Eu gostaria de começar este texto com uma pergunta, mas como a gente ainda não se conhece, considero que essa não é a melhor maneira para começar este texto. Melhor eu me apresentar primeiro: Olá! Eu sou a Geovana Pavanelli, mãe do Vicente, de três anos e meio, esposa do Daniel, Relações Públicas por formação (e paixão) e atualmente atuo como Gerente de Pessoas de uma empresa de tecnologia. Muito Prazer!

Agora que você me conhece um pouco vou direto para a pergunta: O que você estava fazendo em 25 de fevereiro de 2020?

Se você não estava em algum bloquinho (ou qualquer evento em grupo) por aí, curtindo a terça-feira de carnaval, talvez esteja, assim como eu, arrependida por não aproveitar a última oportunidade que tivemos de aglomerar sem medo. Parece que foi ontem, mas há quase um ano, em 26 de fevereiro, estávamos recebendo a notícia do primeiro caso de Coronavírus no Brasil.

E agora eu te convido a uma reflexão… Além do kit básico (distanciamento, máscaras e álcool em gel), o que mais mudou na sua vida de lá para cá? Nós tivemos que nos adaptar a um mundo novo. Profissionalmente falando, as mudanças foram ainda mais intensas, e o trabalho remoto passou a fazer parte (se é que ainda não fazia, como é o meu caso) da realidade de muita gente.

Atuando na área de pessoas, posso garantir que a cultura do trabalho remoto (que é diferente do home office) é o futuro das organizações, principalmente na área de tecnologia. Mesmo muita gente voltando ao trabalho presencial com a flexibilização das medidas de proteção da pandemia, mais de 86% das pessoas preferiram continuar no modelo remoto e 52%  mudariam de trabalho se recebessem uma oferta full remote (pesquisa da Robert Half realizada em 2020). As empresas terão que aceitar esse “novo” modelo de trabalho, principalmente porque, sem ele, em um futuro próximo poderão perder talentos e desmotivar equipes.  

Nesse cenário de pandemia muito se ouviu falar de como as pessoas precisaram se adaptar ao trabalho remoto, mas pouco sobre como as empresas precisam se posicionar e orientar a sua liderança sobre esse novo modelo. Tornar uma empresa remota ou híbrida não é fácil e muito menos automático, exige maturidade do empregador, confiança no time e preparação da liderança.

Se aquele modelo de “chefe” que faz microgerenciamento já estava ultrapassado, e as empresas que viam os seus colaboradores apenas como recursos já estão ficando cada vez menos atraentes, no modelo de trabalho remoto esses posicionamentos simplesmente não funcionam. É responsabilidade das empresas entender esse novo cenário, preparar os seus times para o trabalho remoto ou híbrido, motivar e alinhar todos os colaboradores na busca do mesmo propósito e, principalmente, investir na gestão do trabalho remoto, afinal, ele é completamente diferente do presencial.

E me conta, como foi essa experiência do trabalho remoto para você? A sua empresa estava preparada?

Eu posso responder pela empresa em que eu trabalho: por lá o trabalho remoto foi um processo normal e até que relativamente simples, até porque já fazia parte da nossa cultura, mas vi muitos absurdos sendo relatados por colegas que atuam nos mais diversos segmentos, tais como: empresas que não respeitam horários e acreditam que o trabalho remoto é sinônimo de exaustão obrigatória; que cobram por ambientes 100% silenciosos, quando na verdade é impossível controlar a reforma do vizinho; que não respeitam que você vive em uma casa com outras pessoas (por mais que você zele para evitar interrupções) e dão advertência quando seu filho aparece para pedir para fazer cocô; ou que obrigam mulheres grávidas a trabalhar em ambientes fechados, mesmo quando a atividade é totalmente compatível com a atuação remota.

Há um longo caminho pela frente para que as empresas estejam preparadas para o trabalho remoto ou híbrido, mas a meu ver, elas terão que se adaptar, pelo amor ou pela dor, esse será o futuro.

Já como mãe de uma criança de três anos e meio, nada foi mais desafiador do que exercer o lado maternal e profissional ao mesmo tempo e no mesmo ambiente. É maravilhoso poder estar perto do meu filho por mais tempo; no modelo presencial era impossível almoçar com ele todos os dias. Mas também é doloroso vê-lo mais tempo na televisão do que eu gostaria (e do que é indicado), ouvir ele pedindo minha atenção, quando é impossível parar uma tarefa.

É uma balança difícil de equilibrar: culpa materna x profissionalismo. Eu sigo tentando fazer o meu melhor nos dois lados, mas confesso que dificilmente o dia termina com a balança equilibrada e, na maioria das vezes, um dos lados pesa mais. Como profissional também há um longo caminho pela frente, e eu também tenho que me adaptar (pelo amor ou pela dor), afinal, esse é o meu futuro.

Geovana Capovilla Pavanelli – Bela Urbana. Relações Públicas, especialista em comunicação e recentemente apaixonada pelo universo de gestão de pessoas. Mãe do Vicente, de três anos, que é a minha razão de viver. Sou uma pessoa intensa que ama trabalhar, ama o filho, ama a família, ama os amigos e, principalmente, amo a mim mesma.  

shutterstock_70553887 foto fogo cruzado

Na semana passada fui ao banco. Estava cheio, eu sentada na espera para ser atendida,quando começou uma gritaria.

Todos se entreolharam, mas só identificamos de onde vinha quando um rapaz com seus 20 e poucos anos se aproximou para sentar nas cadeiras e a guarda do banco veio logo em seguida. Ambos estavam discutindo. Berravam alto um com o outro, três segundos de silêncio e lá começava um de novo a reclamar e o outro a retrucar.

Palavrões, ofensas desnecessárias a parentes, a idade, a verbalização de todos os preconceitos possíveis e a inteligência de cada um. Bobeiras e agressividades na ponta das línguas afiadas.

Lá estava eu, na linha de fogo dos dois, o rapaz se sentou um pouco atrás de mim e a guarda ficou na minha frente. Enquanto discutia  percebi que ela tinha uma arma na cintura e onde sua mão se aproximava, isso me chamou a atenção, como me chamou a atenção o descontrole de ambos.

Não estava aguentando presenciar aquilo e nada fazer, queria dizer: Parem com isso, parecem crianças brigando, vocês são adultos. Não disse. A guarda saiu e voltou com seu supervisor, ainda gritando e dizendo que seguiu o procedimento, que estava certa e o rapaz por sua vez, garantido que ela abusava do seu poder em travar a porta, pois é cliente antigo do banco e todos o conhecem.

Um intervalo maior que dois minutos na discussão e ai entro eu. Perguntei para o rapaz se ela tinha ofendido ele primeiro. Ele nervoso que estava, me disse o que tinha acontecido, sem responder a questão. Disse que foi depositar um dinheiro da empresa que trabalha e que o dinheiro estava na bolsa, que sempre faz isso e que todos os guardas o conhecem e que ela não abriu de propósito. Ele alegou que não podia deixar a bolsa onde ela pedia pois já foi assaltado e não queria correr o risco novamente.

Bom, lá vou eu me meter no assunto. Sintomas misturados, meio de mãe, meio de movimento gentileza sim, meio de quero um mundo melhor, meio de chega de não fazer nada, enfim, disse para o rapaz, com toda a calma do mundo, que eu entendia o nervoso dele, mas que ele deveria respirar fundo e tentar manter o controle e resolver a situação de outra forma, porque entrou em ofensas pessoais que nada tinham haver com o assunto e que quando isso ocorre ele perde a razão também. Outra moça que estava ao lado, entrou na conversa e me apoiou no que dizia, inclusive dizendo que ele poderia até ser processado. Eu ainda disse que ele deveria explicar o caso para o gerente e pedir para resolver o assunto de outra forma, visto que ele sempre tem que fazer esses depósitos. Ele nos ouviu  bem.

Lá fui eu para o caixa ser atendida. Perguntei se a guarda era nova na profissão. O caixa me disse que não, mas que era nova no banco. Achei a guarda totalmente sem autocontrole, afinal ela é uma profissional e usa uma arma. Uma pessoa sem controle que usa uma arma é algo assustador. Um perigo.

Não conformada ainda, quando sai do caixa, lá vou eu de novo me dirigir ao moço. Peço licença para dar mais um conselho e digo: Tomo a liberdade de te dar mais um conselho, com a melhor das intenções. Faça as pazes com a guarda, você se sentirá muito melhor e isso nunca mais ocorrerá. Ele me olhou com uma cara de não sei o que, surpreso, acho que essa é a melhor definição para a expressão dele, não disse nem que sim nem que não, mas pela sua expressão pensou a respeito, ou pensou na maluca a sua frente que dava esse conselho. As pessoas a sua volta também me olhavam, em um misto de curiosidade e surpresos também. Desejei ainda que o resto da tarde dele fosse ótima e fui embora.

Fui embora com a sensação de ter feito o que tinha que fazer, fui embora em paz por não ter sido omissa com algo que vi. Fui embora sabendo que poderia levar um presta atenção e até também ser ofendida, mas na hora, confesso que nem pensei nisso. Fiz o que meu coração mandava.

Minha conclusão é que quando estamos fora de um conflito conseguimos enxergar com uma perfeita clareza certas situações e com essa isenção de sentimentos conseguimos agir da melhor forma e em paz. No meio do furação fica difícil achar a solução, mas se estamos de fora e vemos o furação, podemos sim e devemos fazer alguma coisa.

Penso ainda, que a vida pode ser mais leve e que esses contratempos não merecem que a pressão sanguínea seja aumentada, que as pessoas infartem, há problemas mais reais e que todos teremos que enfrentar, esses de fato, não são problemas e não devem jamais nos roubar a paz. Ainda penso que os guardas e todos os profissionais que estão armados por ai, merecem treinamentos constantes em vários aspectos. Pessoas armadas sem controle são um perigo. Os empregadores não deveriam sucatear tanto esses profissionais.

Por menos problemas desnecessários e que sempre alguém tenha que mantenha a calma, inclusive comigo para me ajudar a sair do meio do furação, se por acaso em algum momento eu for parar por lá.

10959308_10203700598545176_5268303932415920241_n Dri perfil

Adriana Chebabi – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde é a responsável pela autoria de todas os contos e poesias. Publicitária e empresária. Divide seu tempo entre sua agência  Modo Comunicação e Marketing  www.modo.com.br e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos.