A morte dói. Dói para quem fica. Dói quando vem inesperada. Dói quando é esperada também. Dói em qualquer idade.

A morte é um soco na alma de quem fica. É ruína. É um presta atenção, uma reflexão de quem fica sobre quem vai. Não importa mais para quem vai quando já foi.

O tal do “nunca mais” é tempo demais. A certeza da eternidade da alma que vai, não temos. Podemos ter fé, crença, certeza não.

Certeza temos do que fica por aqui. A alma que vai, deixa. Deixa sua história, seus pensamentos, legados. Deixa saudades, alegrias, tristezas, ensinamentos, lamentos, raiva, amor, amizade. Continua viva na lembrança de quem a conheceu.

Quando pensamos na morte, pensamos na vida, na nossa vida e aí vem todos esses questionamentos. Quem é você para cada vida que convive? Para algumas vidas está entre os personagens principais. Para outros pode ser um personagem menor. Em outros casos pode ainda ter aquela participação especial. Para bilhões de vidas, um nada.

Vem a tona a questão: Será que exerço o meu melhor papel em cada vida que convivo? Não importa o tamanho, a questão é: exerço esse papel com a minha coerência ou sou um blefe de mim mesmo?

Não escolhemos o papel, mas escolhemos como vivê-lo. Como aqui estamos falando da vida de verdade, estamos falando de nós mesmos. Vivo como quero? Faço o que acredito?

Muitas pessoas passam pela nossa vida das mais diversas formas. Nunca seremos iguais para todos, e acredite, tem que ser assim.

Alguns vão te amar, te admirar, vão querer ser como você, alguns vão gostar da sua companhia, outros vão estar loucos para te ver longe, te chamarão de pedante, te acharão engraçado, falso, depressivo, coração mole, firme, trabalhador, sonhador, chato, alegre.

A única coisa que importa é ser quem se quer ser. A tal da coerência com você mesmo. Se o outro vai entender não é certeza, mas as chances para isso são muito maiores e consequentemente as relações são verdadeiras e intensas.

Pessoas blefe não vivem bem e não sobrevivem por muito tempo na memória de ninguém.

Já que a vida é finita, como você escolhe viver os seus papéis?

Eu escolho as ruínas da minha memória. Eu escolho ser de verdade.

Adriana Chebabi – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde escreve contos, poesias e crônicas. Publicitária e empresária. Divide seu tempo entre suas agências Modo Comunicação e Marketing  www.modo.com.br, 3bis Promoções e Eventos e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. É do signo de Leão, ascendente em Virgem e no horóscopo chinês Macaco. Isso explica muita coisa :)

FOTO – @gilguzzo do arcervo do O FOTOGRAFICO  www.ofotografico.com.br © Gil Guzzo – Proibida qualquer tipo de reprodução das imagens sem autorização. Imagens protegidas pela Lei do Direito Autoral Nº 9.610 de 19/02/19

 

 

Não, este texto nada tem a ver com a história original de Lewis Carroll ou com o filme que ela originou. Neste caso, Alice sou eu, é você, somos todas nós, mulheres modernas e sonhadoras que tentam enlouquecidamente sair do País das Maravilhas e voltar para a tão almejada liberdade.

Liberdade? Cortem a cabeça de quem sonhou… De quem deu uma de chapeleiro maluco e que em um delírio alucinante ousou quebrar os padrões durante um chá das cinco…

Como Alice pensa em desafiar a Rainha Vermelha, suas ordens e seu reino? Como tenta fugir da estética perfeita, do amor de conto de fadas, do sucesso profissional? Cortem-lhe a cabeça!

E no tique taque alucinado do relógio do coelho branco, que teima em estar atrasado, a Alice moderna corre, sofre de crise de ansiedade, stress e perde a calma. Opa, alguém chama a lagarta que com sua sapiência e seu narguilê tranquilizante pode ter a resposta mais astuta por meio de suas charadas… ou não… eita paisinho confuso esse.

Alice dorme menina, acorda mulher… Seguindo as maluquices de um mundo moderno, que não começa com o cair na toca do coelho, comer bolos mágicos para aumentar ou diminuir de tamanho. Por mais que a vida às vezes careça dessa magia para nos adaptarmos na sociedade e nas loucuras do dia-a-dia.

Quem nunca se sentiu fora dos padrões da “normalidade”, como se tivesse crescido exageradamente de tamanho ou precisasse diminuir radicalmente para passar pela porta e seguir o curso da vida? Só não pode errar na medida, senão… Cortem-lhe a cabeça…. A insanidade desse meu país, dessa minha visão através do espelho, é tanta que busco insistentemente o sorriso do gato sem corpo que aparece do nada para me fazer graça, rodopiando a cabeça no ar.

Alice quer tanto a liberdade, a leveza da borboleta, a risada desmantelada do Chapeleiro, a graça das flores que falam, que pinta a si mesma e a esse País das Maravilhas como se fosse um retrato. Uma mistura frenética de tintas e sua imagem assim se reflete: em uma projeção de história infantil que em que por um breve momento a mágica se faz e em que se é feliz completamente… por um breve momento… como num sonho… como numa viagem…

De repente, a efemeridade do conto aparece e a tinta do quadro vira um borrão no espelho… esse é o reflexo da alma de Alice… uma mistura densa, complexa de cores e texturas… de repente… antes do grito final de “cortem-lhe a cabeça”, Alice perdeu o chão, perdeu a mão, perdeu o traço, perdeu os laços e o caminho de volta para casa.

Alice quer voar nesse mundo entre o real e o fantástico. Mas como sair da gaiola mesmo que a porta esteja aberta? Alice quer voltar para casa, mas sua casa se tornou aquele País das Maravilhas que ela criou para se satisfazer, momentaneamente. É tudo urgente, tudo para ontem, está sempre tarde. Tique taque, corre o coelho atrasado… Tique taque, Alice o segue. Tique e taque, marcham apressados os guardas cartas de baralho… É tanta insanidade, que tudo roda, nauseia, dá vertigem. Viva o complexo de Alice que eu inventei, viva o País das Maravilhas que eu criei e desejei.

Como diria uma grande amiga e voz da consciência: “Menos, menina. Bem menos. Limpe o espelho e encare-se. Quando você não intervir mais na imagem e na paisagem refletidas, você saberá o real significado de ser livre”. Seria a lagarta falando comigo?

Marina Prado – Bela Urbana, jornalista por formação, inquieta por natureza. 30 e poucos anos de risada e drama, como boa gemiana. Sobre ela só uma certeza: ou frio ou quente. Nunca morno!

 

img_6327

Nessas duas últimas semanas assisti três filmes fortes que me sensibilizaram muito e obviamente me trouxeram reflexões sobre a humanidade, são eles: Doze anos de escravidão, Paixão de Cristo e A culpa é da estrelas.

O filme Doze anos de escravidão me trouxe a reflexão sobre a liberdade.  O direito a liberdade. Para alguns ela existe. Sonho para a maioria. Como pode nos dias de hoje pessoas serem escravas de outras? Pessoas serem roubadas? Pessoas trabalharem em condições degradantes para conseguir comida e teto? Como? Como pode um ser humano colocar acima de sua humanidade questões financeiras em cima de vidas humanas? Me parece surreal isso ainda acontecer.

Já o filme Paixão de Cristo a reflexão foi sobre a crueldade e sadismo. Como pode um ser humano ficar feliz machucando outro? Como pode existir prazer em ver a dor do outro? O que é isso? E o que dizer dos que observam a crueldade e nada fazem? Será medo? Essa omissão também mata. Mata valores, mata a própria pessoa, mata sua força interna. Nunca entendi quem gosta de assistir  luta de boxe ou essas lutas livres, onde os lutadores agridem, sangram… Não consigo entender isso como esporte. Não consigo entender o prazer de quem vê e torce. Torcer para alguém ganhar enquanto outro se machuca? O conceito disso não é igual aos gladiadores dos tempos velhos tempos?

A minha outra reflexão nesse final de ano veio do filme A culpa é das estrelas, quem filme lindo! A reflexão é sobre a força interna de cada um perante a maior adversidade da vida, a dor vinda de uma doença que te da a certeza da finitude da vida. Uau, que filme! Chorei, chorei, chorei muito, compulsivamente depois que terminei de assistir. Sim, revivi a morte do meu pai, que foi embora por um câncer e de todos os sentimentos que conheci ali. Me lembrei da Alessandra que escreveu para nosso blog, que também se foi esse ano, da sua força e positividade e seu olhar lindo pela vida. Penso que somos o que aprendemos e nos momentos de grandes alegrias e  dores é que temos as melhores chances de crescermos e nos tornarmos melhores. Seres melhores e humanos, literalmente. A lição é particular. Sorte de quem aprende. Lamento que não.

Último dia do ano de 2016. Hora do balanço. Hora de agradecer as lições aprendidas, pela dor e pelo amor. Hora de desejar luz vibrante para esse novo ano que chega.

Então, 2017 com seres humanos, HUMANOS, de cada um para todos.

FELIZ ANO NOVO, de novo e sempre.

12308453_10205306926782378_7964104893761853478_n foto Dri para perfil

Adriana Chebabi – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde escreve contos, poesias e crônicas. Publicitária e empresária. Divide seu tempo entre suas agências Modo Comunicação e Marketing  www.modo.com.br , 3bis Promoções e Eventos www.3bis.com.br e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. É do signo de Leão, ascendente em Virgem e no horóscopo chinês Macaco. Isso explica muita coisa :)

 

 

 

shutterstock_147987272

A chegada aos 50 anos muda a gente sim…. Traz reflexões que desde os 40 ficamos assim evitando como que pensando em fazer o tempo parar. Mas como dizia Cazuza, o tempo não pára! Não ♯ pára ♩ não…♫ não pára… ♬

Aí aos 50 a ficha cai e a gente pensa ‘OK, não tem mais jeito… e agora?’. Pode não ser a chegada aos 50, pode ser outro ponto da vida em que a tal maturidade chega… a chegada da menopausa, o casamento do último filho e o inevitável ninho vazio, ou qualquer outro evento que mostre que a partir dali, o rumo é outro, querendo ou não, numa fase da vida em que se pensa mais em estabilidade.

O ponto é que nessa fase não temos opção senão lidar com isso. E acreditem, não é tão simples. Mas aí fui percebendo e me questionando outra coisa… Como eu tratava as pessoas ‘mais velhas’ quando eu ‘era jovem’? E mais, como passei a tratar pessoas conforme elas foram envelhecendo? Bom, não sei se sou referência, pois como outros textos meus mostram, procuro tratar pessoas como pessoas, independente de rótulos.

Mas quantas vezes os filhos não passam a tratar seus pais de maneira diferente quando julgam que estão independentes e eles estão ‘velhos’. Passamos a tratar diferente nossos colegas de trabalho mais antigos, por acharmos que eles já não irão ‘render’ mais tanto. Desconfiamos de profissionais mais velhos por achar que estarão ainda presos a práticas antigas e não estarão atualizados.

A gente muda com a maturidade sim, mas é só a gente? Não, os ‘imaturos’ (já que eu sou a madura), mudam também! Mudam sua forma de tratar e conviver conosco. Pensam que agora estamos limitados, desatualizados e sem vitalidade. Mas não é assim.

Só que faz parte, e logo serão eles os maduros… e só aí eles entenderão, assim como os adolescentes só entendem seus pais quando têm seus próprios filhos… é o ciclo da vida e das mudanças que cada fase traz!
Foto TOVE
Tove Dahlström – Bela Urbana, é mãe, avó, namorada, ex-mulher, ex-namorada, sogra, e administradora de empresas que atua como coordenadora de marketing numa empresa de embalagens. Finlandesa, morando no Brasil desde criança, é uma menina Dahlström… o que dispensa maiores explicações. Na profissão, tem paixão pelo mundo das embalagens e dos cosméticos, e além da curiosidade sobre mercado, tendencias de consumo, etc., enfrenta os desafios mais clichês do mundo corporativo, mas só quem está passando entende.

tvs sutterstock_262453772

Escolhi não ir ontem a nenhuma passeata. Sim, é bonito ver as ruas tomadas, cheias de pessoas que protestam, sim é bonito ver, mas… mas como aprendi que temos que questionar tudo, faço cada vez mais perguntas e se não encontro às respostas que me convençam a fazer algo, opto por não fazer e por isso optei por não ir.

Meus motivos? Acho muita ingenuidade não ver que existem grupos que financiam a divulgação desse movimento. A estratégia de comunicação foi muito bem feita, posso falar com propriedade disso, pois esse é o meu negócio, trabalho com estratégias de comunicação. Ainda nessa questão, tudo custa, nada é de graça, criar vídeos custam, colocar carros de som nas passeatas custam, bonecos infláveis gigantes custam. Então, eu penso aqui com meus botões, não acredito que “ninguém” faça isso sem nenhum interesse. Pois é, eu que sempre fui tão idealista, não acredito mais, é uma pena, mas foi isso mesmo que esses políticos e partidos me roubaram, a ingenuidade de crer que isso vai mudar.

Outro ponto que embasou minha decisão é porque não preciso provar nada para ninguém. Faço meu trabalho no dia a dia, pago minhas contas honestamente, sempre trabalhei e tudo na minha vida veio do resultado dele. Então, não preciso provar nada para ninguém e nem sair bem na foto do facebook dizendo que sou engajada e estive lá.

Sim , eu sou engajada em várias questões, hoje em especial, me interesso muito em divulgar e trazer questionamentos do universo feminino. Feminista? Sim sou, apesar de que muitos, ainda hoje, não sabem e não entendem o que é ser isso, mas se tem uma causa hoje que abraço em primeiro plano é essa e o blog Belas Urbanas veio para isso.

Deixo claro aqui que não sou a favor do PT, mas também não sou do PSDB e dos outros. Se a campanha para irmos para as ruas fosse algo para mudarmos todos os nossos políticos e sistemas de governança que hoje imperam, eu estaria disposta a participar e talvez fosse algo que me motivasse como um fio de esperança nesse mar de lama, mas como de fato o único objetivo é tirar a Dilma da Presidência da República sem propostas concretas, com um claro entendimento do cronograma de ações, isso não me convence.

Ontem no facebook vi que alguns amigos foram agredidos porque se posicionaram dizendo que não iriam e explicando seus motivos. Até de bundão vi um ser xingado. Lamentável.

Pense que se posicionar contra a maioria não é fácil, é um ato de coragem e honestidade perante suas crenças. Não alardear notícias falsas é pensar sobre o que estamos fazendo. Saber sobre o que estamos protestando e para onde vai isso é sinal de maturidade e responsabilidade.

Eu não preciso de fotos na passeata para dizer que faço a coisa certa, porque eu sei que faço. Porque eu sei o que é estar à frente de um negócio há mais de 20 anos e pagar suas contas em dia e não entrar em empréstimos, já tendo passado por diversos planos econômicos. Eu sei o quanto dói ver empresas que crescem porque corrompem e são corrompidas e ver a sua perder concorrências porque aquilo ali já estava comprado. E triste meu caro, dói muito. Sigo em frente mesmo assim e o meu caminho escolho viver o que aprendi ser o certo. A minha parte eu faço, mas me enoja ver pessoas “tão corretas” gritando contra a corrupção, mas que no seu dia a dia, corrompem, fazem parte de esquemas, dão aquele medonho “jeitinho brasileiro” para resolver seus problemas. Ah, por favor, quer mudança? Comece no seu dia a dia, no seu micro universo. De o exemplo que cobra dos governantes. Menos hipocrisia.

Não quero ser injusta, não foram todos que participaram que agem assim, claro que não, tem muitas pessoas que foram e que de fato acreditam que esse movimento pode trazer mudanças e que no dia a dia fazem seu trabalho corretamente, pessoas do bem. Só coloco a questão de estarmos atentos para não sermos manipulados. Ir por ir não leva para lugar nenhum.

Estou cansada daquela velha máxima “não fiz por mal”. Não fez?  Mas fez mal. Qual é o impacto de não saber e fazer mal? Não fez porque não pensou? Minha reflexão: se esforce para saber o que faz para que um dia não venha com essa “não fiz por mal”. Pense antes de agir.

Está cansado e quer saber como mudar? Estude como funciona os mecanismos de votos, essa é a forma democrática que temos para mudar algo. Não concorda? Comece um movimento para mudar isso? Como? Entenda como dentro da lei isso pode ser mudado e faça dentro da lei. Cobre que a lei seja cumprida. Você terá trabalho, se engajar de fato e buscar soluções demanda tempo e da trabalho, mas se é algo que acredita e acha que vale a pena, vá fundo.

Chega de sermos tão emocionais, chega de tanto carnaval sem carnaval. É lindo ver as ruas cheias, mas é triste saber que muito de tudo isso é para sair bem na foto, para fazer parte. Sim, nós precisamos fazer PARTE, mas de uma parte mais justa e honesta com direitos e deveres para todos.

Chega de sermos uma sociedade de coitadinhos. Chega de sermos o pais do futuro. Tancredo morreu, era a salvação? Ulisses também. Collor caiu e já voltou. A salvação de uma nação não está em ninguém sozinho essa é a questão. Cai um rei de paus, entra outro e não muda nada. Isso sim é que tem que ser mudado, essa estrutura.

Agora volto ao meu trabalho é o que melhor posso fazer pelo Brasil e por mesma nesse momento.

Foto-0010E001 dri

Adriana Chebabi – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde escreve contos, poesias e crônicas nesse blog. Publicitária e empresária. Divide seu tempo entre sua agência Modo Comunicação e Marketing  www.modo.com.br e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. É do signo de Leão, ascendente em Virgem e no horóscopo chinês Macaco. Isso explica muita coisa :)

 

 

 

shutterstock_149644169

Quem gosta de escrever adora uma ante sala de consultório médico, lotada de pessoas aguardando, material farto para observação. Foi ali que revi meus últimos dezessete anos. Levei meu filho adolescente para ver uma amigdalite, a qual depois descobrimos ser uma séria faringite, pensava que esses males da garganta só acometiam crianças pequenas.

Lá estávamos nós, relembrando os velhos tempos da primeira infância, onde as mães não saem do pediatra, pronto-socorro, especialistas, alergologistas, no meu caso.  Já nem lembrava mais a quantidade de antibióticos que meus três filhos juntos tiveram que tomar, eu não era contra a homeopatia, só tinha medo que não funcioanasse, que demorasse demais para curar e eles morressem.

Bem, mas nessa uma hora de espera consegui observar mães com seus bebês, crianças de um, dois, cinco, dez anos e minha vidinha foi voltando como naqueles filmes que rebobinávamos antigamente. Lembrei de cada fase de cada um deles, boas, deliciosamente apaixonantes, mas rápidas.

Perdemos as contas de quantas vezes ouvimos a clássica frase: aproveita essa fase, passa tão rápida. Naquele instante senti isso, um piscar de olhos..dezessete, o mais velho já na faculdade, e as angústias das noites mal dormidas, do mal estar de ter que voltar ao trabalho e deixar o pequerrucho no berçário, do medo de uma febrinha, de um febrão, deles não comerem, não se adaptarem, não conseguirem evoluir em cada fase… foram todas por água abaixo.

A melhor fase é a que você está vivendo… Agradeci por ter conseguido chegar até aqui. Viva. Sobrevivi. Quando vi uma mãezinha dando frutinha raspada para o filho pensei: pobrezinha mal sabe o que é esperá-lo  voltar da balada. Me peguei sorrindo, feliz da vida com meus adolescentes conectados em seus celulares.

12315109_10200902625526122_1329798388_o Dani N

Dani Martini Naufel – mãe de três adolescentes, Bacharel em Direito pela PUCC, funcionária pública, fotógrafa nas horas vagas , adepta do spinning e da yoga, quer desacelerar mas não consegue, enfim, uma mulher contemporânea.

 

shutterstock_110027378

…. “bateu aquela FOME. Aquela. Sim aquela grande que dói o estomago, que dói, mas que não da vontade de comer. Não sei explicar essa fome, mas essa fome que me veio, no meio da manhã, com o filho do lado que eu levava para fazer o terceiro exame médico do dia. Talvez fosse fome de nervoso, sim existe, eu sempre tenho. Fico nervosa e vem a fome, poderia ser o contrário, assim emagreceria, mas não, quero comer nesses momentos, só que ontem foi diferente, ontem veio a fome e um vazio, não queria comer, mas tinha fome.  Meu filho me disse que tinha fome, mas não podia comer porque tinha que fazer o exame de sangue e no semáforo o pedinte, simpático, sujo, com roupas rasgadas, sorria e me fazia sinal que estava com fome. SIM A FOME de cada um é FOME, estávamos os três naquele momento próximos fisicamente, nós dois no carro com ar condicionado e ele fora, mas nós três tínhamos fome. FOME de comida, fome de tempo, fome de carinho, fome de cuidado, fome de esperança, fome de tranquilidade, fome, fome, fome…..”

30 de setembro – Gisa Luiza – 47 anos

10959308_10203700598545176_5268303932415920241_n Dri perfil

Adriana Chebabi – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde é a responsável pela autoria de todas os contos e poesias. Publicitária e empresária. Divide seu tempo entre sua agência  Modo Comunicação e Marketing  www.modo.com.br e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. A personagem Gisa Luiza do “Fragmentos de um diário” é uma homenagem a suas duas avós – Giselda e Ana Luiza.

shutterstock_308589128 (1) dados

disfarça e finge que tá tudo bem

que seu coração nem bate

nem sangra

olha nos olhos e atravessa

não vê

porque a conquista é só um jogo

de azar

e ninguém vence

se precisa escolher lados

 

eu te quero

mas só um pouco

eu te espero

mas só até amanhã

eu me entrego

e me retraio

com suas certezas

que você me entrega

e depois pede de volta

como num jogo de cartas

feito só de adversários

se defendendo das palavras

se ausentando dos olhares

se esquivando dos nós

 

eu não te deixo perceber

que minha derrota

não depende da sua vitória

mas do meu próprio cansaço

quando já não quero mais

suas falas que não dizem

seus olhos que fogem

suas mãos que escorregam

e partem sem razão

 

eu já não aposto minhas fichas

nas suas cartas marcadas

porque não entrego os pontos

por outro blefe seu
IMG-20150923-WA0004 foto amiga Lucas

Luciana –  não tem idade, mas escreve desde a escola, quando descobriu que voz não tem nada a ver com som. Não tem métrica, técnica ou ideologia. Não gosta de maiúsculas e acredita na escrita crua. Escreve em livro, caderno, máquina e computador. Só escreve. É só o que sabe fazer.(e atualiza, às vezes, o Monólogo da Fuga) www.facebook.com/monologodafuga

shutterstock_56188846 (1) cartas

Eu sempre gostei de jogos, mas de jogos inteligentes, jogos de tabuleiro, de cartas, os da vida não.Esses me dão tédio, são cruéis, desleais, no mínimo chatos.

Gosto do blefe das cartas, não os da vida. Os blefes nos jogos de cartas, em algum momento são revelados, de uma maneira divertida, com no máximo um grito de seis e uma carta na testa, já os da vida, quando se revelam, machucam direto no coração.

Muitos acham que é necessário blefar pra conquistar um amor, um emprego, um amigo. Eu não, tenho profunda preguiça! Gosto de paixões verdadeiras, mesmo que sejam breves, olho no olho, uma boa noite de sono, um carinho despretensioso.

A vida por si só já é um blefe, e cabe a nós decifrarmos, a cada momento, a hora de pagar pra ver, então pra que complicar? Deixo minhas dúvidas com as cartas, na vida quero as certezas…

10550086_4583002508876_7067276401928069694_o - foto Valeria

Valéria de Laet – Publicitária, atuou 20 anos na área de produção de filmes publicitários e de eventos.

Fazer aniversário é muito bom, termina um ciclo, começa outro.

No balanço do que foi, para a esperança e sonhos do que vem.

Zeca Pagodinho que me desculpe, mas esse papo de “deixa a vida me levar” não é pra mim não, prefiro escolher e ser responsável pelas minhas escolhas e caminhos, e como sinal de maturidade “prefiro ser essa metamorfose ambulante do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo”, como cantava Raul Seixas.

Abrir a cabeça sempre, não cair nas armadinhas de padrões que vendem a felicidade, como se a felicidade estivesse em uma prateleira de supermercado. O que me faz feliz? Tantas coisas e muitas, muito simples do dia a dia. Felicidade é estar feliz em ser você mesma.

Com o passar dos anos se gostarmos de sermos nós mesmos, vamos cada vez mais ficando exatamente com a nossa cara. Sim, com a nossa cara, porque vão caindo por terra, o que sempre fomos mas não mostrávamos, por medo, vergonha, timidez, por não enteder. Tudo fica mais claro e só o tempo nos traz isso, ficamos sim, cada vez mais com a nossa cara. É bom gostar da sua cara quando olhar no espelho, especialmente dos olhos, aquele que tem brilho e deve sempre continuar a brilhar.

Não tem essa, sou de tal idade e não devo mais fazer isso ou aquilo. Quer usar saia curta na idade que for? Use se sentir bem. Quer mudar de profissão depois de um tempão na mesma? Mude. Quer andar de asa delta pra superar um medo. Ok faça isso. Quer ir em um show e ficar no meio da multidão. Vá. Simplesmente vá.

Velho é quem não sonha. Tem gente com pouca idade que já nasceu velho e isso é definitvamente triste.

Use o tempo a seu favor e nunca contra, permita-se explorar sempre, permita-se experimentar novos sabores, permita-se tomar chuva de vez em quando e tomar sol – as vezes sem filtro solar. Permita-se cantar, no chuveiro, no carro, na cozinha e quem sabe em uma banda de rock se tiver vontade. Permita-se sonhar sempre e ter força e vontade para tornar o sonho realidade. Essa é a verdadeira fonte da juventude.

Sim, com o passar dos anos sabemos que menos é mais e mais é menos. Então, não da para perder esse precioso tempo, não da para procrastinar as prioridades, não da para ficar arrumando desculpas e culpados para a não ação. Ação, sim ação, hoje e sempre, em qualquer idade. Quem escolhe a vida que quer levar é o próprio autor e não os personagens. Seja de verdade e não um personagem da sua vida.  Não dominamos tudo, isso é certo, mas não é necessário dominar tudo para estar bem consigo mesmo.

Então, é hora de saber refletir, colocar na balança tudo que foi vivido até aqui e pesar se está tudo equilibrado e dentro do peso certo para cada área da vida. Se algo estiver faltando ou pesando demais é hora de mudar para equilibrar, e nunca usar como desculpa a passagem do tempo ficar conformado com o que não está bom. Reinvente-se.

Que a alma de criança me deixe sempre inquieta e me alimente novos sonhos. Desejo que nesse próximo ano começa para mim, eu veja alguma estrela cadente, faz muito tempo que não as vejo e estou com saudades, isso não posso escolher, mas aumento muito minhas chances se olhar mais para o céu.

Assim como para mim, desejo a todos que no seu próximo ano de aniversário, vejam estrelas cadentes.

Feliz aniversário!

eu desenhada por Carol

Adriana Chebabi – Bela Urbana, idealizadora do blog Belas Urbanas onde é a responsável pela autoria de todas os contos e poesias. Publicitária e empresária. Divide seu tempo entre sua agência  Modo Comunicação e Marketing  www.modo.com.br e as diversas funções que toda mulher contemporânea tem que conciliar, especialmente quando tem filhos. Aqui desenhada pela sua filha Carolina.