Mar… Fim

Um mar (sem) fim

Marfim sem anatomia

Sem razão de estar assim

Um mar (sem) fim

Marfim em anestesia

Vanguarda de um artista

Em sintonia afim

Um mar (sem) fim

Desejoso de estar marfim

Um mar afim de buscar você

Em pele suada

Para mim

Joana D’arc de Paula – Bela Urbana, educadora infantil aposentada depois de 42 anos seguidos em uma mesma escola, não consegue aposenta-se da do calor e a da textura do observar a natureza arredor. Neste vai e vem de melodias entre pautas e simetrias, seu único interesse é tocar com seus toques grafitados pela emoção.

Finalmente me sinto inteiramente eu
Unhas vermelhas
Mostram minha força e determinação
Que eu sou mulher
Que eu não tenho medo
Cabelos roxos
Eu me destaco na multidão
Sim
Eu sou única e especial
Aquele anel
Mesmo sendo forte e independente
Eu sou capaz de dar e receber amor
Muito amor
De ser amada incondicionalmente
De não ter medo que todo mundo saiba
Eu sou uma menina apaixonada
Por aquele menino
Pelas pessoas
Pelo amor
Pela vida
E ainda o aparelho nos dentes
Apesar de tudo
Com minhas falhas e defeitos
Que me fazem ser eu.

Giulia Giacomello Pompilio – Bela Urbana, estudante de engenharia mecânica da UNICAMP, participa de grupos ativistas e feministas da faculdade, como o Engenheiras que Resistem. Fluente em 4 idiomas. Gosta de escrever poemas, contos e textos curtos, jogar tênis, aprender novos instrumentos e dançar sapateado. Foi premiada em olimpíadas e concursos nacionais e internacionais de matemática, programação, astronomia e física, além de ter um prêmio em uma simulação oficial da ONU.

No primeiro dia ele disse como eu era linda e ele me amava;

No segundo dia ele lavou toda a louça comigo, passou nossas roupas e cozinhou pra mim;

No terceiro dia ele elogiou minha roupa;

No quarto dia ele falou que adorava meus amigos;

No quinto dia ele me encorajou a arrumar emprego;

No sexto dia ele perguntou se não era melhor eu tirar o batom;

No sétimo dia ele falou que achava melhor eu não sair com meus amigos porque eu tinha que dar mais atenção pra ele;

No oitavo dia ele reclamou que eu trabalhava muito e disse que talvez fosse hora de parar;

No nono dia ele parou de lavar a roupa e me mandou fazer a janta;

No décimo dia eu já não tinha mais certeza

Se eu era eu

Ou era dele

Giulia Giacomello Pompilio – Bela Urbana, estudante de engenharia mecânica da UNICAMP, participa de grupos ativistas e feministas da faculdade, como o Engenheiras que Resistem. Fluente em 4 idiomas. Gosta de escrever poemas, contos e textos curtos, jogar tênis, aprender novos instrumentos e dançar sapateado. Foi premiada em olimpíadas e concursos nacionais e internacionais de matemática, programação, astronomia e física, além de ter um prêmio em uma simulação oficial da ONU.

Enquanto busca…

Há encontros.

Enquanto encontros…

Haverão enlaços.

Enquanto houver buscas…

Haverão traços.

Enquanto traços…

Haverão marcas.

Enquanto marcas…

Sentiremos a busca.

E enquanto busca saberemos que:

Encontros se fazem abraços.

É só sentir o laço… Sem nós…

Porém…

Não sabendo a busca dentro de nós…

Não haverão abraços entre os laços…

Cuidado com as suas buscas!

Joana D’arc de Paula – Bela Urbana, educadora infantil aposentada depois de 42 anos seguidos em uma mesma escola, não consegue aposenta-se da do calor e a da textura do observar a natureza arredor. Neste vai e vem de melodias entre pautas e simetrias, seu único interesse é tocar com seus toques grafitados pela emoção.

O verso livre me deixou ausente

De manifestos de pessoas

Estou sozinho e tão completamente

Que afundo a faca no meu peito

E numa rima decadente suspiro

Ensanguentado

O que escorre de mim não é sangue

É aguardente

O óbvio torna-se complexo

O que sinto não é amor

É ódio e sexo

O futuro me comete

Viajo mas não morro

Habito o outro lado da montanha

Pra subir nem Ícaro num cavalo alado

Pra descer tem que ser a pé e sozinho

Lá não existe bondinho

É a sombra do meu Cristo

Se é redentor não sei

Mas tem um Cristo no topo da montanha

Ao subir verá as luzes da cidade “anoitescente”

Gritará bem alto e estridente:

O verso livre me deixou ausente

Estou sozinho e tão completamente

Que numa rima decadente

Embriago de sangue e aguardente

Fernando Farah – Belo Urbano, graduado em Direito e Antropologia. Advogado apaixonado por todas as artes!

Aparências só enganam quem

não vê de perto.

Com filtros, tudo é lindo.

Pareciam felizes.

Sorrisos de porcelana.

É difícil perder o poder da beleza.

A outra sempre foi cisco de pessoa.

Preconceitos era o normal.

Vidas fingidas de felizes

na família tradicional brasileira.

Todos passaram, só sobraram elas.

Fla e Flu

na memória e nas histórias.

Os ausentes.

O velho tarado.

O velório estranho.

Aquele bando de mulheres na sala.

O cheiro do perfume fedido.

A criança.

A bruxa mesquinha.

As fofocas.

A solidão.

Flu foi tomada por tudo isso.

Fluzinha a raiva herdou.

Além da nostalgia,

do culto doentio pelos mortos,

das bulas de remédios,

dos copos de requeijão na coleção,

dos carrinhos afanados.

Fla tinha brilho,

mas tinha dor e amargor.

Uma ferida que não cicatrizava

e que machucava como trator

quem a incomodava.

Arrogância.

Mentiras.

Espelho distorcido.

Peitos construídos pelo cirurgião.

Tudo justificava no seu mundo

de aparências.

Os antigos se foram.

A criança permanece.

O ciclo se rompe.

Fla e Flu se fu.

Como diz Gil: “aquele abraço”.

Adriana Chebabi  – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde faz curadoria dos textos e também escreve. Publicitária. Curiosa por natureza.  Divide seu tempo entre seu trabalho de comunicação e mkt e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. É do signo de Leão, ascendente em Virgem e no horóscopo chinês Macaco. Isso explica muita coisa . 

Foto Adriana: @gilguzzo @ofotografico

Eu e ele

Eu sou lua e ele é terra

Eu gosto de sal e ele de açúcar

Eu sinto o frio e ele calor

Eu gosto de comer vegetais e ele de comer animais

Ele metódico, eu livre

Ele é touro e eu áries

Ele mais preocupado com finanças, eu menos….diria…bem menos

Eu emoção, ele razão

Eu riso solto e ele preso

Ele exatas e eu humanas

Eu verão, ele inverno

Eu praia e ele montanha

Eu bagunça e ele organização 

Desafiamos todas as probabilidade e expecativas, dos inimigos  claro,  de que não daria certo…

Aqui estamos! 41 anos juntos

Uma vida vivida em companhia do diferente

Desafio? 

Aceitação?

Tolerância? 

Não, amor. Pra mim, o verdadeiro. 

Prova de que Amar só se define com veracidade quando para isso temos que: somar, respeitar e aceitar. 

Sorte?

Vera Lígia Bellinazzi Peres – Bela Urbana, 54 anos, casada, mãe da Bruna e do Matheus e avó do Léo, pedagoga, professora aposentada pela Prefeitura Municipal de Campinas, atualmente diretora da creche:  Centro Educacional e de Assistência Social, ” Coração de Maria “


Não devo questionar?
Mas resposta é sempre a procura maior!
Certamente queremos encontrar o caminho,
essa trilha que nos encoraja,
que nos permite acreditar…
sem perguntas, sem dúvidas.
Somente a certeza da busca,
do brilho da estrela, do sol,
da esperança da vida.
Querer ser alguém…
Procurar o melhor.
Ter o necessário.
Ser o necessário…
Completo, pleno.
Momentos de felicidade,
intensos ou não.
Permitir-se…
Permitir o outro.
Ajudar, abrigar, acalentar a mão amiga,
o ombro que apoia,
as sábias palavras
em momentos difíceis… E também,
o oportuno silêncio que indica verdades.
Seguir por um caminho de luz…
E ser alguém de luz!

Simara Bussiol Manfrinatti Bittar – Bela Urbana, pedagoga, revisora, escritora e conselheira de direitos humanos. Ama o universo da leitura e escrita. Comida japonesa faz parte dos seus melhores momentos gastronômicos. Aventuras nas alturas são as suas preferidas, mas o melhor são as boas risadas com os filhos, família e amigos.

Já foi no quarto

que ela deixou as dores do parto.

Vem sempre escondida a dor

no desabrochar do seu sorriso em flor.

É no odor do agrume que ela cura o amertume.

A depressão é esquecida

na sua lágrima escondida.

No perfume da criança,

ela renova a esperança.

Na decoração,

ela disfarça a união.

Na comida, 

ela traz sempre a vida.

Mesmo cansada

ela produz com mãos de fada.

Na profissão,

vê sua oportunidade de expansão.

Entre inúmeros ir e vir,

ela nunca vai desistir.

Toda tragédia 

ela faz virar logo comédia.

Na oração,

ela cura seu angustiado coração.

Seu descanso

é só o preparo para um novo avanço.

Em cada amanhecer,

ela te ajuda a crescer.

E assim é o dia,

a jornada de cada Mãe Maria.

Viviane Hilkner – Bela Urbanapublicitária (PUCC) e Profissional de Marketing (INPG). Atuou na área, no Brasil, em agencias de publicidade e meios de comunicação, e, na Itália, em multinacionais no Trade Marketing e Brand Development & Licensing. Morando na Suiça, mudou seu estilo de vida e apaixonou-se pela prática de Hatha Yoga. Ansiando compartilhar esta prática e sabedoria milenares, forrnou-se professora.Atualmente, ensina no Centre Kaizen e no Club de Yoga da Associação de Esportes e Lazer da Nestlé.Organiza Workshops e Retiros de Yoga na Suíça e no exterior, principalmente, na Grécia.Sua profissão tornou-se hobby e seu hobby, sua profissão.