Uma vez joguei um dado
Esperando ver nele o resultado
Se um dia serei feliz
Se terei alguém ao meu lado
Se serei menos solitário
O valor tirado foi baixo
Então decidi mudar
Nesse dia eu me fiz jurar
Que um dia eu serei feliz
Que eu terei alguém ao meu lado
Que eu me tornaria menos solitário

Igor Mota – Belo Urbano, um garoto nascido em 1995, aluno de Filosofia na Puc Campinas do segundo ano. Jovem de corpo, mas velho na alma, gasta grande parte de seu tempo mais lendo do que qualquer outra coisa. Do signo de Gêmeos e ascendente em Aquário, uma péssima combinação (se é que isso importa).

C

Caos cansa

Crianças causam

Calamidade cansa

Críticas causam

Correria cansa

Comidas causam

Cretinos cansam

Cumplicidade, cultura, cooperação, calma, cobertor, cores, corais. Cadê?

Coração continua

Coração corrói

Coração coragem

Adriana Chebabi – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde faz curadoria dos textos e também escreve. Publicitária. Curiosa por natureza.  Divide seu tempo entre as consultorias de comunicação e marketing e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. É do signo de Leão, ascendente em Virgem e no horóscopo chinês Macaco. Isso explica muita coisa :)

Foto Adriana: Gilguzzo/Ofotografico.

 

 

 

 

 

O amor nem sempre é flor,
mas guarda consigo a primavera.
Quando o cotidiano traz o inverno, 
Quando os dias iguais esfriam o coração
Quando as manhãs não mais abraçam o sol
e os nossos jardins internos carecem de borboletas
É hora de fazer o amor florir de novo
E recolorir tudo à volta.
O Amar é tão importante quanto o Amor em si
É esse querer, é esse cuidado
Que semeia os recomeços
E faz renascer a florada
Num processo contínuo, dedicado
Que se debruça sobre o tempo,
Em delicado movimento,
Paciente, consciente e incansável.
Corações sábios pulsam contínuas primaveras.
É que os amores de muitas floradas sabem
o valor de cada pétala,
de cada florzinha, de cada detalhe de cor.
E assim, de florada em florada,
se eterniza o amor.

Alda Nilma de Miranda – Bela Urbana, publicitária, autora da coleção infantil “Tem planta que virou bicho!” e mais 03 livros saindo do forno. Gosta de tudo que envolve tinta e papel: ler, desenhar e escrever, mas o que gosta mesmo é de inventar motivos para reunir gente querida. Afinal, tem coisa melhor que usar o tempo para estar com os amigos?

Observo a real poética das coisas
e faço minha toda palavra útil.

Todo o ensinamento.

O mecanismo da vida parece ser simples,
porém com detalhes belos e sagazes.

Parece único, funcional para tudo,
peculiar em certos pontos.

Conhecê-los é arte

Arte da cor e do som
Da voz e da visão, voz e violão

Mudando uma nação, uma canção
Alterar a constelação 

com mão do seu irmão.

Criação de Deus, humana criação

Tudo é belo, pelo ângulo certo observado.

Pela real poética das coisas.

Crido Santos – Belo urbano, designer e professor. Acredita que o saber e o sorriso são como um mel mágico que se multiplica ao se dividir, que adoça os sentidos e a vida. Adora a liberdade, a amizade, a gentileza, as viagens, os sabores, a música e o novo. Autor do blog Os Piores Poemas do Mundo e co-autor do livro O Corrosivo Coletivo.

Foto Crido: Gilguzzo/Ofotografico.

Se bebo

É porque não quero ver 6, mas 12

Onde 6 são bons e 6 são maus

São 12 no total

São 24 no total

Preciso multiplicar os bons e bebo mais,

Pra cada vez aparecerem mais

E eu acreditar que um dia vençam os maus e venham me salvar

 

Bebo porque preciso beber

E ninguém pode entender

Bebo porque me sinto forte

Porque fico bravo

E só assim consigo ser bravo

 

Não quero que me desculpem por nada

Não entendo onde pode estar errado

Não entendo poque querem que me sinta culpado

Não sou culpado de nada

Sempre fui a solução de vários problemas

Mas quando eu canso dos problemas

Eu bebo porque preciso beber

Preciso me sentir forte

Não que eu não seja

Mas me entenda

Eu preciso

 

Preciso sentir quando passo pelo corredor

Que meus pés pisam em nuvens

Preciso sentir que empurro as paredes com meu corpo

Eles pensam que cambaleio por falta de direção

Não cambaleio, encontro as paredes de propósito

Pra jogá-las longe de mim

Preciso delas longe de mim

Pra sentir meu caminho mais largo, meu horizonte mais livre

 

Preciso beber para embaçar a vista

Berrar, mesmo que seja com a pessoa errada

Preciso beber para minhas mãos pararem de tremer

Meus olhos enxergarem o que só eu quero ver

 

Preciso beber cada vez mais

Pra tirar o chumbo dos meus pés

E as algemas de minhas mãos

Preciso beber

Pra voar.

Adriana Chebabi – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde faz curadoria dos textos e também escreve. Publicitária. Curiosa por natureza.  Divide seu tempo entre as consultorias de comunicação e marketing e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. É do signo de Leão, ascendente em Virgem e no horóscopo chinês Macaco. Isso explica muita coisa :)

Foto Adriana: Gilguzzo/Ofotografico.

s

O próximo beijo

que eu vou dar

para quem será?

Em quem quero dar?

Será um beijo na boca?

No rosto?

Na testa?

Quem será que vai ganhar?

Ou será que eu que ganharei?

de onde menos espero…

de alguém que se atreva

a me dar um beijo de cinema

ou não, talvez seja, um beijo na mão

Beijo na mão, não rola não

Mas que beijo é esse que está por vir?

Darei?

Sim, darei um próximo beijo e outros

Agora eu vou

E o beijo é virtual, escrito

Beijo que fica no imaginário

Mas beijo é sempre beijo

então, beijo

Adriana Chebabi – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde faz curadoria dos textos e também escreve. Publicitária. Curiosa por natureza.  Divide seu tempo entre as consultorias de comunicação e marketing e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. É do signo de Leão, ascendente em Virgem e no horóscopo chinês Macaco. Isso explica muita coisa :)

Foto Adriana: Gilguzzo/Ofotografico.

 

Bomba

Que bomba?

Pomba?

Não, bomba

Pombas, bomba?

Bomba não

Pomba sim

Adriana Chebabi – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde faz curadoria dos textos e também escreve. Publicitária. Curiosa por natureza.  Divide seu tempo entre as consultorias de comunicação e marketing e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. É do signo de Leão, ascendente em Virgem e no horóscopo chinês Macaco. Isso explica muita coisa :)

 

Uma rua comprida

de terra batida

O oceano no fundo

O sol indo embora

Suas pegadas no chão

mas chega o vento e

faz mudar esse desenho

Eu vejo tudo sentada

da minha varanda

e fico só esperando

você passar e deixar

de novo

Suas pegadas no chão de

terra batida

Adriana Chebabi – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde faz curadoria dos textos e também escreve. Publicitária. Curiosa por natureza.  Divide seu tempo entre as consultorias de comunicação e marketing e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. É do signo de Leão, ascendente em Virgem e no horóscopo chinês Macaco. Isso explica muita coisa :)

 

 

Bolei esta alegre sina,

que nos infla e desatina,

a dor que não arde de Camões,

dor de cócegas, risos e paz

que se faz em nossos corações.

Crido Santos – Belo urbano, designer e professor. Acredita que o saber e o sorriso são como um mel mágico que se multiplica ao se dividir, que adoça os sentidos e a vida. Adora a liberdade, a amizade, a gentileza, as viagens, os sabores, a música e o novo. Autor do blog Os Piores Poemas do Mundo e co-autor do livro O Corrosivo Coletivo.

Foto Crido: Gilguzzo/Ofotografico.

Meu inverno é a sua ausência.

Careço do seu sol.

Nossos beijos fluem que nem rio onde as águas se misturam.

Meu abraço de ventania se funde com os seus ares.

Nossos sonhos seguem aos pares.

O todo é feito de partes.

Meus desenhos são seus traços.

Minha cama, seus braços.

Repouso em você meu cansaço

E meu amor se reparte

Em pedaços de mim, em pedaços seus

Até que se despedace o amor

Em fragmentos de adeus…

Alda Nilma de Miranda – Bela Urbana, publicitária, autora da coleção infantil “Tem planta que virou bicho!” e mais 03 livros saindo do forno. Gosta de tudo que envolve tinta e papel: ler, desenhar e escrever, mas o que gosta mesmo é de inventar motivos para reunir gente querida. Afinal, tem coisa melhor que usar o tempo para estar com os amigos?

foto: Adriana Chebabi