel da paz.

Três ou quatro rodadas de Whisky e nós homens fechamos contratos milionários. Para ganhar o pão, a mulher precisa se esquivar de sofás nojentos (sejam físicos ou subjetivos…). Essa energia desperdiçada em fugir do patriarcado é, sem dúvida, um desperdício para a humanidade.  E faço um exercício de pura lógica física: Energia que se perde num circuito é energia perdida no trabalho. Pense a metáfora em escala Joule (J) e vai entender (e vá para o Google se precisar).

Então vamos criar uma lei que ordene esse comportamento e coloque essa energia toda à disposição da sociedade! Já existe, nós homens distorcemos. Então vamos prender quem o faça: os juízes homens soltam….

Você, homem que lê esse texto, observe se você não age fazendo com que a energia das mulheres ao seu redor fique represada ou desviada para exercícios hercúleos (vide 12 trabalhos de Hércules, uma bela metáfora) para provar quem são. Veja se sua postura, conservadora de privilégios sob a forma de gentilezas, não torna a mulher alguém sutilmente submissa. Começa por aí: dentro de casa, na fila do pão, no trabalho.

E mais: todas as vezes que nós, homem, lembrarmos dos romances e relacionamentos que terminaram meio que sem entendermos, saibamos que, muito provavelmente, a mulher que estava ao nosso, lado (ou pessoas de outros gêneros, diga-se de passagem), cansou de gastar energia em tentar provar quem são, não colocando nenhum Joule a mais que for nem para explicar sua decisão para nós.

E antes de julgá-la pensemos: o que será que devo mudar em mim para acolher uma igual sem roubá-la a energia que deveria ser usada para mudar o mundo? Porque se, depois de milênios de patriarcado, ainda nos deparamos com mazelas sem precedentes, é porque fracassamos com nosso falo. É hora de confiar a elas para liderar um novo mundo possível.

Crido Santos – Belo urbano, designer e professor. Acredita que o saber e o sorriso são como um mel mágico que se multiplica ao se dividir, que adoça os sentidos e a vida. Adora a liberdade, a amizade, a gentileza, as viagens, os sabores, a música e o novo. Autor do blog Os Piores Poemas do Mundo e co-autor do livro O Corrosivo Coletivo.


Ei, se de forte, sou de Fortaleza;
Se de linda, já me acabei no forró de Olinda;
Se de perto sou mais meiga, amo jantar em Petrolina;
Se não tenho Nenhum Juízo, atravessei a Ponte para Juazeiro

Mas está bem, de verdade você já descobriu que sou Nordestina;
Bela, meiga, menina, faceira, sorridente e quente como Ninguém;
Já da minha Cidade, você provou os temperos, mas não sentiu meu cheiro e ainda quero lhe cheira;
Se de sorriso te chamo de meu dengo, de dengo em dengo em você vou me acabar;

A como sou quente, bela gente que amo beijar, de molejo gostoso vou contigo forrozear;
E quando no forró, já flutuando de tanto dança, cantando baixinho no seu ouvido este xote de amor;
Quero ver seu pescoço todinho arrepiar, seu coração já acelerado pelo baião, parar de vez ao me beijar;
Ai meu dengo do Sul do pais, vai sentir o que uma mulher Nordestina tem a oferecer, vai fechar seus olhos e perceber, que nunca mais vai conseguir me esquecer.

André Araújo – Belo Urbano. Homem em construção. Romântico por natureza e apaixonado por Belas Urbanas. Formado em Sistemas, mas que tem a poesia no coração. 46 anos de idade, com um sorriso de menino. Sempre irá encher os olhos de água ao ver uma Bela Mulher sorrindo.

Início de mais uma semana, em uma rotina que é difícil até de se imaginar;
Ao final da segunda-feira, com a cabeça ja dolorida, chamei minha amiga Chica para caminhar;
A resposta sincera foi não poder, falou algo da dança flamenca que iria praticar;
Disse também da distância da escola e perguntou alegre se não gostaria de acompanhar.

Fui até a portaria onde esperei Chica chegar, ainda envolto aos pensamentos do trabalho, francamente bem cansado a vi se aproximar;
Uma mulher com estatura alta e forte de uma presença que impõe respeito, mas traz uma doçura no olhar e no falar que me faz alegrar;
De longe ela já vem sorrindo, pude perceber pois não havia colocado a máscara, adereço destes novos tempos;
A abracei com ternura e saímos para caminhar;

Ela tem um daqueles poderes de super herói que a gente não sabe direito explicar, nos conhecemos a pouco tempo e já parece que somos grandes amigos e me coloco a falar;
Sem muita vergonha falamos das ruas da cidade, do cotidiano e de poesia, assunto que insiste em me procurar;
com passos fortes, seguimos sorrindo e eu me aproveitando do que poderia aprender, afinal ela é letrada, de conhecimento não muito casual e não poderia perder;
Disse que para escrever era só me dedicar, sentar em frente a máquina e deixar a coisa rolar, disse também que conheceu outros escritores, não que eu seja um, mas que eu poderia ser;
As ideias e composições são, de acordo com ela como canções e podem renascer, falou que se tiver uma pitada de sofrimento fica até melhor, mais fácil de entender;

A deixei a frente da escola e fui para padaria comprar o que comer, pensei em poesia, livros escritos e musicados, achando de certo um bocado que talvez tenha algo a fazer.
Mas não sou escritor e nem musico, minha poesia é reza, não se sustenta só, se parada cai de pé, se deitada se esparrama, se sentada descansa a chama que não quer calar.
De concreto se quebra a lama e de banda se anestesia a alma e chega dar um nó;
Logo como pode ´perceber, não sou escritor nem musico, não sei tocar nenhuma nota SÓ;

Mas se ela que conhece e sabe muito bem escrever, se ela que fala em outras línguas que sequer sei dizer, diz ela, que talvez eu consiga escrever;
Porque então no encanto do descanso do retorno do caminho eu não poderia me colocar para pensar, de repente dentro do meu ninho, sentado, ali sozinho eu poderia escrever;
Sair quem sabe um rascunho, daquele curto e sem nó, que ninguém nem consegue ler, quem sabe se eu pegar uma caneta, colocar atras da orelha eu poderia fazer;

Foi o que fiz ali calado, de certa forma ainda cansado do trabalho e agora do lazer, quis escrever esta trilha, de de passo em passo , poder relatar o que aprendi com você;
Na caminhada com Chica, descansei na escrita do que pude pensar;
Na caminhada com Chica, de conhecimento terno e rica, pude perceber;
Se quero e busco conquisto, haja visto o que um homem pode fazer;
Agradeço a Chica, pessoa mais rica que pude conhecer.

André Araújo – Belo Urbano. Homem em construção. Romântico por natureza e apaixonado por Belas Urbanas. Formado em Sistemas, mas que tem a poesia no coração. 46 anos de idade, com um sorriso de menino. Sempre irá encher os olhos de água ao ver uma Bela Mulher sorrindo.