Vamos ser realistas: Fazer com que a corrupção desapareça do Brasil (e da Terra) em uma única eleição é uma ilusão. Quem pensa assim talvez seja infantil demais para entender a complexidade do problema, e saber que há um trabalho intenso de expurgo, eleição a eleição dos velhos caciques e seus herdeiros, que, parceiros de uma mídia conivente, perpetuam as barbáries morais que vivemos.

Vamos ser realistas: Boa parte dos candidatos (principalmente no legislativo) é oportunista. Boa parte mas não todos, por isso há uma solução. Perceba: daqueles ditos “representantes dos revoltados da sociedade apartidária”, maioria saiu candidato em partidos corruptos, como se fosse um teatro armado. Porém, há caminhos de se livrar dessa corja de sacanas: pesquisar, ler, buscar informações verdadeiras para seu voto. Depois da eleição, cobrar e ficar em cima. Sempre foi esse caminho, mas buscamos atalho porque? Pura preguiça e certa visão mágica de que não somos capazes de dominar o processo e mudança. Discurso não faz governo. Discurso fácil menos ainda. É preciso que tomemos atitudes constantes de vigilância.

Vamos ser realistas: Violência não é, senão, falta de investimento em escola e oportunidades econômicas para o povo. Esse papo de que “armar população resolve” é coisa de quem apoia uma indústria bélica americana, que vê riscos de o congresso de lá limitar o acesso da população as armas frente a casos bizarros de “gente de bem” desequilibrada causar mortes gratuitas. Essa industria bélica pode perder mercado interno a uma canetada. Aconteceu o mesmo com a Monsanto, quando a Europa proibiu substâncias tóxicas de seus produtos. Eles vieram a nós e convenceram a bancada ruralista a liberar os mesmos produtos por aqui. Um povo despreparado armado só vai fazer com que bandidos, que detém a vantagem do efeito surpresa, atirar primeiro e roubar depois. Além de fornecer armas mais que de graça a bandidagem, que entrará nas casas dos cidadãos para roubá-las, ao invés de pagar propina a uma cadeia de policiais corruptos nas fronteiras. Sem contar os valentões de plantão…

Vamos ser realistas: A economia não está tão ruim assim e a solução grita aos olhos. Todos nós temos o que resolver se tivéssemos mais dinheiro em mãos. Seja a compra ou a reforma da casa, concerto de algum bem, aquisições de bens e serviços que são postergados, cuidados pessoais e com a saúde etc. Todo mundo tem uma pendência que depende de grana. E isso é um enorme mercado contido, aguardando por uma economia revisada, que faça o dinheiro circular para a mão de quem deveria: o povo.

Época de crise é assim, os donos da grana realizam lucros de seus investimentos e concentram a renda, fornecendo o discurso do medo para cooptar o povo. Mas isso também é, de certa forma burro. Uma economia ativa geraria lucratividade constante e sustentável a qualquer companhia. Lucro gera arrecadação, arrecadação gera mais investimentos e assim por diante, o ciclo torna-se virtuoso. O nome disso é desenvolvimentismo e consiste em uma política econômica que foque não na proteção dos investimentos especulativos (o tal do mercado), mas na produção e circulação dos bens que faltam para atender nossa demanda contida. Fabrica-se, vende-se, gera-se empregos e arrecadação, ponto. Todos sabem disso no fundo. Temos um medo falso que nos faz acreditar em contos de fadas dos megainvestidores, que são minoria.

O tal “mercado” não vota senão por proteger seus lucros. Veja, mercados de armas, de seguros, de escolas, de planos de saúde, tudo o que o estado deveria fornecer por direito constitucional é cooptado por velhos coronéis que associam-se a políticos, a fim de sucatear tais serviços públicos, gerando mais mercado aos coronéis. Esse mecanismo exclui os mais necessitados de uma vida melhor, mais produtiva e mais digna, gerando o caos social que vivemos. Por isso o “mercado’ tem seus candidatos, que fingem ser do povo. Esses barões, quando a “água bater na bunda”, pegarão seus jatinhos rumo ao exterior, olhando a desgraça pela janela. Não são compatriotas, entende?

O povo é quem deveria vota por si. Mas acaba votando por medo em candidatos que não representam a si, acreditando que um mercado em crise, o prejudicará. Um papo furado, que circula em propaganda e noticiário incansavelmente, convencendo os incautos. Quando o povo perde o medo, olha para a realidade e decide com base nela, entende sempre o que é melhor para si e para a nação. É dever de cada um de nós recobrar a consciência e, com coragem, pensar de forma independente.

Crido Santos – Belo urbano, designer e professor. Acredita que o saber e o sorriso são como um mel mágico que se multiplica ao se dividir, que adoça os sentidos e a vida. Adora a liberdade, a amizade, a gentileza, as viagens, os sabores, a música e o novo. Autor do blog Os Piores Poemas do Mundo e co-autor do livro O Corrosivo Coletivo.

Foto Crido: Gilguzzo/Ofotografico

Supondo que a dignidade humana seja o fato de que cada um, dentro da lei, tenha possibilidade de realizar qualquer coisa, seja material ou imaterial, que lhe traga felicidade e com qualidade, ou seja, nada de ter coisas ou momentos meia boca na vida. E observando dentro do paradigma neoliberal moderninho de estado mínimo, Vamos fazer umas contas para uma família de quatro pessoas da base mais pobre da sociedade, um casal e dois filhos:

– Escola privada para dois filhos: R$ 2000,00
– Saúde privada para a família: R$ 3000,00
– Seguros dos dois carros e da casa/mês: R$ 450,00
– Manutenção e combustível dos carros: R$ 1250,00
– Prestação dos carros: R$ 2000,00
– Prestação da casa: R$ 1300,00
– Eventuais estudos dos pais, reciclagem, ascenção profissional: R$ 1000,00
– Alimentação e manutenção da casa: R$ 1500,00
– Contas de luz, água, gás, internet, telefones etc.: R$ 1000,00
– Previdência privada/seguro de vida para o casal: R$ 1000,00
– Lazer, viagens, cultura e entretenimento: R$ 2500,00
TOTAL: 17000,00

Levando em conta que o casal trabalhe e dívida essa renda, cada um teria que ganhar cerca de R$ 8500,00 para fornecer uma vida digna e segura a família, de forma a, dentro da lei, poder realizar qualquer coisa no estado mínimo que lhe garanta felicidade. E mesmo assim, veja, não sobra pra fazer poupança para imprevistos ou sonhos futuros.

Argumentos: “ahh mas a concorrência a baixaria os preços”, ok, com 40 por cento de redução, cairiamos para uma renda obrigatória de cerca de R$ 5000,00 para cada adulto da família. “Ahh mas o estado mínimo não teria tanto imposto”, diminuindo a carga individual atualmente estimada de 40 por cento de imposto para 10 por cento, a renda ainda cairia para quase R$ 3500,00. O salário mínimo teria mais que triplicar para dar conta. Que empresário faria essa proeza diante de uma concorrência acirrada que obriga a baixar seu preço? Contraditório, não?

Entenda meu raciocínio: Tudo isso são direitos básicos garantidos pela constituição, ou seja, qualquer família teria direito a isso, caso o estado prover ou ele mesmo com seus recursos. Em miúdos, dentro desse cenario hipotético, do alto executivo ao lavrador possuiriam os mesmos direitos mínimos de dignidade. Portanto, como esse tal de estado mínimo neoliberal se sustentaria e de que forma ele seria implantado se boa parte da população nem tem como bancar a sobrevivência minima, que dirá alcançar a almejada DIGNIDADE MÍNIMA.

Vivemos tanto tempo tentando cortar gastos na carne que achamos normal e até bonito esse modo de viver. Mas isso é viver abaixo da linha da dignidade. O mínimo que merecemos é o que está na lista acima, seja fornecido do estado (com nosso dinheiro de impostos) ou do bolso. O que importa é: como chegaremos lá? Pelo mérito pessoal sabemos, pois vemos todos os dias, que muita gente boa se esforça e luta a vida inteira para morrer de fome, sendo sustentado pela família. Um outubro de eleição vai mesmo mudar esse quadro meio que por mágica? Ainda mais com tantos lunáticos, oportunistas e pistoleiros no pleito? Me parece um sonho de criança.

Lembrando que o salário mínimo, quando respeitado, fornece menos de R$1000,00 brutos ao trabalhador, bem distante do que daria a ele dignidade. Se não fosse minimamente a escola, a saúde e a segurança públicas, a solidariedade da família e amigos e toda privação diária a dar um alento, que seria do país? A barbárie! Perguntas que ficam: quem pensa o estado mínimo, sabe a distância que ele tem da realidade atual do país? Estão colocando essa conta da dignidade plena e para todos em seus planos? Duvido. É discurso vazio de quem ganha muito com esse modo de pensar o Brasil, replicado por quem acha que mágica funciona.

Para mim, antes de um tal estado mínimo, há de se implantar uma dignidade minima viável entre todos os patrícios, de modo a cada um ser facultativo viver do modo que lhe aprouver. Primeiro a começar pela educação pela, total e cívica a todos, crianças, jovens e adultos. Depois fornecendo saúde preventiva que mantenha esse povo de pé, terceiro com uma economia baseada no desenvolvimento científico, empresarial e humano que faça com que a cultura empresarial vira-lata, oportunista, especulativa e pessimista do país mude para algo mais patriótico, empreendedor e honesto, de modo que o empresário saiba que pagando bem, encontrara um mercado de 210 milhões de pessoas que, bem remuneradas, serão negócio garantido, fora exportações.

A única instituição que tem poder para essa revolução demorada é o estado, que deve ser reformado constantemente e vigiado pelo povo, evitando abusos, desperdícios, corrupção etc, mantendo foco no que é necessário para a dignidade minima do povo e pronto. Ou seja, um trabalho constante de cidadania de todos nós para que tudo funcione bem. Qualquer uma das outras instituições nacionais são bem pequenas para alcançar isso. Emancipar um povo, dar a ele soberania, necessita de um estado grande, governado por gente grande e supervisionado por um grande povo, que pensa coletivamente, e não no seu umbigo e na lacrada que daria se tivesse uma 380 na mão, enquanto o estado, em frangalhos, não conteria a barbárie instaurada.

Pense nisso.

Crido Santos – Belo urbano, designer e professor. Acredita que o saber e o sorriso são como um mel mágico que se multiplica ao se dividir, que adoça os sentidos e a vida. Adora a liberdade, a amizade, a gentileza, as viagens, os sabores, a música e o novo. Autor do blog Os Piores Poemas do Mundo e co-autor do livro O Corrosivo Coletivo.

Foto Crido: Gilguzzo/Ofotografico