Um poema de amor

É algo pelo qual não se da mais valor

Pois nele não há mais a emoção e a surpresa

Há apenas um amor sem calor

Os poemas não tem mais esse ardor

Não existe alegria ou emoção

Sumiu a felicidade e da vida o tesão

Coisas ditas são esquecidas em um instante

Coisas paradas e vazias

Que se esquecem

 

Essa é a morte da poesia…

 

A morte da vida e de sua alegria

Instantes que se passam e se esquecem

Pois ninguém mais deles quer lembrar

Emoções e decepções não são mais vividas

Onde esta a alegria e o amor?

Onde foi parar?

Em meio a essa escuridão e terror?

Não se pode mais acreditar em nada que se lê

Pois não existe força ou poder pelo qual se escrever

Nada mais durou

Nada mais o é

I

Igor Mota – Belo Urbano, um garoto nascido em 1995, aluno de Filosofia na Puc Campinas do segundo ano. Jovem de corpo, mas velho na alma, gasta grande parte de seu tempo mais lendo do que qualquer outra coisa. Do signo de Gêmeos e ascendente em Aquário, uma péssima combinação (se é que isso importa).

O amor não morreu

Só não se aguenta mais em pé

Ouvi o celular

o som era do meu

só ouvi

nitidamente ouvi

agora parou

ouvi docemente por alguns segundos

musicalmente se encaixa melhor

toca, não toca

é só imaginação

o som dos carros ao fundo

o resto é quase silêncio

mas minha imaginação

teima em trabalhar

Adriana Chebabi – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde escreve contos, poesias e crônicas nesse blog. Publicitária e empresária. Divide seu tempo entre suas agências Modo Comunicação e Marketing  www.modo.com.br, 3bis Promoções e Eventos e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. É do signo de Leão, ascendente em Virgem e no horóscopo chinês Macaco. Isso explica muita coisa :)

Talvez seja Deus

Talvez seja eu

Talvez seja o que eu veja

Talvez eu não sei
Ou talvez sei

Talvez eu passe por aí
Talvez você passe por aqui

O talvez é tão certo quando é incerto

Que aqui ninguém entenda
Nem veja
Nem saiba
Nem eu
Nem Deus
Talvez… 

Que tal dessa vez?

Adriana Chebabi – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde escreve contos, poesias e crônicas nesse blog. Publicitária e empresária. Divide seu tempo entre suas agências Modo Comunicação e Marketing  www.modo.com.br, 3bis Promoções e Eventos e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. É do signo de Leão, ascendente em Virgem e no horóscopo chinês Macaco. Isso explica muita coisa :)

Quão poderoso é o amor… que transborda o ser.

Permite o inexplicável, aprova sem preconceito.

Como é bom viver o amor… em seu completo tesouro, guardado a sete chaves, dentro do oceano das ilusões.

Amor sem juízo, sem gênero ou cor.

Amor que rouba sentido, tira o fôlego, faz com que sejamos imaturos, ou sensatos ao extremo.

Momentos completos, outros nem tanto.

Viramos poetas, atores representando nossos melhores papéis, sem vergonha ou culpa.

Às vezes judia, mas também acalma e faz a vida fluir…

Quão intenso é o amor, que, provocando sensações, não desiste, luta, guerreia, aposta sempre na vitória.

E é nesse jogo inconstante, no vai e vem de emoções, que vale a pena seguir, e saber…

Quão vida é o amor!

Simara Bussiol Manfrinatti Bittar – Bela Urbana, pedagoga, revisora, escritora e conselheira de direitos humanos. Ama o universo da leitura e escrita. Comida japonesa faz parte dos seus melhores momentos gastronômicos. Aventuras nas alturas são as suas preferidas, mas o melhor são as boas risadas com os filhos, família e amigos.

Os peidos pedem perdão

Os peitos pedem apertão

Os pelos saem por obrigação

Todos dizem não

Todos levam safanão.

Adriana Chebabi – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde escreve contos, poesias e crônicas nesse blog. Publicitária e empresária. Divide seu tempo entre suas agências Modo Comunicação e Marketing  www.modo.com.br, 3bis Promoções e Eventos e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. É do signo de Leão, ascendente em Virgem e no horóscopo chinês Macaco. Isso explica muita coisa :)

 

Essa bagunça me consome

Ver os sapatos espalhados

Os papeis acumulando no meio da agenda

As contas que chegam e ficam jogadas

As coisas velhas que ficam entulhando o caminho

Precisam ser dadas, doadas

Mas como isso é demorado…

Essa bagunça das fotos

Essas milhares de fotos digitais

Esses milhares de selfies

Onde guardar tudo isso?

Sem ordem

É tudo uma bagunça

E as fotos antigas então

Algumas em papeis,

Algumas nos álbuns

Algumas soltas e já digitalizadas

E depois onde guardar tudo isso no mundo digital?

Organizar, datar, guardar, compartilhar

E os e-mails?

Disseram que iriam acabar,

mas não paro de recebê-los

As cartas físicas, sim, essas eu parei de receber

No físico só recebo as contas para pagar

No digital o que  mais recebo são os spans

De golpes que querem ser dados

De golpes em formas de prêmios

De golpes em forma de curiosidade

De golpes em forma de amor.

O que mais recebo são esses spans

Que me fazem perder minutos, vários deles

durante todo meu dia

E muitas cópias de e-mails que fico sendo copiada

Sei lá pra que

E os antigos que ficam arquivados

E os antigos de outros que também tenho que guardar

Me consome, esse tanto de inutilidades

Esse peso dessas coisas

Que eu não sei o que fazer.

Sei que de verdade, os sapatos, no meio da sala

São os mais simples de resolver.

Adriana Chebabi – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde escreve contos, poesias e crônicas nesse blog. Publicitária e empresária. Divide seu tempo entre suas agências Modo Comunicação e Marketing  www.modo.com.br, 3bis Promoções e Eventos e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. É do signo de Leão, ascendente em Virgem e no horóscopo chinês Macaco. Isso explica muita coisa :)

 

 

 

Eu queria te agradecer a tudo o que Deus me deu

Eu queria implorar a você carinho que sempre foi meu

Pois na verdade eu adoro a minha vida

E na verdade eu tenho uma tristeza já desaparecida

 

Sinto toda uma mistura de êxtase com alegria
Sinto que minha vida é uma verdadeira fantasia

Por isso te peço não se emocione
Apenas venha e nunca me abandone

Sugiro a você que sempre se lembre
Do Agora, do Final e do Para Sempre

Então venha logo e junte-se a mim
Não seja idiota ou não terá um belo fim

A vida agora é bela como deveria sempre ser
Então arrume-se e venha logo me ver

Me abrace, me beije e diga que me adora
Seja você amiga ou inimiga não quero que vá embora

Pois houve um momento mesmo que seja muito distante
Em que eu e você já fomos dois belos amantes

Agradeço é claro por toda a sua ternura
Mas volte agora antes que eu volte pra Amargura

 

 

 

 

Igor Mota – Belo Urbano, um garoto nascido em 1995, aluno de Filosofia na Puc Campinas do segundo ano. Jovem de corpo, mas velho na alma, gasta grande parte de seu tempo mais lendo do que qualquer outra coisa. Do signo de Gêmeos e ascendente em Aquário, uma péssima combinação (se é que isso importa).

As vezes é melhor calar. Calar quando se quer gritar. Gritar só pra fazer barulho. Barulho que não sai da cabeça. Cabeça cheia de pensamentos. Pensamentos sobre tudo. Tudo que existe. Existe hoje no mundo real e no imaginário. Imaginário que cutuca e você não sabe se tem sentido ou não. Não, por favor, não. Não, isso enlouquece. Calar, gritar, barulho, cabeça, pensamentos, tudo, existe, imaginário, não. NÃO.

Adriana Chebabi – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde escreve contos, poesias e crônicas nesse blog. Publicitária e empresária. Divide seu tempo entre suas agências Modo Comunicação e Marketing  www.modo.com.br, 3bis Promoções e Eventos e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. É do signo de Leão, ascendente em Virgem e no horóscopo chinês Macaco. Isso explica muita coisa :)

FOTO – @gilguzzo

 

Porque busco a Ti?

Porque minha cor vem de Ti?

Porque germinei graças a Ti?

Porque o mundo todo orbita a Ti?

Acaso tem algo que não veio de Ti?

Poeira estelar que somos, átomos desgarrados de Ti

Sempre ei de te buscar, mesmo sem saber quem realmente Tu és

Williams Delabona – Belo urbano, artista plástico, empresário, se divide em suas múltiplas atividades, administrar a escola Criativa www.escolacriativa.com e seu trabalho como artista plástico www.williamsdelabona.com . Gosta de animais, vive perto da natureza e acredita que tudo está interligado, o micro e o macro universo. Sua paixão? Tem várias, mas viajar está entre as primeiras.

Quadro – @williamsdelabonart

Choveu um rio neste dia de janeiro
Quando acontece dois mil e dezessete
novo ano se inaugura em páginas incompreensíveis
onde nada se explica nada é suficientemente
convincente

Só a certeza de que este país me assombra
Com suas pessoas assustadoras
Que mentem e mentem sinceramente

Eu prometi amar quem me ama
Viver o que a vida me traz de bom
Se mereci o privilégio de estar aqui
Sabendo o que me agrada e
O que me ilude
Se mereço o privilégio de estar ao lado
De um amigo da juventude

A certeza de que este país me assombra
Com suas pessoas assustadoras
Não me tornará doente

A camisa azul deste dia agora sem chuva
Veste minha alma com uma nuvem veloz
e me faz feliz

Eduardo Lapinha – Belo Urbano, poeta, letrista, Agente Fiscal de Rendas e ex-geologo é um aquariano com ascendente em Peixes que já sonhou muito. Hoje, fala menos, ouve mais e tem na literatura seu paraíso artificial.