Era uma noite fria. Ela estava a pé, caminhando naquele gelo pelas ruas. Só. Estava só. Precisava estar para chorar… de medo, de saudade de algo que já foi e não volta mais. O frio até que acalmava, eram duas dores que competiam e ela nem conseguia saber qual doía mais, se era o frio na pele ou o quente da alma que ardia e expulsava lágrimas incessantes de seus olhos.

Paixão cruel, já cantaram isso. Que paixão era aquela? Invenção? Carência? Demência? Definitivamente era ela em mais uma de suas crises de “mulheres que amam demais”, mas desta vez era DEMAIS mesmo.

Não ouvia a irmã, não ouvia a prima, a amiga. Fugiu da terapia porque não queria saber porquê era assim. Queria as rosas roubadas da músicas, queria a paixão do filme, queria o amor do príncipe dos contos da infância.

Não queria duvidar do que sentia. Não queria pensar que de novo, dessa vez, era só sua ilusão. Queria ter mesmo alguém para amar. Amar o bafo, o peido, a dor na perna, o momento da diarreia, o chulé. Sabia que se amasse isso, de fato, o amor era verdadeiro, vindo das entranhas.

O gelo no rosto, a rua escura, o meio da noite, o choro que foi secando ao pensar nessas entranhas que as pessoas produzem. Seu semblante foi mudando, o choro secou, o frio a fez tremer, mas de dentro o calor que antes a amedrontava como se tudo fosse o FIM, a fez forte, a fez rir, fez cara de nojo pensando na diarreia do outro, no vomito no chão da última bebedeira. Não queria limpar nada daquilo, nem ontem e nem nunca. O medo virou nojo e o nojo a fez  ver que o real nem sempre cheira bem.

Paixão nenhuma resiste a um peido bem fedido, a um bafo sem cura. Ela respirou fundo, gargalhou e foi para casa dormir quentinha no seu edredom.

A paixão? Ficou para a próxima… ou melhor para o próximo.

Adriana Chebabi  – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde faz curadoria dos textos e também escreve. Publicitária. Curiosa por natureza.  Divide seu tempo entre as consultorias de comunicação e marketing e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. É do signo de Leão, ascendente em Virgem e no horóscopo chinês Macaco. Isso explica muita coisa . 
Foto: @gilguzzo @ofotografico