No trabalho as relações são as mais bem definidas. As funções, obrigações e interesses de cada um estão pré-estabelecidos e essa simbiose de interesses precisa ser saudável. Nem empregados nem empregadores estão prestando favores uns aos outros. É necessário que essa interdependência seja óbvia. Abusos e excessos de qualquer uma das partes prejudicam direta e instantaneamente a saúde da empresa. Empresa esta, que provê todos interesses de cada parte. Sejam eles financeiros, profissionais, ou qualquer tipo de crescimento esperado.

Na família o laço é eterno. Talvez seja o plano onde se cometam alguns abusos, por haver um vínculo compulsório e indestrutível. Às vezes não há simbiose, às vezes nem existem interesses em comum. De toda forma, acredito eu, que por algum motivo fomos inseridos em nossos contextos familiares. E na maior parte das vezes é na relação entre pais e filhos que a criança tem o primeiro contato com a construção de um relacionamento. Portanto as promessas feitas nunca deveriam ser descumpridas. Sejam elas de gratificações, sejam elas de punições. Pois é nessa fase da vida que se aprende o valor do respeito e da palavra.

A amizade é a mais singela de todas as relações, pois é onde não há uma simbiose. É onde não existem interesses. É onde se desenvolve a capacidade do bem querer por alguém que você não tem vínculos nem obrigações. São pessoas que se divertem juntas, compartilham bons momentos, trocam experiências e conhecimentos, dividem alegrias e tristezas. O sentimento genuíno da amizade é altruísta pois é absolutamente desinteressado. É, portanto, um vínculo extremamente raro.

O amor romântico? Sim ele existe. Existe entre pessoas que antes do “I love you”, são capazes de dizer “I see you”. O I love you é egoísta. Refere-se aos próprios sentimentos.  O I see you demonstra a capacidade de enxergar as necessidades do outro. Esse tipo de relacionamento não é desinteressado. As trocas são necessárias. A espiritualidade e os objetivos de vida precisam ser compatíveis. Deve haver sintonia na maneira de enxergar o mundo e os relacionamentos. E quais são os interesses? Ah… são os mais carnais e mundanos que existem. 

Mas seja qual for o tipo de relacionamento, eles são sagrados. E podem se quebrar.

Uma vez quebrados, partem-se em muitos pedaços que podem até ser colados, podem até voltar às suas formas. Mas as marcas serão eternas.  

Noemia Watanabe – Bela Urbana, mãe da Larissa e química por formação. Há tempos não trabalha mais com química e hoje começa aos poucos se encantar com a alquimia da culinária. Dedica-se às relações comerciais em meios empresariais, mas sonha um dia atuar diretamente com público. Não é escritora nem filósofa. Apenas gosta de contemplar os surpreendentes caminhos da vida.

Nossa! Como passou rápido!

A cada ano, com tantas atribuições e correrias, parece que essa data chega mais e mais rápido e nem nos damos conta do tempo, das relações, das ausências… a saudade de ontem, vira uma doce lembrança hoje, nossas crenças se tornam cada vez mais cristalizadas e nos voltamos tanto para nossas próprias questões, que acabamos nos isolando daqueles que queremos bem. Sabe aqueles almoços de domingo na casa da vó? Os papos descontraídos com os amigos no boteco da esquina? As festinhas na escola onde cada um levava um prato? Tantas lembranças… mas há quanto tempo você deixou de ter tempo para esses pequenos prazeres compartilhados?

Mas voltemos ao assunto: O Natal está chegando, né gente? E ao invés de estarmos felizes, pensando que pelo menos nessa data poderemos desfrutar do amor compartilhado, das reuniões de família ou amigos, que podemos dividir nosso pão, confraternizar e resgatar as relações, o que surge são as picuinhas, hoje, sob a forma de memes na internet. Uns reclamam por que nessa época se coloca passas em tudo, outros, por que sua filosofia de vida não se encaixa com a da família; tem também os que nunca estão satisfeitos com o que ganham e já começam a sofrer por antecipação com o momento da troca e os que indignados bradam à mesa que é um absurdo comer cadáveres e por aí vai… o Natal virou uma zona de guerra e esquecemos o seu verdadeiro significado: o amor, o renascimento da esperança, o resgate das relações… essa época é única por que conseguimos juntar numa mesma casa, numa mesma mesa, num mesmo momento pais, filhos, avós, amigos, chefes, colegas.

Que tal aproveitar esse momento único e deixar as diferenças de lado sendo um protagonista de relações saudáveis e amorosas? Sentemo-nos todos à mesma mesa e… sabe àquela passa que você odeia? É só colocar de lado. E os animais que você não come? Apresente uma nova opção aos seus e mostre que é possível festejar de outra forma (mas sem imposição, sem nariz torcido e sem desrespeito). Pense que levou um ano inteiro, as vezes mais, para se chegar a esse momento que é de aceitação, amor e confraternização e desfrute de cada segundo que puder com carinho.

Deixemos as diferenças para outro momento. Bom Natal à todos! Ho, ho, hooooo!

 

Adriana Rebouças – Bela Urbana, formada em Publicidade. Cursou gastronomia no IGA – São José dos Campos. Publicitária de formação e Chef por paixão. Sócia do restaurante EnRaizAr que fica dentro de um espaço de yoga e terapias que se chama Manipura em São José do Campos – SP.