Eu vou louvar a vida de meu pai
Numa canção assim, bonita
E tenho certeza que ela vai
Trazer ao mundo mais amor.

Quando teve terra, era roceiro.
Foi jardineiro, beato e pedreiro.
Foi gerente sábio, foi padeiro.
Balconista, caixa e caixeiro.

Já alugou casa e vendeu carro,
Trocando Dollar, virou investidor.
Patrão, mascate ou assalariado,
Sem passar fome, sempre ele lutou.

Foi Motorista, camelô, De faxineiro a doutor
E agora na proeza dos oitenta
Aposentado, por favor!  

Eu vou louvar a vida de meu pai
Numa canção assim, bonita
E tenho certeza que ela vai
Trazer ao mundo mais amor.  


Crido Santos – Belo urbano, designer e professor. Acredita que o saber e o sorriso são como um mel mágico que se multiplica ao se dividir, que adoça os sentidos e a vida. Adora a liberdade, a amizade, a gentileza, as viagens, os sabores, a música e o novo. Autor do blog Os Piores Poemas do Mundo e co-autor do livro O Corrosivo Coletivo.