É preciso se cuidar, mas é preciso ir ao supermercado, é preciso fazer o almoço, é preciso fazer o jantar, é preciso trabalhar. Trabalhar na demanda um, na demanda dois e na demanda três, a demanda quatro pode esperar um pouco.

É preciso se cuidar, mas é preciso cuidar dos filhos, acompanhar no dentista, no médico, nos exames, na reunião da escola, na escolha da roupa para a festa. É preciso se cuidar, mas é preciso pagar o INSS, mesmo sabendo que se um dia se aposentar a aposentadoria não deixará você tranquilo financeiramente.

É preciso se cuidar, mas também é preciso pagar o plano de saúde, o plano odontológico, ir na consulta, fazer exames e quanto mais velhos ficamos, mais exames fazemos, aliás é preciso agendar os exames.

Também é preciso pagar a vacina do cachorro, a consulta no veterinário, a conta de luz, condomínio, água, seguros, é preciso lavar a louça, lavar a roupa, guardar a roupa e as vezes passar, é preciso limpar a casa, molhar as plantas, tirar os lixos, separar o reciclável. É preciso levar o cachorro passear, mas é preciso se cuidar.

É preciso pagar o transporte escolar, a escola particular, a faculdade particular. É preciso arrumar as fechaduras que quebram, é preciso chamar o técnico para ver o que quebrou, é preciso cobrar quem não te entrega o serviço combinado, é preciso ligar no banco quando te cobram indevidamente alguma tarifa. É preciso resolver burocracia diárias de um sistema que te manda o tempo todo se cuidar, como se a culpa de tudo isso se resumisse a não se cuidar.

É preciso ser criativo e “antenado”, e é preciso inovar para ter espaço de trabalho, para ser ouvido, é preciso fazer cursos, palestras e ouvir muitas bobagens para em algum momento salvar alguma coisa que de fato tenha valor e não a certeza da perda inútil de tempo.

É preciso estar elegante, ter roupas que te vistam bem, sapatos em bom estado, se possível confortáveis, sapato apertado é para pagar penitência e depois haja tempo para cuidar e recuperar os pés. Ah, é preciso cuidar dos pés de galinha com os “mega” tratamentos estéticos revolucionários, e é claro, é preciso pagar os “mega” tratamentos.

É preciso cortar os cabelos, de vez em quando fazer as unhas, talvez isso seja entendido como se cuidar… não sei se concordo, é chato ficar um tempão no salão de beleza. Também é preciso pagar o que se faz por lá.

É preciso se cuidar, mas é preciso dar atenção a quem você ama, ligar, conversar, se encontrar pessoalmente. Isso eu entendo, que além de cuidar do outro é se cuidar também.

Adriana Chebabi  – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde faz curadoria dos textos e também escreve. Publicitária. Curiosa por natureza.  Divide seu tempo entre as consultorias de comunicação e marketing e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. É do signo de Leão, ascendente em Virgem e no horóscopo chinês Macaco. Isso explica muita coisa . 
Foto: @gilguzzo @ofotografico

Olá consulentes, dizem que “se conselho fosse bom, não se dava, vendia”, pois é, hoje muitos conselhos são vendidos. São tantos livros de auto ajuda, tantas palestras, tantos vídeos na internet, e-books para tudo. Diga-me seu problema que indico um coach especialista.

O seu problema é se sentir o xixi da mosca do cavalo do bandido? Bom, você deve estar se sentido péssimo mesmo, afinal nem o cocô você é… não fique pior, mas é que a frase conhecida é o cocô e não o xixi. Então, o xixi nessa ótica é mais insignificante.

Hoje, milhares vivaram coach. Tem coach para tudo, relacionamentos, trabalho, espiritual, para te tornar macho alpha, para te ensinar a arrumar a casa, fazer comida, molhar as plantas e mais, ter sucesso, ganhar muito dinheiro, ter muitas férias com viagens internacionais, para trabalhar somente poucas horas do seu dia e ter tempo livre para não fazer nada, sozinho ou acompanhado, como você quiser.

Vamos ser sinceros, que vidão heim!!! Quer saber a fórmula para esse sucesso mágico que apenas poucas pessoas tem? Não vou contar, afinal, conselho bom não se dá, se vende.

Quer comprar? Vou pensar se vendo.

Até a próxima. Logo, logo tem mais.

Madame Zoraide – Bela Urbana, nascida no início da década de 80, vinda de Vênus. Começou  atendendo pelo telefone, atingiu o sucesso absoluto, mas foi reprimida por forças maiores, tempos depois começou a fazer mapas astrais e estudar signos e numerologias, sempre soube tudo do presente, do passado, do futuro e dos cantos de qualquer lugar. É irônica, é sabida e é loira. Seu slogan é ” Madame Zoraide sabe tudo”. Tem um canal no Youtube: Madame Zoraide dicas e conselhos www.youtube.com/channel/UCxrDqIToNwKB_eHRMrJLN-Q.  Também atende pela sua página no facebook @madamezoraide. Se é um personagem? Só a criadora sabe 😉

10731172_10205233808230137_5882175448225177594_n imagem post renata

Um dia eu escolhi ter menos pra ser mais. 
Não foi por brilhantismo, muito menos foi resultado de qualquer exercício de abnegação, foi fruto da necessidade.

Numa análise simples eu sempre convivi com essa escolha. Sempre tive menos coisas e mais tempo… Tempo pra ouvir, tempo pra observar, tempo pra aprender, tempo pra sentir, tempo pra fazer… Tempo pra SER.

Me assusta bastante, a constante necessidade das pessoas, por ter. Ter pra elas tem a mesma valia de ser. Parece que o indivíduo se transporta pro objeto e se realiza nele. Transfere a responsabilidade do ser para um pedaço de alguma coisa que sintetiza desejos e eclipsa características. 
Daí a pessoa sente uma satisfação momentânea por ter aquilo que tanto desejava… Esquecendo-se de SER de novo.

A minha experiência de vida já me tirou muitas coisas que tive. Dinheiro, empregos, carros, computadores, óculos caros, jóias, pai, mãe, “amigo”, amores…. Todas findaram na dor da perda, aquela profunda e inconformada.

Mas a cada situação de perda eu tive o ganhos enormes e aprendi a priorizar o necessário. Escolhi a qualidade à quantidade, poupei meu esforço e enxerguei a pureza das essências, apurei meu foco e me enriqueci de experiências verdadeiras… Aprendi a ser independente por saber fazer o que é preciso e não o que os outros acham que deveria ser feito.

Se isso é certo eu não sei, mas eu vivo muito melhor hoje do que quando buscava TER. Porque eu ainda tenho tudo que eu preciso mas o que me faz feliz é gostar de SER o que eu sou.

10958210_10205888085426658_4684666609892689174_n - Renata Lavras Maruca

Renata Lavras Maruca – Mulher, mãe, publicitária e cronistas nas horas de desespero. Especialista em marketing de conteúdo digital. Observadora do universo humano e suas correlações” intermundos”(reais e virtuais). Viciada em doces, gordinha por opção e encantada pela sedução inteligente. Prefere sempre vestir em palavras escritas tudo aquilo que reflete ou carece de análise. Resumindo: Complicada e perfeitinha