Uma das perguntas que mais ouço ao longo da minha vida é: Tiago com h ou sem?

Várias vezes eu disse que meu nome não tem h pois sou Homem com H maiúsculo, portanto não preciso desta letra extra; demonstrando orgulho (no mau sentido). Por quê me orgulhar de algo que não foi obtido por escolha ou esforço?

Desde tenra idade percebi que minha vida seria moldada por ter encarnado em um corpo masculino desta vez, afinal o preconceito faz parte de toda sociedade. Durante décadas vi os preconceitos, não apenas os de gênero, diminuírem muito. As mulheres passaram a ocupar funções antes exclusivas dos homens, beneficiando não apenas elas, mas toda a sociedade.

Criado em uma família de cinco filhos, tivemos tratamentos diferentes, minhas duas irmãs, na adolescência, não podiam frequentar qualquer ambiente sozinhas; a preocupação, neste caso, era apenas a segurança.
Machistas ou não, pais de filhas adolescentes têm a obrigação de zelar por elas.

Acabei de escrever uma frase machista, pois poderia ter escrito filhos. Foi por uma questão gramatical, o português é um idioma com gênero, o que não ocorre no inglês, por exemplo. Os plurais devem ser no masculino, não importa a proporção. Idioma machista, não acham?

É evidente que o zelo deve se estender aos meninos, mas a natureza nos fez diferentes. A sociedade, apesar dos avanços, nos trata com diferença. Jamais vou passar pelo sofrimento que minhas semelhantes estão sujeitas e por mais que me esforce, minha empatia será sempre limitada.

Lendo as notícias, escandalizo-me, protesto nas redes sociais do meu jeito tosco e muitas vezes insensível e colérico. São todas minhas irmãs, como ficar insensível diante de tanta brutalidade?!

Não posso me comportar como um homem com h minúsculo. Tenho que ouví-las para crescer. Somente elas vão me ensinar a tornar nossos relacionamentos mais harmoniosos. Oro diariamente à Mãe Divina por todos nós, pois só a sintonia com o aspecto feminino de Deus vai completar meu entendimento nesta luta.

Ao amadurecer este entendimento, graças à ajuda feminina, principalmente das minhas Mães, a divina e a terrena, que até hoje me ensinam, vou procurar fortalecer as principais armas para lutar por elas: solidariedade, compaixão e amor.

Tiago Nogueira – Belo Urbano. Formado em publicidade pela PUC Campinas e jornalismo pela FACHA-RJ, atuou profissionalmente em audiovisual desde 1986, jamais escrevendo, é melhor com as imagens. Em raros momentos de inspiração e dedicação tenta produzir textos para contribuir para a sociedade, através deste fascinante e multifacetado mundo digital. Sem filhos, mas apaixonado por crianças e mágicas, descobriu no trabalho voluntário em pediatrias de hospitais públicos, como levar alegria a elas através da risoterapia através da Fundação Griots http://www.griots.org.br/2019/

Custo a acreditar que um ano se passou, ainda tenho uma sensação de irrealidade apesar de ter me acostumado às máscaras, aos protocolos e ao distanciamento social, não farei desse texto um julgamento, ou reclamarei da atitude das pessoas, não quero e nem me colocarei na posição de juíza, me recuso, já não tenho tempo a perder.

Foi um ano lindo: tive a oportunidade de conviver muito estreitamente com minhas filhas e meu marido, a logística do dia a dia simplificou, cada beijo e abraço foram mais especiais, estar em praças e parques me fez sentir em uma viagem, um privilégio, não me faltou alimento e eu não tive que vender meu botijão de gás para comprar comida e cozinhar com querosene no fogareiro (muitos tiveram), não me faltou um abraço apertado e um carinho em momentos difíceis, meu pai foi vacinado, ele pegou Covid em dezembro, não precisou de internação, sobreviveu, continuou a trabalhar, aparentemente não teve sequelas, a gratidão inundou meu coração, a cada dia ao abrir os olhos senti alegria por estar viva, por ter minhas pessoas favoritas com saúde e ao meu lado e mais um dia para estar nesse mundo, finalmente consegui ler o livro do Roberto Bolaño, uma conquista pessoal incrível, já tinha tentado um milhão de vezes antes e não, não era o momento, encontrei mais conforto e alegria nos livros, não desisti das caminhadas, elas mantiveram minha sanidade, virei fã dos óleos essenciais, especialmente o de lavanda, para acalmar, cada longa conversa com amigos foram celebradas como uma festa, cozinhei bastante e sempre com música para animar o dia.

Foi um ano horrível: Em alguns momentos senti que não conseguiria levantar da cama e enfrentar a mesmice, chorei bastante, me senti no limite do estresse, pensei em procurar um psiquiatra, achei que iria perder o controle, quando meu pai perdeu o paladar e olfato e sabia que teria que levá-lo ao hospital, eu não queria, perdi o ar, pensei nas minhas filhas, achei que teria crise de pânico, pus a máscara ( a do autocontrole também) e fui, ele ficou bem, na nossa família ninguém se contagiou ou se sim, fomos assintomáticos, nos encontramos no Natal e no dia 31/12 estava no hospital com ele, passamos dias tensos, tudo passou. As crianças voltaram para a escola de maneira presencial, não durou muito, me acostumei a comprar por internet, antes comprava apenas alguns itens, mudei. Tive que enfrentar climatério e lidar com a adolescência das minhas filhas, mistura explosiva, senti uma sensibilidade inédita, tudo mudou de proporção, chorei demais, como dizer que tudo está bem se ao redor tantas pessoas estão morrendo ou passando fome, como não se sentir tocado com o sofrimento alheio,  sobre a administração da pandemia pelo presidente e ministros, vou me abster, parei de ver e ouvir notícias com constância, não tenho estômago, tive que escolher entre manter o equilíbrio ou ficar informada, hoje escolho as notícias que leio.

Entre o lindo e o horrível da vida com pandemia, tento focar no fato de que a vacina chegou,  minha família e amigos estão bem dentro do possível dessa situação, vivo um dia de cada vez e procuro ter consciência de cada minuto dele, saboreando como uma manga madura, penso várias vezes antes de ser dura com alguém, relevo, faço o que posso para ajudar dentro do meu possível, ao mesmo tempo outro dia me vi jogando uma assadeira no chão com violência, enlouqueci,  gritei com minha filha, depois chorei, me arrependi e abracei, nunca fui uma pessoa de ceder a esses impulsos violentos, minha filha disse que surtei, falei que estava só sendo humana, me perdoei, me permiti ser imperfeita e me aceitei com virtudes e falhas, tudo faz parte do viver, apesar das agruras, das saudades, das batalhas diárias a alegria vibra aqui dentro, quero seguir assim com ou sem pandemia, nunca houve garantias mas a iminência da morte nos ensina a escolher melhor, a perdoar rápido e a aproveitar qualquer brechinha para escolher e usufruir as pequenas alegrias do dia a dia para conseguir fôlego para lidar com os desafios.

Eliane Ibrahim – Bela Urbana, administradora, professora de Inglês, mãe de duas, esposa, feminista, ama cozinhar, ler, viajar e conversar longamente e profundamente sobre a vida com os amigos do peito, apaixonada pela “Disciplina Positiva” na educação das crianças, praticante e entusiasta da Comunicação não-violenta (CNV) e do perdão.