No trabalho as relações são as mais bem definidas. As funções, obrigações e interesses de cada um estão pré-estabelecidos e essa simbiose de interesses precisa ser saudável. Nem empregados nem empregadores estão prestando favores uns aos outros. É necessário que essa interdependência seja óbvia. Abusos e excessos de qualquer uma das partes prejudicam direta e instantaneamente a saúde da empresa. Empresa esta, que provê todos interesses de cada parte. Sejam eles financeiros, profissionais, ou qualquer tipo de crescimento esperado.

Na família o laço é eterno. Talvez seja o plano onde se cometam alguns abusos, por haver um vínculo compulsório e indestrutível. Às vezes não há simbiose, às vezes nem existem interesses em comum. De toda forma, acredito eu, que por algum motivo fomos inseridos em nossos contextos familiares. E na maior parte das vezes é na relação entre pais e filhos que a criança tem o primeiro contato com a construção de um relacionamento. Portanto as promessas feitas nunca deveriam ser descumpridas. Sejam elas de gratificações, sejam elas de punições. Pois é nessa fase da vida que se aprende o valor do respeito e da palavra.

A amizade é a mais singela de todas as relações, pois é onde não há uma simbiose. É onde não existem interesses. É onde se desenvolve a capacidade do bem querer por alguém que você não tem vínculos nem obrigações. São pessoas que se divertem juntas, compartilham bons momentos, trocam experiências e conhecimentos, dividem alegrias e tristezas. O sentimento genuíno da amizade é altruísta pois é absolutamente desinteressado. É, portanto, um vínculo extremamente raro.

O amor romântico? Sim ele existe. Existe entre pessoas que antes do “I love you”, são capazes de dizer “I see you”. O I love you é egoísta. Refere-se aos próprios sentimentos.  O I see you demonstra a capacidade de enxergar as necessidades do outro. Esse tipo de relacionamento não é desinteressado. As trocas são necessárias. A espiritualidade e os objetivos de vida precisam ser compatíveis. Deve haver sintonia na maneira de enxergar o mundo e os relacionamentos. E quais são os interesses? Ah… são os mais carnais e mundanos que existem. 

Mas seja qual for o tipo de relacionamento, eles são sagrados. E podem se quebrar.

Uma vez quebrados, partem-se em muitos pedaços que podem até ser colados, podem até voltar às suas formas. Mas as marcas serão eternas.  

Noemia Watanabe – Bela Urbana, mãe da Larissa e química por formação. Há tempos não trabalha mais com química e hoje começa aos poucos se encantar com a alquimia da culinária. Dedica-se às relações comerciais em meios empresariais, mas sonha um dia atuar diretamente com público. Não é escritora nem filósofa. Apenas gosta de contemplar os surpreendentes caminhos da vida.

Eu chego a pensar, às vezes, que a expectativa é algo ruim.

Se ela não é alcançada, ficamos frustrados.

Se é alcançada, ok… Ficou como esperávamos.

Ela precisa ser superada para termos a surpresa da conquista inesperada.

Mas isso é raro, porque incrivelmente temos uma imensa capacidade de criar enormes expectativas.

 

Assim, fazer o exercício de não criar expectativas traz um certo conforto.

Nunca nos frustramos.

Como se diz: “do jeito que vier, tá no lucro.”

Mas isso cria um distanciamento.

E no fim, o desinteresse.

 

E o que é que nos move a seguir tentando, lutando, batalhando e enfrentando?

A maldita expectativa.

Noemia Watanabe – Bela Urbana, mãe da Larissa e química por formação. Há tempos não trabalha mais com química e hoje começa aos poucos se encantar com a alquimia da culinária. Dedica-se às relações comerciais em meios empresariais, mas sonha um dia atuar diretamente com público. Não é escritora nem filósofa. Apenas gosta de contemplar os surpreendentes caminhos da vida.

 

Faça uma lista de prioridades (escreva!) e faça um análise do risco envolvido em cada item (escreva também). No final, faça uma avaliação se vale a pena ou não cada prioridade.

O importante é ser sincero na elaboração da lista. É sua, ninguém precisa ver.

Coloque itens agradáveis (Família, relacionamento, carreira, espiritualidade, idealismo, …) mas coloque coisas desconfortáveis também, (poder/status, conforto financeiro, opinião alheira, vaidades, …).

Não importa quais são as prioridades de cada um.

O importante é saber quais são elas (e ninguém tem nada a ver com isso).

Aí você consegue dar sentido a tudo o que faz.

Talvez isso não mude a sua vida, mas faça entender o porquê de uma escolha ser a melhor para esse momento, mesmo que esta não pareça ser a mais atraente.

Todas as escolhas têm consequências, mas quando o risco é calculado, a conseqüência é esperada!

Noemia Watanabe – Bela Urbana, mãe da Larissa e química por formação. Há tempos não trabalha mais com química e hoje começa aos poucos se encantar com a alquimia da culinária. Dedica-se às relações comerciais em meios empresariais, mas sonha um dia atuar diretamente com público. Não é escritora nem filósofa. Apenas gosta de contemplar os surpreendentes caminhos da vida.

Tenho 43 anos e descobri isso há muito pouco tempo.

Eu vivia em sessões de quiropraxia e pilates – que me ajudavam demais! – pois eu vivia com as costas travadas. Ano passado comecei a ter intolerância a muitos alimentos, principalmente àqueles que eu mais adorava. Café, chocolate, doces em geral e o GLÚTEN. O famoso glúten, o coitado que virou o grande vilão do século. Fiz uma dieta extremamente restritiva que melhorou muito meu mal-estar, inchaço e enxaquecas. Acabei perdendo alguns quilinhos e fiz uma reeducação alimentar bem bacana.

Eu estava fazendo tudo o que me foi recomendado, mas eu continuava sentindo muito cansaço e desânimo. Me irritava com extrema facilidade e frequência.

No início desse ano meu casamento acabou. Foi um choque.

Então eu resolvi que essa decisão, que foi tão dura para ambos, só faria sentido se fosse para o bem de todos. Hoje eu acredito que todas as adversidades que enfrentamos, são oportunidades de crescer e amadurecer que a vida nos oferece. E eu até acho que nem temos o direito de fingir que essas oportunidades e avisos não estão batendo à nossa porta, só para podermos continuar reclamando e sentindo pena de nós mesmos.

Eu escolhi ser forever Young. Porque as dificuldades reais da vida já são suficientes. Não precisamos complicar mais.

E assim já me permiti realizar alguns sonhos antigos. Por mais bobos que eles pareçam ser, é tão gostoso realizá-los! Eu pulei de paraquedas, eu fiz uma tatuagem.

Pular de paraquedas é a maior sensação de liberdade que podemos ter. A queda livre é um momento de muita paz, de desprendimento e liberdade. É indescritível.

Minha tatoo é uma linda lótus. Levou 5 meses para ficar pronta, doeu muito, mas eu amei!

Hoje faço treinos físicos regulamente. 2x por semana com personal e voltei a correr. A preparação física me permitiu voltar a correr, o que eu não fazia desde o tempo da graduação. Hoje corro 3 x por semana e me sinto tão bem, como há muitos e muitos anos não me sentia.

Não sei quais são os desafios que a vida ainda me reserva, mas espero poder compreendê-los com humildade e sabedoria. Forever Young.

noemia

Noêmia Watanabe – é Graduação em Química (Unicamp) 90-94, Mestrado em Engenharia de Mecânica (Unicamp) 95 – 96, Doutorado em Química (Síncrotron/Unicamp) 97-2000, trabalhou como Química no Sincrotron de 2001 a 2004 é sócia fundadora desde 2006 da Condutiva Tecnologia e exerce a função de Diretora de Novos Negócios